quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

no azo da canoa furada

1. Com a recente notícia da renuncia de Bento XVI, um assomo de tristeza toldou o firmamento da Igreja Católica; sem dúvida seus destinos  e rumos na aparência se ofuscaram, dando azo aos seus inimigos plantonários a emitir opiniões e criticas as mais diversa possíveis. E muitos católicos  perguntam o motivo de inusitada decisão por parte daquele que conduz a nau de Pedro com competência, qualidade de serviço e prática heroica das virtudes cristãs,defendendo-a, cultivando a messe com esforço e gosto pensado, um pontífice á altura de seu antecessor o beato João Paulo II, de feliz e saudosa memória.

2. Na qualidade de ex seminarista, que apreendeu com Dom Antonio de Almeida Moraes Junior, nos bancos da filosofia no Seminário São José em Niterói(RJ), o catecismo romano, os dogmas, as verdades da fé e a poesia inerente à Hagiografia cristã, sinto-me na obrigação de falar antes que as  pedras se manifestem em meu lugar.O Arcebispo de virtudes conhecidas pelo seu redil, de posição doutrinária firme, de devoção ardente a Nossa Senhora, de quebra foi um dos maiores oradores sacros do Brasil e editou o formoso breviário de Maio, uma elegia preciosa à Virgem Maria, Mãe de Deus, Mãe da Igreja e Medianeira Universal de fato e por direito das graças celestiais.

3. Esta explicação longa é para dizer a que vim e porque começo a tratar de um assunto espinhoso e candente que envolveu a Igreja de Cristo neste dias que correm, mais para o abismo do que para as altas definições pretendidas às margens do Mar de Tiberíades naquela tarde de beleza única quando o Mestre dos mestres arrebanhou doze iletrados homens, alguns rudes pescadores, retos de coração e fundou uma instituição que desafia ventos e procelas e projeta a beleza de seu destino perene e eterno.

4. Como é conhecido pela tradição Jesus Cristo firmou Pedro no cargo e serviço de Papa, o sumo pontífice detentor das chaves e com o poder de ligar e desligar tudo e brindou sua missão contra as portas inferi no decorrer dos séculos na pessoa dele e de seu sucessores. Ou seja prometeu uma assistência diária com as graças emanadas dos sacramentos, com sua presença real na Eucaristia até o fim do ciclo humano, até o anunciar dos clarins angelicais, quando da consumação dos séculos.

5. A presença de Pedro, o Grande ´Pescador se fez sentir no decurso das eras distribuindo as benesses do gólgota salvífico, chamando trabalhadores para ingressar em sua fileiras do quilate de Santo Inácio de Loyola, Teresa d'Avila, Nóbrega, Anchieta, Frei Galvão, Pio X, João Paulo II e Bento XVI entre milhares. A profissão firme de fé estivera presente desde a primeira era de Luz com Inácio de Antioquia, Sebastião, Luzia de Siracusa.Na quietude de oração e labor de Bento de Núrsia, suas ações de caridade se fizeram sentir sempre à moda de São João Bosco, no cuidado e esmero em cuidar da frágil e inquieta juventude, menina sagrada dos olhos do Senhor Jesus. Objeto de anátemas se escândalos de qualquer ordem forem causados à inocência dos pequeninos.

6. Agora o que pasma mesmo são as notícias envolvendo altos dignitários eclesiásticos e padres em escândalos de pedofilia, praticados justamente por aqueles que tiveram idêntico chamado para serem o sal da terra e a luz do mundo, daqueles que por dever e honra do ofício sagrado deveriam apascentar as ovelhas do redil de um Deus Humanado e não o fazem e quebram votos de ressonância sobrenatural. Melhor fora que envolvessem uma corda em seus pescoços e pulassem no abismo antes de macularem a terra com suas ações abomináveis. Dissera Cristo, e não este reles poeta, de antemão o anátema em duas ocasiões conhecidas: 'Deixai vir a mim as criancinhas...' Melius es si natus non fuisset.' As conclusões deixo a cargo do leitor assíduo a este blogger.

7. Assunto denso e triste, mas é real, na minha consideração, e com indignação vejo nestes pastores o veneno de Louda, a traição abominável ao Mestre da pureza que assumiu a nossa natureza no seio de uma Virgem , sem concurso do homem e que por obra e graça do Espírito Santo operou a obra da redenção e deixou a herança bendita para sua Igreja do mais belo gesto que se tem notícia na história da humanidade.

