quarta-feira, 2 de abril de 2014

o homem brasileiro que conquistou os astros

1. Não trata-se de nenhuma viagem  da  Nasa  ao espaço  sideral e suas implicações científicas, nem de me referir sobre Napoleão Bonaparte e seus 100 dias de gloria, e nem de Wladimir Putin e seu sonho nacionalista de super potência testando os nervos do super star americano, Barack Obama.


2. ... mas de um gênio de santidade que nos primórdios de sua juventude vislumbrou algo humanamente inacessível para sua vida como se quisesse alcançar as estrelas com suas mãos frágeis, como se almejasse um dia ser um com todos os povos e não sabia como?


3. Ah! De São Cristovão da Laguna na ilha de Tenerife, do arquipélago das Canárias para o Brasil. Assim foi o que aconteceu em linhas gerais. Anchieta de coração alegre, poeta e orador era chamado pelos seus amigos de canto e voz: 'canarinho' e este canário veio ainda muito jovem evangelizar o novo mundo e construir com ele a amplidão que a fé lhe outorgou no ano de 1553.


4. E o mais impressionante que o destino lhe reservara uma missão, que apesar de sua saúde frágil, não obstou sua dedicação, esforço e visão de futuro. O noviço Jesuíta junto com Padre Manuel da Nóbrega e companheiros da Cia de Jesus aportaram no Brasil em 1554 na capitania de São Vicente, logo subiram a serra e no planalto sob uma colina situada no encontro dos rios Anhangabaú e Tamanduateí fundaram a cidade de São Paulo.


5. Hoje  a metrópole dos contrastes, oportunidades e decepções que mesmo sem saber segue a trajetória traçada por um homem que queria conquistar os astros e conseguiu bem mais que isso.. Conseguiu em pouco mais de 4 decênios arquitetar uma nação, projetar suas nuanças psicológicas e sem olvidar seu crescimento material de colosso, incutir nela o desejo da vida eterna.


6. Assim foi in fieri num tempo que esta cidade não conhecia a energia elétrica, os bondes, carros e caminhão, os arranha céus, a tecnologia, a informação em tempo real, mas sua realidade era bem outra, rude, inóspita, povoada de outra atmosfera sustentável.


7. E ele viu tudo isso e amou esta terra à primeira vista e entendeu aquele sonho de menino,arregaçou as mangas e  construiu
as bases  da civilização com dedicação, amor e brasilidade, um gigante não somente que arquitetou esta imensa metrópole mas sobretudo que viveu uma fé inocente e cheia de boas ações e arrastou após si uma legião de outros anchietas, dotados de visão, tino e administração.


8. De trato ameno e simples com os nativos, se empenhou em traduzir a sua língua tupi, esteve  refém dos índios tamoios e nas praias remansas de Yperoig escreveu o 'Poema da Virgem' uma epopeia dedicada a Nossa Senhora nos primórdios de um Brasil e tanto.


9. Caminhante inveterado desbravou sertões, sempre a pé em companhia dos índios viajou trocentas vezes para o Rio de Janeiro e Espirito Santo, em meio a perigos sem conta confabulava com as feras, aves e a natureza brasileira era para ele uma fonte de inspiração e renovação diária.


10. Em Reritiba, ES entregou sua alma ao autor da criação no ano de 1597, o nosso bom apóstolo em sua última viagem conquistou as estrelas e após palmilhar caminhos ásperos provou que o Brasil é viável em todos os sentidos conquanto guarde a alimente sua fé.


11. O homem, o santo, o padre jesuíta, amigo de todos, máxime dos indígenas fundou escolas, desbravou sertões e foi além muito além de suas forças meramente físicas e deixou aos paulistas o legado grandioso do bem comum, do calor humano, da solidariedade, da visão social e sobretudo da fé em Deus.


