sexta-feira, 18 de setembro de 2015

insonia geral

                                       I n s o n i a     g e r a l
1.     Impressiona em muito ao simples observador do povo a quanto anda a realidade politica em terras brasileiras. O contraste se acentua a medida que as noticias chegam diariamente aos ouvidos atentos da população, e tanto quanto sua modica condição permite ela viaja por este país de extensões continentais que guarda o celeiro do mundo para as futuras gerações.
2.    Afeita à prosa amena, esses e essas de todas as idades e condições sociais conversam entre si e mesmo não se conhecendo a empatia vem à tona e concordam que a crise sistêmica chegou.
3.    Mandatos sucessivos viciaram a malha publica e deu no que deu, precificação absurda dos impostos, má gestão das coisas publicas, corrupção até a medula dorsal da pátria, outrora amada, hoje colecionadora de erros de percurso espantosos.
4.    Uma espécie de socialismo de carreira pretendeu gerir uma republica capitalista, se a crise não se diluísse em sua extensão territorial estaríamos ‘igualinho’ à Grecia, visse! Literalmente desaprecatados no russeio da gargulina, o filosofo que o diga!
5.    A politica errou seus passes sociais de inclusão e está excluindo todos os brasileiros do fogão quente, da mesa farta, de seu sonho de liberdade, de seu arrimo de vida, de seu pecúlio existencial; ao blasonar sustentabilidade superlativa, esqueceu-se de gerir com equidade as contas publicas, inchou a malha administrativa, leiloou cargos, permitiu a corrupção, os fins justificando os meios e assim por diante. Tanto que os especialistas financeiros acenam para um impasse constitucional daqueles.
6.    E a conversa se estende viagem afora, panoramas de beleza rara cortam a janela do ônibus, e eles conversam a respeito de tantas coisas, como este pais ainda reserva tantos espaços para a construção do sonho gigante de grandeza pátria.
7.    E a dicotomia se acentua entre poder constituído e povo iludido, de que valeu legitimar tantos parlamentares nas urnas soberanas? Os tais representantes para falar em nome de mais de 207 milhões de brasileiros se a sua voz não tem encontrado ressonância favorável lá no planalto central?
8.    Valha- nos Deus, salve-nos Virgem Nossa de Aparecida! Pois argumentam em seu raciocínio atilado que estes e estas que representam o povo se trabalhassem em uma empresa privada já estariam no olho da rua, muitos com os bens indisponíveis e curtindo umas merecidas férias lá em Pampulha, ah ah ah!
9.    Mas não, coisas incompreensíveis sói acontece nesta democracia pós moderna que assustaria o filósofo Sócrates e haja vela em plena luz do dia, e reflexão em intermináveis noites insones , acham que teriam até açambarcado seu barril...
10.  Ou, ou 207 milhões de gente sensata à mercê de uns poucos filisteus ousados e manipuladores comentam entre si... E o percurso continua, quilômetros e mais quilômetros percorridos, lamentos e mais lamentos não digeridos! Não sabem se riem ou choram. Espera lá pois rir extravasa um tanto a decepção, chorar não resolve a situação!  Senhor do Bonfim, olhai por nós assim!
11.  Perdemos a nossa identidade nacional e o imenso templo da republica, honrosas exceções à parte,  está repleto de vendilhões, e parece que a cada dia surgem nosso Loudhas Iskariotis. ‘... Senhor Deus de nós desgraçados!
O jeito é com o Senador Cicero emitir um altissonante brado dimensional  de indignação: ‘... quo usque tandem catilinas abutere patientia mostra.’!!!
12.  E os novos Ciceros modernos, cheios de brio e patriotismo ainda esperam e almejam que a brasilidade, patrimônio incontestável de todos os brasileiros aflore na pele verde, amarela azul e branca do gigante e o faça reviver em busca de seu sonho de liberdade e auto determinação.
13.  E que a enorme e absurda precificação das contas publicas cesse de vez e cada real amealhado com os impostos seja aplicado em prol do bem comum, da saúde, educação, segurança, etc. etc. etc. E que a prospecção dos gastos do governo se encolha na medida das reais necessidades de gestão honesta.
14.  E assim a viagem chega a o seu termo, se despedem animadamente, e ao retornar à  sua cidade de origem têm a sensação que ‘ somos todos nós. E ao adentar à sua casa vislumbram ainda para si e os seus uma imensa cama de pregos. Haja insônia intuitiva!, pois o casamento do socialismo com a republica capitalista fracassou!
15.  Para além de nossa realidade doméstica, pairam sob os céus do planeta outras preocupações, a mais premente diz respeito à recente  onda de migrações, quando o quadrado das nações torna-se -se ínfimo dado o grau de urgência humanitária para nossos  irmãos árabes desterrados pela guerra civil e o extremismo que lá se instalou pavorosamente.
16.  O certo é que juntos pensemos e juntos façamos ações profícuas ou as placas teutônicas darão sinas de exaustão, e as auroras boreais sinalizarão um novo tempo quando  o juízo inafiançável do Altíssimo equalizará uma nova ordem mundial diferente, calçada doravante no  bem comum, no calor humano, na equidade, na paz e harmonia entre todas as nações.
17.  A não ser assim, não vale e ninguém vai passar de ano, pois a reprovação da raça humana está iminente... como um dia surgiram uma orla de bárbaros e redesenharam a história do soberbo império dos césares e construíram  uma outra civilização totalmente espelhada  na fé e no bem comum!, Deus senhor do tempo e da mesma  história saberá no momento   valer sua vontade soberana na terra dos homens!

         Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário