sábado, 23 de julho de 2011

Nós, os brasileiros te amamos: Oslo e Utoya

1. E aconteceu de novo o explodir da violência em ciscunstâncias ainda obscuras,com o duplo atentado nesta sexta- feira em Oslo e na Ilha de Utoya, vitimando dezenas de pessoas inocentes. Por ironia Oslo sedia importantes tratados internacionais e é responsável pela entrega do Premio Nobel da Paz. É uma capital moderna, arrojada e arejada, marítima, de clima frio , interligada ao mundo e antenada em soluções que tragam de fato a harmonia global.

2. E os dias tristes continuam descendo sua cortina espessa sobre todos, ninguém tem mais salvo conduto de  segurança,  o  teto  não  é   mais  seguro,  a  rua  não  existe, e  a  confluência  do  mundo  bom  cada  vez  se 
distancia mais e mais  dos olhos cansados e vergastados da humanidade.

> O autor dos Salmos é claro em sua inspiração ao se referir aos desígnios de Deus,quando "... Ele quebra fulminantes flechas do arco, os escudos,as espadas, e todas as armas." Isto fica declarado que aquele que usa  a espada, pela espada perecerá, como disse Cristo Senhor Nosso ao desencorajar Pedro de reagir por ocasião de sua prisão. Com este sentimento me lanço a anotar perplexo e angustiado sobre a cortina de dor que cobriu Oslo e sua simpática população. 

3. Tão bom seria que a realidade fosse outra, que a sintonia alegrasse todos os corações, que fatos desta monta não acontecessem mais, que o mundo todo se unisse pelo bem em um imenso abraço de paz, que não brotassem o ódio, o extremismo, a intolerância no coração do homem, que harpas celestiais de bondade e compreensão abrissem  de par em par suas asas douradas sobre o planeta terra, afastando de vez os tentáculos do mal, sob qualquer face que se apresente e seja rotulado, camuflado ou não!

4. Quando o homem vai finalmente se convencer que esta vida é uma passagem, que o tempo que nos é facultado é ligeiro e transcorre num tiro de pedra e às vezes até nossa memória 'gloriosa' é esquecida ao cabo de alguns anos. A morada permanente e definitiva pertence a outra esfera...

5. Solidário e inconforme  com a situação de Oslo, vou reiterar minha indignação e tristeza por este acontecimento funesto perpetrado por alguma mente assassina que merece todo o repúdio do mundo e que Oslo,a terra natal de Kristian Birkeland, Sonja Henie, Cristian Krog e tantas personalidades ilustres, volte  as suas atividades normais e que seu valoroso povo supere este trauma pavoroso e continue ajudando-nos com sua generosidade e bondade peculiares.  e que amanheça o dia em que as armas todas sejam derretidas e em seu lugar possamos fundir maravilhosos sinos  da verdadeira Paz Mundial, não a de aparências e conveniências políticas.

6. É chegada a hora da união fraterna de todos os povos, coibindo os desmandos de mentes deletérias que cavam abismos para si e para o semelhante, que assolam os quatro cantos da Terra. É o momento do bem não se acovardar e dar respostas à altura dentro da lei e ordem universais. Como o mundo vai ficar se a face horrenda do mal prevalecer? Se a honra e o direito se retirarem do cenário, e a dama louca da maldade fustigar a todos com o ferro em brasa da sua conspiração? O mundo vai deitar e amanhecer apoucado de belos gestos e ao dormir no dia seguinte, sonhará pesadelos reais em sua desconfortável cama de pregos.

>>>>>>> Já se faz, muito tarde no horizonte e tempestades que se armam prenunciam um porvir ainda pior, de nada adianta insistir em conceitos quânticos, se as ferramentas do verdadeiro progresso foram deturpadas e desviadas para as mãos que só pensam em matar e massacrar  irmãos, muitas vezes pacíficos e indefesos. Muitas inteligências que detém o conhecimento dos nióbios elaboram perniciosas formas de extinguir o que há mais belo na criação, o homem e sua alma imortal, seus ideais primevos de pureza e retidão .E aquela formosa dama do salão, enquanto escrevo estas linhas  desacorçoadas, continua arquitetando a destruição em massa, concedendo direitos plenos à  violência diabólica, sua aliada sem razão.>>>>>>> O grito do Grande Pescador Pedro se faz presente às margens do oceano da vida humana, às margens de nossas consciências: Domine, salvate eis quia periculam... E nós repetimos com fé, sim salvai-nos porque estamos perecendo, morrendo vivos a cada dia que amanheça e as incertezas nos rodeiam, quais feras bravias tão logo anoiteça.

7. Tocamos no auge do caos, nas fímbrias do inaceitável e estamos à deriva, a bússola quebrada, o lobo do mar, dos sentimentos retos, adormecido, o seu farol já há muito não emite sinais de terra firme. Estamos literalmente ao léu, sem chapéu, adentramos numa zona perigosa de nevoeiros contaminados por gases asfixiantes e quase indissipáveis, numa infinda noite vazia de sentido, acho que sim! Dizem que o número sete dá azar, não sou supersticioso, mas tô começando a ficar... Será?!

8. Não se pode aceitar qualquer ato de sandice contra a humanidade, sob qualquer roupagem ou pretensa ideologia, me parece que o perfil de Anders Behring Breivik é de um típico sociopata, com agravante de louco. Foi uma ação elaborada que teve um desfecho fatal para dezenas de seus compatriotas inocentes e sem meios de reação, uma covardia e não venha dizer que agiu por patriotismo, que Deus nos livres deste e de outros falsos patriotas. No seu livre arbítrio para o mal tornou-se uma figura execrável, como fora outros no passado que a poeira do tempo sepultou para sempre.

9. No livro da vida só serão inscritos os heróis,os santos, os defensores da humanidade, os que ao emitirem sons, reflitam um hálito saudável de paz e bondade. A Noruega, terra do escritor Henrik Ibsen, tem a cultura da paz enraizada em seu povo, faz fôrça para que o mundo caminhe na trilha bendita dos direitos humanos, sedia importantes deliberações, "o Tratado de Oslo", celebrado entre Israel e Palestina, é um deles. O  seu desejo é que o mundo viva em harmonia, cada um a seu modo  respeitando os direitos internacionais.

10. Desde a era dos Vikings temos relatos sobre a Noruega, e ela procura direcionar bem sua população, os imigrantes e sem dúvida apresenta-se como modelo para o resto do mundo. Dado o convulsionamento atual, dado as dissoluções do modo de pensar, ela apesar de organizada, bonita, sofreu também os ataques inconsequentes da mente maligna e desagregadora, que quer uma realidade diferente e para pior, torna-se claro em cada atentado e revolução que o homem visa a fazer. Sai tudo errado pois seus quereres há muto se distanciaram dos objetivos de Deus e quando põe a mão na massa azeda tudo que toca, mata o seu semelhante e destrói a natureza e convulsiona a ordem social vigente em cada país.

11. Sendo assim tornou-se improducente o manifesto "2083". Tanto quanto eu saiba, Breivik, é um louco varrido e colheu a execração de seu país e o mundo inteiro. E  não vai ver a luz do dia por muitas dezenas de anos... assim espero! Esta história de conservadorismo é balela. Uma coisa é você lutar dentro da lei e da ordem para manter valores que estão se perdendo na sociedade como um todo, mas inferir que tem que agir na truculência- igual o que aconteceu em Oslo no dia 22/07/2011 - é o absurdo dos absurdos. Temos notícias de ações similares no passado, com os déspotas e assassinos sanguinários do holocausto que não pouparam ninguém, nem seu povo.

