terça-feira, 30 de dezembro de 2014

essência de Siloé

  essência de Siloé
.     
 Desejo a você aquele sopro benéfico no ano que se aproxima, aquele osculo de paz que fará toda a diferença no término de 2014, que tem pressa para encerrar seu ciclo empírico e passar a batuta > 2015, pois sete e sete = 14, três vezes sete = 21, que menos:  – 6  se auferirá um auspicioso: 15 a Ti, que possui o coração maior que o universo, mais belo que a lua, mais brilhante que sol, mesmo o céu fulgurante perde em brilho perante  tu , pois és o retrato de Deus.

Guardei seu olhar de bondade serena em todo o percurso de 2014, e o levarei comigo, se você assim o permitir para o reino empírico de 2015, e para onde for sei que terei seu ombro solidário a aquentar minhas noites de inverso reverso até a primavera chegar em versos floridos.

E vamos continuar a construir um tempo, locupleto de boas intenções reciprocas, de paz perene, da convivência agradável, amor incondicional e harmonia sem igual. Pois o que nos une é algo da altura da alma, do quilate do ouro, algo que as traças e os ladrões da precificação nunca conseguirão arrebanhar para si.

Enfim, quero dizer que foi bom lhe conhecer, privar consigo sonhos de mundo bom, pois a vida dizia alguém ‘depois da lida deve ser vivida em função da amizade, do querer-se bem, amar-se e na medida do possível estar juntos’, como fazemos neste momento neutrino e faremos prodigamente ao longo do ano que se aproxima a passos largos, se Deus quiser!

Então que sua existência seja feliz, seus caminhos planos, seus sonhos, ora seus sonhos do tamanho de seu coração de gigante, seu olhar mais aquecido que as fornalhas de Siloé, e que sua essência de liberdade continue  a iluminar por extenso o ano novo e bom de 2015, hein!

Abraços, beijos de união
Helder Chaia Alvim

gosto de duplat assim...

             Gosto de duplat assim...

1.       Obrigado por me ouvir, curtir as postagens e enriquecer minha vida, tornando-a melhor , mais alegre, colorida e com tons esplendidos do perfume de duplat.
2.        Obrigado por saber fazer eu acreditar em dias melhores em meio ao grande esboroamento    da fuselagem planetária, ao contemplar sua face no facebook de todos os sons e melodias me sinto mais vivo e disposto a dar continuidade a sonhos de mundo bom das certas certezas empíricas.
3.       O brigado pelas suas mãos que se erguem em prece, parece  para digitar coisas belas, com brilho de estrelas, andar de astros, e jeito de criança, mãos que se ‘areunem’ se ajuntam para entoar um sopro universal, que sô ninguém vai conseguir desviar de seu rumo de união coletiva.
4.       Por isso deposito no rosto amigo de cada pessoa que me honram com sua amizade, um grande beijo, um beijo sonoro e afinado capaz de ser ouvido a milhões de quilômetros luz para alcançar meus amigos dispersos em lugares distantes, mas que aprendi a amar e respeitar de paixão.
5.       E nesta doce prece, parece vou ficando por aqui, pois sei que você ainda tem muito a conversar com outros e outras de seu círculo facebookiano de arrasar! São seus ajustes finais, mas sei que sua linda alma, na calma não vai me esquecer, mesmo em meios às vibrações legitimas do réveillon bem juntinho com todos os que lhe são caros.
6.       Ao me lembrar de você quando a ampulheta do tempo zerar 2014, vou sorrir um riso solto e descontraído, pois de onde estiver vou estar lá em espirito e = verdade consigo.
7.       O poeta decano disse: ‘ o sentido da arte estaria talvez onde a razão e a magia se tornam uma só coisa’( Nietze).
8.       Então  ‘ vamo nos 'areunir’ no cantinho iluminado do ano bom e celebrar o amor total , o bem comum, o dom da vida, o pulsar do coração, o poema da existência e a essência do bem querer que se chama: você!

Gracias per tanto, que pases ben!
Encantado!
Helder


o arcano auspicioso chamado dezesseis!