8. Se Jesus Cristo fundou a Igreja para atrair a si todas as coisas, se fez o que fez por nós homens e pela nossa salvação equipou seus ministros de mecanismos de sustentação e nada deste mundo justifica estas atitudes espúrias e fora da lei civil e divina, atos condenatórios que bradam ao céus por reparação e justiça, penitência e afastamento de suas funções eclesiais, julgamento e condenação pelo braço civil.

8. E Bento XVI  sabe de tudo isto e agiu rápido, cônscio de seu múnus supremo, sabedor de suas limitações físicas, renuncia a favor da Igreja que serviu com tanta abnegação por quase uma década de trabalho pastoral profícuo e merecedor de mil agradecimentos do coração dos seus mais de hum bilhão de seguidores espalhados pelos cantos  do planeta.

9. Estes incidentes de  percurso, apesar de serem horríveis e objetos de execração geral da sociedade não influenciarão numa instituição de direito divino e o olhar do próximo pontífice, eleito por ação direta do Espírito Santo vai continuar a zelar pela ortodoxia, pela fé e moral, baluartes da barca de Pedro. Ele saberá extirpar o mal pela raiz, punir exemplarmente os sediciosos e fazer ressurgir a tão almejada paz sem arranhaduras, aquela paz que um dia emanou do lado aberto do Cordeiro e que não terá sido em vão.Passam os homens e suas vaidades, eles e seus erros passam na efemeridade que lhes é própria, 'só Deus não morre', no dizer do presidente do Equador no passado: Garcia Moreno.

10. Canoa furada para os céticos, nau sagrada para os crentes desta era atípica de tantas negações e  desencontros, de tanto mal estar universal, de tanta desagregação de valores autênticos, de tanta gente desaprecatada e sem noção, de tanta gente altruísta, de tanta gente otimista e ao mesmo tempo pessimista, quando o tudo e o nada se encontram no mesmo lugar, que escrever o que escrevi entristece o meu pensar e gostaria de poder estar calmamente em algum sarau de poesia no parnasso de doces e inocentes ilusões.

11. A Igreja Católica conta com mais de hum bilhão de seguidores no globo terrestre, é uma instituição sólida, que mantém as promessas divinas e não vai sossobrar nunquinha, mesmo quando escrevo este texto o santo sacrifício da Missa é oferecido em algum lugar e há quem reze com fé e emoção:'... venga a nosotros tu reino; hágase tu voluntad en la tierra como en el cielo.'A Igreja continua perseguida nos países totalitários, muitos fiéis são martirizados pelas suas crenças, e muito se reza pela união a Sé Romana. Parte hoje Bento XVI, amanhã surgirá seu sucessor para continuar nas pegadas dos Grande Pescador: Simão Bar Jonas e  em torno do trono pétreo seguiremos na unidade e submissão ao 'doce Cristo na terra.

11. E cá estou batendo na bigorna das crises internas da minha Igreja, na qual fui batizado, na qual professo o Credo com todas as veras do meu humilde e irrequieto coração de pecador,na qual passou longos anos nos bancos saudosos do seminário, mas que não aceita esta onda satânica de pedofilia que varre a nau de Pedro e 'pretende' naufragá-la em mar alto revolto, sepultando-a com seus sonhos de felicidade eterna e o mundo ideal nesta terra, de fraternidade, paz, solidariedade e igualdade de condições nas partituras afinadas do Grande Poeta dos Versos perdidos, aquele da palavra que não muda, das promessas que serão cumpridas em toda a extensão de sua poesia única.

 12. Ah! Senhor Amado, Mãe de Misericórdia, os vossos olhos a nós volvei com urgência urgentíssima ' Fiat voluntas tua sicut in coelis et in terra...' Se Ele proferiu estas palavras é por que elas tem sentido e se tornarão realidade um dia aqui neste chão planetário. Sim creio  que Ele virá uma segunda vez para extirpar o joio e fazer florescer o trigo da devoção, da concórdia e do verdadeiro bem estar social, antes que as trombetas arcanas anunciem a última fase terrível para esta terra de ilusões, fracassos e males estares batendo à porta escancarada de um mundo de insidias e maldades que se deliberam a cada minuto.

