sexta-feira, 18 de abril de 2014

amor extremo

1. Os fatos subsequentes se deram antes da festa da páscoa e o protagonista era Jeshuá, o Messias enviado que se encarnou  no seio de uma Virgem, teve uma infância simples em Nazareth, a sua concepção e nascimento foram cercados de mistério. Em tudo e por tudo uma donzela judia fora escolhida para se tornar mãe de Deus, mãe do esperado das nações, objeto da fala inspirada dos profetas...
2. Após o sim salvífico, o seu nascimento fora cercado de uma atmosfera sobrenatural, ouviu-se canto dos anjos, pastores acorreram pressurosos à gruta de Belém, vieram de terras distantes os Reis Magos guiados por uma brilhante estrela.Depois deu-se a fuga inusitada para o Egito, missão que José, descendente direto do Rei David, herdeiro do trono da dinastia de Salomão, guarda do Deus menino e esposo de Maria, seguiu à risca  as determinações do alto.

 3. E Jeshuá  cumpriu ponto por ponto as profecias, realizou milagres de tal monta que espantou os chefes da lei, encheu de admiração seus contemporâneos, aliviou a chaga social de seu tempo, angariou discípulos, percorreu cada palmo da Palestina, pregou, curou, ouviu e chorou por diversas vezes. Ressuscitou seu amigo Lázaro, irmão de Marta e Maria Madalena, transformou água em vinho, e um dos melhores da escola enóloga.
3. Jeshuá, o mestre amado de Simão Pedro, amainou tempestades, controlou os ventos, andou sob ás aguas do rio Jordão  e realizou maravilhas tal que seria impossível  em todas a suas nuanças, o pensamento acompanhar mesmo sendo um QI acima do acima da média.

4. Vejo tantos e tantas escrevinhando, outros idealizando um montão de teses acerca da sociologia, da antropologia e me pergunto qual seria a aplicação prática se antes auscultassem o Mestre e se detivessem uns instantes por exemplo no episódio comovente da última ceia? Quando Jesus cinge a cintura com a toalha e lava os pés de seus discípulos, gesto por demais significativo que a história perversa dos homens não consegue apagar a beleza e o frescor deste ato glorioso de humildade e amor extremo pelos homens.

5. Pedro não entende a princípio mas depois entusiasma-se e solicita que o seu mestre lave suas mãos e cabeça. Loudá Iskariotis destila o seu veneno e arma para cima do Justo influenciado pelo anjo decaído.
Enquanto a maldade urde seu trama perverso, Cristo declara seu amor incondicional pela raça humana, institui o sacramento da eucaristia e arranja um jeito de permanecer na Terra.

6. E Jeshuá sabendo que sua hora se aproximava deixou o grande mandamento do amor, uma diretriz santa que vai pautar a vida de sua Igreja e de seus santos e seguidores ao longo das gerações: 'Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado.'

7. Pronto, dali sai para o Getsemani para recarregar por assim dizer a alma e refletir sobre toda a obra da redenção que estava prestes a se consumar. A medida que a hora se adiantava os seus discípulos ficavam sonolentos e inertes e o Mestre vigiava e vigiava e vislumbrava o langor da morte iminente.

8. Dali  há pouco a caterva se aproximava guiada pelo horroroso Judas e a traição era perpetrada contra o Justo que chamara a si todos os pecados do mundo e se oferecera no gesto de oblação mais nobre e belo de toda a história para morrer no lugar dos homens e aplacar a ira do Padre Eterno, abrir de par em par as portas fechadas do paraíso.

9. E assim aconteceu de fato, entregue nas mãos de seus inimigos, mesmo com a relutância corajosa de Simão Pedro que cortara a orelha do soldado Malco, foi vilipendiado, preterido à Barrabás, flagelado, coroado de espinhos, obrigado a carregar um pesado madeiro até o cimo do calvário e lá como manso cordeiro deixar-se crucificar.

10. Uma apoteose de sofrimento inaudito, uma maneira diferente de Deus lidar com a terra, um merecimento infinito adquirido e à disposição de todos. A audácia santa de um Deus humanado que sofreu e morreu por nós homens e pelos nossos imensos pecados.