12.  A Mídia está focando ser ele um "nacionalista", "um extremista cristão". A meu ver da cabeça do Sr. Breivik saiu idéias deletérias contra seu povo e ninguém que é de direita, ou cristão autêntico que se preze vai concordar com sua ideologia ultrapassada, seus métodos que culminaram com um ato vil e covarde matando dezenas de jovens que sonhavam em construir um mundo melhor, mais digno e transparente. Se Oslo pretendia alcançar seus objetivos de paz, pelo sangue Viking que corre em suas veias vai elevar ao infinito sua capacidade de superar esta situação amarga e devolver ao mundo em forma de mil maneiras de viver e dizer que vale a pena querer e construir patamares de solidariedade e humanidade para todos os habitantes da Terra.

13. Ser cristão é disseminar a paz, a bondade, a solidariedade, conclamadas do alto do gólgota salvífico, há mais de dois mil anos atrás, e na sequência outros corresponderam ao grande chamado da misericórdia, tomaram a sua cruz e seguiram o divino capitão mais de perto, entre eles vou salientar Sankt Olav, por sinal rei da Noruegua na virada do primeiro milênio, exemplo de homem público, cioso dos seus deveres pátrios e religiosos, que foi elevado a glória dos altares pela Sé Apostólica. No coração do cristão não habita o ódio, o rancor, a maquinação, pelo contrário, ubi cáritas e amor, Deus ibi est, como proclama a liturgia católica. Esta prática iluminou santo Olavo, os mártires no coliseu romano, os confessores, a doutrina da igreja, o direito canônico, a liturgia e as ações de caridade dos que professam a fé cristã desde a primeira era até os dias atuais. E vai continuar assim até o soar da trombeta do juízo final, pois o espírito sopra aonde quer e vivifica povos e nações.

14. Quem melhor que João Paulo II, foi um propagador entusiasta da paz, revestido da autoridade máxima no pontificado romano, por mais de quarenta anos deu exemplos de mansidão, propenso a perdoar seu agressor, quem mais do que ele influenciou a derrocada do regime totalitário do Leste Europeu? Quem melhor  se alegrou com a queda do muro de Berlim? Quem percorreu vastidões de países com a sua batina branca, abençoando e levando a esperança de um mundo melhor, mais humano para todos os povos?

15. A postura insana de Breivik, traz um alerta da maior gravidade, pois na aparência de normalidade, o caldeirão quente do caos em ebulição ferventa intenções perniciosas e subreptícias e dado o avanço inquestionável da alta definição e da comunicação em tempo real, que anda atrelado com fôrças tremendas e descontroladas, este acontecimento funesto pode se tornar um rastilho de pólvora. Todo o cuidado é pouco ao cuidar da integridade física dos cidadãos e o jeito mais adequado é o conselho dos antigos: É melhor prevenir do que remediar.


16. Na minha opinião, Breivik elaborou para si um mundo à parte e se tornou um livre atirador, solitário, descarregando seu rancor infundado contra a sociedade norueguesa. No entanto pululam movimentos bafejados pelo mal, que querem tumultuar o planeta para seus fins totalitários e o caso isolado de Oslo, sem conexões, a não ser com sua mente perversa, para ser tornar um motivo a mais é um , dois. A polícia de Oslo  em conjunto com uma investigação internacional, conforme noticiaram os jornais, estão trabalhando criteriosamente e o caso Brevik virá a luz dos fatos definitivamente. Cem mil pessoas no dia 25/07/2011 saem nas ruas da capital demonstrando seu amor incondicional à causa de Oslo e de  Utoya. Outras manifestações deverão ocorrer por esses dias, pois está bem claro que eles vão continuar em sua missão de alta dimensão humanitária em prol da restauração do bem, sem condições.

17. Nós, os brasileiros temos orgulho de nossa miscigenação, uma das mais ricas e frutuosas da história, com a chegada dos portugueses e no avançar dos séculos ela alargou nossas fronteiras continentais, abraçou todos os povos, misturou raças, acolheu os imigrantes, assimilou sua cultura, agregou valores de beleza e cor variadas, índios, irmãos de Africa, holandeses, portugueses, espanhóis, italianos, árabes,japoneses  húngaros, armênios, entre tantos. A grande responsável por este entrelaçamento foi a miscigenação histórica e ela devolveu um Brasil autêntico e soberano, sem perder suas raízes pátrias e identidade nacional, cresceu até a altura de seu coração verde, amarelo, azul e branco e hoje somos quase duzentos milhões de brasileiros rumo ao terceiro milênio, com nossos problemas, contrastes, e sob o manto de Aparecida, mirando no Cruzeiro do Sul nossos anseios de um mundo bom para a raça humana, temos nossas fronteiras abertas para todos aqueles que queiram compartilhar conosco nossa hospitalidade, trabalho e esperança de um futuro mais sustentável para a humanidade e o planeta terra. Ser bom ou ruim depende da decisão do foro íntimo de cada indivíduo, do seu livre arbítrio e lamentavelmente Sr. Brevik escolheu a segunda opção e perpetrou naquele dia fatídico, um ato vil, uma ação que envergonhou o grande povo nórdico.

18. Neste momento de condolências e lágrimas, nos fazemos partícipes em Oslo, bem juntinho de cada familiar em luto, com toda a população e autoridades constituidas pela vontade soberana do voto popular, com as fôrças de segurança e magistratura, com os brasileiros residentes na Noruega. O mundo, amigos está consternado e declara com todos vocês que não mais aceita atitudes desta natureza e tem certeza que Oslo vai superar esta fase triste  do adeus aos seus filhos amados, jovens promissores que  a sanha maldita de um sociopata calou para sempre nesta vida terrena e que enxugadas as lágrimas voltem aos seus dias de glória, de empenho pela paz mundial, pois tenho certeza que encontrarão nas veias do seu sangue Viking o motivo, a razão de dar continuidade a sua bela vocação de propulsora do bem, sua determinação vai voltar mais forte ainda para sediar, organizar as decisões urgentes para a concórdia das nações.

19. Breivik não entendeu que a convivência pacífica dos povos, após tantas guerras e conflitos tornou-se um anseio global irreversível e que ao efetuar deliberadamente seus projeteis mortíferos contra a juventude de Utoya, atingiu toda a humanidade, e na sua incapacidade de amar hostilizou pessoas e a sociedade norueguesa, galgando o extremo da intolerância. Obrigado Oslo por você ser assim, tão plugada no mundo bom. Estamos unidos na sua dor atroz, nas suas perdas irreparáveis, o sangue inocente de seus filhos será a semente de novos horizontes para todos os habitantes da terra.

Helder Tadeu Chaia Alvim
Poeta Minimalista

quarta-feira, 20 de julho de 2011

A era dos tablets, ptaxs e enzimas x a última planta, a última seiva...

1. Me intitularam carinhosamente de poeta dos caos. Acho interessante o esteriótipo, não me considero como tal, tem personalidades que mereceriam o codinome, mas quando se cai na boca do povo, não há como escapulir das brincadeiras. Os que convivem comigo me enxergam sem ostentação e maiores pretensões a não ser estar constantemente plugado no que concerne a baixa ou a alta do mundo bom. Isto é o que importa. Me veio a mente a composição de Damien Rice na versão belíssima de Ana Carolina :" Eu não sei parar  de te olhar..."  No caso me refiro ao movimento das mazelas atuais, o caldo que se absorve sem tempero exato, que traz um sabor esquisito ao paladar apurado daqueles que ainda pensam e estão preocupados com o rumo da nave terra.

2. Repetitivo me tornei e quando disponho-me a caminhar tranquilamente, o que faz bem, nas ruas apressadas da capital paulistana, vejo a dimensão exata do poderíamos ser em termo de cidade ideal e infelizmente não somos. Não respeitamos nossos ciclistas, no trânsito disputamos a vantagem de milímetros com os pedestres, queremos ser os melhores no teste, omitimos as preces e deixamo-nos levar pelo consumo que aborrece nosso bolso e não faz acontecer nada de proveitoso para o semelhante.

3.  Nas ruas da São Paulo intuitiva nos deparamos com personagens, cada um a seu modo vai vivendo belas miragens, às vezes fantasiados de verdade, às vezes na busca louca da felicidade, outros à margem do concreto armado, jogados no canto sem banho, alimento, lar aconchegante. Pretendemos sediar os jogos da copa, pretendemos gastar milhões para fazer bonito lá fora, enquanto aqui dentro não temos leitos hospitalares adequados, condução arejada, nem segurança totalizada os nossos professôres auferindo baixos salarios e tendo que suportar o pesado ônus da educação num tempo que faltam-lhes por parte dos alunos o respeito e a admiração de minha era atrasada, mas compenetrada de valores de montão.

4. Voltando à São Paulo expressiva, tão pujante, tão refém de conceitos alienantes, tão confusa em meio aos seus milhões de habitantes, de gente diversa, mas assídua no trabalho árduo, de gente poeta, de gente artista, de gente de talento invejável, de gente muda, transida de frio, de gente com o estômago vazio, onde sua côres de outrora perigam e haja tinta e papel alado nesta vereda enfumaçada e vertente adoidada.

5. Agradeço as nivas do tempo as pródigas inspirações que ofereço a esta cidade que quero mais lúcida e humana, mais completa em tudo, mais reta no espaço de sua deliberação, nesta cidade que dita a moda, o progresso e está fadada a se encolher se não avançar acertadamente em prol da autêntica sustentabilidade da sua alma bandeirante.

6. Se não lhe aprover, amigo leitor das rimas mínimas, tem um jeito, é só pular esta página, esquecer que existo e não escutar minhas tagarelices, que pretendia fôssem até o amanhecer. Não tem problema mesmo, minimize estas linhas, não assimile seus conceitos retilíneos, se prosseguir comigo, disponha-se a contemplação, a ouvir o silêncio e dele auferir as lições que me empenho a explanar.

7.  Me alembro do sertão, da fazenda Pirineus, da vaca no curral escondendo o leite, dos conselhos do Dr. Veterinário José Antônio Moreira Pinto, ao recomendar trazer o bezerrinho que o leite aparecia. Era o sabor de uma era transparente e calma, onde a alma podia conversar com Deus e viver de expectativas transcendentes sem descuidar dos afazeres que o dever chamava sempre.

8. Na trilha moderna que adentramos, dos tablets, cptaxs e enzimas, nos deparamos com outra realidade que nos oferece leite de sobra, de outra qualidade, enlatada nas estantes pomposas dos shopings centers e comércio eletrônico, que sugam apressados a matrix correta, informam em tempo recorde de velocidade, amplificam os lucros e esquecem de aquecer primeiro de tudo o ser humano. Inverteram os papéis e aumentaram exorbitantenete os décibéis, iluminaram a grande metrópole de luz néon, criaram novos panteons da fama, saúde e beleza. Esqueceram-se da transparência do espírito e focaram preferências no e-commerce, na comunicação instantânea sem raízes da consideração e amizade duradouras.

9.  No espaço deste pensamento livre, não pretendo analisar o câmbio, tarefa dos especialistas do Banco Centarl do Brasil, que dispensam interferência leiga e administram o dólar no recurso do CPTAX atualizado. Não pretendo inferir das metas e valores das intrincadas ações monetárias, pretendo sim tratar da liquidação do planeta terra infeliz!!! da bio-diversidade comprometida pela emissão do Cº2, da Amazônia ameaçada, da fauna e flora despedaçada pelo interventor da criação, o homem racional o geridor por excelência que não cuida de seu quintal maior.

10. E na confluência destes dias tristes, não menciona-se o autor da vida, que ao criar a natureza, com sábia desenvoltura  e sabedoria destinou-a fins e direitos que seu administrador não poderá mudar, destinou-a que usufruisse da abastança, que prodigalizase ao homem os meios de subsistência e conhecimentos necessários para progredir quase ao infinito sem destruir o meio ambiente ou o ambiente todo.

11. O homem parece que anda meio esquecido de seu destino finito e vive pensando que vai durar indefinidamente, por isso mune-se dos bytes soberanos, desaloja os animais de seu habitat natural, delapida o solo, e com os tratores de sua desmedida ambição valoriza o vil metal e inverte as leis da criação.

12. Foi-se o tempo das vagalumes solidários que iluminavam o sertão e os terreirões de pedra das fazenda do café, acabou a era gostosa e divertida dos luares de São Jorge, o santo guerreiro, das prosas a beira do fogão à lenha, da vida simples e pacata do homem interiorano, de sua fé rude e presente nos planos de Deus.

13. O mote presente está  a serviço de outra causa, a dos lucros, a da moda, onde subjugam a flora pesquizada no intuito de conservar a beleza da pele ou restaurar os sinais do tempo que chega meio agalopado, as enzimas naturais, outrora belo achado, hoje são obrigadas a salvar a mulherada, retardando a idade, se adequando a infindas vaidades ou os néctares saborosos com intuitos de longevidade.

14. Tá tão pequeno o pensamento que estou chovendo no molhado e tá arriscado a não fazer me entender. É só isto? Tudo isso! E o conjunto do equlibrio global onde fica, quem não tiver acesso as estas facilidades vai para a roça sem a beleza artificial da cidade, quem não se envolver com os marketings elaborados talvez não tenha acesso ao bilhete do trem que partirá a qualquer instante para a era do caos sem o recurso do grande retorno suspirado.

15. Onde está sendo veiculada alguma campanha pela paz sem fronteiras? Na dissertação atual onde estão estampados os direitos do Criador da natureza, para que a bela alma humana finalmente se estabeleça? E maravilhas aconteçam? Os senões estão por toda a parte estabelecidos, gastam rios de dinheiro, pesquizas nos enzimas da moda, procuram sôfregamente os insumos corporais, absorvem e deslocam da natureza sua fôrça in natura artis para fins particulares que não servem ao conjunto da humanidade. Em suma, a beleza pela beleza e dane-se a pele alheia nem que para tanto precisem sugar a última planta, a última seiva do planeta verde.