13. A era da canoa furada não existe, existe sim a era do impasse entre o bem e o mal e a quase chegada do tempo de Deus. De nada adianta debater contra o Espírito de fogo; mortais somos e o menor sopro contrário e a nossa existência se pulveriza qual poeira quente no deserto frio das pseudos definições tecnológicas, das afirmações do ceticismo de um anjo influenciador que já viu coisa boa, que já provou o maná precioso e por orgulho abandonou a condição honorífica de Serafim para amargar o tremendo abismo do fogo infernal eterno sem nenhuma chance de retorno à sua Luz de origem e por pulso pretende a companhia dos mortais, resgatados pelo sangue de um Deus humanado.

                                 Deus Salve Pedro - Dios guía su Iglesia, La sostiene siempre.'!!!

Helder Tadeu Chaia Alvim

ops: - texto reacionário? - tu achas? - não faz mal, não tem importância numa boa, pois a reação mesmo será de Deus!  Se ele criou a lei da ação e da reação por que não vai explicitar em atos o que em seu pensamento eterno já está in fieri... abs de união.




segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

O was were e a justitia eius

o was  were e a justitia eius na era add-ons
1. Tanto se fala, tanto se declama, tanto se admira, tanto se odeia a poesia e poucos a conhecem de verdade, poucos aquilatam a sua grandeza, poucos vivem de sua seiva anímica e muitos se utilizam de sua graça para seus modismos de ostentação, quase ninguém priva com ela a essência de sua inspiração.

2. Por isso estão longe do seu pensar os namings e rigths, as passarelas fashion, a tela led da inovação e os add-ons,  recursos adicionais que complementam  a navegação cibernética. Ela está estabelecida desde a antiga Grécia na região atemporal da contemplação e seu parnaso encontra-se a disposição dos loucos lúcidos, daqueles que privam com ela a interação, a troca de benesses alheias ao mundo  da badalação.

3. Por que frisar, insistir neste tema? Pela simples razão que a poesia não é matéria comercializável nas bancas atuais e nunca se prestará às acomodações tão praticadas neste tempo sem razão.

4. Se ela trabalha com elementos palpáveis, factíveis de mutação, se isenta das definições pragmáticas, concentra sua forças espirituais no querer empírico, na consecução do mundo bom das letras e seu was were pode passar batido à distração das massas, mas nunca à alma quieta que contesta a progressão vertiginosa do ter em prejuízo gritante do ser.

5. Platão, Agostinho, Saint Exupérry, Hermann Hesse praticaram a seu modo o sonho de um mundo livre; Cristo, o Deus Humanado, senhor do tempo e dos conceitos, das vontades e das emoções verdadeiras  plasmou o conceito aludindo às traças e aos ladrões em contraposição à justitia eius.

6. Esquentar a tinta , povoar o papel em branco de traços e cores do céu parece ser o serviço de quem se dedica à poesia na prazerosa iniciativa de suas visões. Se passa mais ou menos assim qual criança que brinca com as letras e recortes de papelão e deles faz surgir figuras ou versos baseados nos anseios puros do seu coração.

7. Qual menino irrequieto vai enfileirando as rimas para mais tarde colori-las à gosto e mesmo que ninguém perceba fica em seu peito a satisfação desta criança plasmada no papel, num traço acanhado, num gesto livre personificando detalhes.

8. E nestes entalhes conceituais a sua alma canta junto ao universo imaginário de sua idealizações, canções desconhecidas, e se dependesse dele a vida seria um encanto, traria ao mundo a leveza própria contida nestas  dissertações...

9. Nasceu algo que é a razão de sua existência: a poesia simplesmente.Ela pode não ser vendável, pode mesmo não encontrar respaldo nas mentes dos que pensam o vazio, dos  que se ocupam do momento; este fomento a que se dispôs fere o ar sem se ocupar com a atmosfera crua e nua alienante da realidade.

10. Disse o que disse e teria muito mais a explicitar, no entanto foge de meus traços a palavra exata e prefiro encerrar, no aguardo da visita daquela que anuncia às manhãs outras brisas suaves, outras manhãs alvissareiras que nem mesmo sei explicar...

11. A poesia esteve aqui nestas páginas que persigo e talvez consiga numa curva de uma estrada que não é minha, mas que caminho fora do caminho, publicar no papel o alinho do que pude absorver para o bem de poucos e a felicidade do novo tempo que há de vir... pois a justiça do tempo soberano a libertará...

Helder Tadeu Chaia Alvim

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Yoani, a pérola das Antilhas sob a ótica mutante do tempo...