          O arcano auspicioso chamado dezesseis

1.   O que dizer hoje quando o ano se finda, e bate naturalmente em nossa soleira tantas rememorações, umas alegres, outras nem tanto. Em tudo e por tudo trago a impressão que a caminhada valeu à pena, e nesses momentos urge a grande preparação para receber uma visita ilustre: o ano bom!

2.       No anterior, sentimos saudades, sorrimos um riso preso, apertamos o coração com as noticias tristes, e foram tantas... que a retrospectiva se apresenta desta vez solerte.

3.       Meu irmão (ã) do face, em face de tudo queria dizer, e digo com satisfação espalhada on line que nossa amizade se fortaleceu, o que é bom! Não importou suas convicções, pois o respeito, a tolerância, o carinho e o amor sincero prevaleceu em nosso convívio.

4.       Os bytes soberanos nos uniram, nos abraços se encontraram no bem querer mútuo, e construímos não um muro, mas uma ponte levadiça e segura, trocamos experiências e nossas almas puderam ir e vir sem constrangimento algum.

5.       Senti seu abraço forte, seu ombro amigo em cada hora que o sr. tempo preenchia os momentos nossos com a louçania própria de seu cafuné e olhar intuitivo que via a transparência de sua alma e as intenções de mundo bom.

6.        A ponte aos poucos erguida perdurou levando e trazendo incessantemente sonhos, que sonhados se viram realizados um por um, dois por dois, três por três, e mil por mil deixando após si uma sensação, um sabor etéreo  de quase infinito.

7.       Desfizemos nóis, e nós conseguimos preservar a privacidade, e no calor matinal percorremos dias, e na brisa suave das noites insones, mesmo distantes idealizamos juntos mundos, tentamos mudar os rumos de um universo em versos, ah ah ah ! ! !

8.       E são tantos os nomes, as fisionomias, os gostos, as aptidões do infinito particular de cada um adicionado com um sim da amizade que a comemoração merece um grande salve, um salve auspicioso, sonoro, rico em detalhes anímicos e producente para dois e quinze, que acham?

9.       De igual para igual fomos postando, interagindo curtindo, se divertindo, chorando mesmo um ente querido que partiu rumo à luz diáfana do Criador. Foi encanto, amor respeitoso ao primeiro clique, esboços de incompatibilidade política, quiçá, religiosa, mas o senso comum a todos contagiou nas páginas inteligentes e intuitivas do facebook, e mais que um simples livro de consulta, vivenciamos emoções as mais diversas, possíveis, incríveis!

10.   Perdão pelo alongamento proposital, sem fitnnes, senti um upgrade fantástico na convivência ligada em volts de 24 horas, ah ah ah ! ! ! Que 2016 se prolongue, se Deus quiser com uma intensidade nova pois vejo que vocês ainda tem fôlego para atravessar comigo mais de 9 cachoeiras, hein!
Abraços de união

Helder

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

a assepsia redentora

a assepsia do mundo bom

1.      Ah! Muitas vezes ocorre que uma pessoa fica presa aos detalhes sem muita importância da existência, apegado que se encontra no espaço exíguo de seu ego, e quando se dá conta o tempo fecha, não passa de ano, aquele amor que acreditava eterno, evapora, os amigos se distanciam, por um movimento natural, as nuvens formam outras figuras no céu, cai o véu de traição. E tudo que era grande em sua juventude torna-se pequeno em meio o que a maturidade traz.

2.       Então é que volta aquele cheiro da infância, os sabores da mesa familiar, a conversa ao pé do fogão, o carinho de sua mãe. E todas aquelas palavras de onde as corujas tem seu ninho fazem sentido  e o sabiá cantarola na laranjeira florida, cantigas   retornam com saudade e aperta o coração.
3.       Por esta razão hoje não sei porque lembrei te tanta coisa que aconteceu comigo, que me vi criança, na estância Pirineus, me encontrei novamente sorrindo no colo de minha bondosa mãe Geralda, em companhia de meus queridos irmãos Elaine, Zé Geraldo, Mathildes, Hélcia e  Lourdes.

