terça-feira, 30 de setembro de 2014

o véu e o espelho existenciais

o véu e o espelho existenciais
o véu e o espelho existenciais

1. O que vou escrever serve para mim e ao irmão (ã) que leem estas palavras. Seria uma espécie de ' 'noscite ipsum, conheça a si mesmo', ou se quiser aquele movimento interior que conduziu Saulo de Tarso de perseguidor ferrenho a seguidor estusiasta do Mestre. 

2. A viagem mais importante da vida, diz Santo Agostinho é ao âmago da alma, pois somente lá você vai encontrar o sentido  da existência ao vislumbrar em sua partículas anímicas o bem moral maior que é Deus.

3. E relata o apostolo dos gentios valendo de figuras, e convence em sua fala impressionante e direta: '... aqui nos procuramos às apalpadelas, distinguimo-lo através das deformações de um espelho, divisamo-lo através de um véu. Mas chegará o dia em que o véu se rasgará, o espelho se quebrará, tornar-nos-emos então semelhantes a Ele, porque o veremos tal como é.'

4. Nossa, que beleza intrínseca se desprende daquele que se deixou levar pela presença cativante de seu amigo Jeshuá no caminho de Damasco, e plasmou sua vida na visão eterna do Cordeiro.

5. Ao longo da história psicológica e unica de cada um, percebe-se que o mestre sempre é o que dá o primeiro passo em nossa direção. Aconteceu assim em Sicar com a samaritana em um dia de sol à pino: '... veio uma mulher de Samaria tirar água, pediu-lhe Jesus: 'Dai-me de beber', e a vida sobressaltada daquela aldeã como por enquanto se transformou...

6. Georges Chevrot marca este momento como ninguém ao inferir 'que pelo gole de água fresca que pede à Samaritana, Jesus fará que a invadam as torrentes da graça que lavarão a sua consciência e transformarão a sua sede de deleites carnais em desejos de eternidade. Ele primeiro pede, mas depois dá sempre mais do que pede. E ao pedir-nos alguma coisa já é um dom que nos faz.'

7. Assim sendo abstraí-se que para além das expectativas materiais  desta terra existencial, um dia o véu vai descerrar, o espelho do corpo quebrar e veremos outra realidade anímico empírica por extenso e ' a infinidade de nosso Pai de desdobrará diante de nossos olhos em todo seu esplendor.' ( Georges Chevrot)

Helder Tadeu Chaia Alvim

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

as empíricas


fase experimental parte II

1. Brasil, 514 anos de história, hoje analisando o movimento às vésperas das eleições, constata-se com muito pesar que o gigante de anil jaz sem memória constitucional, encontra-se nas mãos erradas, detém uma diplomacia fraca,. Os que detém o poder carecem da visão maior, tergiversam no exercício do poder, sequer conseguem uma mínima ação econômica, social, legislativa, administrativa e cultural.

2. A corrupção é fato notório, faltoso de estruturas justas, maquiam inescrupulosamente o crescimento sustentável, em tudo e por tudo os brasileiros carecem de uma condução justa, equitativa, ética de seu destino como nação soberana, e não de leis que açambarcam sua característica de nação democrática, livre e auto  determínada. Na prática é que  for bom para hum brasileiro deve ser igualmente bom para 207 milhões deles.

3. Quando uma nação abandona o bem comum, surgem as aleivosias, o paternalismo, o toma lá dá cá vergonhoso. Então na pratica o que esperar senão o seu declínio moral, como sói aconteceu com o império romano do Ocidente. O panem et circenses brasileiro desencoraja meio mundo e parece que o fim escatológico da nação canarinha se avizinha a passos largos.

4. Temos uma camada da politica doméstica apadrinhando a corrupção, avolumando riqueza ilícita, e tá na cara que legislam em proveito proveito lesando o erário público despudoradamente, quais vendilhões dos templos pós modernos da república. Resta saber quem ou quais pessoas vão se atrever a empunhar o chicote da constituição e fazer valer a ordem e o progresso verdadeiro para o bem do povo e a felicidade de um novo tempo que certamente Deus reserva aos brasileiros.

5. A não ser assim a situação continuará indefinidamente e aumentará o loteamento de certo país continente, de povo batalhador mas que perdeu a vontade de lutar dentro da lei para fazer valer a sua constituição federativa. Por isso dizia jaz na violência, carência extrema de saúde, educação, e realmente parece que' fechou suas pérolas em conchas, e não quer saber o que está perdendo.'  Será?!