1. No  seu olhar vi muitas coisas que guardo comigo e algum tanto reparto neste blogger democrático do Google; dado o parco alcance de minhas assertivas poéticas na mídia doméstica sei o quanto sou acessado em outras partes do globo o que me alegra um outro tanto por estar antenado no arco entesado do movimento atual, esgrimando com as letras na produção e divulgação em tempo real.

2. Yoani veio visitar o Brasil, o que é bom e representa um passo importante na atual política de Cuba, um país que amamos e que almejamos inserido no contexto das nações livres.Muito se tem falado a respeito de sua passagem em solo Brasil e até, como seria de se esperar, virou manchete nos jornais, causou polêmica nas capitais por onde passou, enxergou realidades semelhantes ao seu torrão natal, viu um povo sofrido, desapercebido talvez e terá guardado  em sua arguta memória considerações possíveis e indeléveis.

3. Não cabe a mim decifrá-las, caberá ao tempo futuro constatá-las em prosa e verso em seu Blogger Generación Y. De minha parte no meu canto acanhado e livre vi a orquestração da mídia saudosista, a revolta de poucos tentando coibi-la ao falar da situação de seu querido País, a Cuba nossa co-irmã e quase vizinha caribenha.

4. Aqui na res publica Bar zileira todos tem voz ativa e vez cativa... Será?! Sem dúvida deu para perceber que no seu país de origem existem regras estabelecidas desde os remotos anos de 1958, onde os mandatários tem receio da luz dos fatos, temem a abertura, a livre iniciativa e uma gama de fatores da lei natural que fizeram a prosperidade da América do Norte.

5. No olhar de Yoani Sanchéz vi a esperança de dias melhores brilhar, sim! Vi a angustia e o aperto de seu coração patriota, vi a liberdade poética emergir das sombras do passado. Vi o estado bucaneiro sua ascensão e queda, vi as manchetes do Granma enaltecer seu líder máximo: comandante Fidel Castro. Percorri in fieri num assomo de sobressalto Sierra Maiestra, Moncada, Bayamo, Isla de Pinos, Oriente e Las Vilas.Vi as ações da FEU, do INRA, do ICAIC, ARJ, CDR, MRN, UCP e FMC.Vi a dissidência ao regime ser banida da ilha, o "paredon" e a prisão do poeta Armando Valadares.

6. Sem delongas quedei amuado, porque? para que? Perguntas que ainda pairam no ar pois toda a forma de governo que oprime seu povo, que o aliena da religião, que cerceie a sua liberdade individual torna-se ao extremo anti natural. Mas um começo da mutação se anunciou para os cubanos com saída da escritora Yoani Sanches da Ilha com visto chancelado pelo governo .

7. A mutação necessária está acontecendo, o que é um alento.Resta saber até quando e como isto se sucederá para Cuba se inserir totalmente na nova era humanitária que bate à sua  porta com insistência, calma e determinação.

8. Em terras brasileiras Yoani viu os dois lados da face verde e amarela, uma e outra que berram, gritam e falam na liberdade que lhe faculta a constituição.Viu gente indo e vindo, alegre, triste, calada, falante, colheu o sorriso de muitos, a aversão de poucos. Na sua retina certamente sentiu-se em casa e afirmou a que veio e  os propósitos de sua visita tornaram-se notórios, sem maquiagem, brilhou no palco da atenção da Capital Federal e na cidade de São Paulo e em diversos outros lugares.Esteve no glorioso Nordeste de um povo alegre.

9. Atualizando as informações, a jornalista e filóloga cubana Ioany Sanches ao visitar o Brasil, país continente sentiu o gosto da hospitalidade, que nos é peculiar, o sabor de nossas cozinhas regionais, e a nossa canção popular adoçou seus lábios de poetisa e escritora e certamente ela vai esquecer os dissabores e contratempos que alguns provocaram.

10. E nós, os brasileiros, seus irmãos a saudamos retribuindo seu sorriso meigo e auguramos que suas aspirações legítimas possam contribuir para a liberdade total e sem peias naquela que carinhosamente foi intitulada a Pérola das Antilhas. Unidos ao povo cubano, nosso irmão ordenamos nossa ações para a paz sem arranhaduras, para a paz que brotou um dia do coração de um Príncipe eterno, senhor do tempo  passado, presente e do porvir e que mais dias menos dias fará raiar a aurora de perfeita sintonia e autodeterminação dos povos.