12. Lutou pelo mundo bom, e nas suas certezas empíricas plasmou nesta terra abençoada sonhos, muitos sonhos que se realizados com competência, equidade poderão ainda fazer de São Paulo uma terra justa, pacífica e altaneira em tudo e por tudo símile ao perfil de seu fundador.


13. E não foi um homem qualquer, aventureiro e ambicioso, mas um santo talhado por Deus para dar o ponta pé inicial de uma grande nação, e que depois de muito chão ainda guarda aquele perfume de frescor original que José de Anchieta esparziu generosamente ao longo de mais de 44 anos de existência em solo canarinho.


14. E não era para menos, o cantor de voz afinada oriundo de Tenerife cresceu e se tornou um gigante e conquistou para seu Brasil os astros e muito mais... Salve São José de Anchieta, e mais uma vez salve o Brasil, e nos envie da visão beatífica um imenso hálito de fé...

15. Amigo, foste dotado pelo Altíssimo com imensos dons a que fizeste jus em sua caminhada, clarividente nos ajude, ajude ao povo brasileiro a enfrentar com o coração unido as adversidades, as intemperanças políticas,  e afaste do Brasil as nuvens de ceticismo, pessimismo, hedonismo e o consumismo  que ora se avolumam no seu horizonte azul, para  cortar o verde de suas florestas,  arrancar o amarelo de seu solo, e o branco de sua paz continental.

16. Sinto, sentimos hoje no momento de sua elevação às honras do altar pela voz do Pedro de todas as canções, que sua luz diáfana não se apagou conforme queriam os céticos, mas expansiva há de perdurar tempo afora, sempre forte e intensa dado o caráter e feitio do novo santo brasileiro, São José de Anchieta.

17. E esta luz providencial será a partir de 03/04/2014 o estopim do mundo bom e com a potência de renovar ainda gerações e gerações de brasileiros. Como isto se sucederá? Não sabemos, pois este momento arcano e seu cômputo  do factum est pertence ao Senhor soberano do tempo.

18. Luz essa com força suficiente capaz de alavancar o Brasil no bem e aquecer a alma de seu povo, pois esta tocha  emana do Sol de Justiça: a Ele o poder, a gloria, a bondade, a compreensão, a justiça e a paz in aeternum. E José de Anchieta serviu, amou, intuiu e expandiu a fé neste Deus humanado no seio puríssimo de uma Virgem com entusiasmo, determinação e louçania que contagiou nossos irmãos do Brasil Colônia e espalhou seus raios de esperança  no decorrer destes cinco séculos...

19. O melífluo e afinado cantor de Tenerife, joia mística de sumido valor, riqueza espiritual da America Latina, protetor dos indígenas, conselheiro das multidões, herói de santidade, pureza e paladino do bem comum maior inerente à nação entende o que humildemente deixo registrado neste papel. Ele melhor que ninguém compreendeu em vida a compleição psicológica  de nossa raça, confiada lá no começo aos seus solenes cuidados e sabe o quanto falta e sobra em cada um deles... amém!  

20. Os índios Temininós capitaneados pelo grande cacique Araribóia que o digam, quando o viram peitar por diversas vezes o colonialismo português, articular a defesa da soberania nacional expulsando os franceses calvinistas de Sir Nicolas Durand de Villegagnon.

21. O nosso santo viveu em uma época conturbada, pois na Europa estavam em curso grandes transformações, defecções na Igreja, o livre exame de Calvino e Lutero abriram as comportas do orgulho e sensualidade e no seu livre exame confundiam as mentes sequiosas de 'novidades' e arrebatava católicos de sua fé apostólica, romana.

22. Então Deus, como que contrariado e aborrecido, olhou para a América com solicitude, bondade e misericórdia e pensou: ' porque não? Sim!' Suscitou no coração de um jovem das Canárias o desejo inconfessado de transformar pela fé e virtudes cristãs esta terra denominada de Novo Mundo em ante câmara do paraíso.

