sexta-feira, 25 de abril de 2014

visões de Sabat

                               visões de Sabat

1. E a rainha da neve partiu com a alma plena de alegria e com a convicção que o rei Salomão era abençoado de Deus: ' nenhum mortal jamais andou sobre a terra com tal sabedoria... ' não cansava de repetir e a medida que se afastava, aumentava sua fé e aquecia sua esperança nas visões que seus olhos enxergara, e a longa noite de sua hesitação cessara, e seus passos tornaram-se leves, suas reflexões calmas, seus dias de um colorido novo.

2. Quem a visse se alegraria de sua beleza e compostura, perceberia um frêmito de ousadia diferente em seu semblante. Após longas incertezas enfim amanhecera em seu horizonte algo que acalentava desde criança: ver a verdade, a justiça, a sabedoria encarnadas na terra. E constatou pessoalmente ser possível uma ordem perfeita na sociedade, uma sintonia de cores e tons variados entre Deus e os homens.

3. E partiu com a sensação de um êxtase sem fim de tal modo que quem a olhasse vislumbraria uma luz intensa iluminando sua tez real. E a comitiva continuou e continuou enfrentando dunas e areias, noites de tempestades, dias de sol a pino. A partir de Jerusalém uma aureola de brilho diáfano acompanhara a rainha de Sabat... até a longínqua e próspera Etiópia.

4. O rei Salomão fizera jus à sua reputação... e aquela jovem imperatriz encetara esta longa viagem para conferir de perto a fama do homem mais sábio do mundo e beber na fonte certa e inenarrável a água cristalina que há muito estava sequiosa. Antes de conhecer o rei sentia-se vazia, tinha tudo: poder, criados, um reino rico e nada a completava exatamente.

5. Melancólica, triste, sua vida não tinha sentido! Agora não! Regressava para seu reino, renovada interiormente, revestida de entendimento e propósitos. Doravante seria feliz e faria seu povo feliz também. Encontraria em sua gestão meios de praticar a justiça, a bondade, a misericórdia e repartiria benesses aos seus súditos.

6. E as respostas vieram por parte não de um anacoreta, de um sacerdote mantra, de um filósofo estoico, mas de um rei, o governante e   guia supremo de uma nação que servia ao verdadeiro Deus de Israel. Ah! a força de Salomão não procedia da terra, das riquezas e muito menos de sua intuição genial, mas daquele que é eterno e tem em si energia renovadora  suficiente para incendiar tudo e todos de Amor Total.

7. E Sheba exultou e de seus lábios ouviu-se um cântico melodioso que emprestara do rei Salomão e que seria seu ponto de junção com o verdadeiro Deus de Israel, a quem o potentado judeu servia com tanto esmero e dedicação: ' ... a sabedoria faz seu próprio elogio, gloria-se no meio do seu povo, ela abre a boca na assembléia do Altíssimo, gloria-se diante dos exércitos do Senhor... ela diz saí da boca do altíssimo, nasci antes de toda a criatura...'

8. '... Eu fiz levantar no céu uma luz indefectível, e cobri a terra como que de uma nuvem, habitei nos lugares mais altos, meu trono está numa coluna de nuvens, sozinha percorri a abóboda celeste e penetrei nas profundezas dos abismos, andei sobre as ondas do mar e percorri toda a terra, imperei sobre todos os povos, e sobre todas as nações.'

9. '... Tive sob meus pés, com meu poder, os corações de todos os homens, grandes e pequenos. Entre todas as coisas procurei um lugar de repouso, e habitarei na moradia do Senhor... elevei-me como o cedro do Líbano, como o cipreste do monte Sião, cresci como a palmeira de Cades, como as roseiras de Jericó, elevei-me como uma formosa oliveira nos campos, como um plátano no caminho à beira das águas.'

10. '... Exalo um perfume de canela e de bálsamo odorífero, um perfume como de mirra escolhida, como o estoraque, o gálbano, o ônix e a mirra, como a gota de incenso que cai por si própria perfumei minha morada. Meu perfume é como de um bálsamo sem mistura, estendi meus galhos como um terebinto, meus ramos são de  honra e de graça, sou a mãe do puro amor, do temor, da ciência e da santa esperança.'

11.'... Em mim se acha toda a graça do caminho e da verdade, em mim toda a esperança de vida e da virtude, vinde a mim todos os que desejais com ardor, e enchei-vos de meus frutos, pois meu espirito é mais doce que o mel, e minha posse mais suave que o favo de mel, a memória de meu nome durará por toda a série dos séculos.'

12.'... Fiz transbordar a sabedoria como o  Fison, e como o Tigre na época dos frutos novos, espalho a inteligência como o Eufrates, e uma inundação com a do Jordão no tempo da colheita, derramo a ciência como o Nilo, solto a águas como o Geon no tempo da vindima, o meu pensamento é mais vasto que o mar, e meu conselho, mais profundo do que o grande abismo.'

13. " ... Eu a sabedoria fiz correr os rios, sou como o curso d'água imensa de um rio, como o canal de uma ribeira, e como um aqueduto saindo do paraíso, regarei as plantas do meu jardim, darei de beber aos frutos de meu prado; eis que meu curso de água tornou-se abundante, e meu rio tornou-se mar.'

14. '... Pois a luz da ciência que eu derramo sobre todos é como a luz da manhã, e de longe eu a torno conhecida. Penetrarei em todas as profundezas da terra, visitarei todos aqueles que dormem, e alumiarei todos aqueles que confiam no Senhor. '

15. '... Continuarei a espalhar a minha doutrina como uma profecia, e deixá-la-ei aos que buscam a sabedoria, e não abandonarei seus descendentes até o século santo, considerai que não só trabalhei para mim, mas para todos aqueles que buscam a verdade.' ( trechos transcritos do livro Eclesiastes cap 24)

16. Ufa, uma elegia sem igual, nunca li coisa mais maravilhosa, transbordante de poesia divina e podemos conjecturar o quanto a rainha da neve se deliciou com este poema de inspiração sobeja e grandiosa. Nele encontra-se resumido toda a trajetória da criação, suas relações anímicas com o Criador, suas derivações práticas que fazem inveja hoje aos mandatários empoados do poder pelo poder e que não conseguem vislumbrar um palmo a frente nas suas decisões acanhadas e faltosas do bem comum maior inerente a toda a humanidade. 

17. Sem sombra de dúvidas o porvir próximo será entregue nas mãos da sabedoria e a todos aqueles de coração sensível a Deus, que almejam sinceramente  querem fazer daqui uma ante câmara agradável do paraíso. Os mecanismos encontram-se descritos neste monumental pensamento do Rei Salomão e que a Rainha de Sabat conhecera e vivenciara nos seus dias de vida contemplativa e ativa à frente de seu belo povo Etíope, não resta a menor dúvida!

18. A voz suave e convincente de Salomão acompanhara Sheba  e sua comitiva no caminho de volta, levara inúmeros presentes valiosos ao Rei sábio, e recebera dele o dom da fé e ao desenrolar o pergaminho que ganhara de mimo,  ela deu vazão às suas visões de Sabat. Pelos olhos sapienciais de Salomão ela intuiu a fugacidade da vida, a sublimidade de Deus uno e trino e o verdadeiro sentido do calor humano verdadeiro!

19. À seus pés o infindo deserto... enquanto vencia com sua caravana de Tamrim dunas e areias exclamava sem cessar: oh bendita hora, oh! bendito tempo, o inescrutável vento: - muito aconteceu, muito está mudado!

Helder Tadeu Chaia Alvim




Postar um comentário