quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Et omnia adcientur vobis

1. Os dois discípulos de Emaús demonstravam pressa naquele dia, há pouco mais de uma hora deixaram Jerusalém e quem os visse caminhar a passos largos diriam que estavam fugindo, transidos de medo e inquietação. A semana que passou fora "osso" para eles, Judas Iscariotes, um dos apóstolos traíra o Mestre, os soldados romanos a mando dos sumos sacerdotes prenderam Jesus no Getsemani, após a flagelação, fora condenado, coroado de espinhos, depois carregou uma enorme cruz ao monte do Gólgota. É bem verdade que aconteceram coisas misteriosas quando foi crucificado entre dois ladrões na sexta- feira passada, tremores de terra, escuridão anunciaram a barbaridade daquele ato, perpetrado justamente por aqueles que deveriam revelar o Messias ao mundo.

2. Pararam sob a sombra de uma tamareira, ainda faltavam 28 estádios até Emaús e recordaram os boatos  sobre anjos, as santas mulheres, o santo sepulcro vazio  e que os apóstolos disseram ter visto o Mestre. E na confusão daqueles dias tristes, eles preferiram partir e arejar as suas cabeças. 

> Considerando que a medida romana stadium equivalia a 185 metros, multiplicando pelos 60 estádios citados no Evangelho, eles teriam pela frente quando deixaram Jerusalém, uns 11 quilômetros e meio, que à pé levariam umas 3 horas de caminhada.

3. A casa tinha caído para eles e para todos os seguidores do Mestre, e  não entendiam como um homem tão bom,justo, um profeta ungido acabara assim, morrera entre os tormentos da abjeção, e estavam assustados e viam a miragem de soldados com espadas curtas e lanças afiadas por todos os lados caçando impiedosamente quem fosse amigo do Nazareno.

4. Nenhum lugar era mais seguro e resolveram depressinha se afastar do palco da contradição. Sim, foram leais ao chefe, mas a lealdade tem limites. Até Pedro, o grande pescador tergiversou, mesmo ele cortando a orelha de Malco, num assomo de bravura, negou  três vezes ao canto do galo naquela noite drástica em que os sonhos se perderam, comentavam eles entre si.

5. Os que eles não entendiam, que os selos foram quebrados, e o seu adorável Raboni não tinha falhado na missão, pelo contrário sorvera primeiro até o último gole o cálice da paixão, resgatara a dívida original e uma nova era tivera início, a era da graça, leveza, perdão e misericórdia.

6. Cleofas e seu amigo, meio irmão, eram pessoas retas, buscavam desde jovens a justiça e ela parecia tê-los abandonado. E apressavam em esquecer este episódio tremendo de dor e confusão e pretendiam recomeçar tudo de novo e de preferência bem longe de Jerusalém.

7. E eis que o impossível acontece; a diretoria divina não abandonara um sequer de seus adeptos, Cristo vivo, ressuscitado se dignou acompanhar-lhes na jornada, se fez confidente e diretor de suas almas angustiadas, reatou-lhes a esperança e se fez conhecer ao partir do pão, tornou claro que as perspectivas anteriores não acabaram, estavam sim por começar uma nona era dedicada ao amor, a paz, a concórdia de todos os povos.

8. Deus, meus amigos, penso que no antigo testamento atrelara a abundancia de camelos, bens, riquezas, bois  e longevidade ao cumprimento da lei de Moisés. Agora para os discípulos de Emaús a realidade era bem outra, entenderam em toda extensão a obra salvífica de Cristo e que seu reino existia mesmo, e que o melhor de tudo não era deste mundo enganador e falso, mas de outra esfera, a eterna. A missão ficara patente, atravessar e ajudar outros a alcançar uma travessia segura, que se estenderia  até aos confins da terra, até ao último suspiro do ser chamado homem. 

9. Et omnia adcientur vobis, eles colheram dora em diante os acréscimos, retornaram bem depressa à Jerusalém e de tímidos, tornaram-se fortes e expansivos no apostolado e coadjuvaram os alicerces da Grande Pedra Angular e passados mais de dois mil anos, posso escrever sobre a epopéia de sangue e glória de um Homem-Deus chamado Jesus Cristo. E hoje a promessa continua viva, leve e solta para quem quiser provar de sua inefável doçura e paz.

Helder Tadeu Chaia Alvim



terça-feira, 27 de setembro de 2011

Et Justitia Eius

1. Tocamos num ponto crucial e discorrer sobre ele não é tarefa fácil, ainda mais que trata-se de uma virtude cardeal, a mais necessária, a mais transgredida em toda a história. E ela não passou despercebida dos olhos do príncipe da paz quando alertou " dai a César o que é de Cesar e a Deus , o que é de Deus. Ela rege o comportamento em face ao próximo, em face a sociedade e com Deus. 

2. Ela é de uma rara beleza, de uma admirável franqueza, uma excelente dobradiça onde giram as demais virtudes e se bem compreendida propicia à sociedade um equilíbrio fabuloso. Procurar a justiça de Deus, qual garimpeiro procura a pedra valiosa e quando encontrá-la , é hora de parar, se deter das obrigações e deixar-se ficar a contemplá-la demoradamente. 

3. Quem a achou, pode ter certeza que encontrou algo valioso para seu espírito e que o impulsionará a repartir com os demais e por mais que reparta ainda terá muito a oferecer. Ela provem da fonte eterna e sua claridade  nunca será sombreada pela ganância terrena, nem tão pouco pelo desdém dos ímpios.

4. A conquista da pátria celeste passa necessariamente por ela, pois um dia requisitou do Deus humanado um sacrifício enorme no calvário e seria uma pretensão nossa segui-lá até a última ceia, ao tabor da transfiguração, pulando a expiação exigida, Ela ficou patente na fala de Cristo aos filhos do trovão: podeis beber o meu cálice? E o sim podemos deles deixou claro a disposição da justiça até o fim.

Helder Tadeu Chaia Alvim

Regnum Dei

1. E na continuidade desta via apertada, vou falar um pouco mais sobre o tema anterior do quaerite primum - buscai em primeiro lugar o regnum dei - o reino de Deus, que mesmo não perceptível aos olhos de hoje, no entanto existe mesmo e acompanha a trajetória humana desde o in fieri até o factum est, do começo até a sua consumação.

2. Porque tratar deste tema tão esquecido e que quase ninguém dá a mínima? Vive-se como a morte não existisse, como não houvesse uma obrigação de prestar contas da administração corpórea e espiritual e chega-se no limiar da existência com as mãos literalmente vazias. É um risco muito grande, que pode acarretar à alma um sofrimento eterno.

3. Daí a necessidade de ter presente conceitos e verdades que serão excelentes coadjuvantes na jornada, que serão lenitivos nas noites frias da alma, nos percalços de pedra e espinhos, que ferem e cortam a existência impiedosamente. O Mestre dos mestres, o grande poeta dos versos perdidos dera o exemplo e palmilhou com seus apóstolos e discípulos a via, antes de acenar o caminho, "o que adiantará ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder sua alma".


4. Agora é que são elas e outras, muitos conquistaram seu quinhão, esquecidos desta máxima e se deram mal, outros conciliaram riqueza e poder com o suave e cortante evangelho de Cristo, a quem abandonou tudo, esqueceu de si mesmo e foi cuidar do semelhante em seu nome. a história do jovem rico do evangelho teria sido outra bem diferente se tivesse parado, refletido e tomado decisões na sintonia do seu grande chamado. Teria se tornado apóstolo dos gentios, a feitio de Paulo, teria acompanhado o pescador em Roma para fundar a Igreja Católica, teria viajado para terras de Espanha com Thiago, ou ancorado em Africa com Tomé?


5. Sabemos dele somente a triste citação que virou as costas à sua vocação e foi cuidar dos seus haveres, morreu um dia esquecido e com um gosto amargo das desilusões da vida, penso eu . E pensar não prejudica ninguém, e muito menos anotar o que a tinta impulsiona a título de suposição. Outros mais descolados conseguiram garantir para si a promessa, foram pregar a boa nova a muita gente, enfrentaram a morte, suaram sangue, regaram a terra inteira com uma vida ilibada e plasmaram nela a civilização cristã, que muitos frutos oferecera e oferece a todos os homens. 


6. E Jesus Cristo, o ungido do Espírito Santo, o filho bem amado do Padre Eterno manteve sua palavra que ao ser levantado no madeiro da ignomínia atrairia a si todas as coisas. No nosso tempo, descrente, cético e hedonista Ele continua disposto a ouvir, a abençoar, a propiciar através dos sacramentos o encontro com os mistérios da seiva espiritual. Sabendo que os homens passam , com suas virtudes, erros e acertos e querendo ou não cada dia que vivem se aproximam mais e mais de seu fim terreno, Ele tem pressa em sua preparação à altura do destino imortal de suas almas, e a missão continua, pois no gólgota seu sacrifício cruento não fora em vão.


Helder Tadeu Chaia Alvim



segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Quaerite primum...

1. Procurai, será uma busca incessante na sua jornada terrestre, quando os sinais de fadiga molharem seu rosto de suor, lembre-se que o objeto é valioso, o fim tornará seus dias revestidos de doçura para sempre, quando os percalços do caminho atravancarem sua existência, arme-se de coragem indômita, reúna suas derradeiras energias e focalize a promessa: "Procurai em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça e o resto lhe será dado por acréscimo." A saúde, a vida longa, a riqueza, o bem estar serão acréscimos, tão somente um prazo mais esticado para se preparar melhor, o fim há de chegar para cada um de nós, daí a preparação, daí a busca incessante pela verdade que as traças e os ladrões não sói abocanhar para si e seus intentos perversos.

2. Assim aconteceu na primeira era do cristianismo e Taylor Caldwell descreve o momento como o jovem Lucas, depois um dos evangelistas, médico, santo, uma das estrelas de brilho diáfano da primeira e grande era cristã, como ele antevia os novos rumos de uma sociedade decadente, "...uma inquietação e um pressentimento feriam o ar, ... a voz do rio, demasiado próxima, conversava alta e agitadamente com o céu ...o perfume de jasmins parecia-se ao odor dos lírios brancos das margens do Lete, dominando e anestesiando os sentidos." ( ver Médico de Homens e Almas - Taylor Caldwell, Editora  Record 2002 , pág. 144 e 147).

3. A salvação da alma, foi o objeto da Redenção Salvífica de Cristo. O céu havia se fechado para os homens, só um Deus humanado poderia oferecer e reparação devida, resgatar a grande dívida do pecado original e povoar o lugar dos anjos decaídos. Daí a razão precisa do sacrifício do Gólgota, o resto serão especulações infundadas e conjeturas sem base na verdade cruenta, envolvida de mistério e dor.

4.  A proposta desta postagem é afirmar que cada ser humano tem a medida certa para alcançar após sua morte a glória eterna, se fará o esfôrço necessário da ascese, são outros quinhentos que não posso detalhar o âmago do livre e solto arbítrio. A notícia para cada um vem na hora derradeira do juízo particular, cabível somente a Deus e  ao seu tribunal de justiça e misericórdia.

5.  Palavras estranhas, numa ensolarada e fria tarde de primavera, início da semana, com o brasileirão nas portas das semi-finais e o poeta endoidecendo de vez!  Essa não! poderá exclamar algum amigo desavisado dos intentos destas rimas mínimas. Vou entender e aguardar os rumores tranquilos da graça divina soprar em sua alma uma dádiva singular e a realidade  tornar-se clara e compatível com sua alma imortal.

6. Se a uns é facultado a fortuna, a aptidão comercial, a situação confortável na sociedade, a outros o caminho das pedras, todos com o talento necessário para alcançar seus fins espirituais com certa folga e gosto pensado. O problema que a vida atual erigiu suas bases em terreno duvidoso, no desequilíbrio psicológico, no hedonismo  desvairado e a grana fala mais alto que mil rezas do canto coral.


7. Se tudo puxa para baixo pactuando com o relativismo, quase ninguém vai se lembrar do seu fim último, que pode colher cada um de nós, de calças curtas e aí que serão elas. O perigo dentre a tantas formas de religião é atrelar seu sucesso financeiro ao querer divino e pagar para isso acontecer. Não fora Cristo que expulsara os vendilhões do Templo de Jerusalém? Opa, o assunto está começando a ficar atual e já vimos o filme rodar trocentas vezes e segue este caminho quem quer, não é mesmo? 


8. Quaerite primum -procurai primeiro o reino de Deus e sua justiça é uma forma de demonstrar sabedoria e não ficar esperando de Deus milagres financeiros , esta não é sua proposta de eternidade conforme o ensinamento evangelho claro e insofismável. Se ele nos tempos bíblicos do antigo testamento tinha uma atitude foi por causa da dureza de  coração  do povo escolhido. Hoje o toma lá, dá cá não vale, e a máxima é cristalina: " De que adianta o homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder sua alma."