4.       Por isso  resolvi visitar uma Igreja na metrópole da capital paulista; assisti à missa, rezei com a assembleia o Padre Nosso, dei um abraço no irmão que estava ao meu lado, adorei o mestre Jesus na hóstia consagrada, entoei o terço de Nossa Senhora, rezei à Santo Antônio, me aspergi com a água benta do altar, e ajoelhei ao lado do presépio montado.

5.       Tudo adquiriu um significado após tantos anos afastado de minha terra, senti o cheiro da palha fresca tocando em minhas mãos, ouvi o bafo do boi e do jumentinho a quentá o menino Deus naquela noite fria do primeiro natal.

6.       Senti asas de anjos roçando na gruta, a flauta doce dos pastores, o balido das ovelhas, e o tropel dos reis do oriente se aproximando, precedido por uma linda e brilhante estrela.

7.  Uau, eu que percorri tanto chão atrás da fama efêmera de escritor, não sabia que Deus escrevinhava no meu coração este tempo todo, e se versos tive foi a sua monção divina a me conduzir de volta ao aprisco da fé.

8.       Ah! Percebi o desvelo impressionante de José, a contemplação de Maria, o olhar de um Deus que os céus despejaram milagrosamente na terra, por meio do seio de uma Virgem.

9.       A sinfonia era perfeita, pois uma estrela iluminava os céus da Judeia, asas de anjos roçavam  sobre a manjedoura de Belém, vozes e cantos se ouviam, e saiam salvas jubilosas da boca e do peito  de humildes e vigilantes pastores, puros, simples, calmos e bucólicos Em torno da gruta do Rei David, que abrigava seu descendente, e depois disto a terra não seria a mesma, pois nasceu o príncipe da paz que implantará o reino da liberdade e do bem comum maior!

10.     O tropel de camelos se intensifica, bate às portas de Jerusalém e sobressalta seus habitantes, seus chefes religiosos, seu rei Herodes. Sobressalta homens livres, togados, opressores e oprimidos, e o califado da maldade está com seus dias contados, pois próximo dali nasceu o anjo do grande conselho, e o cetro dele é de doce amor e forte repulsa ao mal.

11.     A assepsia redentora será consumada na cruz dali a exatos 33 anos de vida publica de Jesus, ele vai proclamar a que veio  e não ficará pedra sob pedra do erro, da maldade, do ceticismo, e vai libertar integralmente o mundo do pecado, arregimentar seguidores do feitio do  grande pescador Simão Bhar Jonas,o Pedro de todas as eras, da dedicação de Maria de Magdala, da afeição de Lázaro, da organização de Marta, da visão de João Evangelista, da coragem de João Batista, da contemplação de José, da pureza  e misticismo da Virgem entre todas benditas, Maria.

12.    O anjo decaído perdeu, e fora quebrado o primeiro selo da revelação, e Ele o humilde Nazareno atrairia a sai todas as coisas, todas os tempos, todas as nações até o desfolhar da última vegetação  verde do planeta terra, até o ressoar da corneta anunciando o fim do mundo, a ressurreição da carne, o terrível juízo final, e finalmente a entrada triunfal dos eleitos em corpo e alma no paraíso de delicias sem fim, e a esconjuração daqueles condenados ao inferno eterno, de enxofre, fogo e danação.

13.      E a antífona do advento canta e canta com a expressão de alegrai antecipada: ‘... Oh! Vinde enfim, eterno Deus, descei, descei dos altos céus, deixai a vossa habitação, que a terra espera a salvação.

14.     Que o céu orvalhe o Redentor, baixai das nuvens, ó Senhor! Germine a terra o nosso Deus, pra que nos abra os altos céus! Por que tardais, ó bom Jesus, em rebrilhar na vossa luz? Em trevas densas o mundo jaz, trazei a luz, amor e paz!

15.     Oh! Vinde enfim, Senhor, a nós ressoe no mundo a vossa voz, no mundo brilhe o vosso olhar. Oh! Vinde, enfim, nos visitar sem demorar!'

16. Enganam-se aqueles que acham que este acontecimento jaz no seu valor histórico e emotivo, não! Ele transcende a seu tempo, e se vivifica em cada ano, na pessoa de sua Igreja, ritos, dogmas e ações litúrgicas. Uma análise mais apurada desta organização vai levá-lo a amá-la com todas as veras de sua alma, ou a odiá-la fazendo coro com Jouda Iskariotis,

17. Mesmo na fragilidade de tantos pecados de seus pastores, mesmo na indiferença aparente de muitos seguidores do Caminho, ainda resta a esperança que ' portas inferi no prevalebunt adversus ea.' De origem divina, paira sobre ela as promessas de assistência continua e constante do Espírito Paráclito. Até porque encontra-se em aberto a oração perfeita  do Pater, a Grande Profecia do Pater e a qualquer momento neutrino  vai surgir de novo Jesus redivivo para implantar a vontade do Pai em toda a extensão anímica, e isto tudo não se assustem, pois será para o bem do povo e felicidade de um novo tempo de paz, harmonia, abastança, iluminado pela Estrela Matutina, Maria!

 >     Amigos, feliz, santo e proveitoso natal e que seus sonhos de mundo bom se transformem o quanto antes em uma  realidade anímica, para você, família, amigos, sua cidade, seu povo, seu país e o mundo inteiro. Que a luz emanada de Belém lhes conduza com segurança durante todo o longo trajeto de 2015! E que venha a grande travessia anunciada em Fátima, quando da era da precificação tremenda, da descrença generalizada, finalmente a terra inteira e seus habitantes abram seus corações de par em par à Sabedoria incriada, objeto de desvelo infinito da Trindade Santa.

>>   O tempo passa irmãos meus diletos, e porque não passar com ele traduzindo em atos sinceros nossa fé no Cordeiro de Deus, aquele anunciado pelo Batista às margens do lendário Jordão, mesmo se preciso for, vamos nos alimentar com mel e gafanhotos da superação, fortificar a coluna da alma, e aguardar a monção que levará todos nós às enseadas de um novo e maravilhoso viver em Cristo!

>>> Na verdade, este texto não almeja créditos na versão, pois o que se  recebe graça, de graça se oferta, nem tão pouco pertence à galeria da ficção, fábula. Tenta esboçar algo que ainda acontecerá, provavelmente em nosso século, pela razão que ele perdeu pé da realidade empírica, escolheu a precificação da vida, enchafurdou-se literalmente no pecado, no sofisma, no ceticismo.

>>>> Tudo o que é de ruim resolveu experimentar em sua filologia sem noção. aliou-se na péssima turma de Lúcifer e seus sequazes, olvidou a fé, deturpou a razão, subverteu a lei natural e destruiu a roupagem do planeta em que habita.

>>>>> Em tudo e por tudo paira sobre ele o olhar de um Deus Justo, o sangue do gólgota, os méritos dos santos, as profecias e um punhado de gente sensata capaz de encetar o grande movimento da reconquista empírica que trará de volta, in natura artis, o equilíbrio tonal entre a sociedade dos homens e o reino do outro mundo, aquele que nem as traças, nem os ladrões abocanham para si.

>>>>> Estão vivinhos da silva em algum lugar do planeta  os novos Sadraques, Mesaques e Abede- negos, que não se curvaram aos templos pós modernos do consumo, da desagregação famíliar, e mantém a disposição de alma de adoração ao Deus Verdadeiro, e uma abertura de fé {a devoção à Vigem Maria, bendita entre todas as mulheres e por mérito e conquista a eterna Janua Caellis!

 ________________________________________________________________________________        abraços de união!         Helder Tadeu Chaia Alvim         São Paulo 22/12/2016


quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

novo tempo, novo tudo!

Novo tempo, novo tudo!

