quinta-feira, 18 de junho de 2015

os cacos de vidro do progresso e o porvir anímico

cacos de vidro do progresso e o porvir anímico

1. " O nosso auxílio está no nome do Senhor que fez os céus e a terra." . Canta forte em sua antífona o salmista, canta inspirado as maravilhas e os mistérios da criação, os átomos, neutrinos  em sua forma intrínseca de renovação, os astros e sua simetria perfeita no universo visível, e a cada dia surgem mais exoplanetas. em uma dança quase infinita de cores, sons, rotações e translações.

2. E o protagonista homem onde andará? No momento que anoto este trópico certamente ele estará invariavelmente em sua ' vã filosofia', engendrando guerras e mais guerras, de 'secessão moderna', suas mãos estarão manuseando nos pseudos laboratórios os nióbios quânticos, estará acumulando crises existenciais para si e o planeta.

3. Estará acumulando ouro e prata, que sequer são seus, estará insaciável almejando o poder sem limites, estará conspurcando a honra e dever, estará seduzindo outrem, estará no consumo voraz de bens perecíveis, ou locupletando o planeta de quinquilharias eletrônicas, garrafas de pets espalhadas nas orlas marítimas, arranha céus de uma verticalidade duvidosa.

4. Nas passarelas fashions respirando glamour, na tela mágica manuseando a informação, nos plenários legislando em causa própria. Construindo um parnaso falso, afirmando-se progressista, e sufocando os legítimos anseios das ruas soberanas de bem comum maior inerente a mais de 200 milhões de brasileiros.

5. Isto tudo passando no nosso chão doméstico, quiçá em outros lugares, duvido  se não estiver tramando a conspiração das rãs nos calabouços de loucas progressões. Estará ausentando de sua vida o saltério de dez cordas, estará arranhando com cacos de vidros torpes a paz universal.

6. A par disso tudo, a épica trajetória dos primórdios continua e continua latente na mente de Deus. Os ciclos da história vão se fechando século após século, ora nas antípodas do que deveria ser, ora em sintonia admirável com a essência do Ato Puro, É assim, assim será, e afortunado será quem tiver os olhares da alma abertos, bem abertos para esta doce, suave e intrigada realidade transcendental do Ser.

7. E bastará só um empurrãozinho de 70 asas arcanas e tudo retornará  ao eixo anímico e o mundo voltará a respirar o ar aprazível da presença diáfana do bem querer e da abastança geral. Surgirão novos céus e novas terras no dizer do poeta decano, e o Sol da Justiça brilhará nos quatro cantos do universo, e a Rosa Mistica de eleição embalará os sonhos de uma noite de pureza imaculada.

8. E aqueles cacos de vidro se transmutarão em vitrais de uma visão perene, e a natureza respirará aliviada e dará frutos opimos de regeneração, e aquele desalmado homem será doravante guardião fiel e vigilante do planeta intitulado: 'Terra dos Homens.'

São Paulo, dia dezoito do mês junho do ano arcano de dois mil e quinze. 
Helder Chaia Alvim - poeta minimalista
Postar um comentário