segunda-feira, 28 de abril de 2014

inferências do arruamento

                                     inferências do arruamento


1. À irmã e ao irmão comuns,aos olhos do sistema, mas especial demais para este poeta mínimo acostumado a escrever para espairecer, dedico o que se segue e outros poemas mais no afã de reconhecer que ela e ele são a reserva do bom senso., E QUE EM DETERMINADO MOMENTO ARCANO, poderão ser a locomotiva de novos ventos... Saibam que me impressiona em muito seu linguajar despojado de ambição, e sinceros a não mais poder.

2.  O contraste se acentua nestes dias que correm às avessas do que deveria ser, ao ouvir os noticiários, a corrupção em curso, a violência deflagrada, a ausência de bases sociais, o desacerto da política, os desalinhos de uma metrópole em constante verticalização, os interesses vorazes da especulação imobiliária  que nivela tudo ao concreto.

3. Ah! a irmã e o irmão citados, os encontro justamente no lusco fusco da grande urbe paulista, uma cidade conceitual e solitária que de quando em vez extravasa  laivos de calor humano, o frescor de um período antigo, aquele dos bondes e avenidas arborizadas, dos chapéus e tailleurs de uma rua chamada Augusta,  de gosto apurado.

4. Que frequentemente nos brinda com conversas amenas nas mesas de bar, que entoa no lapso de sua correria infernal uma e outra cantiga suave pela boca de seus trovadores, poetas e músicos do arrimo, que esquece os bytes da comunicação, o fotoshop, para exalar na voz do irmão e irmã, anônimos da mídia, um perfume inconfundível de duplat.

5. À irmã e ao irmão, presente nas repartições, distantes da política, que oferecem colo amigo, frequentam os bares, adornam seus lares  de esperança, passam no coador de pano o café fumegante, à mesa domingueira repartem o pão e frequentam as Igrejas da páscoa, vesperais segue este singelo refrão.

6. Consoantes com seus sonhos de união pátria, agasalham a boa convivência, fogem dos dilemas, realizam o bem comum em sua esfera familiar, cuidam com esmero de sua prole numerosa, abraçam o migrante, advogam o mundo bom, na euforia, labuta, criam condições, desenvolvem uma capacidade de junção espiritual impressionante. 

7. O irmão e a irmã não detém cargos de direção, nem tão pouco mancham suas mãos na verba pública, e nas conversas de botequim cultivam a boa prosa desinteressada e não se acham o centro das atenções, nem tão pouco blasonam cargos, comissões e bacharelados.  Ao lado deles a gente se sente bem, e poderíamos ficar por horas a fio em uma conversa animada ,como sói aconteceu comigo inúmeras vezes.

8.  Reconhecem que a falta de vigilância os nocauteou, e pouco a pouco se depararam com a esperteza de uma minoria estranhamente  ideológica, e quando acordaram de seu sonho azul de mundo bom das certezas empíricas, se depararam com as aves de rapina e as rãs tramando a bancarrota do seu país continente.

9. Viram 'velhos erros' migrarem para seu território, assistiram os escândalos das mensalidades pulularem por toda a parte, estádios de futebol construídos com cifras elevadas, o pib estagnado, a carestia se alastrando, os professores mal remunerados, a saúde em frangalhos, o transporte e a  educação  entregues ao léu.

10. E ao levantarem o véu do discernimento, mesmo meio anestesiados pela mídia tendenciosa, o meu bom amigo e amiga viram tantas coisas de arrepiar e estremecer o túmulo de D. Pedro II, viram a corrupção se alastrar, o favorecimento ilícito pulular, e com tristeza a reserva da nação, a juventude perdida nas drogas e o brasil sem perspectivas de crescimento sustentável, a biodiversidade devastada, as matas e florestas derribadas em nome do 'falso' progresso.

11. E por ironia do destino, o irmão e a irmã de minha geração, quando jovens, pintaram a cara e gritaram contra o regime militar, e sem querer caíram depois  nos braços do malogro nacional, elegeram dirigentes preocupados com o próprio bolso...  A reação veio por parte da juventude aglutinada nas redes sociais, ensaiaram nas ruas em junho do ano passado uma manifestação legítima, que hoje encontra-se esvaziada de seu fim geral e debandada num quebra quebra medonho.

12. O horizonte de furta cores se toldou e de seu nevoeiro viram sair ações malogradas, por uma minoria articulada em torno do poder pelo poder, da fama, grana e glória pessoais a custo do erário público, às avessas da auto determinação dos povos e da constituição federal.

13. Ao alarido colorido de outrora se sobrepôs  açoites de montão, o povo pagou e paga a conta pelas flanações irresponsáveis de seus políticos sem escrúpulos, endeusados em brasília, nos estados e municípios da federação, nos galhos da árvore pátria, espalhando com uma canetada os despropósitos de ações governamentais.