Helder Tadeu Chaia Alvim

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Laetitia x Tristitia nos Montes Nuba

1. A alegria, alegria, quem não queria ter...? Termo em latim, laetitia, é um estado de espírito que se manifesta de diversas maneiras. Até quando entendo não é permanente, dado a condição humana apresenta-se transitória.

2. Até hoje os estudos avançados da psicologia não souberam defini-la bem ao certo.Seriam humores, certezas, conveniências ou uma gama de tudo junto ao mesmo tempo. A gente sabe quando chega e não quer deixá- la ir embora.

3. Bem dosada, a alegria equilibra a balança do sentimento, da vontade e da razão. Em demasiado  dá indigestão, se der o ar de sua graça, deguste-a e saboreie sua leveza.

4. Ela tem várias faces, comunicativa, reflexiva, solta, contida. Às vezes quer dizer algo que a anima, um concurso aprovado, uma conquista realizada, tudo é motivo de pátio e deixa o contemplado de cara nova.

5.  As férias do sonho, o casamento marcado, o nascimento do primeiro herdeiro, a casa própria, o carro zero na garagem, aí a bola fecha  a rede num gol envolvente.

6. Tem aquela que reflete sonhos almejados, duradouros, a que se desmancha em risos, a meio triste, mas solene traduzida em agradecimento que ao passar deixa seu hálito quente e envolve totalmente a vida da gente.

7. Super, ultra, mega alegria, não existe, 24 hs. no ar nem pensar vira folia, a completa, traz um quê de melancolia, vem e vai logo ao amanhecer, a do conto de fadas fica a cargo dos filmes da era cor de rosa.

8. - Que bom! O poeta finalmente esqueceu o tema amargo, sério e sua carranca voltou ao normal com ar despreocupado, que legal! 

9. Por ora sim, estou alegre, nem sei porque, acho que a indefinição me contenta, esvazia o pensamento, esfria a cuca e não me embaraço com o movimento.

10. Existe a que pertence a outra esfera, dizem ser enigmática, mas é espiritual. Tem-se notícias dela em Cesareia de Felipe com Paulo de Tarso, o apóstolo dos gentios: "Não sou eu mais  que vivo, mas é Cristo que vive em mim." E nas lendárias montanhas de Ai Karim,  revestida de beleza conceitual, a Virgem Maria entoou por ocasião do nascimento de João Batista, o precursor, seu cântico de ação de graças, o poema mais puro e alegre de todos os tempos: "Magnificat anima mea dominum, et exultavit spirituo meo in Deo salutari meo."

11. Por outro lado  nem tudo são flôres no quintal da humanidade, tem espinhos pontiagudos fustigando-a incessantemente sem dó e piedade. Na confluência destes dias tristes, a alegria nos é servida em conta - gôtas. E não adianta prendê-la num frasco, pois ela se quebra ao menor solavanco ou toque.

12. E em pensar nos Montes Nuba, no Sudão, por lá a realidade é bem outra, é de arrepiar os cabelos e indignar só em pensar. E quem diz é o abalizado jornalista Nicholas D. Kristof -ver a matéria no Diário do Comércio - Opinião 12/07/2011 Pág. 3) "...limpeza étnica, assassinatos, estrupos." e continua seu alerta máximo a favor dos Sudaneses perseguidos e massacrados impiedosanmentes pelos seus  títeres locais.

13. "... Execuções porta a porta de civis indefesos e completamente inocentes, frequentemente   com gargantas cortadas pelas fôrças especiais de segurança interna." E ressalta: "...no momento, os Montes Nuba talvez sejam a Capital mundial de crimes contra a humanidade."

14. É importante frisar que a Avaaz está em ação lá também conclamando os internautas para se unirem em prol da causa dos Montes Nuba e veicula um urgente abaixo assinado aos governos das Nações no sentido que façam algo que venha a cessar o horror naquele país dos irmão em África.

15. A pouca paz que amealhamos está evaporando em nossos corações, o mundo está fervendo a panela de um caldo que não se pode degustar nem oferecer aos irmãos, ficamos tristes com os fatos desconsoladores acima e a nossa tristeza chega ao auge com um grito lancinante, unido ao Jesus Crucificado, ao tomar conhecimento do massacre nos Montes Nuba.

16. É preciso encontrar mecanismos que façam parar lá e em outras partes do mundo as atrocidades desta era moderna e cruel que envergonha a humanidade, que nivela tudo para a dimensão do abismo.

17. Enfim, é preciso um circuito novo, totalmente diferente deste que presenciamos contristados e amargurados, ou seja acreditar na paz universal, na solidariedade sem peias, na força da união, na reconstrução do mundo bom, desde seus alicerces sob o parâmetro de Deus, transmudar a tristeza presente em alegria perene, aquela oriunda do espírito do bem, aquela que sopra felicidade, bondade e amizade sincera proveniente do coração daquele que passou a vida realizando só coisas boas.

Hellder Tadeu Chaia Alvim

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Providenciai!

À Grande Amiga e Profª Adilea Maria de Paula,

Nesta.

1. Consternado com a dolorosa notícia do falecimento da estimada D. Oraide, faço chegar ao seu conhecimento algumas considerações a respeito daquela que se tornou referência de amizade, carinho e uma porção de coisas boas que o tempo não sói apagar em nossos corações.

2. Partiu para a eternidade a alma da D. Oraide Alves da Silva no dia Quatro de Julho do Ano da Graça do Senhor de Dois Mil e Onze na Cidade de Miracema-RJ, confortada com os santos sacramentos, ministrados pelo seu confessor e diretor espiritual Pe. José Olavo Pires Trindade, ela concluiu sua travessia segura do vale de  lágrimas rumo à luz eterna.

3. D. Oraide formou-se em direito, foi professora exímia e dedicada, diretora de colégios, fundadora e esteve na vanguarda educacional do Noroeste Fluminense por várias e profícuas décadas, a par de seu preparo intelectual e atividades educacionais de primeira linha, quero destacar neste momento de condolências, mas solene, qual a vida de nossa pranteada amiga, poetisa, oradora e saudosa mestra, a fixação plena no ideal que alegrou seus dias e encheu de cores diáfanas suas manhãs, a prática da religião católica em toda a sua extensão e claridade.

4. Foi filha de Maria, uma das mais dedicadas que conheci, adoradora de Jesus Eucarístico, possuia uma filial devoção à Nossa Senhora e uma extremada dedicação ao Sacerdócio, uma sintonia perfeita com o Reinado Social  de Nosso Senhor Jesus Cristo, uma caridade impressionante ao semelhante, uma capacidade de ouvir e aconselhar acertadamente.

5.  Recordo com saudade e amor filial de D. Oraide, com ela não tinha tempo ruim, estava pronta sempre para onde a graça divina a chamasse. D. Adiléa Maria de Paula não vai deixar eu mentir. Tive a oportunidade de coadjuvar suas missões apostólicas e digo se hoje arrisco a escrever foi graças ao seu incentivo, à sua arguta percepção da realidade de fé e entranhado amor a Santa Igreja Católica, Apostólica, Romana.

6.  Nos tempos adversos, lá estava ela prestimosa, colocando seus haveres, sua casa, sua existência em prol do culto sagrado. Foram jornadas incansáveis, pude vivenciar, à frente do Colégio Estadual Deodato Linhares; Grupo Escolar Ferreira da Luz,ondei estudei; Colégio Cenecista Nsra das Graças; Colégio Miracemense; Escola Nsra Senhora do Bom Conselho, Associação Beneficente da Divina Providência e uma dedicação sem igual à Capela Nsra de Fátima.