É natal, uma comemoração e tanto que deixa tudo e todos mais leves, embalados que são pelo hálito fresco de um acontecimento histórico que revolucionou o mundo à partir da humilde manjedoura de um Deus humanado, que atraiu reis, anjos  e pastores ao aconchego da gruta de David nos arredores de Belém.
Uma luminosa estrela foi vista, ao mesmo tempo que o Rei Herodes se embravecia, e não era para menos, o mistério estava a ponto de ser revelado, as escrituras iam se cumprir literalmente, e as profecias de Isaías torna-se- iam realidade, não uma realidade qualquer mas o ponto primeiro da redenção, a aproximação exata entre Criador e criatura, o resgate total do gênero humano à partir do gólgota salvífico.
O sim começara em Nazaré com uma virgem de nome Maria, e agora surgiu dela de uma maneira miraculosa o príncipe da paz, daquela paz sem anomalias. O primeiro natal da humanidade veio de uma maneira suave e esplêndida, confundindo os poderosos, elevando os simples e mansos, e assim seria no decorrer das eras históricas, até o último soluço no planeta terra.
E o natal veio com força e resolução, pois Deus habitou entre nós, conviveu com nossos anseios de mundo bom, sorriu um riso solto e alegre, sanou  nossas enfermidades, nossos sonhos incentivou , enfim conheceu a natureza humana em seus seus voos, e viveu conosco  tudo menos com a compactuação do erro.
E deixou-nos a sua Igreja, una, santa, católica e apostólica como fanal puro para indicar-nos o grande retorno às origens divinas. Por isso torna-se justo e necessário reconhecer com gratidão a presença daquele que pode trazer-nos novamente a paz.
E ficou em aberto a sua segunda vinda, conforme se encontra sinalizado no prefácio litúrgico do 3º domingo do advento: ‘ ... Vós preferistes ocultar o dia e a hora em que Cristo, vosso filho, senhor e juiz da história, aparecerá nas nuvens do céu, revestido de poder e majestade. Naquele tremendo e glorioso dia, passará o mundo presente e surgirão novo céu e nova terra...’
Assim encerro este pensamento, não sem antes abraçar ao meu irmão(ã) com ósculo sagrado do calor e fé em Deus e convicção da restauração completa do bem comum maior inerente a todos os povos.
Feliz e santo natal! Apesar da turbulência sei que em um determinado momento empírico, Deus vai parar o sol, zerar o tempo, iluminar a lua, e renovar a face e o interior da terra! Os olhos de Deus, penetrantes e profundos estão postos em nós, que mais poderíamos almejar, senão o vento fresco e suave de um novo tempo!
A tecnologia da informação e seus avanços virtuais que fazem os semelhantes nossos morarem nos whatszaps  dará lugar ao enriquecimento da alma, ao conhecimento mais apurado dos átomos, pois um dia numa noite fria da primeira era cristã ouviu-se um acorde diferente, trazido pelos arcanos: ‘Gloria in excelsis Deo, et in terra pax hominibus.’!
Para além dos cipoais hodiernos de um certo anjo decaído, surgirá na curva da história, a era elevada do Pater, amplificada pelo bem, por quem deseja as coisas certas nos lugares certos, por quem acredita no sonho de mundo bom aureolado pela Rosa mística de eleição. Assim seja!

Helder Tadeu Chaia Alvim

São Paulo, 18 de dezembro de 2014



quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

'quia me deleriquistis?"

Quia me deleriquistis?

1.      O que impressiona é que o próprio Cristo Senhor, em um determinado  momento em sua trajetória terrena se sentiu como que abandonado pelo Pai Eterno, e saltou um grito lancinante no gólgota, brado este que estremeceu as montanhas de Jerusalém, o templo de Salomão, e encheu de estupefato a cavalariça romana, o povo judeu, os discípulos do caminho.

2.      ‘Porque me desamparastes? Era o Cordeiro que falava, o mesmo que operara milagres, do feitio de ressuscitar o amigo Lazaro, curar os cegos, fazer andar os paralíticos, sanar as chagas dos leprosos, salvar o servo do centurião de morte prematura, expulsar demônios, trazer de volta à vida o filho da viúva de Naim.

3.      Parece que na cruz naquela fatídica sexta feira santa a sua natureza humana fora entregue a uma escuridão tremenda e inexplicável, pouco antes das trevas na hora nona cobrir toda a terra.   Por causa de nós homens e nossos pecados ele se submeteu à imolação, derramou todo o seu sangue, atestado pelo soldado Longino, as santas mulheres e João Evangelista,

4. Diante de Dimas fez a promessa do paraiso, encontrou no fundo de seu coração palavras de vigor e esperança; mesmo com a  turba multa reunida, açulada pelo sinédrio, ávida de ódio insano contra Ele o Justo demonstrou um equilíbrio e uma sabedoria de converter os pecadores, consolar os fracos e confundir os asseclas do anjo decaído.