6. Mas os que tem fé, que cultivam em seus corações a moral pátria resta-lhes  uma esperança de cunho anímico; mesmo que o anjo decaído esteja influenciando a hora presente, temos as palavras do Grande Pescador: Ad quo ibimus? A quem iremos? Senhor dos ventos e das eras históricas? Salva-nos que perecemos! Só vós  tendes palavras de vida eterna!

7. Saudemos irmã e irmão diletos as sandálias de um novo tempo que virá mesmo contra as perspectivas contrárias em curso. Entre o tempo, o vento e a humanidade se interpõe sempre a vontade do Criador, sendo  fonte inesgotável do bem, do belo do pulcro, direciona os acontecimentos para o bem comum maior ou amor total. 

8. Não trata-se de um transferência de direitos e obrigações ao Divino Pai Eterno, mas uma súplica humilde e confiante Àquele que domina os ventos, as tempestades e poderá fazer o milagre da multiplicação de ações profícuas e das pedras brutas outros filhos da promessa brasileira de futuro estável, sustentável,justo solidário, arrojado e feliz.

Helder Tadeu Chaia Alvim

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

fase experimental

fase experimental

1. Nos traços de um paralelo empírico, anímico, lírico se quiser, se puder silencioso, de qualquer jeito auspicioso, longe, bem distante da correria conceitual em voga na cidade de São Paulo, convido- a a caminhar comigo uma caminhada tranquila, e de igual poderíamos parolar um tantito longo num domingo desses qualquer de primeiro verão.

2. É só me avisar que 'vamo' mesmo parolar despreocupadamente, e o café, 'dexa' comigo mana que vou passá-lo no coador de pano à moda de d. Geralda no tempo de antanho da estância Pirineus iluminada pelo brilho bondoso de seus olhos sinceros e piedosos. Hoje no céu ela nos contempla e pede à Virgem santa um alento para sua prole de encanto.

3. Para tanto os esboços aqui apresentados me impulsionaram a uma sinopse gradual ou interferências do arruamento misturado a hora presente sem perder pé na historia vamos atilar a memória.

4. No paraíso no inicio da jornada humana Adão viu e provou o mundo bom, Eva coloriu o primeiro habitat com a beleza feminina, e depois enleada pelo anjo decaído feriu o ar dando origem ao mal no mundo.

5. Abrão acreditou e do céu estrelado encontrou a inspiração...Noé trouxe a  renovação diluviana; Moisés sublimou o êxodo do povo eleito e sustentou no coração de seu povo o sonho de liberdade.Elias surgiu um pouco antes da claridade do Cordeiro, João, o Batista pregou a penitência jordaniana por primeiro.

6. Maria a santa e excelsa virgem pronunciou o sim redentor, e Cristo com seu sangue a terra de promessas renovou, no sacrifício do
Gólgota, um Deus padeceu com grandeza na sua natureza humana, mereceu- nos o reino do outro mundo.

7. Na ressurreição demonstrou a sua realeza e impingiu um novo rumo do tempo, e na pessoa de Pedro, o grande pescador de almas, solidificou a pedra angular na altiva Roma, e espalhou o amor para os confins da terra.

8. Agostinho de Cartago, gênio e santo saudou a renovação da sociedade vendo a chegada dos bárbaros para uma nova fase do mundo. Carlos Magno intuiu a cristandade e plantou as bases da idade da luz, Bento, Domingos, Francisco, Clara floresceram o ambiente na fé, pureza e amor.

9. Assim foi até que a Renascença 'reviveu' a arte pagã; os navegadores descobriram o caminho dos sete mares  para o novo mundo; Anchieta santo forte construiu o Brasil dos sonhos de Deus, povoou de fé Piratininga e outros lugares do Brasil Colônia.

10. A idade moderna erigiu a razão, fomentou as guerras mundiais, a pós ampliou o caos total, devastou o planeta, ampliou industrializando bens de consumo e acabou com as reservas naturais, a era do porvir será do Pater e vai varrer a maldade, acorrentar a impunidade i instituir a 'Oração Perfeita'

Helder Tadeu Chaia Alvim


quarta-feira, 24 de setembro de 2014

a paz futura

a paz futura

1. Tão bom seria se ao escrever estas linhas mínimas, sentíssemos que tudo estava no eixo, que as gentes tivessem mais pão, esperanças e felicidade. Que o bem comum fosse uma instituição, que o abraço de calor humano fosse sincero. Enfim o que falo partiu do coração de um Deus exangue numa cruz no ano 33 da primeira era. E neste momento narra o Evangelho que Ele soltou um grito lancinante, o maior da historia e disse: 'Consumatuum Est', tudo está consumado!!!