7. É dificil, dado a correria da era moderna, dos bytes velozes, traçar um perfil exato de suas realizações beneméritas em solo miracemense. Este poeta mínimo, na ocasião seminarista, teve a ventura de acompanhar uma década desta ação singular. Quer rascunhando sua oratória feliz, auscultando sua sinceridade e a ortodoxia Marial de sua convicções de fé plena e arrojada, quer  na pureza de seu olhar locupleto de frutos opímos pela salvação dos irmãos que a Divina Providencia colocara em seu caminho.

8. A vida passou, prezada D. Adilea, e com ela levou nossos amigos em comum, Paulo Angelo,  D. Nilza, Mãe Geralda e agora D. Oraide. Passou sim - é a sina humana  da fugacidade - mas deixou o perfume de suas mãos que ofereceram rosas místicas, detalhadamente preciosas e ricas, que cuidavam sem espinhos para o próximo, aqueles pontiagudos guardavam para si em holocausto e pela restauração completa do mundo bom das certezas de Deus.

9. D. Adilea, me pus a anotar esta homenagem póstuma a querida D. Oraide e quisera que tivesse um sabor de autenticidade, daquela que pude sover ao privar com ela seus anseios sublimes, sua desenvoltura nata em se tratando do universo amplo de sua visão da obra salvífica de Jesus Crucificado.

10. Confesso que me foge o fôlego, mas por outro lado, pensando nos momentos de seus extâses espirituais no escritório da Barroso de Carvalho na década de 80, respiro fundo e encontro o acalanto no missal romano: "Requiem eternam dona eis, domine..." E vejo que não estou sózinho neste preito de gratidão, a Igreja Militante, a Igreja Triunfante e Padecente, os Miraceneses, hoje em côro uníssono repetem com os Anjos Arcanos dos clarins afinados: "... Et lux perpétua lucet a teis.!"

11.  A grande promessa do Sagrado Coração de Jesus para D. Oraide tornou-se realidade radiosa e tanto quanto a conheci, ela no céu não vai descansar na visão beatífica de Deus, não! Sua missão como embaixadora da Divina Providencia vai se  fazer presente hoje na Igreja que caminha em meio a tremendos sobressaltos. E ela como experiente timoneira vai indicar-nos o caminho mais acertado em meio à borrasca e conseguir de Deus nossa sustentação. Apagou hoje na terra querida de Santo Antônio dos Brotos uma luz radiosa, acendeu no firmamento etéreo uma estrêla de inefável brilho....

12. Não poderia deixar de prestar a ela minha humilde homenagem e blogar estas considerações. Ainda ressoa, depois de muito chão, um quê indefinido de saudade em minha alma e as lições de casa, que compartilho consigo, D. Adilea, pois a Sra. melhor que ninguém, ao conviver com ela por longos anos, teve a graça de partilhar uma amizade das mais belas e vislumbrar sua alma de eleição.

13. Reservo este memento especial, o momento se faz solene, bem do jeito de D.Oraide. Agradeço a ela ter sido assim: enlevada, simples, inteligente, sincera, pura e singela. Acreditei pelo seu olhar no mundo bom e que ao descansar esta tinta no papel os ventos do seu entusiamo contagiante a transporte para todos os corações  dos seus milhares de admiradores miracemenses e possam comigo perpetuar sua eterna canção, aquela dos clarins afinados, tão a seu gosto:  "Providenciai!"

14. Em meio às conquistas, anseios, apreensões da era on line da alta definição percebemos que tudo em Miracema traz a marca de D.Oraide, tudo respira a presença dela. Ao partir serena deixou aos seus admiradores um legado espiritual de sumido valor: a sua sabedoria, fé, constância, confiança, abnegação e enlevo. Hoje a realidade divina a envolveu com inefáveis ósculos de paz.

15. Em vida traçou sua vocação apostólica, debateu pela ascese, em prece esperou as soluções de seu ministério leigo, altamente produtivo, afirmou com entusiasmo os valores perenes da religião, com doçura, firmeza e circunspecção admiráveis não deu tréguas aos erros do laicismo anti-cristão. Hoje recebe a palma da vitória, se posta ao longo do cortejo das virgens prudentes em adoração ao Cordeiro de Deus.

16. E na  incomensurável dimensão eterna, em meio  alegria bem juntinho  de Nossa Senhora, sua madrinha, anjos e santos padroeiros, unida aos seus valorosos amigos  que se foram também, ela se levanta e conclama mais forte ainda : Adveniat, ubique terra, regnum tuum, Domina Nostra Imperatrix, quia advesperastis!

17. Porque se faz tarde e um panorama de incertezas ronda a humanidade, nuvens espessas toldam a visão da fé e os problemas se avolumam em ritmo de tsunamis, mane nobiscum D. Oraide! E mais uma vez ouvimos vozes, que nos são familiares, aquelas dos clarins afinados: Providenciai!

18. Podemos conjecturar que em seu extâse sem fim, as palavras do Pater Noster, agora, adquiriram para ela tonalidades beatíficas: "Fiat voluntas tua, sicut in coellis et in terra..." Quia advesperastis!

19. Profª Adilea Maria de Paula, deposito em suas mãos esta homenagem à Profª Oraide Alves da Silva, in memoriam. Teria muito o que falar, no acanhado espaço destas folhas resumi em linhas gerais o oceano de inspiração que me tocou de perto, me impulsionou por certo, em nome da gratidão encetei este voo, qual aprendiz de rimas soltas, mas sinceras e para encerrar faço minhas as palavras do poeta miracemense Gilberto Barroso de Carvalho, da era separatista:  "Miracema Águia Cativa que sofre o martírio dos que  vivem sentindo asas  nos ombros e grilhões nos pulsos."

20. Ao encetar sua última viagem rumo à patria celeste a alma boníssima de nossa intrépida samaritana se aprochegou do Ser Onipotente, Misericordioso, Aquele que É... não fora de mãos vazias e temerosa, ao contrário com a certeza de ter realizado inteiramente os planos de Deus a seu respeito; suas conversas e presença não pertencem mais a este mundo de provas e percalços.

21. Ao transpor os umbrais da felicidade sem fim, recebeu seu quinhão de luz, ao viver longevamente edificou suas virtudes em bases firmes, ao morrer tocou nas realidades indizíveis de Deus e tornou-se nossa intercessora de direito.

22. D. Oraide ao partir, pelos seus anos bem vividos, pela sua pronta anuência ao chamado do Divino Capitão, não só viveu uma vida  devota, mas seguiu o Mestre mais de perto, desenvolveu os talentos que lhe foram confiados pelo Grande Artífice  do Universo de uma maneira brilhante, e na sua generosidade que lhe era peculiar colheu a consideração, o respeito e a estima de todos os seus conterrâneos Miracemenses.

 Cordiais saudações,

 Um forte abraço,
 Salve Maria!

 Salve Oraide!

