segunda-feira, 1 de maio de 2017

Alpendre Brasil


Alpendre Brasil

1, Gente sensata, o que pensar a respeito da situação brasileira  nesta atualidade surpreendente, e o que dizer que vocês não saibam, então vamos nos " areunir" a moda de Luiz Gonzaga e entoar a musica bela intitulada por ele de Asa Branca, não resta muita alternativa ao povo, pois está refém de uma classe politica totalmente desprovida de moral, civismo, amor pátrio e sem um pingo de senso comum. Um verdadeiro turbilhão de ladroagem pilhou a nação, e nos sentimos como Antonio Conselheiro cercados de todos os lados nesta pós moderna Canudos sitiada.
2. Há quem diga que o decimo sino de réquiem  já foi tocado, e na memoria sem história, nula de prosopopeia ou animismo a outrora brasilidade esboroou e com ela levou junto a esperança de + de 207 milhões de brasileiros afeitos ao otimismo, mas que hoje choram um pranto de sangue na imensa cama coletiva de pregos que a classe politica teceu para eles. Se estou dramatizando que  me corrija, seria bom demais se fosse  delírio insano de minha parte e coisa e tal.
3. O Brasil, rico em recursos naturais, enzimas, matas, montanhas e planícies, um pais dotado de belezas naturais, de gente lhana e trabalhadora, e em determinado momento de sua história proclamou a republica e se viu desgovernada, em estado de sitio, ambicionada pelos pesados impostos, que mal conseguiu ver  menos de meia duzia de seus presidentes terminarem os respectivos mandatos. Destronaram um rei probo e respeitado lá fora, um monarca que por mais de 40 anos esteve a frente dos destinos da nação que amava e respeitava para erigir a Res Publica Federativa.
4. O Brasil ultrapassou 500 anos de vida e cumulou muita história boa, muita prece em seu terreirão iluminado pelo cruzeiro do sul, viu muita gente pisar em seu solo, acompanhou a evolução sistemática do espirito humano, sua busca pelo ouro, suas guerras intestinas e mundiais, e hoje atravessa sob múltiplos pontos de vista uma fase atípica, muitos a querem escatológica. Não podemos olvidar sua raízes lusitanas, seu destemor desbravador, seus feitos de fé seu arrojo ao encarar o novo mundo e tudo o mais.
5. Podemos imaginar   sentimento que tiveram os naturais da terra ao ver gente estranha aportar em suas praias remansas com  suas vestes coloridas, bandeiras e canhões, eles não sabiam  que vieram de muito longe para  tomar posse de suas terras, erigir vilas e cidades, correr atrás do ouro e em pouco mais de  500 anos adiante eles seriam reduzidos a uma população diminuta e cercada pelo progresso sem fim de arranha céus, fabricas, carros movidos a combustível fóssil  e que seu sossego iria acabar.
6. O velho mundo se debatia em crise de aspectos religiosos, e cada nação queria ser a primeira a descobrir novas terras, ora para estabelecer o comercio ultramarino, ora para colonizar e a Igreja Católica viu nestas ações uma oportunidade para estender o Evangelho de Cristo ao novo mundo. E para tanto Deus suscitou Jose de Anchieta, hoje santo canonizado para esta missão no Brasil. E ele se dedicou a ela com afinco surpreendente e se tornou o protetor dos indios contra a cobiça dos colonizadores,
7. E o tempo passou, vieram as capitanias hereditárias, as monções de gente boa, as ambições do poder, muita semente espalhada em solo fertil, as incursões do ouro e diamantes, as vilas erguidas, as cidades que surgiriam posteriormente, cantos, preces, poesias, lagrimas, suores, labutas amanhecidas, injustiças a perder de vista, a escravidão de mãe africa bendita, reis, imperatrizes, barões, escravos, senhores de engenho povoaram este sertão de labor e prece, ferrovias singraram vales, planícies e montanhas, riachos viram o Brasil se separar de Portugal, Pedros segundo e primeiro, depois a republica e a secessão ininterrupta de presidentes, interesses regionais, Canudos sitiada, a velha e a nova republica de garras afiadas.
8. Pois Zé, roubaram o vento das velas da brasilidade quando apearam Pedro II, e apareceram  os generais Deodoro e Floriano, e o cidadão brasileiro começou a sentir na pele o prejuízo de no lugar do pai ficar os padastros medonhos em sua casa, outrora farta e de vida abastada agora de penúria, impostos e ausente de bem comum. E a republica velha tornou-se nova, ditou normas, abriu as portas da democracia, e apodreceu na corrupção sistêmica e não há estadista para tira-la da crise. Avacalhou as instituições e pretendeu derruba-la qual cacho de banana fora de época.
9. Mas, os inimigos do senso comum, que querem-na submissa esquecem que em determinado momento o gigante vai levantar, expulsar os vendilhões e judas iscariotis de seu terreiro para erigir a verdadeira democracia e auto determinação de seu povo, e que 207 milhões de brasileiros serão mais fortes e conscienciosos do que meia duzia de milhares de inconsequentes políticos. Ha quem diga que a nossa realidade  se parece com a era pós terror na França com cabeças rolando e outras prometidas. O Brasil, um pais de promessas exuberantes, hoje decaído de seu SONHO  LATENTE DE LIBERDADE E BEM COMUM, se assemelha aos tribunais de Poncio Pilatos ao direcionar o Justo aos açoites a à ignominiosa crucifixão. Não podemos esquecer que Cristo saiu redivivo do sepulcro ao terceiro dia,.. O Brasil vai despontar feliz com seu povo após esta onda perversa passar, e todos irão sorrir com ele um riso solto de brasilidade.
10. E quando isto se sucederá, mais cedo do que se pensa, mais tarde do que se imagina, será na hora exata que despojar os vendilhões do templo sagrado da republica e eleger o S E N S O  C O M U M  como uma instituição de direito e de fato. Até lá ele vai continuar a comer o pão que esses  diabos de polÍticos estão amassando!!!
Chaia Alvim Helder

Postar um comentário