terça-feira, 28 de setembro de 2010

Amizade, um sentido forte

Eu só quero saber da poesia, amigos que caminham comigo de mãos dadas. E tenho alguns que compreendem minha jornada.Eles me apoiam, se estou faminto repartem comigo o pão da sua mesa. Vou caminhando, cismando, na certeza certa de tê-los por perto, entendem o que digo, máxime nos dias chuvosos, nos dias áridos de sol ardente, nas noites calmas, mornas e sorridentes. Seu olhar me acompanha de perto e dizem poeta estamos contigo e nada mais importa. Ao sair deixe a porta aberta, pois os sonhos estão para chegar no afago de suas recitações. Se tropeçar nós lhe amparamos, se trupicar pode apoiar em nosso ombro. Se estou desesperado me dizem estes anjos da minha guarda: poeta olhe as rimas... pois  acima de sua cabeça está aquele que na certa não vai nunca lhe desmerecer, aquele que foi poeta e não deixou palavras incertas, mas sim eternas e do bem, aquele do reino celeste unido, aquele dos mandamentos do amor e prece perene, aquele que convida a humanidade a caminhar em busca das plagas celestes, imutáveis no aconchego da sua luz irrefutável. Depois destas palavras iluminadas indaguei quem era o santo ou profeta que duelou com o tempo, rimou o mundo, sofreu a ignominia da cruz, venceu a morte na poesia de sua magna presença? E me responderam , foi Jesus Nazareno!

Helder Tadeu Chaia Alvim
Poeta Minimalista

Porque?

1..Porque tantos poemas, tantas letras registradas, se elas todas se perdem no vazio de um quase nada! Porque tantas noites mal dormidas, tantos espaços preenchidos, tantos motes variados que buscam e não encontram o eco desejado.

2.Porque escrever até ao amanhecer e constatar que por mais que se faça estas linhas encontram o riso disfarçado de anseios vãos sem volta daqueles que se entregaram aos deuses dos olimpos modernos.

3.Porque o poeta teima em insistir se o mundo consiste em ter para o prejuizo do ser. Encontrarão estas rimas um coração singelo? Aquiescerão a sua sina bendita? Ou se diluirão incompletas neste extenso e inacabado universos dos versos.

4.As interrogações pairam no ar. Os sinos de finados tocam, as mãos trêmulas do indicado mal e mal confundem as variações. A homenagem se encerra, finda na expectativa não reconhecida sem uma rosa de obséquio. 

5. Os versos interrompidos jazem no fundo da noite sem uma mortalha azul, sem uma lágrima deixada, sem um último torrão de terra em seu rosto sereno.

Helder Tadeu Chaia Alvim
Poeta Minimalista 

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

A mão que conduz o volante é a mesma que vai definir o futuro sustentável...

&1.O dia em que a cidade de São Paulo não parou... e os ciclistas tinham razão... Na qualidade de poeta mínimo que ama esta cidade das oportunidades não posso me calar, a voz da poesia que me acompanha nestes longos anos me impele a manifestar com fôrça e respeito em defesa das instituições sagradas da democracia.

&2.Não vou minorar toda a verdade acerca desta cidade altaneira e objeto do encômio dourado de tantos poetas antigos e novos e em coro com tantos outros colegas de inspiração esparsos pelos quatro cantos da metrópole pujante, orgulho de todos quanto aqui nasceram ou vieram de outras paragens em busca de melhores dias para a sua prole.

&3.Em uníssono com todos eles, cidadãos do bem, assíduos em minha maneira de pensar e julgar fatos e diretrizes da nossa cara terra da garoa que tomo  a iniciativa de lavrar este manifesto urgente que visa unicamente contribuir para a elucidação do caos iminente que sonda sorrateiro e impune àquela que se intitula com toda a categoria e justeza: a locomotiva do Brasil. Não nos iludamos, cai aqui, cairá lá irreversivelmente.Invariavelmente seremos enredados no jogo do dominó enfileirado.

&4.O sonho de todo brasileiro- fui criado ouvindo esta máxima- é de ter a casa própria e o famoso carro okm - um poizé cai bem também. Não sou contra, a casa abriga e dá conforto e a certeza de uma velhice longeva e tranquila. O automóvel uma certa mobilidade, leva a pessoa a vários lugares, dá aquele statuzinho almejado. 

&5.A aposentadoria da seguridade social um sinônimo do futuro seguro em meio as incertezas que pairam na sociedade insegura destes tempos dificeis, sem mais nem menos passo ao assunto enunciado. Vem cá, amigo que me prestigia neste blodg interativo e democrático, neste espaço em que podemos ainda afirmar ou negar segundo nosas convicções e opiniões diversas sem cerceamento da liberdade individual protegida pela constituição brasileira.

&6.A cifra esta aí - mais de 600 mil novos veículos licensiados na metrópole dos bandeirantes. Eles que andaram um dia a pé e em lombo de mulas a procura de ouro e por conseguinte alargando nossas dimensões continentais não imaginaram em sua rusticidade valente o futuro tumultuado que in fieri chamavam para si. A par de Nóbrega e Anchieta, pilares dignos e santos da civilização cristã, certamente em suas intuições proféticas viram com clareza o caos que se estabeleceria e se estivessem hoje nos púlpitos da suas Igrejas, concordariam com os poetas do povo e suas acanhadas assertivas a respeito da situação atual da São Paulo do planalto de piratininga.

&7.Raul dizia que chegaria um dia que a terra iria parar, será que se referia à São Paulo. Não sei! Será? Estudos já foram feitos, calçados com argumentos sólidos de valor international. Os motores movidos a combustíveis fósseis são os grandes responsáveis pelo aquecimento do planeta. Esfumaçam a nossa vida e provocam males irreversíveis à saúde. A revista Science- segundo o Diário do Comércio informa 12-Logo de 23/09/2010: os cientistas "iniciaram uma pesquisa ousada. Em busca de ar puro, eles precisaram descer 40 metros abaixo da superfície nos cantos mais remotos da floresta amazônica..."

&8.E tem  mais, as geleiras estão derretendo, esquimós adquirindo geladeiras, os ursos polares em extinção, os danos ao meio ambiente patentes que rimar estes fatos candentes dói o coração de um poeta lírico que queria somente escrever para espairecer, mas não omite calamidades anunciadas. Daqui há dez anos vai faltar água nos mananciais que abastecem São Paulo. Ela vai virar mercadoria a preço de ouro, etc e tal...

&9. Precisa haver das autoridades constituidas pelo voto soberano medidas sérias que dê continuidade a solução destes problemas pois governar  é cuidar do bem comum em consonância com as leis constitucionais.O que não se pode admitir dado o alto risco global que eles se ponham a pintar o casco do grande transatlântico da humanidade com medidas paliativas.Daí a urgência na aplicação das verbas públicas centavo por centavo na consecução de projetos que realmente revertam a situação de caos que estamos adentrando a olhos vistos e ouvidos surdos. 

&10.O que assistimos estupefatos nos embates da eleição é a preocupação génerica e antagônica de se defenderem dos ataques orquestrados de seus adversários e o salve-se quem puder virando voz de comando. As alianças mais estranhas se apresentam, o caldeirão esquenta e chamusca a cara de muitos em prejuízo do livro exercicio da cidadania. São olvidados temas urgentes de consecução como educação, segurança pública, violência, meio ambiente, transporte de qualidade, os impostos devidamente direcionados à função social.

&11. Vemos com pesar que a seriedade da carreira das coisas públicas que ilustraram tantos de nossos maiores, que enrubesceria um Rui Barbosa,Taunay, Pedro II, Rio Branco, entre outros,atualmente perde campo para os aventureiros de plantão, arma o circo, ri da situação e rouba a cena das tradicionais caras conhecidas e com uma larga fôlha de serviços prestados.Sem arguí ninguém, por enquanto, tem nomes sérios no cenário nacional.

&12.Ontem aconteceu na Avenida Paulista a manifestação dos ciclistas dizendo não aos carros movidos à combustão, teve até o pitoresco carro de bois, que beleza! E achei producente, mas com a máquina montada da alta definição do consumo, penso que não terá muitas consequências práticas.Lamento!Perde São Paulo a pouca qualidade de vida que tem, perde-se a calma e o bom senso que duelam no trânsito infernal e sem volta. A cidade nação corre o risco de morrer na praia e ainda na ocasião se ela estiver por lá. Arrisca-se na conjuntura atual a afugentar investimentos sustentáveis e ela própria  já  não parece ser dona de seu destino e nem mesmo saber para onde ir.Uma espécie de anestésico corre em suas veias e ela,coitada não se dá conta.

&13.Isto é ruim, em vez de disputas inócuas da política porque não a união para salvar sua doce hegemonia de continuar ditando os rumos brasileiros. Cala hoje seus poetas do povo sem voz e vez e surge a matilha tumultuada de lobos vorazes engolindo seus princípios e suas emanações do bem.

&14.O vendedor de flôres como canta magistralmente Seu Jorge, já não tem  como vender mais seus sonhos, suas flôres murcharam e com elas seu futuro encontra-se em perigo.Sem ais eu digo e os ciclistas tinham razão...Ando a pé sempre e pela lente aguda dos transeuntes pedestres pude colher estes versos do coração e a eles agradeço a inspiração e tudo o mais!Pude colher um não somado a milhares de vozes e não vão parar até que a a harmonia se restabeleça. Pensar, agir, protestar Isto vai dar o que falar.Amigo, não se iluda junte-se a nós pois a mão que conduz o volante é a mesma que definirá o futuro sustentável e consciente para as futuras gerações.

&15.Nós, os poetas do povo não vamos deixar perecer valores, não aceitaremos imposições da era consumista e que firam nossas leis sagradas e a constituição federal. Queremos a decência nas coisas públicas e junto com a sociedade vamos afastar na lei e na ordem todos aqueles que não nos representarem legitimamente.Cobraremos de nossos políticos no Governo, na Câmara e no Senado medidas urgentes para a educação,direcionamento transparente dos impostos, segurança, as reformas tributária, política,carcerária e previdenciaria, transporte, maior proteção ao jovem, a mulher e ao idoso, ao morador de rua, refém de sua desilusão e também melhores salários para as classes laboriosas, fazendo menção especial ao corpo docente de nossa cidade e estado, esperança de um futuro mais preparado e culturalmente correto. Maior valorização ao funcionalismo público em termos salariais, melhor aparelhamento das policias civil , militar, corpo de bombeiros e a guarda civil metropolitana com salário adequado às suas funções de alto risco.

&16.Se político fôsse e não tenho pretensão de sê-lo fundaria um partido nacional intitulado O J Literato para atuar com seriedade, transparência e competência pela cultura, bom senso, solidariedade e justiça visando a formação de um país ideal de fato, autêntico de raiz, promovendo o bem estar para todos os brasileiros sem distinção, sem assistencialismo mas com oportunidades iguais, valorizando o esforço de cada um. Poetas do povo somos e vamos continuar na jornada insólita e difícil e ninguém vai calar a nossa voz.Queremos nosso lugar ao sol e ser protagonistas do mundo bom de Carlos Drumond de Andrade ou antenas plugadas na realidade social e sofrida de  nossa gente e que farão muitas vezes morrer de dores que não são nossas, como dizia mais ou menos assim Newton Braga, poeta capixaba.

&17.Se em todos os campos da atividade profissional requer-se qualificações, phds e outros requisitos por que nâo aplicar esta máxima normativa à politica. Chega de representantes inaptos e corruptos e não afeitos ao bem comum. Somos ou não somos uma nação soberana e democrática no livre exercício de nossa cidadania, porque querer calar as  verdadeiras vozes dissonantes e carregadas de preocupações procedentes? O voto é secreto, mas secretas não podem ser nossas opiniões, nossas conquistas, nossa busca incessante por um mundo bom,justo solidário.

&18.Deixo a todos com um sorriso de otimismo, um caloroso abraço de união, aquela conversa amena já valerá um quinhão de coisas boas. Faça, amigo valer sua voz presente preservando as nossas instituições democráticas pois saiba que fica sempre um pouco de perfume nas mão que oferecem rosas e defendem com garbo e determinação os destinos soberanos da  nossa querida nação brasileira. Vamos começar todos um dia por mês deixando o automóvel na garagem e se dispor a andar a pé pela cidade. Vamos descobrir juntos uma outra São Paulo diferente, mais solidária e consequente Dê uma chance a ela... Por que nâo?

Helder Tadeu Chaia Alvim
Poeta Minimalista

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Lentes Anônimas 2

1.Ao findar minha vida sei que me reserva as promessas divinas.Cristo amigo me dará um lugarzinho ao sol e que o eterno fanal alumiará minha alma. Por que então  não acestar as baterias nesta direção? E o que pretendem estas rimas mínimas sem maiores pretensões de fama e mérito, apenas  o crédito devido para Deus, autor da arte e  da criação em sua várias estações.

2. Estranhas palavras, desconhecidas de hoje, ausentes da bôca dos pregadores, distante dos ouvidos dos homens - tão preocupados com o consumo de bens que a traça e os ladrões arrebatam, as catástrofes naturais, infelizmente destroem, a ganancia das mãos esbanjam.A lista seria enorme, que é melhor para por aqui, não é mesmo?

3.Se as verdades perenes não morrem nunca  e carregam consigo promessas eternas, porque  tantas ilusões, tantas bravatas. Se a vida corre em ritmo frenético, hoje a gente é um sopro, amanhã torna-se uma sombra e tudo se vai mais cedo ou mais tarde. Ao descermos ao túmulo, levado pelos amigos e parentes, logo em seguida por fôrça das circunstâncias somos esquecidos de vez, o máximo que ainda se lembrarão de nós será pelo espaço da missa de mês ou de ano.

4.O motivo destas linhas é para que a humanidade se alinhe no bem, acredite em outra vida, aquela onde habitam Deus, a Virgem Maria, os Anjos e Santos na plenitude ilimitada de suas ações benéficas. Vou encerrar estas palavras com a alma acalentada. Sou um poeta da antiga,as minhas cantigas não estão ultrapassadas e sim acenam para o futuro e para a única certeza que temos da finitude que um dia vai bater à nossa porta. Daí um toque no seu ombro para não olvidar a preparação e não descuidar nunca da construção diária do nosso tão sonhado mundo bom. 

5. É inevitável, a era do Smartfinger chegou e poderemos com ele calmamente medir o pulsar de tudo o que vier de novo e deixará o facebook de queixo caído. Haja informação! Também a Internet Explorer 9(IE9)Interativo desembarcou definitivamente projetando tudo para o infinito. Isto tudo é para lembrar que as coisas estão em contínua mutação e a humanidade caminha para o tudo e o nada para a sua elevação total ou para a sua completa ruína. Dependerá da escolha de cada um em particular, do consenso grupal e das lideranças mundiais.

Helder Tadeu Chaia Alvim

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Lentes anônimas na era do"Smart Finger", do "Facebook" e do Explorer 9 (IE9) Interativo

1. É, gente sensata a mente humana não para de elaborar novos conceitos e em uma velocidade supersônica, por assim dizer. Hoje à noite puz-me a contemplar o céu paulistano, sem muitas opções, meio desinteressado e derepente ao vislumbrar a estrela d'alva lembrei-me de minhas origens interioranas, moleque de calças curtas, alegria estampada  no rosto, traquinagens a torto e a direito. Depois de muito chão vim para a cidade grande,oriundo das Gerais para realizar um sonho, olho para trás apreensivo e constato que não fiz nada, ou quase nada exatamente a não ser colher o vazio, alguns escritos.