23. Diferia o Brasil Colônia de nossa era nióbica quântica no que tange aos aspectos materiais; tinha muito verde, muita pujança de cor, vida e sons. Muita cachoeira, muita onça brava, índios in natura artis, distâncias homéricas a serem percorridas, era o começo do começo. E só o perfil de um santo poderia abranger em toda esta beleza rude um porvir para esta cidade de São Paulo.

24. E José de Anchieta deu conta do recado exemplarmente e de quebra encontrava tempo para se bilocar, levitar,lecionar, escrever poemas e confabular tranquilamente com as feras e pássaros de um Brasil puro e inocente que existiu de fato.

25. O nosso santo, clarividente intuiu para além de sua era o futuro desta nação, seus percalços, dificuldades, quedas e elevações. O conselheiro de governadores, protetor dos fracos e oprimidos, pai dos índios ainda encontrou espaço para fundar cidades, construir igrejas, escolas, postos de saúde e casas de acolhida aos imigrantes, cultivar a terra.

26. Atividades estas todas empíricas e de um valor inconteste num tempo que a alta ressonância magnética não estava em voga, mas um país incipiente a ser pensado acertadamente e construído para o bem do povo e felicidade de todos.

27. Guia seguro forjou passo a passo na oração e alegria a alma desta grande nação. Todos os brasileiros em todos os tempos devem a José de Anchieta o seu primeiro sorriso, uma sua primeira canção, a sua grande unção que fizeram do Brasil lá no começo um gigante latente de união nacional. 

28. Bom, o que pensar dele no hoje concreto de uma cidade que tergiversa  em muitos campos e parece que perdeu o rumo em determinado momento? É que com os santos, as coisas se passam diferente do resto das figuras 'imortais'. No caso específico de São José de Anchieta ele na visão beatífica de Deus, tem plenos poderes para dar continuidade à  obra encetada em vida.

29. Não fora atoa que se abalara com a saúde periclitante de Tenerife até a estas bandas, que com suor, lágrimas e oração fundara a cidade de São Paulo no páteo do colégio, que investira sua vida nesta empresa vitoriosa.

30. Agora proclamado santo da Igreja vai mostrar serviço, ainda mais que sua grei de Piratininga cresceu e como? Se dividiu, intuiu, se iludiu nas passarelas tops da moda 'fotoshopeadas', desgarrou em uma política perversa e utilitária, esqueceu suas lições de bem comum, solidariedade, esforço, talento e garra incomuns. 

31. Em tudo e por tudo a mecha ainda fumega, as escolhas estão à porta desta  nação, as conduções de seu destino aguardando o seu livre e solto arbítrio, e o olhar de poeta canarinho, do santo que trazia em suas vestes o perfume agradável de mato molhado, que levava em sua sotaina carrapichos, que diariamente oferecia o Santo Sacrifício da Missa nas intenções presentes e futuras de uma nação  verde e amarela. É de emocionar só em pensar o nosso santo contemplando os aguaceiros de janeiro, o outono e suas frutas tropicais, o mês de maio florido , o inverno rigoroso, a garoa e o calor escaldante do sertão iluminado. Ah!  do seu coração azul vai prevalecer o mundo bom e exorcizar por completo a maldade  para em seu lugar restabelecer a paz total.

32. 'Poderia o ser humano em sua compreensão entender segundo por segundo o sentido exato da existência? - O autor do livro clássico: 'nossa cidade' - interpela e responde: - Acho que não! 'só os santos e os poetas talvez um pouco'. Prerrogativas estas que o apóstolo do Brasil teve de sobra e mantém hoje e sempre na realidade empírea. Então quem melhor do que ele viajou na alma humana, abraçou o irmão acreditou em Deus e repartiu benesses materiais e espirituais de montão?

33. Me falta fôlego e talento literário para abarcar o conjunto de ações de José de Anchieta que  deixaram um rastro de esperança, de fé refinada, aquele que antes de todos os brasileiros acreditou no Brasil e trabalhou de sol a sol e rezou e suplicou ao altíssimo para ele dar certo um dia... Pois não! E sua visão de país ideal não terá sido em vão! 