Helder Tadeu Chaia Alvim

Na era dos neutrinos e do kepler 16-b

1. Conforme li na secção notícias-terra.com.br/ciencia/ultimasnoticias, "Cientistas do CERN - Centro Europeu de Investigação Nuclear, afirmam ter registrado partículas subatômicas capazes de viajar mais  rapidamente que a velocidade da Luz"..."De acordo com a física padrão é impossível que algo seja mais veloz que a luz. Mas os pesquisadores do CERN afirmam que os neutrinos- uma das partículas menos compreendidas da física - são capazes de ultrapassar a barreira dos 299.792 km por segundo."

2. Conforme citei com base no que li do provedor Terra: "... A informação foi dada pelo CNRS - Centro Francês de Pesquisas Científicas, que dá conta da experiência realizada desde a instalação do CEM em Genebra, com o lançamento de neutrinos, partículas subatômicas, disparadas em direção a um laboratório italiano a 730 km de distância.

3. Definitivamente, a ciência corrobora a sagrada escritura, quando no livro do gênesis, o mais antigo registro da história humana, se lê o preceito divino. Lá está claro a trajetória humana, onde a inteligência iria se desenvolver com o passar dos séculos até os dias atuais e não vai para por aí: " Crescei-vos e multiplicai-vos e povoem a Terra." Todos os elementos foram obra do criador, cabe aos homens se debruçarem sobre eles e decifrá-los corretamente e com seu livre arbítrio destiná-los para o bem ou para o mal.  

4. O próprio universo a par de sua imensidão sideral teve seus limites delimitados pela sabedoria incriada  e ao que parece ser infinito, não é e se expande ainda na sua finitude peculiar, e na amplidão extensa de seus astros surge anunciado pela Agência Espacial Americana a descoberta de um planeta que orbita ao redor de dois sóis - conf. abaixo a matéria do Diário do Comércio 12 -Logo de 16/09/2011: Na órbita de dois sóis

5. "... os cientistas conheciam a existência de planetas circumbinários, mas esta é a primeira vez que conseguiram captar o movimento de um deles. A descoberta foi alcançada graças às imagens do telescópio espacial Kepler. O novo planeta, que se chamará Kepler 16-B, tem densidade superior à média e viaja em uma órbita quase circular de 229 dias ao redor de sua duas estrêlas. Cada um dos sóis tem órbita de22 dias.""

6. E continua:"... O planeta e suas estrelas estão a 220 anos-luz do Sol, na constelação de Cisne. Um dos sóis possui 20% e o outro, 69% da massa e do tamanho de nosso sol. Já a massa do planeta corresponde a 105 vezes a da Terra, ou um terço da de Júpiter. Seu tamanho é semelhante ao de Saturno. O movimento de Kepler 16-B pode ser visto em um vídeo no site da Nasa, no link ao lado: htpp://1.usa.gov/oQLE5q "

7. Boas notícias, são e sopram uma lufada de ar fresco no panorama atual, carregado de insinuações nada otimistas, no panorama ofuscado e preocupante, de intempéries climáticas, catástrofes, violências e o péssimo corrompendo o bom e alardeando suas conquistas inócuas ao conjunto da humanidade.

8. O firmamento e os elementos conspiram a favor de uma era evoluída onde muitas respostas serão respondidas, apesar da pequenez e limitação da mente humana, que tateia entre as possíveis descobertas não reveladas, tem-se um caminho longo pela frente desafiando os cientistas, aguçando suas meritórias pesquisas " e se Deus não muda o coração ele muda as circunstâncias." Para lá rumamos...

Helder Tadeu Chaia Alvim 

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

O anidrido carbônico e O mais na frente...

1. Os dois Ós acima são relevantes ao meu ver e tem que serem levados em alta consideração, um está já velho e cansado de tanto soltar baforadas de fumaça no ambiente todo, o outro ainda não nasceu e já encontra-se ameaçado pelos tufões de combustíveis fósseis que o seu parente despeja em toda a parte em que seus pés redondos possam alcançar alterando todo o ciclo natural e arrastando atrás de si as mudanças climáticas atuais para níveis inaceitáveis. 

2. A cidade de São Paulo, figura como a maior metrópole da America Latina, a maior em grandeza econômica e a mais poluída pelo CO2  dentre as capitais brasileiras. Com uma frota invejável de veículos auto motores é cobiçada como o centro das atenções da industria automobilística nacional e lá de fora. Montadoras e concessionárias disputam seus espaços aferradamente oferecendo veículos de todas as marcas, tem para todos os gostos e bolsos dos fregueses.


3. Uma cidade dotada de gente inteligente, esforçada e batalhadora, uma nação dentro sua própria pátria, uma terra que fora palmilhada pela têmpera rude dos desbravadores, pela suave e santa presença de Nóbrega e Anchieta, berço do Santo Frei Antonio  S'antana Galvão. São Paulo acolhe a todos indistintamente e até hoje oferece campo de trabalho e perspectiva melhor de vida  para todos quanto aqui chegam e são eleitos seus filhos adotivos ou agregados.


4.  Era de se esperar, dado seu alto conhecimento da situação do aquecimento global, que ela fosse a primeira a erguer bem alto a causa do planeta sustentável e procurasse, com a tecnologia de ponta que detém, acampar, emplacar totalmente o movimento mundial de "um dia sem carro", para incentivar esta cultura e a começar a criar condições mais arejadas para o seu povo, que tanto ama e quer bem.   


5. Infelizmente, não foi o que assistimos ontem, o dia passou igual aos outros,a CETESB apontando as condições do ar, a CET pontuando quilômetros de lentidão, os pilotos das máquinas tendo que se  armar de paciência no andar e parar do tráfego, intermináveis, a atenção à flor da pele e a felicidade de situação escapando das mãos calejadas a procura do bem estar a qualquer preço.


6. Eu não dirijo, não tenho carro e me utilizo do transporte coletivo, sei bem o sufoco que é isso na pele todos os dias e o que se esperava não aconteceu, São Paulo de tantas batalhas, já cansada e extenuada não aderiu completamente "um dia sem carro" e sinalizou postar-se nas antípodas de outros países e cidades comprometidas com o cerne gravitacional da situação atual.


7. Pude observar ontem no centro da cidade, na consolação, paulista, rebouças,  uma mostra do trânsito nervoso com motoristas displicentes avançando a faixa, queimando o petróleo, o que significou mais toneladas de CO2 na atmosfera, quem tem automóvel vai continuar a rodar, quem não tem vai arranjar um jeito de comprar, pois a cultura da chave na mão emplacou definitivamente em solo bandeirante. está no subconsciente de todas as camadas da população, este meio de transporte tornou-se um bem em si, a máquina suplantou o ser...


8. Vencer as distância à pé ou de bicicleta parece fora de cogitação, poucos se aventuram a este meio simples e saudável de locomoção e por mais que queiramos, o sonho das ciclovias fica distante, por mais que ansiemos  as pedaladas solidárias parecem coisas de cinema de ficção, ou flanações de poetas e empiristas locais.


9. Enfim, é do conhecimento geral que a cultura das 4 ou 2 rodas emplacou, graças à propaganda elaborada, se consolidou no psicológico das pessoas e acendeu no seus corações o desejo incontido de possuir o poizé de qualquer maneira, a cultura da gasolina sustenta o consumo entre nós e os nós intrincados estão sendo tecidos e mais na frente quem vai se aventurar a desatá-los? Se o planeta Terra suportar as suturas do CO2.


Helder Tadeu Chaia Alvim 

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Na era da emissão zero -" o projeto ZEHST"

1. Sou leitor assíduo do Jornal Diário do Comércio, aliás um cotidiano de primeira linha, sempre plugado nas novidades da ciência, sempre preocupado em informar bem. Conta com um corpo editorial à altura de nosso século e procura no alcance de sua veiculação trazer a última notícia, embasada sempre em informações sérias e   pesquisas bem fundadas. 


2. Não se trata de incensar em demasiado o citado Jornal, nem sou assinante do mesmo, leio de terceira mão, pois chega no escritório, a diretoria lê, depois os suportes financeiros o folheiam e no fim do dia recolho o exemplar , levo para casa e separo os tópicos que interessam a este blog. Foi o caso deste assunto "hipersônico" de hoje que foi publicado em 18,19 e 20/06/2011 na secção Logo pág. 14. ok!


3. A matéria é colossal e traz uma boa notícia que " poderemos viajar em 2020 de "Paris a Tóquio em 150 minutos" não se espantem pois é verdade " ... o avião está sendo desenvolvido em cooperação com o Japão e poderia carregar até cem passageiros." A iniciativa da fabricante Airbus utiliza pesquisa realizada pelo braço espacial da EADS, Austrium, afirma a reportagem. " o Projeto chamado de Zehst, sigla em Inglês para transporte de alta velocidade, com emissão zero, se dá no momento em que companhias como a Virgin tem planos de levar turistas em vôos espaciais." 

4. A alma da gente deve ser hiper sensível a estas notícias boas, uma vez que o destino dela se afunila para o caos generalizado, para o ceticismo enraizado, estes avanços revelarão saídas para a humanidade com classe e desenvoltura, aliada a paz universal, a harmonia das raças, uma era sem fronteiras, sem ódios e outras desgraças anunciadas.

5. A torneira inesgotável deve fluir um líquido sustentável para regar a seiva e enrijecer os braços cansados dos homens, envolvidos em tantas guerras e conflitos, aquecer seu espírito indomável. Por esta razão quando os cientistas se debruçam em prol de soluções e mecanismos abrangentes, devemos estar esperançados que o futuro ainda devolva a solidariedade roubada por séculos de desencontros e ambições desvairadas.

Helder Tadeu Chaia Alvim
Poeta Minimalista

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

A primavera e a robótica em ascensão

1. A o iniciar este assunto, já passam das 23.00 horas, e ouço um vozerio na rua ao lado. É alegre, expansivo e procurei entender porque, não foi difícil, sim é  o início primavera, dia e noite equinociais e a moçada resolveu comemorar a estação do reflorescimento da fauna e flora enquanto é tempo, do jeito que a coisa caminha, seu Pedro Vaz vai ter que rever suas belas visões de brasis, aqui a poluição tomou conta dos rios e mentes alheias, a corrupção degenerou ideais primevos e daqui tá tudo realmente diferente, diferindo daquele Brasil inocente da era antiga.

2. Com a temperatura amena o convite ao copo cheio, às conversas deliciosas, não se fizeram de rogados e o amigos procuraram se encontrar para dividir o pouco de sonho que lhes restou. Posso imaginar a cena, depois do terceiro trago, a cabeça trabalha veloz, as palavras tornam-se lentas e um assomo louco de perspectivas boas ensaiam aparecer. 

3. As horas escoam rápido, fechada a conta, reviram os bolsos e agradecem ao garçom a última preza e dispõem-se   voltar para casa, no outro dia, pensam, o serviço os aguarda, ansioso, para despejar  encargos, compromissos que se alongarão até sexta-feira.

4.  A pausa fora reconfortante e prazerosa, no entanto os bites continuam em velocidade máxima, confundindo as mentes, introduzindo uma quantidade imensa de informações, que ora novas, depois ultrapassadas vão de nano em nano rescrevendo a hegemonia quântica global.

5. E em um esforço inaudito aqueles amigos do copo voltarão a se encontrar para plasmar idéias originais, alongar os fatos e resistir à sanha terrível da robótica, no intervalo de uns instantes lúcidos na mesa de bar.

6. No outro dia a cidade amanhecerá totalmente mecanizada, e na sua correria artificial, parece ter pressa, parece esquecer o calor, parece não querer as estações certas, parece não ter coração, parece não querer aderir ao movimento "um dia sem carro", parece que padece de um mal que a automatiza a cada segundo, coitada!

Helder Tadeu Chaia Alvim 

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Na era terabit

1. Data da notícia, mas de tanto correr atrás do nada, acabei perdendo o rascunho, que viera a encontrá-lo por acaso hoje e coincidiu com o tema proposto. Todos demonstram pressa, eu também, não sei bem porque bem ao certo, virou um segunda natureza da época atual, ninguém está imune da correria, gostamos dela, nos faz sentir úteis, corremos desde manhã cedo até as horas tardias da noite, ainda mais que a capital paulista tende a não parar mais. Adentramos inevitavelmente na era da "Informação ultrarrápida ", conforme noticia o Diário do Comércio na secção Logo de 24/052011. Tinha feito a anotação na data da notícia, mas de tanto correr acabei perdendo-a. Ao encontrá-la hoje por acaso entre uns papéis no escritório veio a coincidir com tema proposto e estou citando a fonte da preciosidade para os créditos devidos à matéria publicada pelo inteligente Jornal. Tinha feito esta anotação na esperança de postá-la logo e por isso vou citar a fonte da preciosidade...

2. " Cientistas do instituto tecnológico de Karlsruhe, no sudoeste da Alemanha, anunciaram ontem -  no dia 23/05 p.p-  que quebraram o recorde mundial de velocidade de envio de dados. Eles conseguiram enviar 26 terabits de dados - o equivalente a 700 DVDs - em um segundo. Os dados foram enviados para para uma distancia de 50 quilômetros. Este é o maior volume de dados já transportados por um único feixe de raio laser. "

3. "Construimos um processador óptico que lê os dados e os transforma em um sinal luminoso, uma vez no destino, um segundo processador lê o sinal", exemplificou o professor Jürg Leuthold. " É mais um passo no caminho para a denominada internet-terabit, uma rede de redes na qual é  possível a transmissão de uma enorme quantidade de dados a uma grande velocidade.".