Helder Tadeu Chaia Alvim
São Paulo, 06/07/2011

terça-feira, 12 de julho de 2011

Postura store da poesia

1. Na intermitência destas rimas mínimas pretendia continuar com as emboladas interrompidas se o paraninfo me autorizar. Não pretendo destilar fórmulas de sucesso otimizadas no consumo. Quisera ter o tino de Guimarães Rosa e de suas veredas armazenadas para totalmente embrenhar nos sertões de suas viagens maravilhosas que palmilharam a grande cultura brasileira naquilo que ela guarda de mais precioso: suas raízes interioranas do mato virgem. O  poeta da magnitude brasileira, na sua desenvoltura inigualável, tornou-se excepcional  e grandiloquente.

2.  Não consigo alhear-me da postura atual das rimas, não pretendo editar manuais de poesia, vou escrevendo o que dá na telha, sem quebrar o telhado alheio, guardo conceitos perenes sem erigir espaços comerciais. A poesia traz em seu bojo quente atrativos próprios, designs abrangentes e sobram inspirações em sua trempe acessivel a todos os gôstos: simples, pacatos, exigentes ou cultos. 

3. Não oculto minha queda pelos primeiros, sem deserdar os segundos vamos vivendo com um pé aqui na grande cidade e outro bem fincado nos brejos, nas serras da estância de nossa mocidade.

4. Posto isto vamos em frente com olhar para aquele passado, me lembro bem, moço ainda, quando decidir ser poeta, olhar para o firmamento, observar seu firmamento, inquirir de seus juramentos, tentar enlaçar o mundo com versos de alento. A realidade posteriormente foi cruel e deixei quase completamente de lado a inspiração ao lúdico desejado.

5. Hoje, depois que a poeira abaixou, depois de provar o veneno de decepções amargas, me ponho a recuperar a fachada e o interior de minha sonhada morada, sem fusões, na rusticidade proposta até aonde possa alcançar estes braços da rima em crônica torquatiana.

6. Me vejo na posição de uma profissão profusa de arrebanhar versos. O engraçado é que mudei de situação geográfica, meus cabelos encaneceram naturalmente, mas a satisfação continua a mesma ao  ver os acontecimentos surgirem, pastoreá-los o dia inteiro, respeitando os matizes de suas averiguações, enfim aguardar a chegada do mundo bom.

7.  Não detenho cargos, não pertenço aos quadros da estatística financeira, imerso na cidade que me apoia e determina momentos, que me faz externar sentimentos adormecidos, que explicita esquisitos contrastes, justamente na cidade que ora sepulta anseios, ora emerge com garbo de timoneiro, ora estranha sua face, ora debruça-se sobre suas chagas.

8. Uma cidade que sem cerimônia arranca árvores e edifica imensas lajes verticais, que acende formigueiros de luzes, ergue seus vertiginosos arranha-céus de fuligens, uma cidade em que as diferenças se avolumam, aguça a curiosidade de uns, desperta a saudade em outros, muda tudo, inverte papéis.

9. Uma cidade de gestos escolhidos, de gestos arrancados, de gestos consagrados, de gestos encolhidos, uma cidade de ódio, amor e paz, uma cidade que amplifica o consumo, gente que não se conhece, gente que se abraça nas redes sociais, gente no topo do mundo, gente que se topa nas arenas vicinais, imponente, singela, louca, solidária.

10. Gente a procura de fisionomias serenas, de gestos gentis, e encontram gestos sem face, gestos banais, gestos não mais que simplesmente gestos! E a poesia inserida nesta realidade procura oferecer um pouco de calor humano, um pouco do que lhe resta. E ao constatar sua influência percebe encontrar-se chamuscada e inevitavelmente queda amuada.

11. Vai para casa rever seu desempenho, alimar  sentimentos, esmiuçar mais uma vez os acontecimentos, mais uma vez sobressaltada põe-se a confabular com o silêncio, não articula palavras, não anota nada, e ele lhe sussura ao ouvido uma canção desconhecida... Será! Ela então vai repousar na certeza que ao acordar, verá algo novo neste patamar que a ligará à lógica, não dos files, mas do raciocinio pleno.

Helder Tadeu Chaia Alvim

segunda-feira, 11 de julho de 2011

A pedra de contradição


a pedra de contradição!

1. O Cristo tornou-se hoje uma espécie de moeda de câmbio valiosa nas mãos dos inescrupulosos, ousam atrelar sua presença divina, pseudos embasados na sagrada escritura, à sucessos financeiros. E vemos de tudo a toda hora em qualquer lugar.

2. É lamentável "a exegese" dos textos sagrados que ouvimos, passei longos anos no seminário estudando latim, grego, a história da Igreja, a filosofia e mesmo assim, sinceramente não me sinto capacitado para interpretar o livro dos livros, que seus autores ao escrevê-lo agiram por inspiração direta do Espírito Santo.

3. O Cristo real, aquele Deus humanado, aquele caminho, verdade e vida é bem diferente. O Jesus, nascido da puríssima Virgem Maria por obra do paráclito repetiu enfáticamente que o seu reino não era deste mundo. Na tribuna do evangelho defendeu sua tese clara e insofismável que veio para que os homens tivessem vida e vida abundante, que os  seus tesouros eram bem outros, aqueles que os ladrões e as traças não abocanham para si.

4. Exemplificou seu poder com milagres, prodígios, ressuscitou seu amigo Lázaro, irmão de Marta e Maria Magdala. Portanto o cristianismo bem entendido e praticado requer essência e elevação. Os primeiros cristãos na fôrça de sua fé parece que compreenderam totalmente sua crença na divindade de um Deus e as consequências práticas desta fé. Não é à toa que se retiraram para as catacumbas, que até hoje surpreende quem as visita em Roma, enfrentaram quatro séculos de grandes perseguições, mancharam o coliseu com o sangue de professores valorosos da fé. Inácio de Antioquia, Sebastião, Pedro, Lino, Creto, Paulo, Luzia, fulguram entre milhares como estrêlas de primeira grandeza.

5. A meu ver a vida dos santos ao longo destes dois mil e tantos anos é uma demonstração das verdadeiras e transcendentes dimensões da religião católica. Os vemos nos quatro cantos do mundo sempre trabalhando pela salvação da alma do próximo e muitos e muitos achando um jeito de curar as chagas do sofrido irmão.

6. Muitos embrenharam nas selvas, outros nas cidades, outros atravessaram mares e continentes, também se tem notícias de muitos que se enterraram vivos nos leprosários em nome de Cristo. Os santos, ah! esses heróis que seguiram o divino capitão mais de perto, que morreram para si e suas coisas, esses e essas marcados com o sinal da inquietação, em Deus amavam o semelhante, a natureza, a sustentabilidade do planeta para todos os povos.

7. Esses e essas que gostariamos de abraçar e ficar por perto deles. Contam que existiu um deles em Ars na França e quando alguém perguntou a um incrédulo convertido o que ele tinha ido ver naquela minúscula e desconhecida cidade, o Dr. respondeu: "amigo, você perdeu, fui ver Deus em um homem, se referia a São João Maria Batista Vianney o santo cura d'Ars.

8. Você quer saber a marca registrada de um santo, é muito simples sua observância estrita e com entusiasmo aos dez mandamentos, amor ardente a Jesus Eucarístico, devoção filial à Nossa Senhora e ao sumo pontífice, o Papa. Cristo já acenara sobre a missão marial em Caná da Galiléia. A seus rogos insistentes ele transformou a água em vinho, e um dos melhores que se tem notìcia na história. E na cruz, em meio ao se tormento indizível, quando sua respiração era sufocada por dores lancinantes, ele chancelou junto a João a nossa carta de entrada no paraiso: "Filho eis a sua mãe... mãe eis aí seu filho..."