2. Diferente das palavras atuais, muitas vezes que flanam sem lastro na realidade anímica, o filho de Deus via as gerações e todo o desenrolar das ações humanas, as eras presente, passada e futura. Via a escravidão no império romano, a maldade de Caim, as traições de Judas Iscariotis, o heroísmo do Grande Pescador Pedro.

3. Via a fundação da sua Igreja, e de seu lado aberto pela lança de Longino brotara sangue e água, e ele continuou amando e se imolando por nós homens e pelos pecados do mundo. Um mistério atrás do outro, em que muitos crerão, outros se condenarão ao fogo inextinguível do inferno.

4. A nossa inteligencia não abarca não o se passou na cabeça de Jesus, somente a sua mãe Marias Santíssima e Virgem percebera a grandeza daquele fiat salvador  e a proporção do sofrimento do homem Deus, seu filho. 

5. Então ele olhou à sua volta, olhou Jerusalém, a cidade de David, a cidade deicida, olhou seus discípulos amedrontados, homens rudes, mas sinceros, inocentes e fortes, de uma força estranha, uma força que dali há um tempo vai ser avassaladora no espirito e vai mudar a face da terra.

6. Então ao ser levantado a escritura dos profetas se cumpriu, e ele começou a atrair a si todas as coisas, e todos sem distinção. Me lembro da citação  de Santo Agostinho em seu tempo patrístico em mãe África bendita, quando desafiou o império romano decadente nos costumes e de escravidão pavorosa e saudou os bárbaros como sementes de um novo tempo.

7. Ele, bispo de Hipona foi clarividente ao dizer que todos os males do mundo cessariam instantaneamente se todos em conjunto e no particular de suas vidas observassem estritamente o saltério de dez cordas, aquele código  perene que Moisés recebera de Deus entre raios e trovões no Sinai.

8. Pulando para o porvir certamente o mestre vira um tempo de paz universal, um jeito de ser empírico tão ao seu gosto, um sorriso aberto aflorou em seus lábios de mirra. Então num belo gesto perdoou Dimas, o ladrão penitente e disse figuradamente: ' Sitio' - que quer dizer: ' tenho sede!"

9. Então, é deste tempo da sede saciada que quero me estender um pouco mais com sua anuência irmã e irmão diletos, razão de surgir estas linhas, pois juntos idealizamos mundos, mudamos os rumos de um universo em versos e em ações profícuas em prol do semelhante, pois fomos todos resgatados pelo sangue do Cordeiro.

10. Para além da depressão hodierna e afônica, nossos ouvidos devem se preparar para uma diapasão diferente, nossos olhos devem enxergar anjos a esvoaçar os ventos , na prontidão empírica de sua natureza alada, preparando o caminho da Rosa Mística de eleição, quando o chão será original e não esse arremedo atual de faz de conta.

11. O progresso maquiado em verdade dará lugar ao crescimento sustentável das gerações e será afagado pelo abraço caloroso de um novo tempo de paz, harmonia e bem comum inerente a todos os povos.

12. Fácil de se expressar, sim certamente, pois encontrar palavras é que os poetas mais gostam, é sua profissão abstrair, abstrair, sinalizar, sinalizar e depois plasmar no papel em branco suas averiguações interativas.

13. No entanto mesmo floreado este texto maçudo, nesta era da rápida navegação on line, posso afirmar, que não trata-se de lenda proseada mas da cristalina verdade. Senão Deus não seria Deus, não teria havido a redenção no gólgota em Jerusalém e tudo o mais... o que escreveu, Jesus escreveu, e não vai fugir o tempo até que tudo se cumpra. 

14. E o tempo mais próximo de nós será aquele que realizará suas palavras, e que palavras misteriosas e simples são essas que até uma criança de colo sabe: ' Pai Nosso que está no céu, santificado seja o seu nome, vem a nós o seu reino, seja feita a sua vontade assim na terra como no céu.'

15. Talvez dado a correria hoje dos selfies da comunicação, dado a facilidade do instagram, muitas vezes estragando as relações humanas, não demos conta dos néons permissivistas que nos cercam, e das disformidade de alma que nos rodeiam. Em tudo e por tudo depois das provações do cadinho, a manhã de um dia claro surgirá luminoso e com um sorriso empírico, aquele mesmo do sorriso esboçado por um Deus há exatos dois mil anos atrás na cruz. E o sol de justiça aparecerá antecedido pela claridade da estrela da manhã e será uma festa só!