5.      Este sentimento estranho acompanha a humanidade em todas as fases históricas com maior ou menor intensidade, mas a persegue numa inquietude de arrepiar, e cada tempo específico tem seu calvário particular; não adianta fugir, negar, pois os pregos, açoites, espinhos pontiagudos vem proporcionais aos seus erros, e atinge  alma coletiva das nações em cheio, e na modalidade  que cada uma pode suportar.

6.     A dor vem inevitavelmente, quer seja através de uma enfermidade, de uma provação material, de um revés moral, social, doméstico ou coletivo.

7.     Guerras, conflitos mundiais o que são senão um problema de alma individual, que somado às circunstâncias diversas envolve o planeta, e não há quem escape de seu vento furioso. No momento que chega, o horizonte se tolda, o ar falta aos pulmões, e é preciso olhar mais além, pousar sob o instrumento da esperança para não desfalecer.

8.      Até hoje quando o movimento corre célere para o abismo da desproporção conceitual, não houve exceções à regra, e há muito que cada século colheu a decepção, o abandono anímico.

9.      No entanto Aquele que tira o pecado do mundo no dizer da liturgia vem mantendo sua palavra de sustentação empírica, e assim será ate´que a última folha toque o chão no derradeiro outono da raça humana, quando se ouvirá a corneta arcana anunciar aos quatro cantos da terra, a consumação dos séculos.

10.  Hoje em dia o sentimento de frustração coletiva paira no ar e aperta o peito daqueles que não se deixaram levar pela anestesia da precificação, mas mantem em seu coração uma pontinha de esperança, baseada na revelação do Cordeiro.

11.  Mais ainda, tocamos o clímax do absurdo existencial, mesmo que muitos queiram disfarçar a realidade, e mesmo esquecer a verdade de Cristo, seus ensinamentos, sua Igreja, a parusia anunciada do mundo bom ou era do Pater será realidade, assim como foi a chegada do primeiro natal. A segunda vinda de Cristo trará em seu bojo bendito um clarão salvifico, assim como na encarnação a Virgem aquiesceu aos desígnios do Altíssimo Senhor, e seu sim redimiu o mundo, também na parusia do mundo bom, ela estará presente na construção da profecia do Pater, sem ficção mas na realidade cristalina das profecias...

12.  Mesmo que queiram disfarçar, mesmo que não cultivem a calma produtiva e tentem esconder em seus excessos de loucura a frustração que a todos envolve, mesmo que queiram um calvário diferente do Nazareno das luzes, mais cedo ou mais tarde se verão nocauteados pelos mesmos anseios errados. que queriam certos em suas mentiras camufladas de verdade.

13.'  O quia me deleriquistes,' se torna atual, e traz em seu bojo uma força interior de alma capaz de transformar o mundo. Sábios seríamos se por uma reflexão sincera e humilde chegássemos à constatação que Cristo é o caminho, verdade e vida de todos indistintamente, o pastor bondoso e forte de um rebanho criado à imagem e semelhança dele.

14. Não adianta fugir desta realidade universal e imprescindível para a humanidade inteira; ao tatear e construir seus trunfos científicos se afastou da fornalha ardente do amor total, e edificou para si e os seus, vórtices contrários a sua condição humana de sintonia e empatia, conseguiu destruir o planeta e engendrar conflitos que poderão dizimar a raça humana em questão de segundos nano tecnológicos.

15.  O homem, que pena, cresceu e se multiplicou em orgulho, poder e está começando a colher decepção, lamentações, e ainda vai chorar um choro de sangue e um desespero à altura de sua maldade deliberada.

16. – Anh! Poeta do mau agouro, sai para lá, profeta de dias tristes, protesta do reino do outro mundo, que aqui não cola sua derivação. – Certo, vejo que a interação trouxe o resultado pretendido, e  aconselho a descer de seu concreto protendido e analisar comigo a situação de grande constrangimento geral a que passamos, pois bastava um olhar sincero ao Deus humanado, uma disposição de alma diferente e consequente   que a nossa realidade seria outra, mais evoluída, trazendo paz, harmonia, bem estar para todo o tecido social.