9. Depois ponha-se a olhar as realizações dos santos, a multiplicidade de suas obras a favor do semelhante, isto tudo remonta a dois mil anos atrás, quando do gólgota salvífico o Cristo Jesus atiçou:"Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado." e quando num belo gesto exclamou:Quando fôr levantado no madeiro atrairei a mim todas as coisas. Tenho sede" de almas para povoar os tronos vazios que os anjos decaídos abandonaram.

10. A diferença que os santos passaram a vida na constante inquietação espiritual de amar a Deus, não tem lugar na suas cogitações a flanação e a miragem do espelho do egoismo, saíram de si, de suas comodidades e ousaram plasmar ousadamente o foco de suas antenações exclusivamente para o Deus das certezas e do mundo bom.

11. Se você quer fazer bem para a humanidade torne-se um deles, ouse praticar os dez mandamentos na íntegra, até o limite do heroísmo. Como? Sim, existe o princípio da graça divina, quem tem a chave e tornou-se por méritos a depositaria fiel, não sou eu, mas Nossa Senhora, a clemente, a piedosa, a doce sempre Virgem Maria, como afirma o doutor melífluo, São Bernardo de Claraval.

12. Ela é a escada de Jacó por onde sobem nossas súplicas e desce a chuva suave de graças divinas. Olhe bem é não use escada falsa, pois um passo desacertado e tudo vai para o beleléu.

13. Ofereço este poema em memória da mãe Geralda, que lá do céu em companhia dos anjos e santos e de Nossa Senhora no seio de Deus certamente vai ler este e continuar a esboçar seu sorriso materno para todos os seus filhos. Mãe te amamos eternamente e um dia esperamos também nos achegar no vale que o sol não se põe nunca e poder recitar seus poemas preferidos principalmente aquele da flôr do maracujá, o que tio Jorge gostava de declamar, lembra-se? Pois sim reserve o seu colo quente e maternal para os seus filhos.

14. Mãe, particularmente continue olhando para o  ménino esquésito e frágil, que ainda hoje depende de seus cuidados e atenções redobradas, viu! Na jornada breve da existência sente  frio, às vezes  aquele frio dos Pirineus, às vezes o frio da grande metrópole. Agasalhe-o mãe querida, a senhora  entende bem o Eldinho, seu filho. Não o deixe se envolver nas brisas da euforia, mas faça-o trilhar o caminho seguro da sabedoria, por favor!

15. A querida mãe Dindinha na  sua vida acreditou e pelos seus olhos acreditamos também nas verdades eternas do Cristo Crucificado, hoje contempla em êxtase perene na companhia de seus amigos, Oraide, Lucília, Plinio, Tecla,Filomena, Charbel, Paulo Ângelo e tantos outros...

Helder Tadeu Chaia Alvim




sexta-feira, 8 de julho de 2011

A sabedoria segundo Jó

> "... Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus, e que se desvia do mal."

>> Um dos nomes mais dramáticos da sagrada escritura foi sem duvida o do patriarca Jó que viveu na terra de Uz, atualmente Iraque, por volta do ano 1791 A.C. Possuia muitas riquezas, características peculiares aos patriarcas. O inimigo pediu permissão a Deus e aos poucos retirou dele tudo o que tinha, incluindo haveres, filhos e família. Literalmente ele ficou vivendo em cima de um monte e mesmo assim não blasfemou e aceitou toda a provação. Posteriormente Deus devolveu tudo em triplo a ele.

>>> Vou me ater ao seu lado poético, um dos mais talentosos poetas espirituais da bíblia. E certamente os reveses da fortuna plasmaram em sua alma estas belezas que vamos apresentar abaixo.Créditos: A Bíblia Sagrada 118ª edição - Editora Ave-Maria, Edição Claretiana -1998 - pág 639.versículos 1 ao 28. A numeração segue o padrão do blog.

1." Há lugares de onde  se tira a prata, lugares onde o ouro é apurado;o ferro é extraido do solo,o cobre é extraido de uma pedra fundida.Foi posto um fim às trevas, escavaram as últimas profundidades da rocha obscura e sombria.

2.Longe dos lugares habitados (o mineiro) abre galerias que são ignoradas pelos pés dos transeuntes; suspenso, vacila longe dos humanos. A terra que produz o pão, é sacudida em suas entranhas como se fosse pelo fogo.

3.As rochas encerram a safira, assim como o pó do ouro. A águia não conhece a vereda, o olho do abutre não a viu; os altivos animais não a pisaram, o leão não passou por ela.

4. O homem põe a mão no silex, derruba as montanhas pela base;fura galerias nos rochedos, o olho pode ver nelas todos os tesouros.Explora as nascentes dos rios, e põe a descoberto o que estava escondido.

5. Mas, a sabedoria, de onde sai ela? Onde está o jazigo da inteligência? O homem ignora o caminho dela, ninguém a encontra na terra dos vivos. O abismo diz:"Ela não está em mim."Não está comigo, diz o mar." Não pode ser adquirida com ouro maciço, não pode ser comprada a peso de prata.

6. Não pode ser posta em balança com o ouro de Ofir; com o ônix precioso ou a safira. Não pode ser comparada nem ao ouro nem ao vidro, ninguém a troca por vaso de ouro fino.

7. Quanto ao coral e ao cristal, nem se fala, a sabedoria vale mais que as pérolas. Não pode ser igualada ao topazio da Etiópia, não pode ser equiparada ao mais puro ouro.

8. De onde vem,pois, a sabedoria? Onde está o jazigo da inteligência? Um véu a oculta de todos os viventes, até das aves do céu ela se esconde. Dizem o inferno e a morte:"Apenas ouvimos falar dela."

9. Deus conhece o caminho para encontrá-la, é ele quem sabe o seu lugar, Porque ele vê até os confins da terra, e enxerga tudo o que há debaixo do céu.

10. Quando ele se ocupava em pesar os ventos, e em regular a medida das águas, quando fixava as leis da chuva, e traçava uma rota aos relâmpagos.

11. Então a viu e a descreveu, penetrou-a e escrutou-a. Depois disse ao homem:" O temor ao Senhor, eis a sabedoria; fugir do mal, eis a inteligência." ( Livro de Jó, capítulo 28 versículos: 1 ao 28).

Helder Tadeu Chaia Alvim

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Prece, parece...

1. Hoje não sei porque, lembrei-me de você. Foi uma lembrança suave recordando nossa bela amizade, justamente nesta cidade tão complexa, às vezes pardacenta, e não isenta de tantas complicações,mas repleta de mil lições.

2. Onde a gente se depara e esbarra com tantos personagens, cada um a seu modo vai vivendo trocentas miragens,às vezes se fantasiam de verdade, buscam alegrias onde há falsidade.Procuram sôfregos o pedestal da fama, da glória, sufocam sua convicções diáfanas sem maiores condições.

3. Esquecem às vezes que a natureza cobra esta obra monumental, chamada, sonho, amizade, ideal. Mas a essência  em alguém, permanece, e não perece, parece,continua leve e viva e não desaparecerá assaz facilmente.