11. É chegada a hora gente sensata de enxugar as lágrimas do passado e de se alegrar com os dois olhos, é hora de rufar os tambores da grande harmonia universal, è hora de retomar a trilha perdida da fé em Deus, na devoção a Santa Virgem, na maior compreensão da Igreja que Pedro fundou e que rege os destinos últimos da geração terra.

12.Vi no olhar de Yoani tanta coisa, vi os pássaros livres começando a enxergar, os rios soberanos da liberdade se encontrando, a rima fazendo sua morada nos mares a dentro da emoção, as reservas de calor humano de um povo, o abraço de união dos brasileiros e cubanos, vi tanta coisa, vi o tudo e o nada e sobretudo a beleza escondida de uma pérola que se chama: Cuba e que traz a proteção do Apostolo de Cristo: Santiago e da Virgen de la Caridad del Cobre.

Helder Tadeu Chaia Alvim



quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

O grande adauge na era das táticas adicionais...

1. Ah o mundo, objeto de desejo, palco de conflitos, vale de ilusões, tudo num mesmo lugar e na mesma hora; ontem foi a vez das descobertas, da ciência que pretendeu suplantar o Criador, das teorias empoadas, do mentir contra a cátedra de Pedro, da vida endeusada, do prazer sem limites, hoje a bola da vez são os bites soberanos, as imagens entrando pelo olhar, o sexo como valor permanente e fora de sua função prócriatica. 

2.Ah! quando os anseios elevados, aqueles que forjaram os heróis  e santos de outrora  encontram-se ausentes da movimentação atual as cogitações da multidão, on line divulgadas, são de outra esfera alheia ao espírito. Então a grande arte de viver perde-se no lusco fusco de ações e desejos vãos.

3.Na era impressionante das interfaces, gadgets e iWatchs da vida virtual, na quase esbarrada do asteroide DA 14 com o planeta terra, do meteorito nos Montes Urais,no mês da renuncia papal a gente se pergunta em que fase do mundo relativamente estamos?


4.Pois a par de tantos avanços quânticos que fariam Einstein perder o fôlego o espelho opaco da realidade reflete uma humanidade que gradualmente perdeu a seiva da cultura e se enchafurda em crises existenciais sem precedentes; um tempo que perdeu a noção do bem e do mal, um tempo de alianças espúrias, de vanglórias,relativismos, consumo exacerbado de bens, demonstração de prestigio, poder e influências inócuas, quando não perniciosas, um tempo anti natural bafejado pelo hálito aliciante do anjo decaído.

5. Vamos que vamos, e o quadro que se apresenta não é um dos melhores e tende a se pulverizar nesta onda vertiginosa dos que abraçam a fé em vão, no dizer do último apóstolo da Igreja de Cristo, dos que inescrupulosamente loteiam o céu a troco do dízimo e outras aberrações.


6. E a poesia 'que se fez em mim, se fez de mim e se desfez de mim' já não sopra a brasa e não mais enlaça corações e o agir das multidões; a beleza dos olhares, o abraço fraterno, a suavidade das manhãs, o calor do meio dia, as tardes aconchegantes, as noites iluminadas pelas canções inocentes evaporaram.


7.- Olha, poeta este texto está com cara de sermão, é isso? Rss, rss, rss... - É que neste contexto tumultuado arrisco a escrever rimas aguçando loucamente ouvidos para ouvir alguma inspiração concernente com a situação, que difira da comoção em curso, que transfira créditos  a quem de direito é o autor da vida, dos átomos e constelações.


8. Neste contexto risco o papel, limo as palavras com cautela e gosto pensado e vejo claramente que o pseudo tempo real foi saudado e ovacionado com frenesi, voluptuosamente nas curvas das ilusões transitadas.


9. Hoje quinta feira da quaresma, da imposição das cinzas algo novo paira no ar com a notícia da renuncia papal iminente. O que conta para a Igreja de Pedro são almas, resgatadas no gólgota salvífico e com projeções transcendentais de outro mundo.


10. É chegada a hora 'com Maria, la prima Dei credendi, Signore, noi te preghiamo: adauge! nobis fidem'. O mais serão especulações midiáticas que não tem peso diante daquele que acalma tempestades e caminha calmamente sobre as águas mais profundas do pensamento hodierno.


11. No confronto das duas cidades de Santo Agostinho de Hipona quem tiver se segurando nem que for nas tábuas da barca do grande pescador vai se dar bem espiritualmente e a pessoa abalizada que conduz a nau petrina é o Santo Padre, o Papa e a sucessão se fará conforme prescreve os estatutos e leis eclesiásticas. Foram 263 pontífices e a sequencia seguirá seu turno, amparado nas promessas perenes de Cristo.