14. Foge do texto acima acusações pessoais a quem quer que seja, o julgamento  afirmo fica sempre a cargo dos cidadãos de bem e já  aparecem à luz da história que esquadrinha rins e corações. Aliás mais depressa que se pensa surge a verdade, no caso presente  com o veredicto das ruas soberanas. Esta rimas em sua acanhada dissertação apenas relatam de forma imparcial o que tem auscultado do irmão e da irmã, a quem dedico este diapasão e outros mais... Obrigado sempre pela partilha de mundo bom!

15. Foge da tese a prática, mesmo diante da rebordosa anunciada, sei que o irmão e a irmã vão conservar a serenidade, de seus lábios colhi um riso alegre, e me alegrei também ao ouvir que ' o brasil in fieri foi acalentado por um gigante de fé e de otimismo: São José de Anchieta, ' !

16. E passados quatrocentos e tantos anos guarda suas reservas do bom senso salvador, e quando a osmose coletiva ganhar as ruas ninguém vai tascar mais, a não ser para cultivar as grandezas pátrias, ora adormecidas no coração desta nação canarinha...

17. Para além do consumismo e seus graves problemas ambientais e sociais, virá um tempo em que esta perversa 'obsolescência programada' cessará e não encontrará mais razão de ser no ambiente totalmente arejado da realidade perene ou era do Pater. E os povos finalmente caminharão à luz de madiã e efa e será a vida uma poesia só!


Helder Tadeu Chaia Alvim


sexta-feira, 25 de abril de 2014

visões de Sabat

                               visões de Sabat

1. E a rainha da neve partiu com a alma plena de alegria e com a convicção que o rei Salomão era abençoado de Deus: ' nenhum mortal jamais andou sobre a terra com tal sabedoria... ' não cansava de repetir e a medida que se afastava, aumentava sua fé e aquecia sua esperança nas visões que seus olhos enxergara, e a longa noite de sua hesitação cessara, e seus passos tornaram-se leves, suas reflexões calmas, seus dias de um colorido novo.

2. Quem a visse se alegraria de sua beleza e compostura, perceberia um frêmito de ousadia diferente em seu semblante. Após longas incertezas enfim amanhecera em seu horizonte algo que acalentava desde criança: ver a verdade, a justiça, a sabedoria encarnadas na terra. E constatou pessoalmente ser possível uma ordem perfeita na sociedade, uma sintonia de cores e tons variados entre Deus e os homens.

3. E partiu com a sensação de um êxtase sem fim de tal modo que quem a olhasse vislumbraria uma luz intensa iluminando sua tez real. E a comitiva continuou e continuou enfrentando dunas e areias, noites de tempestades, dias de sol a pino. A partir de Jerusalém uma aureola de brilho diáfano acompanhara a rainha de Sabat... até a longínqua e próspera Etiópia.

4. O rei Salomão fizera jus à sua reputação... e aquela jovem imperatriz encetara esta longa viagem para conferir de perto a fama do homem mais sábio do mundo e beber na fonte certa e inenarrável a água cristalina que há muito estava sequiosa. Antes de conhecer o rei sentia-se vazia, tinha tudo: poder, criados, um reino rico e nada a completava exatamente.

5. Melancólica, triste, sua vida não tinha sentido! Agora não! Regressava para seu reino, renovada interiormente, revestida de entendimento e propósitos. Doravante seria feliz e faria seu povo feliz também. Encontraria em sua gestão meios de praticar a justiça, a bondade, a misericórdia e repartiria benesses aos seus súditos.

6. E as respostas vieram por parte não de um anacoreta, de um sacerdote mantra, de um filósofo estoico, mas de um rei, o governante e   guia supremo de uma nação que servia ao verdadeiro Deus de Israel. Ah! a força de Salomão não procedia da terra, das riquezas e muito menos de sua intuição genial, mas daquele que é eterno e tem em si energia renovadora  suficiente para incendiar tudo e todos de Amor Total.

7. E Sheba exultou e de seus lábios ouviu-se um cântico melodioso que emprestara do rei Salomão e que seria seu ponto de junção com o verdadeiro Deus de Israel, a quem o potentado judeu servia com tanto esmero e dedicação: ' ... a sabedoria faz seu próprio elogio, gloria-se no meio do seu povo, ela abre a boca na assembléia do Altíssimo, gloria-se diante dos exércitos do Senhor... ela diz saí da boca do altíssimo, nasci antes de toda a criatura...'

8. '... Eu fiz levantar no céu uma luz indefectível, e cobri a terra como que de uma nuvem, habitei nos lugares mais altos, meu trono está numa coluna de nuvens, sozinha percorri a abóboda celeste e penetrei nas profundezas dos abismos, andei sobre as ondas do mar e percorri toda a terra, imperei sobre todos os povos, e sobre todas as nações.'

9. '... Tive sob meus pés, com meu poder, os corações de todos os homens, grandes e pequenos. Entre todas as coisas procurei um lugar de repouso, e habitarei na moradia do Senhor... elevei-me como o cedro do Líbano, como o cipreste do monte Sião, cresci como a palmeira de Cades, como as roseiras de Jericó, elevei-me como uma formosa oliveira nos campos, como um plátano no caminho à beira das águas.'