Helder Tadeu Chaia Alvim

terça-feira, 23 de setembro de 2014

na era da rosa mística de eleição

na era da rosa mística de eleição

1. Um dia às margens do mar de Tiberíades o mestre dos mestres disse palavras de uma suavidade intensa, palavras estas que ofuscariam qualquer literato moderno, palavras de uma sonoridade sem igual, palavras que atravessaram as eras históricas sem perder um décimo de sua veracidade, calor e sabor perenes.

2. Então cara, amigo que percorre meu pensamento interativo,  o que pensar desta nossa era nióbio quântica complicada, desumana, afônica, absurdamente centralizada no eu, que desconsidera o nós salvador empírico? 

3. Simplesmente  que  ela na realidade não seguiu as pegadas do Homem - Deus e propositalmente se embrenhou na negação do evangelho enquanto tal, pois se adveio do Criador porque era bom e deveria ser exercitado à nível universal.

4. O resultado salta aos olhos da humanidade cansada de tantos desvarios pessoais e coletivos. Mas ficou em aberto a redenção salvífica e Deus não faz nada incompleto e a seu tempo virá aquela luz benfazeja que trará em seu brilho diáfano a verdadeira justiça, atuante e sem meias palavras, a bondade cativante, a misericórdia exuberante, que farão desta pedaço de cosmo um pedaço do paraíso perdido.

5. O grande fator da evolução in natura artis que implantará a perfeita ordem mundial teocêntrica e humanista ao mesmo tempo encontra-se in fieri naquelas palavras ditas e vividas pelo Nazareno há pouco mais de dois mil anos na Palestina às margens do Mar de Tiberíades: '... Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado...'
'... Eu sou o caminho, a verdade e a vida, e quem me segue não anda em trevas.' '... Vim para que tenham vida, e vida em abundância...'

6. Não tem segredo, se as nações em seu conjunto tivessem seguido este caminho livre, estaríamos hoje numa espécie de sétimo céu, e não tateando na tecnologia, no direito humano, na política, sociologia, ascética e mistica mal compreendidas.

7. Impossível de acontecer? Redarguirá alguém ao folhear estas páginas desprovidas de recursos rítmicos, escritas ao amanhecer de uma terça feira fria de primavera no paralelo 56, mas acalentadas por uma certa inspiração arcana, dádiva do alto que agradeço de coração e reparto com o irmão e a irmã, pois juntos sonhamos o mundo bom das certezas empíricas para todos sem distinção.

8.  Possível sim e será passível de ver, a medida que adentrarmos na era sem razão dos selfies da comunicação, a fé torná-se-á de uma valia sem igual. Será uma espécie de caminhar sobre as águas profundas do lago de Genesaré pós moderno ao encontro do Mestre...

9. Esta atitude de alma vai potencializar em atos coletivos o louvor geral e implantar a doce era da Rosa Mística de Eleição! Um tempo de paz universal, um jeito de ser empírico, um sorriso aberto e sem medo!                                                                                                                                   abraços de união
Helder Tadeu Chaia Alvim                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                



a oração perfeita

a oração perfeita

1. A nossa época em ânsia insaciável de tecnologia se esqueceu do principal, de afagar a alma, aliás sem calma deixou-se  escapar de suas mãos em algum instante afônico a oportunidade de ligar o presente ao passado com vistas ao futuro empírico. Ah! não realizou a transição devida, abandonou o natural, da reta fez a curva e apeou de sua via a paz, a harmonia e a felicidade de situação, não sustentou sua alma com aspirações elevadas, idealizou um mundo egotizado, e realizou ações perversas contra a própria mãe natureza, engendrou guerras, armas e se aliou ao anjo decaído.

2. Tudo junto, tudo misturado, perdeu o sabor, o sentido de sua existência, e usou sua inteligência para afirmações fátuas, se lhe apraz vamos tocar num ponto expoente desta corrida louca, despropositada da robótica em ascensão cavando seu tempo escatológico abrangente em direção aos lodos contagiantes de loucos calabouços.

3. Num gesto sensato, o planeta terra, e seus próximos e distantes astros estelares suspiram pelo equilíbrio tonal entre si, uma oração perfeita de ênfases, luzes, cores e harmonias que geram cotidianamente na sua interface a beleza da criação e manutenção divina.