12. Que se calem os tais bites soberanos, as táticas adicionais e tudo o que não for o grande reflexo de Deus na terra.O  Tu és Pedro ainda hoje carrega as promessas de esperança de mundo bom. E a cátedra das cátedras continua e continuará a partir da cidade eterna, a Roma que amamos com todas as veras de nosso coração a esparzir luz, a direcionar ações, a fomentar as canções de Deus na terra, a conservar a fé no seu primado, a dogmatizar seu credo em plena confiança na tiara do Pedro de todas as gerações.


13. A verdadeira seiva vai continuar a ser distribuída gratuitamente com generosidade  aos seus fiéis globais, o fôlego de salvação não perderá seu impulso, a devoção sua alavanca, o céu na visão beatífica o grande termo de sua peregrinação humana.


14.A monção divina existe na pessoa do papa e nos dias atuais tão carregados de preocupações e nuvens densas tivemos João Paulo II a fundamentar a fé em ações práticas e na prática das virtudes heroicas e Bento XVI na continuidade desta trilha profética, sem pestanejar ante as crises internas horrorosas e a externas de arrepiar qualquer governo que não se baseia no saltério de dez cordas.


15. O brado entoado há mais de dois mil anos atrás, espetacular e cheio de esperanças daquela manhã às margens do lago de Genesaré ecoa hoje como nunca e sua validade é para todas as gerações até o cair da última folha, até o derramar da última lágrima na face do planeta terra: 'Tu és Petrus et super hanc petram aedificabo Eclesiam meam e portas inferi non praevalebunt adversus ea.


16.Tu és Pedro... Lino, Cleto, Clemente, Gregório, Pio,João Paulo, Bento.E... quem sabe Agostinho I a ilustrar a causa divina e preparar a era do Pater. Dado  este momento emblemático, desafiador, quase apocalíptico, as luzes do novo mundo que Deus intuiu é eminente.O aparecimento auspicioso de sua pré aurora parece mostrar alguns raios com a recente onda de renovação da fé nos Estados Unidos da América Democrática, e  os ventos arcanos poderão desta vez soprar e fazer surgir de suas plagas o sucessor de Pedro. Por que não da jovem América? United States of America in Adauge...Ou da irmã Latina, se 'Deus é brasileiro', o papa poderia ser, porque não!


> Pois a era do Pater será o tempo da Fé no Deus Vivo, a consciência, a verdade, a religião, a moral, a obediência aos ensinamentos tradicionais da Igreja Católica, a humildade e a intuição do beato John Henry Newman... 


17.Assim estas rimas se dão por encerradas em tudo e por tudo consoante com a unidade e o sentir eclesial universal que a partir da Cátedra de Pedro, seus dogmas e canções, das cinzas que tem  o poder, razão e fé para restaurar tudo em Cristo desde seus alicerces e fazer voltar a seiva da devoção à terra ressequida por mais de cinco séculos de permissivismo e ausência de Deus.


18.Para quem detém as chaves do serviço cristão, para quem pode ligar o mundo a uma nova era de fé, paz, concórdia, crescimento em todas as esferas materiais e espirituais, para o grande pescador do elo perdido, nossos olhares, nossa poesia, nossa esperança de dias melhores, de crescimento sustentável, de equilíbrio entre matéria e espírito, corpo e alma.


19. Assim sendo nos despedimos de Bento XVI, agradecidos por tudo,pela sua firmeza na fé, pela sua visita ao Brasil, e auguramos ao sucessor de Pedro de todas as canções um pontificado de luz em que o saltério de dez cordas segundo o códice de Agostinho enfim prevaleça contra as portas inferi, amparado pela co redentora dos homens e Mãe da Igreja.


20. E são palavras suas aos brasileiros, carregadas de unção profética: '..Os sinais dos tempos surgem através dos jovens, menosprezar estes sinais ou não os saber discernir é perder ocasiões de renovação. Se eles foram o presente, serão também o futuro...capazes de fazer caminhos sem impor rumos, de empatia solidária, de dar testemunho de salvação, que  a fé e o seguimento de Jesus Cristo cada dia alimentam.'


21. E continuam num crescente em outro lugar:'Em momentos decisivos da vida, ou em uma análise mais próxima, em todos os momentos da vida, estamos em encruzilhadas: queremos seguir o 'eu' ou 'Deus'. O interesse individual, ou o  bem verdadeiro, que é realmente bom.'