10. '... Exalo um perfume de canela e de bálsamo odorífero, um perfume como de mirra escolhida, como o estoraque, o gálbano, o ônix e a mirra, como a gota de incenso que cai por si própria perfumei minha morada. Meu perfume é como de um bálsamo sem mistura, estendi meus galhos como um terebinto, meus ramos são de  honra e de graça, sou a mãe do puro amor, do temor, da ciência e da santa esperança.'

11.'... Em mim se acha toda a graça do caminho e da verdade, em mim toda a esperança de vida e da virtude, vinde a mim todos os que desejais com ardor, e enchei-vos de meus frutos, pois meu espirito é mais doce que o mel, e minha posse mais suave que o favo de mel, a memória de meu nome durará por toda a série dos séculos.'

12.'... Fiz transbordar a sabedoria como o  Fison, e como o Tigre na época dos frutos novos, espalho a inteligência como o Eufrates, e uma inundação com a do Jordão no tempo da colheita, derramo a ciência como o Nilo, solto a águas como o Geon no tempo da vindima, o meu pensamento é mais vasto que o mar, e meu conselho, mais profundo do que o grande abismo.'

13. " ... Eu a sabedoria fiz correr os rios, sou como o curso d'água imensa de um rio, como o canal de uma ribeira, e como um aqueduto saindo do paraíso, regarei as plantas do meu jardim, darei de beber aos frutos de meu prado; eis que meu curso de água tornou-se abundante, e meu rio tornou-se mar.'

14. '... Pois a luz da ciência que eu derramo sobre todos é como a luz da manhã, e de longe eu a torno conhecida. Penetrarei em todas as profundezas da terra, visitarei todos aqueles que dormem, e alumiarei todos aqueles que confiam no Senhor. '

15. '... Continuarei a espalhar a minha doutrina como uma profecia, e deixá-la-ei aos que buscam a sabedoria, e não abandonarei seus descendentes até o século santo, considerai que não só trabalhei para mim, mas para todos aqueles que buscam a verdade.' ( trechos transcritos do livro Eclesiastes cap 24)

16. Ufa, uma elegia sem igual, nunca li coisa mais maravilhosa, transbordante de poesia divina e podemos conjecturar o quanto a rainha da neve se deliciou com este poema de inspiração sobeja e grandiosa. Nele encontra-se resumido toda a trajetória da criação, suas relações anímicas com o Criador, suas derivações práticas que fazem inveja hoje aos mandatários empoados do poder pelo poder e que não conseguem vislumbrar um palmo a frente nas suas decisões acanhadas e faltosas do bem comum maior inerente a toda a humanidade. 

17. Sem sombra de dúvidas o porvir próximo será entregue nas mãos da sabedoria e a todos aqueles de coração sensível a Deus, que almejam sinceramente  querem fazer daqui uma ante câmara agradável do paraíso. Os mecanismos encontram-se descritos neste monumental pensamento do Rei Salomão e que a Rainha de Sabat conhecera e vivenciara nos seus dias de vida contemplativa e ativa à frente de seu belo povo Etíope, não resta a menor dúvida!

18. A voz suave e convincente de Salomão acompanhara Sheba  e sua comitiva no caminho de volta, levara inúmeros presentes valiosos ao Rei sábio, e recebera dele o dom da fé e ao desenrolar o pergaminho que ganhara de mimo,  ela deu vazão às suas visões de Sabat. Pelos olhos sapienciais de Salomão ela intuiu a fugacidade da vida, a sublimidade de Deus uno e trino e o verdadeiro sentido do calor humano verdadeiro!

19. À seus pés o infindo deserto... enquanto vencia com sua caravana de Tamrim dunas e areias exclamava sem cessar: oh bendita hora, oh! bendito tempo, o inescrutável vento: - muito aconteceu, muito está mudado!

Helder Tadeu Chaia Alvim




domingo, 20 de abril de 2014

a filosofia do mar

              a filosofia do mar

1. Ao tocar o mar  a  gente  sente uma espécie de fuga indefinida da realidade  que por exemplo nos  cerca  na  vida  cotidiana  da grande metrópole barulhenta e repleta de contrastes. A voz do mar é silenciosa, enigmática, persuasiva que aniquila e ao mesmo tempo eleva.
2. E neste macro cosmos de água transparece a pequenez humana, reflete um imponderável doido na alma e  no corpo uma sensação estranha. Ele parece dialogar com o seu interlocutor o tempo todo, e nas pausas avoluma suas águas e as esparrama na praia e pedras de sua margem.

3. O mar no seu falar intimista interage, pergunta, ouve, responde, chama o seu visitante à razão, à exatidão, à fugacidade. Sem esboçar palavras nos leva à reflexão, em sua solidão imensa declama um poema incompreendido à primeira sensação, mas convincente ao longo da conversação.
4. Se fixar nele demoradamente o olhar, você vai se emocionar e não se cansar de contemplar  suas ondulantes ondas plácidas, gigantes. Quando pensar que não, vai estar bailando com ele, sonhando com ele seus sonhos de mel, com ele recitando sua filosofia do cantar.