34> Assim cantava o santo e poeta José de Anchieta, e parece que vislumbrava um tempo futuro semelhante ao nosso, penso eu: ' Inunda meu peito árido com teus raios divinos, assim cantarei os prodígios que teu braço potente há pouco operou, em favor da gente brasileira, quando fez raiar, rasgando as trevas do inferno, na arcada celeste, esplendoroso arrebol.'

35. Ao nos defrontar com a figura de José de Anchieta vemos de cara que estamos diante do precursor do mundo bom! As feras obedeciam a este novo Adão, os guarás o protegiam, os índios o admiravam, os colonizadores o temiam, a natureza o reverenciava, Deus e Nossa Senhora o amavam.

36. Um homem cheio do Espírito Santo, um poeta incomum, um santo de nomeada, um coração pleno de calor humano, e palavras e mais palavras não poderiam descrever a grandeza de José de Anchieta, a unção, a bondade, a fé que o circundavam.

37. Influenciou seu tempo, erigiu as bases de uma nação, e imprimiu nela a face de uma sociedade, justa, harmônica e consequente. Sonhou sim sonhos maiores em sua cama de rede rustica, partilhou à mesa o pão com todos, abraçou o Brasil e cuidou desta tenra criança com solicitude paterna admirável.

38. Viu surgir uma nação, provou ser viável a junção do concreto e do abstrato numa coisa só. Esteve pleno com seus irmãos, fez uma aliança com Deus e alcançou a glória da imortalidade eterna.

39. Na diferenciação exata de duas eras, salta aos olhos do observador comum das ruas paulistanas um quê de interrogação; os contrastes se avolumam e expressam a distancia que se abriu entre o Brasil ideal do santo de Anchieta para o atual, carcomido pela corrupção sem precedentes na esfera política, pelos desencontros de uma sociedade que endeusou o consumo e as passarelas da moda fashion, que só pensa no prazer imediato do sexo, em auferir resultados materiais,em glamour, fama e poder, por minúsculos que sejam, etc e tais!!!

40. Na curva desta história Tétrade sentimos o braço forte de um gigante de santidade, que idealizou esta nação baseada na fé e na proporção empírica de boas ações. E hoje proclamado santo, reconhecida suas virtudes heroicas pela Igreja que serviu, vai conseguir aquela  força  de  restauração  e  colocar  o  país  nos  trilhos  originais   do Amor de Deus.' Assim seja!

41. Trevas espessas parecem que se encaminham para cobrir a terra e nesta hora 'nenhuma inteligência humana, por mais arguta que seja, poderá perscrutar a profundidade do Amor de Deus.' Me alembro das profecias de Pe. Pio de Pietrelcina e seus 3 dias de trevas após o que ' Anjos descerão do céu e derramarão o espírito da Paz sobre a terra.

42. Os acontecimentos porque passam a humanidade parecem num todo desconexos mas na realidade tem um ponto comum na maldade bafejada pelo anjo decaído. O homem e suas variações humorais há muito perdeu a noção do bem e do mal e tudo que toca parece virar chumbo.

42. O que poderia nos tirar deste imenso túmulo para a vida orgânica seria uma conexão diferente aquela do santo de Anchieta, um logar plausível em vez desta febre medonha da comunicação em curso: o nada plugado 24 hs. no nada, gerando crise de identidade existencial com consequências nada agradáveis.

43. O amanhecer do bem comum maior virá trazendo uma claridade nunca antes vista. É questão de honra divina e não minha, ao ultraje virá a reparação e a reconstrução da ordem primeira natural e transcendental quer queiram ou não - o melhor é querer, acentuo que virá pelas mãos de anjos arcanos e entregará ao Criador os créditos na versão correta.

Sancti Joseph de Anchieta ora pro nobis!



Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário