sexta-feira, 23 de setembro de 2011

O anidrido carbônico e O mais na frente...

1. Os dois Ós acima são relevantes ao meu ver e tem que serem levados em alta consideração, um está já velho e cansado de tanto soltar baforadas de fumaça no ambiente todo, o outro ainda não nasceu e já encontra-se ameaçado pelos tufões de combustíveis fósseis que o seu parente despeja em toda a parte em que seus pés redondos possam alcançar alterando todo o ciclo natural e arrastando atrás de si as mudanças climáticas atuais para níveis inaceitáveis. 

2. A cidade de São Paulo, figura como a maior metrópole da America Latina, a maior em grandeza econômica e a mais poluída pelo CO2  dentre as capitais brasileiras. Com uma frota invejável de veículos auto motores é cobiçada como o centro das atenções da industria automobilística nacional e lá de fora. Montadoras e concessionárias disputam seus espaços aferradamente oferecendo veículos de todas as marcas, tem para todos os gostos e bolsos dos fregueses.


3. Uma cidade dotada de gente inteligente, esforçada e batalhadora, uma nação dentro sua própria pátria, uma terra que fora palmilhada pela têmpera rude dos desbravadores, pela suave e santa presença de Nóbrega e Anchieta, berço do Santo Frei Antonio  S'antana Galvão. São Paulo acolhe a todos indistintamente e até hoje oferece campo de trabalho e perspectiva melhor de vida  para todos quanto aqui chegam e são eleitos seus filhos adotivos ou agregados.


4.  Era de se esperar, dado seu alto conhecimento da situação do aquecimento global, que ela fosse a primeira a erguer bem alto a causa do planeta sustentável e procurasse, com a tecnologia de ponta que detém, acampar, emplacar totalmente o movimento mundial de "um dia sem carro", para incentivar esta cultura e a começar a criar condições mais arejadas para o seu povo, que tanto ama e quer bem.   


5. Infelizmente, não foi o que assistimos ontem, o dia passou igual aos outros,a CETESB apontando as condições do ar, a CET pontuando quilômetros de lentidão, os pilotos das máquinas tendo que se  armar de paciência no andar e parar do tráfego, intermináveis, a atenção à flor da pele e a felicidade de situação escapando das mãos calejadas a procura do bem estar a qualquer preço.


6. Eu não dirijo, não tenho carro e me utilizo do transporte coletivo, sei bem o sufoco que é isso na pele todos os dias e o que se esperava não aconteceu, São Paulo de tantas batalhas, já cansada e extenuada não aderiu completamente "um dia sem carro" e sinalizou postar-se nas antípodas de outros países e cidades comprometidas com o cerne gravitacional da situação atual.


7. Pude observar ontem no centro da cidade, na consolação, paulista, rebouças,  uma mostra do trânsito nervoso com motoristas displicentes avançando a faixa, queimando o petróleo, o que significou mais toneladas de CO2 na atmosfera, quem tem automóvel vai continuar a rodar, quem não tem vai arranjar um jeito de comprar, pois a cultura da chave na mão emplacou definitivamente em solo bandeirante. está no subconsciente de todas as camadas da população, este meio de transporte tornou-se um bem em si, a máquina suplantou o ser...


8. Vencer as distância à pé ou de bicicleta parece fora de cogitação, poucos se aventuram a este meio simples e saudável de locomoção e por mais que queiramos, o sonho das ciclovias fica distante, por mais que ansiemos  as pedaladas solidárias parecem coisas de cinema de ficção, ou flanações de poetas e empiristas locais.


9. Enfim, é do conhecimento geral que a cultura das 4 ou 2 rodas emplacou, graças à propaganda elaborada, se consolidou no psicológico das pessoas e acendeu no seus corações o desejo incontido de possuir o poizé de qualquer maneira, a cultura da gasolina sustenta o consumo entre nós e os nós intrincados estão sendo tecidos e mais na frente quem vai se aventurar a desatá-los? Se o planeta Terra suportar as suturas do CO2.


Helder Tadeu Chaia Alvim 
Postar um comentário