5. Amigos do face, em face desta escrita a brisa, o vento e o tempo no mar de Marataízes durante este feriado de páscoa me envolveu completamente e queria que todos vocês meus chegados de prosa, verso
 e mesa de bar estivessem lá comigo e o mar...

6. Ao  me afastar dele percebi que  me acompanhava em sua vibração peculiar por isso me senti diferente, mais amado, ousado, solidário, solitário;  mesmo distante, passando os dias, sei que não vou esquece-lo e suas lições de vida incisivas, serenas, fortes e comoventes.

7. No caminho de volta um adeus à coruja buraqueira da praia central e votos de felicidades em seu novo habitat, com direito a placa de sinalização bem em frente à sua morada de sol.

8. Ah! o mar, imenso, grandioso, eloquente, misterioso, suave, bravo; só adiciona quem tem sintonia com ele e parece-me dizer: 'poeta das curvas retilíneas, meu chegado, amigo e confidente não esquente doravante a moringa,  deixe de bobagem quanto mais preocupações e necessidades  menos liberdade...'

Helder  Tadeu Chaia Alvim

sexta-feira, 18 de abril de 2014

amor extremo

1. Os fatos subsequentes se deram antes da festa da páscoa e o protagonista era Jeshuá, o Messias enviado que se encarnou  no seio de uma Virgem, teve uma infância simples em Nazareth, a sua concepção e nascimento foram cercados de mistério. Em tudo e por tudo uma donzela judia fora escolhida para se tornar mãe de Deus, mãe do esperado das nações, objeto da fala inspirada dos profetas...
2. Após o sim salvífico, o seu nascimento fora cercado de uma atmosfera sobrenatural, ouviu-se canto dos anjos, pastores acorreram pressurosos à gruta de Belém, vieram de terras distantes os Reis Magos guiados por uma brilhante estrela.Depois deu-se a fuga inusitada para o Egito, missão que José, descendente direto do Rei David, herdeiro do trono da dinastia de Salomão, guarda do Deus menino e esposo de Maria, seguiu à risca  as determinações do alto.

 3. E Jeshuá  cumpriu ponto por ponto as profecias, realizou milagres de tal monta que espantou os chefes da lei, encheu de admiração seus contemporâneos, aliviou a chaga social de seu tempo, angariou discípulos, percorreu cada palmo da Palestina, pregou, curou, ouviu e chorou por diversas vezes. Ressuscitou seu amigo Lázaro, irmão de Marta e Maria Madalena, transformou água em vinho, e um dos melhores da escola enóloga.
3. Jeshuá, o mestre amado de Simão Pedro, amainou tempestades, controlou os ventos, andou sob ás aguas do rio Jordão  e realizou maravilhas tal que seria impossível  em todas a suas nuanças, o pensamento acompanhar mesmo sendo um QI acima do acima da média.

4. Vejo tantos e tantas escrevinhando, outros idealizando um montão de teses acerca da sociologia, da antropologia e me pergunto qual seria a aplicação prática se antes auscultassem o Mestre e se detivessem uns instantes por exemplo no episódio comovente da última ceia? Quando Jesus cinge a cintura com a toalha e lava os pés de seus discípulos, gesto por demais significativo que a história perversa dos homens não consegue apagar a beleza e o frescor deste ato glorioso de humildade e amor extremo pelos homens.

5. Pedro não entende a princípio mas depois entusiasma-se e solicita que o seu mestre lave suas mãos e cabeça. Loudá Iskariotis destila o seu veneno e arma para cima do Justo influenciado pelo anjo decaído.
Enquanto a maldade urde seu trama perverso, Cristo declara seu amor incondicional pela raça humana, institui o sacramento da eucaristia e arranja um jeito de permanecer na Terra.

6. E Jeshuá sabendo que sua hora se aproximava deixou o grande mandamento do amor, uma diretriz santa que vai pautar a vida de sua Igreja e de seus santos e seguidores ao longo das gerações: 'Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado.'

7. Pronto, dali sai para o Getsemani para recarregar por assim dizer a alma e refletir sobre toda a obra da redenção que estava prestes a se consumar. A medida que a hora se adiantava os seus discípulos ficavam sonolentos e inertes e o Mestre vigiava e vigiava e vislumbrava o langor da morte iminente.

8. Dali  há pouco a caterva se aproximava guiada pelo horroroso Judas e a traição era perpetrada contra o Justo que chamara a si todos os pecados do mundo e se oferecera no gesto de oblação mais nobre e belo de toda a história para morrer no lugar dos homens e aplacar a ira do Padre Eterno, abrir de par em par as portas fechadas do paraíso.

9. E assim aconteceu de fato, entregue nas mãos de seus inimigos, mesmo com a relutância corajosa de Simão Pedro que cortara a orelha do soldado Malco, foi vilipendiado, preterido à Barrabás, flagelado, coroado de espinhos, obrigado a carregar um pesado madeiro até o cimo do calvário e lá como manso cordeiro deixar-se crucificar.

