segunda-feira, 23 de maio de 2011

Dez cachoeiras

1.Encontrei um amigo na padaria do Mauro, rua Mathias Aires x Frei Caneca, no coração paulistano e enveredamos por inúmeras vias, foram conversas sem pressa e o Ricardo inteligente, que conhece o Brasil inteiro tem bagagem de informações que ilustra o papo variado sobre a pinga do alambique, vinhos, andanças e a caipirinha de vodca, um achado.

2.Gostei do que ouvi, um cabra bom, de sonhos, realidades, amizades e outras peculiaridades, oriundo de São Luis do Maranhão. Confabulamos na sexta à noite acerca, do frio , calor, da jurubeba, doce enclave e afinidade e augurei-lhe dez cachoeiras que lhe reserva o destino desta cidade.

3. Um dia voltaremos a nos reunir lá ou por aqui, ele, eu e o Zé Piauí. Por hora desejo-lhe felicidade de montão e que ele saia vitorioso, vença alguma adversidade e cada vez mais se solidifique na bondade, bem juntinho de seus familiares que ama de verdade.

4. Fica registrado neste blog um abraço extenso de amizade, quem envia é um poeta de cabeça chata que gosta de rabiscar versos até a alvorada, no amplexo do mundo bom.Albuquerque que viaja muito, conhece cidades, continentes e hoje priva com a gente suas observações acertadas e conhecimento apurado, de conversa animada, cativa os amigos, novos, antigos e ausentes, posso afirmar sem pestanejar, estabelecido que me encontro nas rimas permanentes.

5. Então amigo Ricardo neste tom de conversa animado fico feliz de ser  seu novo chapa e se gostar do que escrevo a seu respeito muito me honra o que proseio, desejando para você a travessia segura das tão prometidas e desejadas dez cachoeiras, encimadas por estes versos, meu camarada!

6.No galopar da vida, nos exemplos que ela determina, na solidariedade que ensina, em cima do que aprendi, no muito chão que percebo, Deus lhe reserva um destino certo, claro que vi. Depois me conta a certeza desta exatidão, ainda pretendo autografar-lhe um livro, lá nas praias remansas de São Luís, vai viver muito e realizar o que o arcano disse, visse!

Um forte abraço,
Helder Poeta
Postar um comentário