4. Vemos que para todo lado tem-se pressa na comunicação, para que tudo isto vai servir? Não me pergunte, pois tenho dúvidas, o fato que estes avanços são estupendos, que deixaria Heinstein boquiaberto e nós também, os raios que ligam as velocidades dos tablets lifes são impressionantes, e é de se esperar que avance propulsionando o bem para melhorar a condição de vida de todos e não afundar ainda mais a humanidade no mal.

5. As conquistas de hoje passaram pelas mãos dos lentes da antiguidade, que in fieri vislumbraram um tempo futuro altamente evoluído e quiseram fossem para beneficiar o mundo, mas tanta velocidade pode tirar os trens dos trilhos e arremessá-los no caos sem volta. O perigo encontra-se na própria força dos elementos,que manuseados indevidamente poderão se transformar em agentes desagregadores dos seus próprios nióbios quânticos.

Helder Tadeu Chaia Alvim

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Horas livres....

1.Ah!  Horas livres, como é agradável tê-las e usufruir de sua leveza, o mais das vezes vivemos em horas presas, à agenda do serviço, aos compromissos que nos arranjam, e o tempo vai passando e no fim do dia a frustração chega, com a sensação de ter perdido uma parte de nós. Então o que nos consola é parar diante do papel em branco e começar a conversar com a caneta e juntos os três, dar a continuidade interrompida e versar à procura de outra espécie de vida: a bio poesia, aquela que sói espalhar a paz, a grandeza dos pequenos atos, a conversa amena, a saudade do mundo bom, a bem querença a esparzir seus tons coloridos da bonança sem condições outras a não ser a amplidão de horizontes puros, sem o perfeccionismo, sem a badalação que envolve as tardes das ruas paulistanas.

2. Hoje é isso, escrever sem rumo definido, só escrever e tentar brincar com as palavras, tive a certeza da minimalidade, quando percebi que prosei 275 poemas, ou escrevi para mim ou para um punhado de amigos, que pacientemente brogam e sorriem do que digo. Mas esta bem assim, não entender completamente o sentido da existência é o destino dos mortais- "os anjos e santos" uma fração módica; a Deus pertence a sabedoria plena, e se colhermos alguns raios de sua bondade, já nos daríamos por satisfeitos, dado a pequenez da mente humana diante da beleza do mundo empíreo.

3. A vassoura varre a poeira, a peneira segura as pedrinhas, a areia escoa para o ralo e mesmo assim o estalo não acorda o displicente homem contemporâneo, estribado em seu conhecimento enciclopédico e virtual, dorme incauto, em sua confortável cama de pregos, que ele construiu, descartando de vez a alma e suas noções transcendentais, e na sua pressa consumiu a matéria e voltou a dormir um sono pesado na sua vida sem propósito específico. Nada parece o assustar, nada o encanta, nada o aborrece, nada mais interrompe seu descanso permissivo. 

4. Nada é afirmação pessoal, tudo é o que vejo. O que fazer? O que pensar? Se o ciso encontra-se avariado. Quando ele acordar vai caminhar, assistir a novela, passear no shopping, folhear na banca os jornais do dia, conversar por conversar com algum conhecido e depois voltar a dormir e acordar no outro dia para almoçar.

5. Por coincidência no outro dia é feriado e ele, posso imaginar vai enrolar um papo cedo na padaria, depois voltar para casa calçar o tênis e ir para o Pacaembu assistir Santos x Penharol. Não sei se ele torce para o Flamengo ou Fluminense, se gosta de café no coador, se curte emboladas, se é vegetariano, se degusta uma  fatia de queijo ao sabor, se lembrou que é dia Santo, do Cristo na Hóstia Consagrada, se vai acompanhar a procissão, se vai lembrar de rezar pedindo paz, se é capaz de ser solidário, se acredita no Deus Clemente. Uma certeza tenho, que terminei este texto com a ajuda da caneta companheira e a anuência do bloco de papel e agradeço a você ter me acompanhado e julgado este texto desconexo.

Helder Tadeu Chaia Alvim

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Na era dos biohackers

1. Achei interessante a matéria de Paulo Brito - um brilhante jornalista graduado em Economia e Mestre em Comunicação e Semiótica - constando no Diário do Comércio - p. 3, secção Opinião de 21/06/2011.Cito alguns tópicos à guiza de compreensão desta postagem "... a enorme quantidade de informações disponível sobre genética já fez os biólogos perceberem que há uma grande similaridade entre os programas de computador e a organização dos genes. O que todos eles, sejam profissionais ou amadores fazem agora, é mexer no código. Eles conseguem alterar o software da vida."

2. Vamos parar um pouco nossa rotina e refletir nos riscos e facilidades de disseminar em biotecnologia virus e uma porção de coisas deletérias contra a humanidade. O caminho do bem é estreito e íngreme, para trilhá-lo corretamente é necessário esfôrço, abnegação e renuncia, até das alegrias sadias da vida. Agora quem se filia à irmandade do mal, corre solto, encontra tempo e condições financeiras para disseminar suas proposições em escala global. E deixa em sua ações de intolerância racial, religiosa, política e étnica, transparecer suas intenções últimas ou seja a derrocada completa da civilização e da ordem mundial para instaurar em seu lugar um outro estado de situação.

3. Constata-se que o prejuízo à harmonia universal é incalculável e irreversível. A resposta cabal contra esta onda que começou a colocar as garras de fora a partir do 11 de setembro é patente. Dado a corrida sem freio da microeletrônica tudo é possível e passível de manipulação.

4. E continuo na citação do preclaro doutor Paulo Brito: "... A suposição dos biohackers é a de que um aumento exponencial de um número de pesquisas e de pesquisadores( e curiosos ) pode encurtar o tempo que se leva a ter resultados relevantes. E que eles podem inventar uma porção de coisas úteis no transcorrer de sua experiências." 


5. "... Pode ser que a ciência nunca consiga criar uma nova bactéria ou um vírus como os que causam doenças, que levaram bilhões de anos em recombinações. Mesmo assim o governo americano acha que os próximos grandes ataques  terroristas serão feitos com biotecnologia. Nesse caso os criminosos não precisarão de ferramentas de última geração - os males já existem prontos na natureza e aprender a multiplicá-los não exige nem um diploma de mestrado."


6. Desde a programação Clipper avançou-se muito e quase tudo está subjugado à tela do computador, temos à mão todas as informações e passamos a maior parte do tempo endeusando esta ferramenta de alto poder cibernético. Chegará o dia em que ela captará as energias dos astros e se não for bem direcionada será um Deus nos acuda literalmente.