10. Uma apoteose de sofrimento inaudito, uma maneira diferente de Deus lidar com a terra, um merecimento infinito adquirido e à disposição de todos. A audácia santa de um Deus humanado que sofreu e morreu por nós homens e pelos nossos imensos pecados.

11. Até hoje quando paramos para pensar na sexta feira santa um frêmito de gratidão e entusiasmo assoma à nossa fronte e a lições do gólgota são inesgotáveis e a partir dele, do lado aberto de Jeshuá, nasceu sua Igreja a cargo do grande  pescador Pedro e com prerrogativas divinas para alancar todas as eras históricas, para conduzir a humanidade sã e salva ao reino de outro mundo. 

12. Nestes dias de desencontros e extremamente pragmáticos que transcorrem na negação cruz, que se enviesam impregnados de ceticismo que se povoam de pensamentos  e ações vazias, que em seu modismo artificial se esvaziam do sentido transcendental da existência, as visões do Mestre  crucificado soam incompreendidas e sua sonoridade salvífica é a única que pode trazer o equilíbrio e a paz.

13. Nem por isso perderam sua eficácia, sua atualidade, ao contrário soam como saída para a terra a medida que ela se aproxima do entroncamento escatalógico. A presença da cruz traz em seu âmago beleza e força capazes de restaurar a face da terra 'totem in totus'

14. Os elementos de fé que o madeiro sagrado atraiu para si encontram-se nos sacramentos da Igreja com capacidade suficiente de renovação. Aquele grito lancinante encontra-se de pé como esteve de pé o tempo todo a cruz do Nazareno, como permaneceu de pé a Mater Dolorosa em tudo unida ao seu divino e adorável filho.
15. Ah! quando a cruz encontrar eco dos sinais emitidos no gólgota salvífico, 'o mal não terá a última palavra'...pois a aurora de uma longa noite' surgirá! (em negrito o dizer inspirado do sumo pontífice, o papa Francisco   por ocasião da via sacra no Coliseum Romano nesta sexta feira santa televisionado pela Rede Vida).                  

16. No terceiro dia deu-se a ressurreição bendita, Cristo venceu a morte e validou toda a sua pregação, depois ascendeu aos céus empíreo, enviou aos apóstolos e discípulos o Espirito Santo Paráclito para dar continuidade a obra da redenção com projeções até o juízo final.
17. O mundo atual beira à sua ruína como ruiu o império dos altivos césares, a Igreja continuou sua trajetória, floresceu, povoou o céu de santos e aguarda ansiosa a sua segunda ressurreição, pois sobre ela paira as promessas de Cristo que estaria com ela todos os dias até a consumação dos séculos.
18. A ressureição virá soprada pelos anjos arcanos para espantar as trevas do mal e 'atrair a si todas as coisas' A liturgia canta com a melodia emprestada à Rosa Mística: 'Adoramus Te, Cristhe e Benedicimus Tibi./ Quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.' 
19. Ah! irmão e irmã que de bom grado lê o que escrevo palpitando de verdadeira união fraternal, que mesmo distante nos comunicamos no olhar de Jesus sabemos que os herodes, fariseus, Pilatos, os iskariotis passaram e de pérfida memória o tempo os esqueceu nas sepulturas frias de suas ambições.
20. Cristo venceu a morte, sobrepujou a todos, envolveu a humanidade com seu sorriso salvífico, levou consigo Dimas para o paraíso, converteu o centurião Longino no mesmo ato e audácia de perfurar seu lado sagrado, edificou a sua Igreja tendo à frente o insuperável Simão Bar Jonas, o grande pescador, santificou os apóstolos, enfrentou com seus seguidores dez grandes perseguições, triunfou com Santa Helena e no decorrer dos séculos foi renovando seus milagres e nunca desassistiu a nau de Pedro.
21. Hoje com a impiedade e descrença correndo soltas ainda resta àqueles que acreditam em seu reino eterno a súplica que poderá reverter a situação e introduzir os homens todos e suas nações no grêmio de uma possessão que nem os ladrões e muitos menos as traças abocanham para si.
22. E qual súplica seria esta, ora irmãos meus o Pater: 'adveniat regnum tuum et fiat voluntas tua sicut in caello et in terra.'

23. Apresentei-lhes um amigo, o melhor deles que traz a justiça e a misericórdia ao seu lado, que sabe ouvi-lo a qualquer momento e está pronto a salva-los e a mim poeta mínimo do mínimo dos perigos da travessia e privar conosco suas canções de vida eterna.

Feliz páscoa!
Helder Tadeu Chaia Alvim

quarta-feira, 2 de abril de 2014

o homem brasileiro que conquistou os astros

1. Não trata-se de nenhuma viagem  da  Nasa  ao espaço  sideral e suas implicações científicas, nem de me referir sobre Napoleão Bonaparte e seus 100 dias de gloria, e nem de Wladimir Putin e seu sonho nacionalista de super potência testando os nervos do super star americano, Barack Obama.