2. Tornei-me um senhor de cãs disfarçadas, um emprego ou quase nada que me proporciona uma vida de mendicância digna. Se não fôsse alguns amigos estaria perdido. Eles ainda acreditam em mim, em meus poemas e não cansam de repetir que a vida tem seus lados positivos.Finjo acreditar em meio às frequentes noites perdidas de sonhos e ilusões, regada o mais das vezes pela a manhosa do alambique, visse!!!

 3.É, gente sensata é dureza sonhar e não ver realizados seus intentos mais nobres e puros, andar, divagar e
devagar constatar a nossa volta sempre um ambiente diferente do acordado, esfriar e esquentar a cuca e não ter um barranco seu sequer para encostar o esqueleto cansado e descoroçoado.

4. Não sei porque estou escrevendo sobre este assunto pois a poesia não encontra lugar comum no espaço livre dos novos pensadores da era digitalizada e dita avançada. Ao clicar nos oferecem logo produtos, vantagens que não precisamos exatamente. Há mister de um mundo diferente, reluzente na tez, que tivesse vez a autenticidade do pão pão, queijo, queijo não as embroadas falsas da vida atual.

5. Há mister de um mundo de cores verdadeiras, onde a diversidade, a reflexão, a bondade reluzam para todas as nações, não o ambiente de danação, guerras, conflitos, violências e desigualdades gritantes deste planeta convulsionado e hesitante, sem Deus e sem alma. Há mister de cultura e poesia plena dos antigos poetas, não as letras servindo às manipulações políticas, sociais, quantitativas e eleitoreiras dos garrafais. 

Helder Tadeu Chaia Alvim

Finitude Emblemática...

1.Não vamos negar, quem nunca se sentiu para baixo por algum motivo, não vou especificar. De vez em quando aquele momento ruim aparece e dá mostras de que não vai mais se mandar, sinalizando que a existência é passageira e não escolhe a hora derradeira.

2.Sem bater à porta entra sem avisar, aproxima ao som de um estrepitoso par de tamancos, saúda a gente e tumultua o ambiente exatamente ou como que calçada com chinelos de pano vai chegando de mansinho de seu perigoso contato e o nocaute é imediato.

3. Não há como argumentar, encará-la de frente nem pensar, não existe solução aparente,  chega na hora que bem quiser vai embora deixando para trás o sentimento forte da finitude emblemática.

4. Amigo on line que prezo e estimo, se não gostou da temática acima, não tem problema, afinal quem sou eu para querer impor idéias que nem mesmo sei onde chegarão, escrevo apenas no repente da desilusão sem a pretensão de ser guia, apenas tentanto ficar lúcido a tamanha consternação geral. Então esqueça o que disse, talvez fôsse melhor sintonizar em outros canais, plugar outros assuntos, explorar outros campos se não crê na finitude que nos é peculiar e que um dia vai chegar...

5. Aproveitar sua potencialidade é coisa boa. Quanto a mim vou passar um chá de guaco com gengibre no coador de pano e virar para o canto, quem sabe a maré no seu refluxo salutar me reserve alguma surprêsa
agradável e o dia raie diferente prá gente!

Helder Tadeu Chaia Alvim

Muito perto e muito longe...

1. Não sei se fico, se passo, a incerteza chega e não se tem meios de despedi-la, desenrolar o novelo embaraçado a que me enleou,desolado caminho tentando encontrar a rora desconhecida,alinhar versos, rimas, dizeres, sei lá o que!

2. Gente sensata que lê estes versos mínimos, me ajudem por favor,dêem sua opinião, conserte-a comigo, partilhe sua punções!!!

3. Penso de lá, cismo de cá, olho em volta, mais além do horizonte,reviro os bolsos, converso com as pessoas, observo os transeuntes,entro numa Igreja, persigno-me, vou à pia de água benta, ajoelho,faço uma oração, levanto-me, saio novamente sem rumo, agora um tanto aliviado,e ainda não atinjo a morada desconhecida das respostas acertadas.

4.Vou dormir um sono leve, levanto, ando pela casa, bebo um gole d'água e retomo os pensamentos.