4. Hoje não sei porque, na correria ensimesmada da grande urbe,lembrei-me de dela já dá para perceber... Afinal "Nós Todos lemos". E  na  sua  Leveza de conceitos, Inteligência perene, no seu Gosto apurado pela literatura, tornou-se Imprescindível no universo da arte autêntica, em sua Amizade singela oferece o máximo de sinceridade a todos quanto a rodeiam em prece, parece..

Helder Tadeu Chaia Alvim

quarta-feira, 6 de julho de 2011

O mundo ideal

o mundo ideal
1. O Rei David, do alto de sua autorizada missão de patriarca exemplifica de maneira clara o ideal do mundo bom segundo os desígnios do Deus de Israel, o povo escolhido. Vou citar na íntegra o Salmo 18 da Sagrada Escritura."A palavra Salmos  (psalmus)  é  a  tradução  do  termo hebraíco que quer dizer louvores."
 "... a literatura da antiguidade, o carácter religioso  dos salmos salienta-se por sua incomparável profundidade.Todas as cordas do sentimento religioso são neles dedilhadas." Conf. Introdução- Antigo Testamento Edição Claretiana 1998 pág. 31.Edição Pastoral Catequética -Editora Ave-Maria, salmo extraido da pág 669)

2. "Narram os céus a glória de Deus, e o firmamento anuncia a obra de suas mãos. O dia ao outro transmite esta mensagem, e uma noite à outra a repete.Não é uma língua,nem são palavras, cujo sentido não se percebam, porque toda a terra se espalha seu ruído, e até os confins do mundo sua voz.

3. Aí armou Deus para o sol uma tenda.E este, qual espôso que saí do seu tálamo exulta como um gigante, a percorrer o seu caminho. Sai de um extremo do céu, e no outro termina o seu curso;nada se furta ao seu calor.

4. A lei do Senhor é perfeita,reconforta a alma;a ordem do Senhor é segura,instruí o simples. Os preceitos do Senhor são retos, deleitam o coração; o mandamentodo Senhor é luminoso, esclarece os olhos.

5. O temor ao Senhor é puro, subsiste eternamente;os juízos do Senhor são verdadeiros, todos igualmente justos.Mais desejáveis que o ouro, que uma barra de ouro fino. Mais doces que o mel,que o puro mel dos favos.

6.Ainda que vosso servo neles atente,guardando-os com todo o cuidado, quem pode, entretanto, ver as próprias faltas? Purificai-me das que são ocultas. Preservai, também,vosso servo do orgulho;não domine ele sobre mim, então serei íntegro e limpo de falta grave.

7.Aceitai as palavras de meus lábios e os pensamentos de meu coração, na vossa presença,Senhor, minha rocha e meu redentor."

8. Mediante o que foi exposto, vejo quão pequeno é o meu trabalho, quão longe estou da fonte da sabedoria, quão pálida se torna qualquer dizer que não tenha uma liga forte no Deus de Israel, o único e verdadeiro Deus.

9. A poesia pura e destilada flui das páginas sagradas aos borbotões e me convence cada vez mais que Deus, além de ser Deus e Senhor da vida e da morte é também o grande poeta dos versos perdidos que a humanidade precisa achar com urgência para assim voltar aos trilhos abandonados e restaurar tudo o que fora anteriormente estraçalhado. E das pedras não lapidadas pelo homem  poderão surgir outros filhos de Abraão.

Helder Tadeu Chaia Alvim


terça-feira, 5 de julho de 2011

O que acontece...

1. Tudo eletrônico! Não dá brecha mais para os pensamentos bons, não tem espaço mais para a largueza de horizontes, as câmaras de gás modernas asfixiam a generosidade, tudo tornou-se praticidade, tudo é comodidade.

2. Tudo é conveniência, nada é verdade, nada é sério, a não ser  as contas, a fatura, tudo gira em torno das finanças, não se afiança mais a amizade, a confiança tornou-se banal, nada vale, tudo vale, dependerá do espelho que você "mira a realidade".

3. Ouvi alguém comentar na rua ontem - um transeunte que calculava:" Hoje tá tudo eletrônico, até a família, os amigos, a faculdade, o emprego, a namorada..." Tava frio, o termômetro da paulista em cima marcando 10 graus, e me vi repetindo a frase:"tudo eletrônico" O jeito é rimar... e saiu esta adiante.

4. Alguém vai indagar: - Não tem um lado bom? Eu sou suspeito de falar mas devo reconhecer quem  canaliza intenções, a eletrônica  coadjuva  e auxilia, proporcionando ao internauta ferramentas indispensáveis  em várias direções.Ela me deu ânimo e meios para externar estes versos e isto nenhuma editôra da era do papel sequer olhou para o meu lado.

5. Estou falando do espírito eletrônico, da forma de  utilizar  seu mecanismo e neste sentido eu digo respondendo à pergunta acima: - Deve ter sim, eu por enquanto só enxergo o menor esfôrço e o raciocínio, quando não se está antenado no trânsito louco da capital paulistana que a gente ama, tende-se a descansar preguiçoso, pois a confiança na máquina programada suplanta o lado perigoso da vida.

6. E os seus bytes salvadores solucionarão os transtornos do dia a dia, tudo por um click, nada que me motive a não ser repetir: "tá tudo eletrônico." Me lembrei do Biotônico Fontoura, ele me levou a outra esfera, me transportou para a era antiga das canções de roda, dos pontilhões dos córregos caudalosos e piscosos.

7. A vida, meus amigos, correndo solta nas roças de milho verde, nas trempes da broas de fubá, nos cantos dos canários, dos sabiás nas laranjeiras, dos sapos canecões nos brejos da canjerona, os juás e as dormideiras, do leite tirado no curral, dos embornais na escola do arraial.

8. E voltando a realidade de hoje pergunto prá que tanto carnaval, gente correndo, gente sofrendo, gente na conduçao apinhada, será que vale à pena tanto esfôrço, tanta invição de talento, tanto tempo malbaratado?

9. Se perguntasse ao ouriço-cacheiro a razão, ele responderia: - Seu moço, vou ficar aqui no meu mato sossegado, pois aí tá tudo complicado!

10. É um fato , são milhões de fatos que no conjunto me deixam exausto, roubaram meu sertão, fizeram dele uma grande cidade, inventaram a era on line, roubaram a conversa amena e no seu lugar plantaram as desavenças, a pressa virou tema, ao sair na rua começa a corrida sem rumo certo.

11. A calma perdeu a sua alma, o tudo e o nada se encontram para falar de futilidades. A tranquilidade se ausentou, quem não está preocupado com o serviço, perde o juízo em excentricidades, corre-se para casa para ver a novidade do capítulo da novela, se chover pode acontecer parar na marginal.

12. Sumiram o céu estrelado e a lua de São Jorge, ficou na saudade os sonhos de acalanto e vive-se amuado no nosso canto ou na beirada estreita. Deita-se extenuado, acorda-se cedo para o trampo espelhado e dá-se tudo para um pulo no shoping, às compras parceladas, um belo penteado ou caminhar nas esteiras das academias vistosas.

13. Nada me completa, tudo me aborrece, pelo menos escrevo versos e marcando o que acontece... que o tudo tornou-se igual ao nada e por isso a gente padece.

Helder Tadeu Chaia Alvim