segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Tribunal inafiançavel

Tribunal inafiançável
1.       Então, ‘ o que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram, e o coração do homem não percebeu, isso Deus preparou para aqueles que o amam.’ ( São Paulo, 1 Cor 2,9). O que exatamente? O tema hoje é denso, talvez alguns dirão tenso, e terei que concordar, é sobre a esfera não muito comentada, que a gente ou desconhece ou evita de comentar. Uma porque não é divulgada com frequência nos púlpitos e tribunas, círculos, outra é porque traz realidade anímica por excelência que é a questão após a morte.
2.       O pressuposto em sua lógica inexorável assusta, mas se é destino da raça humana, uma passada de olhos sobre o assunto torna-se salutar e acorda a gente a respeito da vaidade, nos torna mais humildes e propensos à caridade, mais afeitos ao calor humano, e sobretudo mais vigilantes e impulsionados ao temor de Deus.
3.       – Opa, lá vem o poeta apresentar suas rimas apologéticas de novo! – É comum encontrar citações nos estudos patristicos com uma profusão de admirar, e fazer eco do tema seria um prazer e uma obrigação tendo em vista que todos nós mortais passaremos um dia por este momento do decesso, e o juiz será o mesmo Cristo redentor, tendo a seu lado a sua e nossa mãe.
4.       Na verdade Nosso Deus adverte-nos de que ’ seremos separados dele se deixarmos de ir ao encontro das necessidades graves dos pobres e dos pequenos que são seus irmãos, e morrer em pecado mortal sem ter-se arrependido dele e sem acolher o amor misericordioso de Deus significa ficar separado do Todo Poderoso para sempre, por nossa opção livre.
5.       ‘... E é este estado de auto exclusão definitiva da comunhão com Deus e com os bem aventurados que se designa com a palavra inferno. A pena principal do inferno consiste na separação eterna de Deus, o único em quem o homem pode ter a vida e a felicidade para as quais  foi criado e às quais aspira.’
6.       ‘ A pena dos sentidos se refere a mudança do tormento dos condenados causado externamente por meios sensíveis -, o fogo é um deles! ( Fonte: Catecismo da Igreja Católica). Aliás um fragmento grego do apocalipse traz o seguinte: ‘ E havia um grande lago, cheio de lama quente, onde havia alguns homens que haviam se separado da justiça; e os anjos que eram responsáveis por atormentá-los estavam em cima deles.’
7.       ‘ Então muitos temem  o fogo do inferno, mas eu não vacilo em afirmar que a perda da glória eterna é mais amarga que o próprio fogo. Agora que eu não possa expressar com palavras, não há o que estranhar, pois tampouco sabemos a natureza dos bens eternos para podemos se dar conta da desgraça que é nos vermos privados deles.
8.       ‘... Contudo, ainda quando me ponha mil infernos diante de mim, nada me dirás comparável com a perda as glória da bem aventurança, com a desgraça de ser odiado por Cristo, de ter que por sua boca ‘ não te conheço’. De que nos acuse de que lhe vimos faminto e não lhe demos de comer. Mais valerá mil raios nos abrasem do que não ver aquele manso rosto que nos rejeita e aqueles olhos serenos que não podem suportar nos olhar.’ ( João Crisóstomo, homilias sobre Mateus 23,8)
9.       E Dante Alighiere pinta sua obra prima a  divina comédia com maestria ao descrever o inferno longe de Deus e o paraíso de delicias, nos leva a olhar no fundo dos olhos puros de Nossa Senhora e nos mostra refletido neles o olhar de Deus!
10.   O homem morre uma só vez, em qualquer lugar  que aconteça sua alma comparece perante o autor da vida, e presta conta de sua administração, e num filme em preto e branco vê rodar toda a sua vida... virtudes praticadas, atos sem significância aparentemente, mas cheio de méritos e de e amor, ah! os  pecados, faltas, omissões...
11.   Está diante do tribunal de Deus, transitada e julgada sua sentença na balança da eterna monção, toda a verdade aparecerá, toda a justiça será feita, vinde bendito, ah! que alegria diáfana! Ou ide maldito que horror sem fim...
12.   Mas então enquanto temos o dom da vida porque não eleger o bem e afastar-se do mal? Que tal ajuizar o mundo bom na sintonia do amor, do calor, da solidariedade, porque não abraçar desde já o saltério de dez cordas e compor com os anjos a canção perene do céu!
13.   A futura certeza nos aguarda, se ficamos felizes ao encontrar e prosear despreocupados com amigos e celebrar a amizade, que dirá estar na visão da luz para sempre, desbravando as regiões empíricas do paraíso, tudo isso podemos ter, seria um desejar de verdade para ser!
14.   Longe de nós então os grandes gestos amplificados pelo egoísmo e pelo desejo de aparecer, a conduta própria de nossas almas pressupõe pequenas e constantes  atitudes para pontuar no livro da vida méritos que nem as traças nem tampouco os ladrões abocanham para si.
15.   Esta página vai dedicada a mais pura de todas as mães: Maria, Spes Nostra, ‘eia pois lábios meus dizei e anunciai os grandes louvores da Virgem Mãe de Deus, sede em meu favor, virgem soberana, livrai-nos do  inimigo com o vosso valor.’
16.   A vocês que me acompanharam agradeço de coração a honra e o privilégio de sua companhia e penso que o maior gesto de amor do mundo foi quando Jesus tomou a cruz de escárnios, subiu com coragem o calvário abriu sua mãos e deixou-se crucificar entre dois ladrões no gólgota, selou o pacto da redenção e atraiu a si todas as coisas.
17.   O mais belo gesto da história que teve repercussão perene, mais indivisível que as partículas nano, mais poderoso que o átomo enriquecido, que os nióbios quânticos desta era pós moderna quando nuvens espessas de maldade toldam o panorama mundial, e aluviões estranhos  sacodem o planeta, mais do que nunca temos necessidade do Mestre e sua Mãe  Santíssima.
18.   Mais do que nunca carecemos do orvalho benfazejo e restaurador da presença de  mãe e filho na terra dos homens a realizarem juntos a Era do Pater para a perfeita ligação e junção perene à cidade de Deus. Assim Seja!

Helder Tadeu Chaia Alvim




Postar um comentário