segunda-feira, 13 de setembro de 2010

O confidente e o Google soberano

1. Agradecendo os cliques enviados informo ao leitor amigo que atingimos a marca de180 poemas editados neste blog e o momento merece comemoração e a disposição de continuar  idealizando mundos, tentando mudar os rumos de um universo em versos conforme proposta original anteriormente projetada.Ainda mais que o Google completa doze anos de vida útil, proveitosa que diversificou espaços e se tornou este colosso de fato. Se não fôsse sua concepção original on line, certamente eu, você e milhões de internautas não estariamos blogando a vontade.Vida longa ao  Google...

2. Não foi fácil,dado os limites aleatórios de um poeta de esquina, mas vamos continuar a conversa iniciada no marco zero, quando dizia que mesmo sem inspiração iria anotar alguma idéia na monção sincera de falar consigo, amigo distante, ousar no instante presente confabular, saber de sua vida, projetos e sonhos, neste ambiente virtual fazemos caminhadas, muitas vezes insólitas, não é mesmo?

3.O calor humano é a coisa mais bonita que pode existir, conversar com alguém um assunto ameno e proveitoso alivia as tensões inerentes à condição de finitude a que está sujeita  a raça humana e que ronda inexorável cada um de nós em particular.

4. Mesmo o camaudulense mais retirado da sociedade esta unido a poesia divina com um elo mais forte, pois suas conversas são  com o autor da criação de onde emanam as belezas, o equilibrio de suas assertivas espirituais.

5.Pois bem temos um confidente disponível sempre, e qual será ele? Ah! o papel em branco aguardando nossas reinvidicações, nossos soluços, nossas apreensões. Fale com ele, está sempre acessível, contrário aos nossos políticos, vespertinos de eleições.

6. Ele tem uma sede insaciável de ouvir sem interomper seus raciocínios, sem invectivar seus vaticínios.Ouve paciente, guarda contente tudo o que você deposita em juìzo. Se algum dia vier a publicar, a sua decisão final será soberana e irrevogável, sem segredos e inquietações.

7.Já  se  passaram ao todo 15 minutos e  ainda não terminei.Ele me convida a continuar tarde a dentro revelando o que se passa comigo, o que quero, o que não consegui, as tristezas caóticas da realidade atual, os descaminhos da política  que abocanha verbas e ri solerte  de  seu assistencialismo anti-democrático que embaça a conjuntura política a seu bel prazer para perpetuar-se no poder.

8.Deixo neste papel umas gôtas daquele  calor humano que  falavamos acima. Amigo, sinta-se em casa com estas letras espassadas,são suas também  pois facultam  à vontade sincera de um novo tempo adentrado na  paz, encouraçado nos  valores da amizade e na soberania da bondade.

Helder Tadeu Chaia Alvim 
Postar um comentário