4. Trata-se duma geração da energia de Deus impulsionando calor,  compreensão,  agregação  das moléculas,  bondade de seu giro simétrico sem os quais tudo caminharia para a destruição total. O único lugar em que esta ordem natural não é observada, adivinhem onde será? Justamente na terra dos homens que se dizem sábios, plugados, inteligentes e bonitos, ah, ah, ah ! ! ! 

5. Um assunto puxa o outro, e vou filosofando na poesia simples destes traços de poeta mínimo, e digo mais que a evolução tecnológica trouxe indubitavelmente avanços em campos expressivos do conhecimento empírico, da medicina magnética, da engenharia quântica, do direito constitucional, da comunicação em tempo real, etc. etc. etc. 

6. No entanto no universo intrincado do ser humano surgiram em meio as benesses, inverdades, ambições desmedidas, ódios de classes,disputas políticas, egos exacerbados, disfarçados de progresso, surgiram há muito tempo teorias e práticas, as mais absurdas com a finalidade de banir, se possível fora o Criador e sua ordem perfeita do universo, tanto material, quanto espiritual. 

7. Quando escrevo estes traços na primeira manhã da primavera no hemisfério sul, mais propriamente no paralelo 56, muitos desses e dessas já desceram à tumba fria e também prestaram contas de sua administração no tribunal inafiançável de Deus, Nosso Senhor, o supremo legislador da vida e da morte, fim último e primeiro ( alpha e ômega ) da existência humana, quer queiram ou não para lá, mais dias, menos dias todos rumamos, pois até hoje ninguém ficou para semente, ah, ah, ah ! ! !

8. E as instituições lucrativas que elegeram o ter para a façanha de sua vidas corporativas, intuíram mover os cordéis do consumismo aleatório, do lucro perverso, relegaram intencionalmente o ser para o acostamento de suas vias expressas, e na pressa determinou direções que nem eles mesmo sabem onde vão chegar, no céu de valores transcendentais é que não será por certo, pois o anjo decaído tanto quanto se saiba pelos livros sagrados mora nos lugares inferiores, e eles mesmos não se entendem entre si e somente costuram alianças com a pretensão soberba de serem outros deuses, e enlear os mortais em sua teias de intrigas eternas, e tormentos de gogo sem fim... 

9. A meu ver neste fundo de quadro encontramos a explicação do bem e do mal na terra, o livre arbítrio, a mão mantenedora do Criador, a interferência inócua dos cidadãos e cidadãs do mundo a serviço do anjo decaído.

10. E nesta dicotomia perversa o sobrenatural é retalhado, a alma caricaturada, a vida desprovida de atrativos transcendentais, o ambiente sem paladares definidos gerou estas aberrações de convívio doméstico e universal que muitos se perguntam: já é o fim do mundo?

11. À calma sobrepuseram a pressa inconsequente, a falta de respeito pela mulher, fina flor da criação, roubaram  a inocência das crianças, inventaram uma tal de telinha mágica onde todos querem habitar em seus devaneios vãos, a criação literária, humana, divina, se extinguiram quase que completamente, e viraram tudo às avessas, borraram o quadro da criação com guerras, hegemonias, e instalaram nos governos e administrações a cultura da corrupção, da demagogia e das vantagens indébitas. 

12. Infere-se naturalmente que se faz necessário um banho de luz benfazeja no momento atual para trazer de volta a verdade plena, a justiça atuante, a bondade contagiante, a misericórdia exuberante venham o quanto antes, e agreguem valores esquecidos, esmaecidos pela longa espera. E aquele grito lancinante do Gólgota Salvífico, aquela promessa do Homem Deus se realize: ' Pai seja feita a vossa vontade assim na terra como nos céus!

Helder Tadeu Chaia Alvim

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

o equilíbrio tonal, a plataforma quântica e a fonte de água viva!

o sopro robótico x o resto tonal

1. '... Olhai, olhai os lírios do campo!' Não com uma visão comum, mas com a alma, e enxergará nele, o olhar de um Deus, o cuidado do criador em manter a natureza na sua noção exata de bem maior. Ah! o próprio Cristo Senhor, em sua linguagem coloquial lembrou de Salomão. Por isso se tornou uma das páginas mais poéticas do evangelho e cada vez que você goteja estas linhas percebe nelas uma sabor perene e indizível.