7. Existe um lado tenebroso de tudo isto e que nos ronda 24 hs. e a sonda do bem precisa estar atenta e vigilante, o que não acontece pois a comunicação em rede trouxe muitas facilidades e pouco esfôrço e a reverenciamos a cada novo passo que avança e nem damos conta que poderá ser para o abismo e extinção da raça humana e a implantação da era da máquina, meio homem, meio cyber.

8. A inteligência humana descobriu os segredos da criação e está aprendendo a manuseá-lo. Só que às vezes se comporta qual criança, às vezes qual adulto consciente, o mais das vezes qual louco desvairado. Esta tecnologia que está despontando tem ainda muito a oferecer para o bem ou para o mal da humanidade, dependerá da postura ou de que lado vai ficar.

9. Pode ser, apenas conjunturas, que uma era de compensações boas surja na curva da estrada, pode ser que a tecnologia salve o planeta, que o coração humano caia na verdadeira real da vida ou, ou que a capacidade de ações abrangentes seja minada por vírus corrosivos e a direção do leme automaticamente tome a rota do abismo colossal.Tudo é possível tendo em vista a manipulação altamente definida dos nióbios e a poderosa opção do  solto e  livre arbítrio.

10. A conjuntura atual, atrelada a não observância do decálogo, tende a enveredar pelas camadas obscuras do conhecimento, a usufruir as benesses tecnológicas e a esquecer do princípio da sabedoria que é o temor de Deus e a observância das leis naturais e espirituais. Tudo é permitido, tudo é alcançado, tudo está ao alcance do consumo a qualquer hora, basta um simples clique e toca-se no universo virtual. Para que esta história de céu e inferno? Se estão construindo o paraiso  aqui! Coitada da alma, se acha esquecida e não aquecida e a matéria ainda por cima predomina e suga sua última seiva regeneradora.

11. A inquietude humana, apesar da aparente abastança e progresso não dá tréguas e seus sensores sinalizam  a fragilidade e a fugacidade da vida terrena e sente saudades dos sabores das verdades eternas, aquelas pelas quais  Cristo dera a vida no gólgota salvífico. E quando adentrar no vagão de sua última viagem talvez se lembre deste poeta e sua asserções insistentes.

12. Não vou negar a declaração de Sócrates que desejar o mínimo possível é fazer aproximação de Deus, vou ponderar e levar em consideração, tendo em vista que o Filho do Homem, que possuía todos os tesouros e conhecimento onisciente dos elementos reservara para si e os seus apóstolos, uma pedra para encostar sua cabeça, uma túnica inconsútil, tecida pela Virgem Mãe e as ardentes tardes da Galileia para sua    pregação.

13. No mais  é conversa alongada, com o risco de enlear-se na síndrome de peter pan ou no determinismo, o mais é correr ligeiro em busca dos acréscimos, esquecendo-se do principal.
Helder Chaia Alvim

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

A grande incógnita

1. Mais uma vez estamos aqui, com a graça de Deus, registrando algo que nos proporciona satisfação, a tampa da misericórdia divina aberta e pronta em obsequiar a todos quantos dela se aproximem, à espera definida, de soslaio se misturando com a solidão, tendo em vista alcançar a inspiração, cada dia que amanhece estamos nos ligando aos destinos últimos de nossa raça finita. E nesta corrida decisiva, só olhamos à nossa volta sem provar do veneno mortal que nos rodeia em polvorosa.

2. E a lua tava lá em 15/06/2011, aguardando o encontro sublimado, o desejo febricitante do fenômeno programado pela primeira vez este ano.A  umbra no satélite, totalmente eclipsado, advirá à penumbra alaranjada, com tons avermelhados, que espetáculo fantástico que celebrará a grandeza do Criador, as belezas que existem, apreciadas ou não, nos transportam para um campo de total pulcritude e infinitude do espírito.

3. Nunca vamos entender a fundo esta dança dos astros, este mistério que envolve, a terra, a lua  e a claridade do sol. Parece que esta é a intenção do autor eterno, se aprouve criar as penumbras, os ocasos, as nascimentos, foi certamente para desenvolver em nossa mente o desejo do imutável.

4. E a reunião dos astros se deu com a solenidade envolvente de sempre. E assistimos seu encontyro, com São Jorge  ausente, perseguindo o dragão em outra parte do universo, a lua por um momento não enxerga o sol, a terra se interpõe e confidencia suas preocupações, a lua solícita a anima, e diz baixinho à irmã terra alguma premonição que a cabeça humana não consegue captar.

5. O que foi falado entre elas, o sol parece desconhecer, mas na sua poderosa fôrça de iluminação, esboça um   sorriso e continua sua trajetória no espaço sideral. Nós só vamos compreender um pouco aguardando as estações.

Helder Tadeu Chaia Alvim

terça-feira, 6 de setembro de 2011

' Zerano '

1. A disposição de escrever requer do postulante ao cargo certo esforço e concentração, pausa e respiração, requer soltar o ar devagar na contemplação, em seguida mirar um ponto no infinito e esperar bater a inspiração. É bom também andar, andar despreocupado, observar, observar... Não tem mistério, quando sentir chegar aquele movimento das divas, alegre-se muito. Caneta e papel na mão e  o resto é consigo, amigo, caçador das rimas perdidas.

2. Mesmo ao léu, mesmo sem chapéu 'zerano' à esquerda, ousando desafinar o esquema e sair ileso das dez cachoeiras. É um exercício altamente prazeroso o de criar versos, mimá-los um bom tempo para depois fazê-los conhecer a luz do dia, as telas leds do universo online e na humildade engrandecê-los com conceitos claros.

3. Os árabes inventaram os números, povo comerciante, viram lá atrás a necessidade de contabilizar o montante exato de suas transações comerciais e como foram bons, muito bons na aritmética  a extensão de seu conhecimento espalhou-se pelo mundo beneficiando as permutas e simplificando as ações dos negócios.Aqui chegamos onde queria chegar, pois o número zero - dependendo da posição utilizada à esquerda, um tom sem valor, à direita demonstra cifras precisas. As rimas mínimas também necessitam dele em sua pesquisas, para retornar ao assunto do começo, estabelecer razões para não se estender às proporções quilométricas.

4. Pulo para outro patamar, aquele que me oferece um gosto pensado. Se alguém ler e aprovar, vai um agradecimento antecipado. Se o clique de pesquisa não preencher o requisito, pelo menos vão saber que existe alguém que acredita na vida e espera de Deus que a conciliação da raça humana aconteça um dia com a completa restauração do mundo bom das certezas, que virá para cumprir os planos do Criador, segundo os arcanos, uma era factível, de luz, cor e vida como nunca foi vista dantes.