11. Até hoje quando paramos para pensar na sexta feira santa um frêmito de gratidão e entusiasmo assoma à nossa fronte e a lições do gólgota são inesgotáveis e a partir dele, do lado aberto de Jeshuá, nasceu sua Igreja a cargo do grande  pescador Pedro e com prerrogativas divinas para alancar todas as eras históricas, para conduzir a humanidade sã e salva ao reino de outro mundo. 

12. Nestes dias de desencontros e extremamente pragmáticos que transcorrem na negação cruz, que se enviesam impregnados de ceticismo que se povoam de pensamentos  e ações vazias, que em seu modismo artificial se esvaziam do sentido transcendental da existência, as visões do Mestre  crucificado soam incompreendidas e sua sonoridade salvífica é a única que pode trazer o equilíbrio e a paz.

13. Nem por isso perderam sua eficácia, sua atualidade, ao contrário soam como saída para a terra a medida que ela se aproxima do entroncamento escatalógico. A presença da cruz traz em seu âmago beleza e força capazes de restaurar a face da terra 'totem in totus'

14. Os elementos de fé que o madeiro sagrado atraiu para si encontram-se nos sacramentos da Igreja com capacidade suficiente de renovação. Aquele grito lancinante encontra-se de pé como esteve de pé o tempo todo a cruz do Nazareno, como permaneceu de pé a Mater Dolorosa em tudo unida ao seu divino e adorável filho.
15. Ah! quando a cruz encontrar eco dos sinais emitidos no gólgota salvífico, 'o mal não terá a última palavra'...pois a aurora de uma longa noite' surgirá! (em negrito o dizer inspirado do sumo pontífice, o papa Francisco   por ocasião da via sacra no Coliseum Romano nesta sexta feira santa televisionado pela Rede Vida).                  

16. No terceiro dia deu-se a ressurreição bendita, Cristo venceu a morte e validou toda a sua pregação, depois ascendeu aos céus empíreo, enviou aos apóstolos e discípulos o Espirito Santo Paráclito para dar continuidade a obra da redenção com projeções até o juízo final.
17. O mundo atual beira à sua ruína como ruiu o império dos altivos césares, a Igreja continuou sua trajetória, floresceu, povoou o céu de santos e aguarda ansiosa a sua segunda ressurreição, pois sobre ela paira as promessas de Cristo que estaria com ela todos os dias até a consumação dos séculos.
18. A ressureição virá soprada pelos anjos arcanos para espantar as trevas do mal e 'atrair a si todas as coisas' A liturgia canta com a melodia emprestada à Rosa Mística: 'Adoramus Te, Cristhe e Benedicimus Tibi./ Quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.' 
19. Ah! irmão e irmã que de bom grado lê o que escrevo palpitando de verdadeira união fraternal, que mesmo distante nos comunicamos no olhar de Jesus sabemos que os herodes, fariseus, Pilatos, os iskariotis passaram e de pérfida memória o tempo os esqueceu nas sepulturas frias de suas ambições.
20. Cristo venceu a morte, sobrepujou a todos, envolveu a humanidade com seu sorriso salvífico, levou consigo Dimas para o paraíso, converteu o centurião Longino no mesmo ato e audácia de perfurar seu lado sagrado, edificou a sua Igreja tendo à frente o insuperável Simão Bar Jonas, o grande pescador, santificou os apóstolos, enfrentou com seus seguidores dez grandes perseguições, triunfou com Santa Helena e no decorrer dos séculos foi renovando seus milagres e nunca desassistiu a nau de Pedro.
21. Hoje com a impiedade e descrença correndo soltas ainda resta àqueles que acreditam em seu reino eterno a súplica que poderá reverter a situação e introduzir os homens todos e suas nações no grêmio de uma possessão que nem os ladrões e muitos menos as traças abocanham para si.
22. E qual súplica seria esta, ora irmãos meus o Pater: 'adveniat regnum tuum et fiat voluntas tua sicut in caello et in terra.'

23. Apresentei-lhes um amigo, o melhor deles que traz a justiça e a misericórdia ao seu lado, que sabe ouvi-lo a qualquer momento e está pronto a salva-los e a mim poeta mínimo do mínimo dos perigos da travessia e privar conosco suas canções de vida eterna.

Feliz páscoa!
Helder Tadeu Chaia Alvim

Postar um comentário