17. Irmão(ã)vocês que se dispõem a ler estes rabiscos, escritos ao amanhecer, saibam que agradeço o seu ombro solidário; não se desesperem nunca, esperem a monção divina da explicação.

18.  Raiará o dia em que a natureza inteirinha irá dar os créditos devidos ao seu Criador, e viverá consoante com o saltério de dez cordas, e embalado por uma canção arcana vai construir aqui no planeta terra um outro mundo diferente com a moldura, quadro, pintura totalmente remodelados pela Rosa Mística de eleição. E haverá ‘um só rebanho e um só pastor’.

19.  E o brilho de Deus aparecerá em toda sua nitidez diáfana, e muitas coisas novas aparecerão em todos os campos da atividade humana, psicológica e anímico empirista, e borbulharão ações e mais ações profícuas em prol da paz universal.

20.  Aquele ser supremo que um dia se fez homem,’ propter nobis’ nunca dormiu e sequer  ignorou a sua grei, sempre esteve conosco, nas manhãs alvissareiras, e nas noites nebulosas da provação. Ele, somente ele possui sabedoria e força suficientes para imperar aos ventos da discórdia que cessem de assolar a terra e seus habitantes, que cessem de destruir a harmonia, o equilíbrio  do planeta.

21.  A humanidade terá uma segunda chance, suficiente para operar a lição do Pater, conhecer a profusão do Filho das complacências,  impulsionar a menção do Espírito Santo Paráclito , e sentir o odor puro e benfazejo  da Rosa Mistica, revigorada que será pela revoada de asas arcanas.

22. Mesmo que estas palavras soem incompreensíveis aos ouvidos de outrem, digo que no meu entender a criação almeja sintonizar-se com o Criador, e o empecilho se encontra justamente na antipatia a tudo que reflete Deus na terra.

23. Cessada as brumas da incredulidade, haverá vazão suficiente nos corações hodiernos para propósitos capazes de  mudar radicalmente para o bem comum maior, e entronizar em todo o lugar o Amor Total.

24. Na verdade a criação finita tem sede de justiça, e justiça em abundância e vai selar um pacto universal na terra dos homens pela paz, se lhes apraz escrevi estes traços, trazendo essas ponderações...

25. Desejo a todos vocês uma  abençoada Páscoa do ano da graça dois mil e quinze e um forte abraço de união e que todos os seus sonhos de mundo bom se realizem prodigamente em toda a extensão de sua vida feliz neste  ano afora.

26. Se ousasse descrever todas as maravilhas acerca de Jesus Cristo, sua Mãe Santíssima, a sua Igreja, estas linhas não conseguiriam abranger em toda a sua extensão empírica tal gesta do filho de Deus Humanado por nós homens e pelos nossos pecados, e nem mesmo o maior sábio da terra, o anjo mais clarividente do céu, o poeta ou escritor mais célebre concluiriam esta gesta com sucesso! Que dirá um poeta minimo, hein!

27. O mundo novo que está para chegar, ' não nascerá do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus mesmo, e de sua plenitude todos nós receberemos graça por graça, despontará esse grande dia e uma grande luz brilhará na terra, as nações em conjunto cantarão um canto novo ao som da harpa e da cítara suave, e os povos aclamarão com clarins e trombetas o novo tempo, conhecerão a salvação e a justiça'( liturgia do Natal)

28. E  o som da afinação continua num crescente admirável: ' ... Então como serão belos os ´passos pelos montes, os pés anunciando a paz, proclamando em toda a parte, o bem para restabelecer a dignidade perdida, e o mundo todo irá descansar sobre os ombros do Anjo do Grande Conselho.' ( idem, incluído na antifona do Natal).

Helder Tadeu Chaia Alvim


quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Uma prosa amena com Emérito Cacunda

               O  gigante na era da ‘desação’

1.       Devia para ser e não foi...  me confidenciou Emérito Cacunda, um homem sábio, simples e perspicaz, e foi falando seu diapasão ‘ostro ‘ dia em um bar da augusta paulistana, próximo à rua consolação e que encantou meus ouvidos cansados de ares poluídos de um tempo ‘desacionado’  por tantas notícias ruins e atos de uma probidade duvidosa no que tange à politica doméstica da republica federativa do Brasil.