Helder Tadeu Chaia Alvim

poeta minimo

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

o observador virtual...

1. Olhar o movimento, um ato simples que se afigura qual uma cascata de idéias, um mar sereno,uma tempestade na enseada fria. Cavaleiro das rimas indomadas, na garupa do vento impetuoso, olhando a paisagem no trote cerrado e apressado, sem saborear a sua matula, no gosto amaro da inspiração. Nesse sentido parecem não andar, voar...

2. Tantas coisas assomam à mente do observador, umas desmentem, outras assumem o vazio: 4ª feira de cinzas e nada de novo no ar, a grande ordem universal quando virá, quando o tempo soberano vai enlaçar os corações e aos borbotões a verdadeira paz sem arranhaduras vai vingar? Quando este espectro  de realidade dará lugar a calma construtiva?

3. Quando ela vai restaurar as raízes da terra, hoje devastada e assombrada por tantos ismos sem nexos? Ou as cinzas representam o final? Não cabe às rimas definir, apenas assuntar o movimento, cabe ao tempo soberano intuir as ações humanas e delas auferir a era que a mesma terra almeja.

4. Ah! o tempo como defini-lo se ele próprio é a definição da vida, já ponderava o poeta Fernando Bermudez: "Se não houver um observador hum milésimo de segundo ou cem milhões de anos serão a mesma coisa!"



5. De preferencia aquele que amaina ventos e tempestades, que deu graça ao colibri e amou os lírios do campo.O mais passa, todos somos de existência poesica, se longeva, mediana ou curta são detalhes na contingencia de uma via interrogativa.



6. Hoje o pó anda, amanhã o espírito retorna às  origens e mais tarde assumirá o corpo glorificado na ressurreição final. Daí a beleza da imposição das cinzas sinalizando o início da quaresma e  a conversão ao evangelho.O 'Ad quo ibimus- está presente num apelo direto aqueles que se deixam tocar pela graça do Nazareno.O mais serão especulações de uma matéria finita que mais cedo ou mais tarde descerá à tumba fria de suas ações.


Abraços de união
Helder Tadeu Chaia Alvim

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

nunquam satis

nunquam satis!

1. Ah! o tempo, sempre o tempo a perturbar a cabeça humana, a inquietar-lhe a existência pelo inesperado. É assim e não mudará seu curso inexorável, vai se transformando qual nuvens no céu de janeiro lá para bandas do meu sertão iluminado e parece avisar constantemente que aqui não se tem morada definitiva e num sopro ao acaso evapora-se da apegada vida qual bolhas de sabão sopradas pelas crianças numa tarde gostosa de verão. Não sabe-se ao certo quando a hora da partida vai soar. Uns partem cedo sem desarrumar a cama, outros carregam seu leito de dores pela vida afora, e também tem aqueles que na meia idade se vão....

2. É o grande códice de Deus, um mistério da inquietude humana que tão magistralmente Agostinho de Hipona traz em seus 13 livros admiráveis das suas Confissões num louvor sem igual ao Criador de todas as coisas visíveis e invisíveis e demonstra que muitas das vezes o apego e as paixões toldam a existência humana e não deixa ela enxergar as belezas equilibradas do universo.

3. Agostinho soube romper estas barreiras, soube deixar o tempo alegrar suas manhãs e colher suas noites de inquietude. As suas confissões per si são arrojadas, eternas, atuais e ainda não foram totalmente desvendadas em sua clareza mistica e transcendental. Tempo virá em que os homens se debruçarão sobre elas com enlevo mítico e suas mentes serão iluminadas pelo clarão profético de suas asserções.

4. - Mas, poeta das rimas fracas, que tempo será esse, me conta logo pois a ansiedade assoma à minha soleira? - Amigo preclaro que considero irmão, será um tempo em que os bites, a mobilidade, a alta definição estarão à serviço do Criador incondicionalmente, e a balança dos sentimentos estará  equalizada perfeitamente, a matéria efêmera construindo sem cessar o mundo bom das certas certezas empíricas.

5. Um tempo que nunca se viu antes, o tempo do Pater, da Mater, do Kyrie Eleison, do Gloria in excelsis Deo e na terra surgirá a tão suspirada paz sem anomalias, sem concessões  ao mal, o tempo do Sursum Corda, o Grande Tempo da sintonia divina aquecendo os corações abrasados pelo fogo do Espirito Santo Paráclito. Estas foram as impressões que fracamente colhi nos escritos do gênio de Hipona, santo, poeta, mistico e profeta: Santo Agostinho, o homem forte na fé, o gigante da primeira era cristã.