5. Antes de surgir esta narração queimei as pestanas para apresentar o que de melhor pudesse ao caro leitor, conferi os tópicos, a ideia central, aparei o que estava sobrando, acrescentei o valor elemento humano e ficou deste jeito.Vou encerrar por hoje, antes de virar um calhamaço, antes do cansaço bater, antes que estes versos adormeçam no compasso de espera, antes que amanheça o mormaço de estréia.

6. Quando eles chegarem ao seu destino para desenrolar o pergaminho e costurar num ponto só, após os ajustes necessários estarão impecáveis para o grande baile de inauguração do mundo bom. Na hipótese de ele não chegar, outros começarão de novo, tudo diferente, do zero tudo novamente. O que precisamos levar em conta é que existe um destino eterno para todos os homens, e isso é o que no final conta!

Helder Tadeu Chaia Alvim



segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Ao enfunar das velas

1. Você já sonhou sonhos estranhos? Eu já! 'Ostro dia' aconteceu de novo e perdurou uma semana inteira me catucando, por isso resolvi tornar pública as impressões deixadas, sem querer afirmar seu conteúdo, pois sonhos são sonhos e deixam quase tudo na penumbra sem explicações. Se a Sagrada Escritura afirma que chegaria um dia que os jovens teriam esta espécie de revelação, fica a pergunta para quem possa responder...

2. Neste caso em particular por se tratar de uma página de poesia, o crédito ou não devido ficará a cargo do caro leitor bem como a ampla liberdade de opinar. Vou entender as críticas ou observações e na medida da minha capacidade de intelecção responde-las pontualmente, prometo. Vou agora começar a tanger na bigorna da mente assuntando sua viabilidade em forma de estrofes, esforçando-me para reproduzir as palavras auferidas nas noites frias mas não menos vazias de sentido, em que o estado-da-arte começa a conflitar com os rumos tortos da nave terra.

3. Muita gente pasma, enxerguei, muita gente rezando, muita gente solitária, muita gente letrada, muita gente solidária, muita gente transpondo os umbrais da  sua última viagem, muita gente à margem da civilização, sem seus nomes conhecidos, comendo a rapa da panela num canto obscuro e sombrio.Muita gente pirada, muita gente à caça do consenso errado, muita gente defenestrada, sem posição definida, muita gente sensata confabulando preocupações, muita gente sentada na soleira de suas ilusões, muita gente lendo, compondo, cantando suas canções, muita gente escrevendo uma escrita inteligível aos não iniciados em suas averiguações.

4. E as noites continuaram sem parar despejando em minha cabeça seus insinuantes fantasmas de outro mundo e vi bilhões de gente nos quatro continentes, rodeadas de 75% de água, das quais 1/3 poluídas de uma enzima fétido e pegajoso, e elas estavam apreensivas a espera inconsciente de uma era de luz que sobrepujasse às trevas ininterruptas que as rodeavam. Nos laboratórios as rãs manipulavam as fórmulas das equações constitutivas para disseminarem o escoamento populacional.

5. E a caminhada insólita continua, nas nulas ruas de idéias nulas, de repente sopra um vento avassalador e vai levando tudo a eito por horas seguidas, uma tempestade se avizinha e chove morna sem molhar a terra ressequida. O fluxograma zera tudo, latitude, longitude, altitude e aquela gente de meus sonhos se vê completamente sem atitude. Os poucos que puderam se safar correram para o mar e viram a bom bordo a borrasca se aproximar, os valorosos grumetes arcanos recolheram as velas, a estibordo o impacto quebrou os mastros,oka! O assobio da 2ª ventania trouxe o maremoto colossal. Então acordei sobressaltado, ufa! esta foi por pouco!

6. Depois voltei a dormir! Para que... ao lado muita gente acessando ipods,outlouks, macthous globalizados, longe de tudo, tudo harmonizado, próximo, tocando a mão no destino do  caos. Percebi que a mola mestra escapuliu, levando consigo a parafuseta da fôrça  estática e as frações volumétricas das estatísticas. Aquele impacto fez com que vazasse, em proporções gigantescas o fluído do cabeçote emperrando a engrenagem e tirando do prumo o ângulo do motor.

7. Alternada a velocidade a marcha lenta desacelerou e a partida artificial não deu conta do movimento e tudo voltou ao estado-de-arte e toda aquela gente não compreendeu. Raiou em toda a parte a consternação. As fôrças embravecidas dos átomos assumiram a direção quântica. As noites, os dias , as tardes , as manhãs tornaram interdimensionais e intermináveis. S e sonho me visitar vou ver se consigo prosseguir... e zerar o assunto.

8. Do lado daqui as fábulas brasileiras teimaram em persistir sem as pertinências de La Fontaine,sem as ilustrações do saudoso Torquato Alvim e aquela fôrça brutal continuou e continuou  batendo em batentes sem exemplificá-las. Elas resistiram rotulando emblemas conceituais, manipulando a realidade ao sopro dos acontecimentos, cuidando de não encarar o panorama que avistaram para não assumirem a solução proposta.

9. Deixo claro que neste contexto de sonho e realidade não consegui discernir  bem um e outra. E em determinado momento a manobra arriscada dos arcanos dera certo, reativando os sensores da população e a grande fôrça aliada dos bites solidários restaurou a era do equilíbrio global e começaram a enxergar além das quatro paredes de concreto e viram um  mundo novo a ser construido desde os alicerces.

10. A mente, agora ajuizada, da humanidade, após os dias tremendos de provação aprendeu a lição e voltou ao controle da situação. A ela, segundo pude ver nas anotações dos arcanos, foi dado mais um tempo, mais uma chance de navegação. A ela foi dado uma nova missão de espalhar a harmonia, a verdadeira paz, que emanam do Deus vivo. A ela foi dado gerar versos e oferecê-los de uma vez  à boca ressequida daqueles que sobreviveram aos tempos difíceis.

11. À calmaria, antes absurda, sobreveio um vento benfazejo, as velas foram alçadas no mais alto possível com o emblema do mundo bom. Percorrida milhares de milhas marítimas, uma manhã de sol o marujo gritou: temos Terra à frente... O capitão acenou e iniciou o hino de louvor: "Te Deo Laudamus e todos repetira genuflexos: Te Dominum confitemur... E uma salva, duas, mil se fizeram ouvir.

12. Acordei diferente, fui a sacada respirar e sentir o sopro da brisa suave. Não veio, olhei em volta, realmente tinha sido sonho mesmo, lá na avenida o trânsito continuava veloz....