5.Seria a busca por um sinal? Uma inspiração salvadora? As horas passam na quietude inquietante, a cidade dorme o sono da preocupação e na sua calma aparente chora lágrimas desconcertantes.

6.E percebo que tudo se encontra muito perto e muito longe, sem conseguir chegar a uma conclusão definitiva, alongo as palavras na ânsia construtiva de absorver a dor que tonifica a alma nas horas quase desertas das madrugadas paulistanas.

7.Averiguo o infinito, a atmosfera fria de setembro, o domingo se foi, a segunda está em curso e não sei até onde aguento o desalento que persiste e não me abandona.

8. Se ao menos sonhasse um sonho amigo, se tivesse um interlocutor que desvendasse os mistérios ocultos de vidas sofridas, não carregadas na tinta, mas extravasadas na poesia de dúvidas momentâneas.

9.Se são estranhas aos seus ouvidos, companheiro de jornada lírica, queira desculpar estes versos livres e presos à franqueza que os determinam.Partilha-lhos é bom e necessário nesta hora on line de alta definição e oportunidades inauditas e benditas para os poetas do caos, dos casos e também dos causos... Neste contexto suave a sabedoria se encerra e nos é facultado expandir seus anseios de mundo bom como queria o mestre dos mestres: Drumond.

Helder Tadeu Chaia Alvim
Poeta Minimalista

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

O confidente e o Google soberano

1. Agradecendo os cliques enviados informo ao leitor amigo que atingimos a marca de180 poemas editados neste blog e o momento merece comemoração e a disposição de continuar  idealizando mundos, tentando mudar os rumos de um universo em versos conforme proposta original anteriormente projetada.Ainda mais que o Google completa doze anos de vida útil, proveitosa que diversificou espaços e se tornou este colosso de fato. Se não fôsse sua concepção original on line, certamente eu, você e milhões de internautas não estariamos blogando a vontade.Vida longa ao  Google...

2. Não foi fácil,dado os limites aleatórios de um poeta de esquina, mas vamos continuar a conversa iniciada no marco zero, quando dizia que mesmo sem inspiração iria anotar alguma idéia na monção sincera de falar consigo, amigo distante, ousar no instante presente confabular, saber de sua vida, projetos e sonhos, neste ambiente virtual fazemos caminhadas, muitas vezes insólitas, não é mesmo?

3.O calor humano é a coisa mais bonita que pode existir, conversar com alguém um assunto ameno e proveitoso alivia as tensões inerentes à condição de finitude a que está sujeita  a raça humana e que ronda inexorável cada um de nós em particular.

4. Mesmo o camaudulense mais retirado da sociedade esta unido a poesia divina com um elo mais forte, pois suas conversas são  com o autor da criação de onde emanam as belezas, o equilibrio de suas assertivas espirituais.

5.Pois bem temos um confidente disponível sempre, e qual será ele? Ah! o papel em branco aguardando nossas reinvidicações, nossos soluços, nossas apreensões. Fale com ele, está sempre acessível, contrário aos nossos políticos, vespertinos de eleições.

6. Ele tem uma sede insaciável de ouvir sem interomper seus raciocínios, sem invectivar seus vaticínios.Ouve paciente, guarda contente tudo o que você deposita em juìzo. Se algum dia vier a publicar, a sua decisão final será soberana e irrevogável, sem segredos e inquietações.

7.Já  se  passaram ao todo 15 minutos e  ainda não terminei.Ele me convida a continuar tarde a dentro revelando o que se passa comigo, o que quero, o que não consegui, as tristezas caóticas da realidade atual, os descaminhos da política  que abocanha verbas e ri solerte  de  seu assistencialismo anti-democrático que embaça a conjuntura política a seu bel prazer para perpetuar-se no poder.

8.Deixo neste papel umas gôtas daquele  calor humano que  falavamos acima. Amigo, sinta-se em casa com estas letras espassadas,são suas também  pois facultam  à vontade sincera de um novo tempo adentrado na  paz, encouraçado nos  valores da amizade e na soberania da bondade.

Helder Tadeu Chaia Alvim