6. O que ele dizzzzzzzzzzzzzzz: 'Apaixonar-se por Deus é o maior dos romances; procurá-lo a maior aventura, encontrá-lo a maior de todas as realizações'.

Helder Tadeu Chaia Alvim

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

A alforria do mar

           A alforria do mar

                        Dedicado à Mathildes, minha irmã querida.


1. Ah! o mar, sempre o mar ondulando suas águas de força e leveza, calma e placidez. Um espetáculo incomum que basta a si mesmo. Um mistério, um segredo ainda não revelado e bem guardado em sua profundeza imensa e de quebra oferece aos humanos uma mesa farta de lendas, misto de ficção, realidade e sonhos.

2. Não é de hoje que ouve-se falar dele, gente existiu que o desafiou em frágeis embarcações e ele inclemente, genioso, generoso ofereceu travessia, abrigo e perigo, tudo ao mesmo momento. E ele, um senhor respeitável de longas barbas, cabelos longos, fala ora mansa, ora bravia vai devolvendo à terra o que não utiliza.

3. Livre, coadjuvado pelo vento não pretende alisar a cabeça de sô ninguém, ocupa a  maior concessão do globo terrestre e está a serviço ininterruptamente de um Grande Ser - que poucos conhecem, mas cuja glória ele canta - dia, manhã, tarde e noites de calmaria, tempestades e poesias nas enseadas frias.

4. Ele, somente ele alegra os marujos, encanta as sereias, molda a seu jeito as falésias, damas de honra de sua majestade o mar.Dele tanto já teve-se notícias alegres e tristes. Ele já sepultou sonhos e grandezas humanas, enriqueceu piratas, brilhou no pincel de artistas, mavioso cantou nas cordas da viola, na mão dos poetas viajou o mundo empírico e no trapézio do palhaço encantou as plateias de honra embevecidas. 

5. Ele, livre no seu nascedouro pretendeu pescar ilusão e conseguiu confundir os soberbos de coração, que se foram e não voltaram de suas viagens inglórias e sem sentido. Ele acolheu, formou, gerou em seu seio tesouros, sereias de cobiças várias. Ele, o mar amigo dos ventos, senhor das procelas, mestre das sentinelas, porta do mundo, janela dos abismos, átrio do céu.


6. Ah! o mar, lar de Simão Bhar Jonas, o grande pescador, Pedro a pedra sobre a qual Cristo edificou sua Igreja, baluarte da fé, aquecedora de corações, inspiradora de canções. Enquanto na terra os homens gastam suas vidas em busca de vã ventura, na correria vazia de sentido e emoção, no mar a onda é outra, diáfana na calma de sua agitação a 
 espelhar o que será a eternidade feliz nos braços do Pai de Luz.

7. Ah! o amar que ensina ao poeta que rimar é uma forma surpreendente de amar a si mesmo e toda a humanidade em Deus,ele em suas maresias anuncia para a terra que outra era a espera no êxtase da visão ideal, no rastro de uma estrela que, por justa razão é nomeada: Janua Coellis.

8. Estas foram as impressões que colhi ao visitar o mar sul capixaba de Marataízes em suas evoluções, caminhos e raízes de um povo. A minha irmã querida  me acolheu de coração aberto e sorriso franco nos lábios e me proporcionou uma estadia fraternal e calorosa.

9. E ela chama-se Mathildes, ela tem o mar que alegra seu olhar de inquietação produtiva, eu por minha vez vejo claramente minha missão de poeta da esquina paulistana a admirar o mar de lá. Voltei com a sensação agradável que para além, muito além da confusão das mentes hodiernas fica a certeza da clareza do mar a alumiar o mundo, meus poemas, o destino de minha irmã gêmea e de todos os que guardam no coração a fé primeira na criação divina.

10. Enfim tudo é mar, tudo é tempo, tudo é recordação. Hoje a rima nasce em profusão na humildade de sua inspiração, na fôrça singela de sua intuição;amanhã, quem sabe, ela voltará a visitar o amigo mar para dizer um obrigado enternecido de saudades e com certeza abraçar um pedaço de vida sustentável das raízes de Mará.

Helder Tadeu Chaia Alvim
São Paulo 02/02/2013