Helder Chaia Alvim


quinta-feira, 1 de setembro de 2011

A solidão jateada

a solidão jateada

1. Hoje vou fazer um poema ou melhor dedicar umas linhas sobre a solidão. São Paulo tem mais de onze milhões de habitantes, figura como uma metrópole extensa, barulhenta e cheia de contrastes, cada bairro é um mundo à parte e nesta ciranda de gente que vai e vem muitos estão sozinhos, quer os parentes próximos estão longe, ou mesmo não tem família, quer aposentados, mesmo trabalhando, o fato é que se sentem solitários e a saudade aperta, mais por ocasião das festas e feriados prolongados, aí o bicho pega. Muitas vezes não tem com quem dividir seus anseios, pensamentos, suas experiências ricas de vida.

2. O tempo, no meu caso passou, e passa indistintamente para todos e bate aquele vazio, que nada completa exatamente, se ligamos a televisão lá vem uma montoeira  de informações, tragédias e violências que os programas sensacionalistas veiculam indistintamente, um prato e tanto, insípido e não palatável. Se você se dispõe a dar um giro pela rua, ela não é mais segura, o trânsito emperra os ânimos, o jeito e se isolar em casa e se sentir descasalado da realidade.

3. Eu já me senti assim e resolvi de uma forma simples, fui rever anotações, na imaginação voltei às origens interioranas, me vi criança, à beira do riacho Novo Horizonte, galopando o alazão fumaça, escalando as grimpas da  serra da baleia, gangorrando em cipós, me debrucei no aconchego daquela gente simples por um instante fugaz, sonhei muito e resolvi me dedicar a esta tarefa agradável de postar poemas no blogguer do Google. Arrumei duas companhias inseparáveis, a caneta e o bloco de papel em branco. Eles não me largam por nada, mesmo quando vou à missa, ao supermercado, nas caminhadas, com eles travei um convívio ameno e criativo que dura quase três anos.A caneta tornou-se minha ferramenta de trabalho e o papel o depositário fiel das impressões do poeta do caos da augusta paulistana.

4. Então, deixei de lado a louca solidão e preenchi as lacunas da vida, resolvi não matar mais o tempo e sim fazê-lo reviver.Para isto coloquei a estante de livros em ordem, revi conceitos, ponderei com gosto pensado o que queria,as lições de filosofia atualizei e me engalfinhei de corpo e alma nesta vereda santa da prosa e verso mimados.Eles apareceram em profusão, exorcizei a solidão com jatos de poemas e daí por diante segurei-me bem firme na pretendida elaboração.

5.  A finalidade deste blog apareceu e se firmou ao longo destes 365 poemas, presente ao lado de cada amigo procurei falar uma prosa amena, ouvir o que ele tinha a dizer, tratar de assuntos atuais com um toque de esperança e dizer que a vida vale de alfa a ômega  ser vivida no consenso da amizade, tentar juntos encher de cores o vazio da era atual e altamente mecanizada.

6. O caminhar faz bem à saúde e atiça a inspiração escondida, jateando-a de conceitos perenes.Arrisque experimentar o conselho, vai sentir como as idéias chegam,se alinham e quando retornar para casa anote tudo por extenso, coloque o recheio à vontade,  leve ao forno da reflexão e estará pronta para a degustação, não esqueça por último de postar, avise-me pelo correio eletrônico,eu também quero provar de seu tônico, garanto que vai estar maravilhoso, no ponto de ânimo que merece. Faça o teste e mande a solidão passear de vez para outras bandas. Já dá para imaginar um dia você ponteando as rimas em algum sarau de esquina. Até lá então!!!

Abraços de união
Helder Tadeu Chaia Alvim   

As paredes de concreto modernas

1. Nos encontramos solitários em meio à tantos links, urls, pen drives e cliques de navegação. Paremos, pensemos, enfim todos lemos. Vale a pena reler aquele livro que nos tocou de perto. Cada um tem  o seu em particular. Quando não havia ainda as novidades da era definida eu costumava  ler tudo o que caia em minha mãos. Foi assim que à luz da lamparina eu conheci os Lusíadas, o Pequeno Príncipe, os Sertões, as Confissões de Santo Agostinho, o Grande Pescador - De Thomas Walsh, a Suma Teológica, a Ilha do Tesouro, Dias de Sol ou as aventuras de Noni na Islândia, entre tantos. No passado muitos leram, hoje lemos menos e mais na frente não vão ler quase nada. Que prejuízo será para a humanidade, uma vez que o sistema de informação tende a planificar tudo e levar instintivamente ao não pensamento. Oferecer tudo pronto e descartar tudo de imediato.

2. Hoje é fato consumado, o avanço descomunal da internet abrange todos os campos, para o bem ou para o mal, tudo tende ao controle minucioso dos bites e ao descontrole pavoroso das redes sociais, pluga-se em tudo, onlinea-se a torto e direito, e no fundo parece que fugimos de encarar a nós mesmos, finitos e mortais, fugimos de encarar a solidão construtiva da pausa, do silêncio, da ponderação e da reflexão que nos torna mais fortes, coesos e coerentes com nossas ações.

3. Na ânsia de contatos e adições acessamos todos os canais disponíveis, fazemos amigos dos amigos do amigo nosso e não estreitamos laços de amizade e afinidade com o vizinho ao lado, separado por uma frágil e robusta parede de concreto. Que vida estranha é essa que nos foi imposta, tudo virtual e abstrato, nada de palpável, tudo absurdamente perto, ao alcance de um clique, tudo incrivelmente longe, distante do calor humano.

4. Bernardes dizia que a bondade divina era um poço que não havia tampa nem fundo , pois poderíamos a qualquer hora enfiar a mão e tirar coisas novas e velhas e por mais que tirássemos não acabaria jamais. Já a imaginação fértil, a louca da casa, no dizer de Theresa D'Avila, sua ponte móvel nos transportaria em um segundo às alturas do nada, e nos proporcionaria uma queda livre na fragilidade e desespero de suas asas quebradiças e inconstantes.

5. O resultado está  a olhos vistos, nos dias que correm rumo ao absurdo, na era avançada dos tablets e blackberrys criptografados, problemas e problemas a emergirem  das areias rasas e movediças da civilização dita moderna, personificando seres brutais e sem alma, enlouquecendo uma parcela, regalando outras, devastando a mãe terra, poluindo rios, minando a capacidade de admiração da raça humana e pouco a pouco enleando a todos em uma teia invisível da grande depressão. Qual bola de ping e pong, a gente não sabe aonde vai parar e qual será o resultado final.Não espere coisa boa se o movimento continuar nesta magnitude de desacertos e piração.

Helder Tadeu Chaia Alvim