2. '... Considerai os lírios do campo, não trabalham, nem fiam. Entretanto eu vos digo que o próprio Salomão no auge de sua glória não se vestiu como um deles...' ( Mateus, 6, 28-29). Eis a singeleza, a fragilidade e beleza incomuns! E o Homem Deus, em sua infinita didática vai desfiando conclusões, dando uns toques salvadores a toda a humanidade, em todas as eras, presentes, passadas e futuras. E há de ser assim até o desfolhar da ultima tamareira do deserto.

3. '... Não fiam... ' criaturas contemplativas, adornam a dura e cética existência do ser humano. Lírios sensíveis que despertam outros e outras  para a realidade de uma vida fugaz, que não seria nada se não existisse a alma e seu destino último no seio de Abraão.

4. E Salomão buscou a sabedoria no seu reino mortal e os acréscimos vieram em abundância tal que depois dele não existiu e nem existirá tal homem com sua grandeza, entendimento,trato com o semelhante, organização, justiça e visão de futuro. 

5. O Sentido de fugacidade do homem, criatura finita resplandece na frase do Mestre e Salomão intuiu a ciência da vaidade das vaidades e focou sua vida no eterno. Dizia que buscar a própria sabedoria pode se tornar loucura, seria 'como correr atrás do vento...'

6. Ah! Hoje em dia fala-se muito em ações altruístas, frequenta-se cursos de pós graduações, na politica os detentores do poder crescem em sua empáfia, e se querem eternos no mando, nem que para isso atuem no oposto do rei Salomão, mesmo que olvidem o bem comum. Uma espécie de prazer sádico envolve as coisas públicas.

7. E vão esquecendo as palavras de vida eterna pronunciadas por um Deus às margens do mar de Tiberíades a 12 homens iletrados, mas que revolucionaram o mundo: '... Olhai os lírios do campo! E estas palavras na mente e ação de Simão Bhar Jonas e tantos outros refletiram algo a mais que o ouro e a prata, refletiram o reino do outro mundo, que nem as traças e os ladrões abocanham para si.

8. Palavras que refletiram o mundo bom das certezas empíricas que há de vir... após os momentos tremendos das tempestades cósmicas que se avizinham, surgirá a era dos lírios do campo, Que varrerá do planeta terra literalmente os egos traduzidos em vaidade...

9. Extensa é a vida sobre a terra e curta sua trajetória; lírios somos, de manhã formosos, cheios de viço e sonhos, à noite não estaremos mais aqui, e nos daremos por satisfeitos, se laureados formos pelo espelho de justiça nas fontes de água vivas.

10. Na conjuntura neutrina atual, a matéria corpo cresceu absurda e 'quanticamente' e dominou o espaço da comunicação, enriqueceu os átomos de maldade, inventou armas de destruição em massa, e o seu livre e solto arbítrio arquitetou uma realidade nas antípodas de Jesus de Nazaré, o Deus humanado por nós homens e por nossos pecados. Já negou tudo o que devia negar, subverteu a ordem natural e pensa em vencer a morte, ah ah ah!

11. Um amontoado de vaidades ambulantes e egos exacerbados finitos que a um simples vento do acaso desmoronam seus castelos de areia, e passado algum tempo ninguém mais se alembra de sua sombra.

12. No simples toque na tal tela LED, o mundo vasto torna-se pequeno, 'ismiuça-se' rins e corações artificiais da robótica, embrenha-se inquestionavelmente na magnitude quântica, e na velocidade neutrina quase ao infinito atomizada elegeu-se o ter para ser. Tenho logo sou notado. Institucionalizou-se a vaidade como matéria de consumo, e o selfie como janela de aparição fotoshopeada, ah ah ah!

13. Daqui há pouco, muita gente não vai mais aparecer no boteco para uma prosa amena, pois a realidade virtual os endeusou e os embelezou de tal maneira que terão medo do tête à tête, imperfeito de cada um...

14. Os avanços tecnológicos na última década linkou, reiniciou, invariavelmente a vida no planeta terra, apartando-a de sua maravilhosa realidade natural. Ao deletar a alma o fator risco existencial se apresentou caracterizado pelas deformidades sociais do ser humano, que mata, rouba, traí, tudo pelo seu egoísmo de ter para ser reconhecido. Ou seja chegamos no inicio triste de um fim escatológico do ser humano quando um conhecimento exacerbado sobrepujou  a alma e apagou o calor humano na terra.

15. Assim de salto em salto adquiriu saber, fez acontecer e esqueceu-se de seu fim, na vaidade pisou os lírios do campo e tornou-se um amontoado 'inteligente' e cibernético de palha.

Helder Tadeu Chaia Alvim