2.       – Porque, poeta, que gente estudada, diplomada ou guindada ao poder deixou chegar a esta situação díspar, de uma incongruência avassaladora, isenta de rumos certos? Porque tanta maldade deliberada? Porque tantas ações desastrosas? Porque tanta corrupção, porque tantas verbas publicadas embolsadas na calada da noite ou em plena luz do dia? Tantos porquês, se fosse relacioná-los todos, acho que este espaço interativo do Blogger Google seria exíguo demais.

3.       Até o profeta Jeremias do alto de sua clarividência iria soltar aís de interjeições, pois atos ilícitos acontecem de uma maneira pseudo institucionalizada e bem na barba dos eleitores, que em tese deveriam ser representados e na prática não o são devidamente.

4.       A inspiração momentânea de Emérito seguiu seu pensamento e fui com ele num crescente alimando suas palavras de citadino digno e que demonstrava que sabia o que dizia...

5.       Vez por outra, pausava e fitava o infinito, sorria um riso preso e sussurrava sua indignação peremptória. Pois um povo tão cordato, gentil, hospitaleiro não merecia isto, esta cascata de corrupção e desacertos que acabará por quebrar o gigante ao meio, e roubar de seus filhos a esperança de dias melhores para sua imensa prole, que hoje cifra em torno de 207 milhões de brasileiros.

6.       Não entendo, amigo porque a opinião pública que acorreu às ruas soberanas em junho do ano passado hoje está como anestesiada. . Será porque sopraram os ventos da discórdia política? Ou então ao léu sem chapéu desistiram de lutar civicamente  em prol do ideal de pátria livre, autodeterminada e focada inteiramente no bem comum maior inerente a todos os brasileiros indistintamente.

7.       Mas Deus existe e não faz nada pela metade, sei que vai soprar a brasa que ainda fumega e  inspirar ao gigante um hálito fresco de renovação democrática e total par o bem do povo e a felicidade de um novo tempo empírico, anímico e sustentável.

8.       Não lhes faltará o norte, pois o grito forte das ruas soberanas já se fez ouvir e a retomada do sonho latente de liberdade responsável ainda pulsa em seu coração de brasilidade.

9.       - Tempos vazios de sentido, meu amigo Emérito Cacunda? – Acho que não! Pois o brasileiro pacato, povo simples das ruas é intuitivo e saberá congregar esforços dentro da lei e da ordem constitucionais e fazer valer sua voz, seus direitos e sua razão maior de bem comum.

10.   Enquanto isso ele continuará idealizando a seu modo mundos, nós, versos, e todos juntos em ação para mudar os rumos da bela nação brasileira e fazer cessar a grande desação que ora a envolve com braços de ferro e pés de barro. Raios descendentes e conectantes assombram a res publica bar zileira da precificação. A somatização é iminente e os sintomas  disfuncionais  são patentes. Ah! Brazil quão longe dista da ordem anímico empírica ideal, aquela que traz a identidade perfeita entre o céu dos anjos e a terra dos homens.

11. Para além destes dias afônicos, conturbados e fora de jeito, quando pululam noticias tristes e fatos desabonadores do fazer politico, do descaso com a população, com a ausência total de segurança, saúde, cultura e educação, quando o superavit do faz de conta predomina a preleção dos detentores do poder, aliás legitimados pelo voto das urnas soberanas, um anseio geral de mudança paira sobre a nação canarinha, país de sonho latente, extensão territorial, riquezas in fieri, potencial in natura artis e tudo o mais!

12. Então cabe afirmar que encontra-se em aberto a grande sustentação da alma brasileira, condição sem a qual a pátria amada, não ocupará seu lugar de direito no concerto das nações, não desenvolverá até o máximo de sua capacidade produtiva, intelectual e moral seus desígnios de nação livre e soberana.

13. Assim se expressou Emérito Cacunda, deu uma gostosa baforada em seu cachimbo de fumo alpino e se despediu deste que anotou a prosa; depois vestiu seu casaco, colocou o chapéu de prada e desapareceu numa esquina de um dia qualquer...

Helder Tadeu Chaia Alvim