quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Et omnia adcientur vobis

1. Os dois discípulos de Emaús demonstravam pressa naquele dia, há pouco mais de uma hora deixaram Jerusalém e quem os visse caminhar a passos largos diriam que estavam fugindo, transidos de medo e inquietação. A semana que passou fora "osso" para eles, Judas Iscariotes, um dos apóstolos traíra o Mestre, os soldados romanos a mando dos sumos sacerdotes prenderam Jesus no Getsemani, após a flagelação, fora condenado, coroado de espinhos, depois carregou uma enorme cruz ao monte do Gólgota. É bem verdade que aconteceram coisas misteriosas quando foi crucificado entre dois ladrões na sexta- feira passada, tremores de terra, escuridão anunciaram a barbaridade daquele ato, perpetrado justamente por aqueles que deveriam revelar o Messias ao mundo.

2. Pararam sob a sombra de uma tamareira, ainda faltavam 28 estádios até Emaús e recordaram os boatos  sobre anjos, as santas mulheres, o santo sepulcro vazio  e que os apóstolos disseram ter visto o Mestre. E na confusão daqueles dias tristes, eles preferiram partir e arejar as suas cabeças. 

> Considerando que a medida romana stadium equivalia a 185 metros, multiplicando pelos 60 estádios citados no Evangelho, eles teriam pela frente quando deixaram Jerusalém, uns 11 quilômetros e meio, que à pé levariam umas 3 horas de caminhada.

3. A casa tinha caído para eles e para todos os seguidores do Mestre, e  não entendiam como um homem tão bom,justo, um profeta ungido acabara assim, morrera entre os tormentos da abjeção, e estavam assustados e viam a miragem de soldados com espadas curtas e lanças afiadas por todos os lados caçando impiedosamente quem fosse amigo do Nazareno.

4. Nenhum lugar era mais seguro e resolveram depressinha se afastar do palco da contradição. Sim, foram leais ao chefe, mas a lealdade tem limites. Até Pedro, o grande pescador tergiversou, mesmo ele cortando a orelha de Malco, num assomo de bravura, negou  três vezes ao canto do galo naquela noite drástica em que os sonhos se perderam, comentavam eles entre si.

5. Os que eles não entendiam, que os selos foram quebrados, e o seu adorável Raboni não tinha falhado na missão, pelo contrário sorvera primeiro até o último gole o cálice da paixão, resgatara a dívida original e uma nova era tivera início, a era da graça, leveza, perdão e misericórdia.

6. Cleofas e seu amigo, meio irmão, eram pessoas retas, buscavam desde jovens a justiça e ela parecia tê-los abandonado. E apressavam em esquecer este episódio tremendo de dor e confusão e pretendiam recomeçar tudo de novo e de preferência bem longe de Jerusalém.

7. E eis que o impossível acontece; a diretoria divina não abandonara um sequer de seus adeptos, Cristo vivo, ressuscitado se dignou acompanhar-lhes na jornada, se fez confidente e diretor de suas almas angustiadas, reatou-lhes a esperança e se fez conhecer ao partir do pão, tornou claro que as perspectivas anteriores não acabaram, estavam sim por começar uma nona era dedicada ao amor, a paz, a concórdia de todos os povos.

8. Deus, meus amigos, penso que no antigo testamento atrelara a abundancia de camelos, bens, riquezas, bois  e longevidade ao cumprimento da lei de Moisés. Agora para os discípulos de Emaús a realidade era bem outra, entenderam em toda extensão a obra salvífica de Cristo e que seu reino existia mesmo, e que o melhor de tudo não era deste mundo enganador e falso, mas de outra esfera, a eterna. A missão ficara patente, atravessar e ajudar outros a alcançar uma travessia segura, que se estenderia  até aos confins da terra, até ao último suspiro do ser chamado homem. 

9. Et omnia adcientur vobis, eles colheram dora em diante os acréscimos, retornaram bem depressa à Jerusalém e de tímidos, tornaram-se fortes e expansivos no apostolado e coadjuvaram os alicerces da Grande Pedra Angular e passados mais de dois mil anos, posso escrever sobre a epopéia de sangue e glória de um Homem-Deus chamado Jesus Cristo. E hoje a promessa continua viva, leve e solta para quem quiser provar de sua inefável doçura e paz.

Helder Tadeu Chaia Alvim



Postar um comentário