2. ... mas de um gênio de santidade que nos primórdios de sua juventude vislumbrou algo humanamente inacessível para sua vida como se quisesse alcançar as estrelas com suas mãos frágeis, como se almejasse um dia ser um com todos os povos e não sabia como?


3. Ah! De São Cristovão da Laguna na ilha de Tenerife, do arquipélago das Canárias para o Brasil. Assim foi o que aconteceu em linhas gerais. Anchieta de coração alegre, poeta e orador era chamado pelos seus amigos de canto e voz: 'canarinho' e este canário veio ainda muito jovem evangelizar o novo mundo e construir com ele a amplidão que a fé lhe outorgou no ano de 1553.


4. E o mais impressionante que o destino lhe reservara uma missão, que apesar de sua saúde frágil, não obstou sua dedicação, esforço e visão de futuro. O noviço Jesuíta junto com Padre Manuel da Nóbrega e companheiros da Cia de Jesus aportaram no Brasil em 1554 na capitania de São Vicente, logo subiram a serra e no planalto sob uma colina situada no encontro dos rios Anhangabaú e Tamanduateí fundaram a cidade de São Paulo.


5. Hoje  a metrópole dos contrastes, oportunidades e decepções que mesmo sem saber segue a trajetória traçada por um homem que queria conquistar os astros e conseguiu bem mais que isso.. Conseguiu em pouco mais de 4 decênios arquitetar uma nação, projetar suas nuanças psicológicas e sem olvidar seu crescimento material de colosso, incutir nela o desejo da vida eterna.


6. Assim foi in fieri num tempo que esta cidade não conhecia a energia elétrica, os bondes, carros e caminhão, os arranha céus, a tecnologia, a informação em tempo real, mas sua realidade era bem outra, rude, inóspita, povoada de outra atmosfera sustentável.


7. E ele viu tudo isso e amou esta terra à primeira vista e entendeu aquele sonho de menino,arregaçou as mangas e  construiu
as bases  da civilização com dedicação, amor e brasilidade, um gigante não somente que arquitetou esta imensa metrópole mas sobretudo que viveu uma fé inocente e cheia de boas ações e arrastou após si uma legião de outros anchietas, dotados de visão, tino e administração.


8. De trato ameno e simples com os nativos, se empenhou em traduzir a sua língua tupi, esteve  refém dos índios tamoios e nas praias remansas de Yperoig escreveu o 'Poema da Virgem' uma epopeia dedicada a Nossa Senhora nos primórdios de um Brasil e tanto.


9. Caminhante inveterado desbravou sertões, sempre a pé em companhia dos índios viajou trocentas vezes para o Rio de Janeiro e Espirito Santo, em meio a perigos sem conta confabulava com as feras, aves e a natureza brasileira era para ele uma fonte de inspiração e renovação diária.


10. Em Reritiba, ES entregou sua alma ao autor da criação no ano de 1597, o nosso bom apóstolo em sua última viagem conquistou as estrelas e após palmilhar caminhos ásperos provou que o Brasil é viável em todos os sentidos conquanto guarde a alimente sua fé.


11. O homem, o santo, o padre jesuíta, amigo de todos, máxime dos indígenas fundou escolas, desbravou sertões e foi além muito além de suas forças meramente físicas e deixou aos paulistas o legado grandioso do bem comum, do calor humano, da solidariedade, da visão social e sobretudo da fé em Deus.


12. Lutou pelo mundo bom, e nas suas certezas empíricas plasmou nesta terra abençoada sonhos, muitos sonhos que se realizados com competência, equidade poderão ainda fazer de São Paulo uma terra justa, pacífica e altaneira em tudo e por tudo símile ao perfil de seu fundador.


13. E não foi um homem qualquer, aventureiro e ambicioso, mas um santo talhado por Deus para dar o ponta pé inicial de uma grande nação, e que depois de muito chão ainda guarda aquele perfume de frescor original que José de Anchieta esparziu generosamente ao longo de mais de 44 anos de existência em solo canarinho.


14. E não era para menos, o cantor de voz afinada oriundo de Tenerife cresceu e se tornou um gigante e conquistou para seu Brasil os astros e muito mais... Salve São José de Anchieta, e mais uma vez salve o Brasil, e nos envie da visão beatífica um imenso hálito de fé...

15. Amigo, foste dotado pelo Altíssimo com imensos dons a que fizeste jus em sua caminhada, clarividente nos ajude, ajude ao povo brasileiro a enfrentar com o coração unido as adversidades, as intemperanças políticas,  e afaste do Brasil as nuvens de ceticismo, pessimismo, hedonismo e o consumismo  que ora se avolumam no seu horizonte azul, para  cortar o verde de suas florestas,  arrancar o amarelo de seu solo, e o branco de sua paz continental.

16. Sinto, sentimos hoje no momento de sua elevação às honras do altar pela voz do Pedro de todas as canções, que sua luz diáfana não se apagou conforme queriam os céticos, mas expansiva há de perdurar tempo afora, sempre forte e intensa dado o caráter e feitio do novo santo brasileiro, São José de Anchieta.

17. E esta luz providencial será a partir de 03/04/2014 o estopim do mundo bom e com a potência de renovar ainda gerações e gerações de brasileiros. Como isto se sucederá? Não sabemos, pois este momento arcano e seu cômputo  do factum est pertence ao Senhor soberano do tempo.

18. Luz essa com força suficiente capaz de alavancar o Brasil no bem e aquecer a alma de seu povo, pois esta tocha  emana do Sol de Justiça: a Ele o poder, a gloria, a bondade, a compreensão, a justiça e a paz in aeternum. E José de Anchieta serviu, amou, intuiu e expandiu a fé neste Deus humanado no seio puríssimo de uma Virgem com entusiasmo, determinação e louçania que contagiou nossos irmãos do Brasil Colônia e espalhou seus raios de esperança  no decorrer destes cinco séculos...

19. O melífluo e afinado cantor de Tenerife, joia mística de sumido valor, riqueza espiritual da America Latina, protetor dos indígenas, conselheiro das multidões, herói de santidade, pureza e paladino do bem comum maior inerente à nação entende o que humildemente deixo registrado neste papel. Ele melhor que ninguém compreendeu em vida a compleição psicológica  de nossa raça, confiada lá no começo aos seus solenes cuidados e sabe o quanto falta e sobra em cada um deles... amém!  

20. Os índios Temininós capitaneados pelo grande cacique Araribóia que o digam, quando o viram peitar por diversas vezes o colonialismo português, articular a defesa da soberania nacional expulsando os franceses calvinistas de Sir Nicolas Durand de Villegagnon.

21. O nosso santo viveu em uma época conturbada, pois na Europa estavam em curso grandes transformações, defecções na Igreja, o livre exame de Calvino e Lutero abriram as comportas do orgulho e sensualidade e no seu livre exame confundiam as mentes sequiosas de 'novidades' e arrebatava católicos de sua fé apostólica, romana.

22. Então Deus, como que contrariado e aborrecido, olhou para a América com solicitude, bondade e misericórdia e pensou: ' porque não? Sim!' Suscitou no coração de um jovem das Canárias o desejo inconfessado de transformar pela fé e virtudes cristãs esta terra denominada de Novo Mundo em ante câmara do paraíso.

23. Diferia o Brasil Colônia de nossa era nióbica quântica no que tange aos aspectos materiais; tinha muito verde, muita pujança de cor, vida e sons. Muita cachoeira, muita onça brava, índios in natura artis, distâncias homéricas a serem percorridas, era o começo do começo. E só o perfil de um santo poderia abranger em toda esta beleza rude um porvir para esta cidade de São Paulo.

24. E José de Anchieta deu conta do recado exemplarmente e de quebra encontrava tempo para se bilocar, levitar,lecionar, escrever poemas e confabular tranquilamente com as feras e pássaros de um Brasil puro e inocente que existiu de fato.

25. O nosso santo, clarividente intuiu para além de sua era o futuro desta nação, seus percalços, dificuldades, quedas e elevações. O conselheiro de governadores, protetor dos fracos e oprimidos, pai dos índios ainda encontrou espaço para fundar cidades, construir igrejas, escolas, postos de saúde e casas de acolhida aos imigrantes, cultivar a terra.

26. Atividades estas todas empíricas e de um valor inconteste num tempo que a alta ressonância magnética não estava em voga, mas um país incipiente a ser pensado acertadamente e construído para o bem do povo e felicidade de todos.

27. Guia seguro forjou passo a passo na oração e alegria a alma desta grande nação. Todos os brasileiros em todos os tempos devem a José de Anchieta o seu primeiro sorriso, uma sua primeira canção, a sua grande unção que fizeram do Brasil lá no começo um gigante latente de união nacional. 

28. Bom, o que pensar dele no hoje concreto de uma cidade que tergiversa  em muitos campos e parece que perdeu o rumo em determinado momento? É que com os santos, as coisas se passam diferente do resto das figuras 'imortais'. No caso específico de São José de Anchieta ele na visão beatífica de Deus, tem plenos poderes para dar continuidade à  obra encetada em vida.

29. Não fora atoa que se abalara com a saúde periclitante de Tenerife até a estas bandas, que com suor, lágrimas e oração fundara a cidade de São Paulo no páteo do colégio, que investira sua vida nesta empresa vitoriosa.

30. Agora proclamado santo da Igreja vai mostrar serviço, ainda mais que sua grei de Piratininga cresceu e como? Se dividiu, intuiu, se iludiu nas passarelas tops da moda 'fotoshopeadas', desgarrou em uma política perversa e utilitária, esqueceu suas lições de bem comum, solidariedade, esforço, talento e garra incomuns. 

31. Em tudo e por tudo a mecha ainda fumega, as escolhas estão à porta desta  nação, as conduções de seu destino aguardando o seu livre e solto arbítrio, e o olhar de poeta canarinho, do santo que trazia em suas vestes o perfume agradável de mato molhado, que levava em sua sotaina carrapichos, que diariamente oferecia o Santo Sacrifício da Missa nas intenções presentes e futuras de uma nação  verde e amarela. É de emocionar só em pensar o nosso santo contemplando os aguaceiros de janeiro, o outono e suas frutas tropicais, o mês de maio florido , o inverno rigoroso, a garoa e o calor escaldante do sertão iluminado. Ah!  do seu coração azul vai prevalecer o mundo bom e exorcizar por completo a maldade  para em seu lugar restabelecer a paz total.

32. 'Poderia o ser humano em sua compreensão entender segundo por segundo o sentido exato da existência? - O autor do livro clássico: 'nossa cidade' - interpela e responde: - Acho que não! 'só os santos e os poetas talvez um pouco'. Prerrogativas estas que o apóstolo do Brasil teve de sobra e mantém hoje e sempre na realidade empírea. Então quem melhor do que ele viajou na alma humana, abraçou o irmão acreditou em Deus e repartiu benesses materiais e espirituais de montão?

33. Me falta fôlego e talento literário para abarcar o conjunto de ações de José de Anchieta que  deixaram um rastro de esperança, de fé refinada, aquele que antes de todos os brasileiros acreditou no Brasil e trabalhou de sol a sol e rezou e suplicou ao altíssimo para ele dar certo um dia... Pois não! E sua visão de país ideal não terá sido em vão! 

34> Assim cantava o santo e poeta José de Anchieta, e parece que vislumbrava um tempo futuro semelhante ao nosso, penso eu: ' Inunda meu peito árido com teus raios divinos, assim cantarei os prodígios que teu braço potente há pouco operou, em favor da gente brasileira, quando fez raiar, rasgando as trevas do inferno, na arcada celeste, esplendoroso arrebol.'

35. Ao nos defrontar com a figura de José de Anchieta vemos de cara que estamos diante do precursor do mundo bom! As feras obedeciam a este novo Adão, os guarás o protegiam, os índios o admiravam, os colonizadores o temiam, a natureza o reverenciava, Deus e Nossa Senhora o amavam.

36. Um homem cheio do Espírito Santo, um poeta incomum, um santo de nomeada, um coração pleno de calor humano, e palavras e mais palavras não poderiam descrever a grandeza de José de Anchieta, a unção, a bondade, a fé que o circundavam.

37. Influenciou seu tempo, erigiu as bases de uma nação, e imprimiu nela a face de uma sociedade, justa, harmônica e consequente. Sonhou sim sonhos maiores em sua cama de rede rustica, partilhou à mesa o pão com todos, abraçou o Brasil e cuidou desta tenra criança com solicitude paterna admirável.

38. Viu surgir uma nação, provou ser viável a junção do concreto e do abstrato numa coisa só. Esteve pleno com seus irmãos, fez uma aliança com Deus e alcançou a glória da imortalidade eterna.

39. Na diferenciação exata de duas eras, salta aos olhos do observador comum das ruas paulistanas um quê de interrogação; os contrastes se avolumam e expressam a distancia que se abriu entre o Brasil ideal do santo de Anchieta para o atual, carcomido pela corrupção sem precedentes na esfera política, pelos desencontros de uma sociedade que endeusou o consumo e as passarelas da moda fashion, que só pensa no prazer imediato do sexo, em auferir resultados materiais,em glamour, fama e poder, por minúsculos que sejam, etc e tais!!!

40. Na curva desta história Tétrade sentimos o braço forte de um gigante de santidade, que idealizou esta nação baseada na fé e na proporção empírica de boas ações. E hoje proclamado santo, reconhecida suas virtudes heroicas pela Igreja que serviu, vai conseguir aquela  força  de  restauração  e  colocar  o  país  nos  trilhos  originais   do Amor de Deus.' Assim seja!

41. Trevas espessas parecem que se encaminham para cobrir a terra e nesta hora 'nenhuma inteligência humana, por mais arguta que seja, poderá perscrutar a profundidade do Amor de Deus.' Me alembro das profecias de Pe. Pio de Pietrelcina e seus 3 dias de trevas após o que ' Anjos descerão do céu e derramarão o espírito da Paz sobre a terra.

42. Os acontecimentos porque passam a humanidade parecem num todo desconexos mas na realidade tem um ponto comum na maldade bafejada pelo anjo decaído. O homem e suas variações humorais há muito perdeu a noção do bem e do mal e tudo que toca parece virar chumbo.

42. O que poderia nos tirar deste imenso túmulo para a vida orgânica seria uma conexão diferente aquela do santo de Anchieta, um logar plausível em vez desta febre medonha da comunicação em curso: o nada plugado 24 hs. no nada, gerando crise de identidade existencial com consequências nada agradáveis.

43. O amanhecer do bem comum maior virá trazendo uma claridade nunca antes vista. É questão de honra divina e não minha, ao ultraje virá a reparação e a reconstrução da ordem primeira natural e transcendental quer queiram ou não - o melhor é querer, acentuo que virá pelas mãos de anjos arcanos e entregará ao Criador os créditos na versão correta.

Sancti Joseph de Anchieta ora pro nobis!



Helder Tadeu Chaia Alvim