quinta-feira, 19 de março de 2015

impacto x fotografia

   impacto x fotografia

1.       Ah, ah, ah, vamo rir para não chorar, oh! habitantes das res publica bar zileira da precificação desacionada. É muita fala e dela falta lastro na realidade do povo, uma dicotomia impressionante entre poder e eleitor se instaurou. Não sei ‘quens’ quebraram o reino na emenda, e haja ‘comunicado, comunicando’ demissões lá em barzileira ! ! !  

2.       Seria cômico se não fosse triste esta situação que se abateu sobre + de 207 milhões de cidadãos brasileiros, que almejam uma pátria, amada, séria, plugada, auto sustentável sob todos os pontos de vista.

3.       Há ‘quens’ achaquem as verbas públicas, outros largam o ‘osso’. O que é isso?  Crisou em Brasilia e na cabeça de muitos parlamentares. Cristo diria aos vendilhões do templo moderno da republica: é gente sensata, minha casa fizeram um covil de ladrões!

4.       É o que dizer senão que está crise sistêmica que se abateu sobre o Brasil quebrou a emenda pátria de honra e pudor, justiça e abastança inerentes aos seus mais de 207 milhões de filhos? E não será fácil reconquistar  o tempo e os campos perdidos e malbaratados, justamente por aqueles que deveriam representar o bem comum e não o fazem devidamente.

5.       Ah! o voo de grandeza continental foi interceptado pelo quase total esboroamento da fuselagem verde, amarela, azul e branca, visse! E a gargulina desaprecatou-se em mil russeios  e em pensar que bastaria ao Brasil, a nós, e a eles sufragados pelas urnas soberanas, bastaria um olhar de prece, parece para o saltério de dez cordas.

6.       E a fé em Deus e na Virgem de Aparecida poderia mover estas montanhas estranhas que se interpuseram  no caminho nacional. Na verdade gostaria de dizer aos políticos desta nação canarinha quem gosta de moleza tem que tomar sopa de algodão, pois o Brasil não merece tanta zoada, tanta desfaçatez!

7.       Não acredito em pactos que impactam o bom senso, a solidariedade, a paz, a justiça e o bem comum, acredito na sensatez de um povo que batalha por dias melhores para a sua prole, que cultiva o calor humano, um povo pacato, lhano que foi às ruas recentemente e voltará  para continuar na cobrança de cidadania consequente com as leis institucionais e democráticas.

8.       A fotografia do momento está borrada pelos atos lesivos ao erário público, e será mister uma união total em torno da constituição, brecar de vez o enriquecimento ilícito, o favorecimento em obras públicas, será mister um esforço inaudito dos órgãos competentes para reaver os bilionários valores surrupiados dos cofres brasileiros, e também uma punição exemplar aos envolvidos na corrupção.

>> A não ser assim, cairemos no meio do salão, um trupicão enorme, serpentinas nos faltam, colombinas sem confetes somos, pierrots das falsas máscaras nos tornamos, no ultimo baile da republica da desação precificadora.

9.       Depois tem a reforma politica, a saúde, a educação, a segurança, ou seja começar quase do zero e acreditar ser possível o quase impossível! Reservas de generosidade e heroísmo temos, fé em Deus e na pátria também, falta só o bem comum maior inerente  a mais de duzentos milhões de brasileiros tornar-se uma instituição de fato e de direito.
    
      Carrego comigo as apreensões e tristezas das minhas irmãs e irmãos, e com elas e eles choro um choro amargo de decepção, mas uma pontinha de esperança brota nesta curva de viés imprevisível, e  a certeza aumenta ao ver este pais continente e seu esforço de superação em meio a a este crise sistêmica de tirar o fôlego do gigante.

      E tudo indica que asas arcanas estão se aproximando trazendo em seu bojo o mundo bom das certas certezas empiricas, aquele que o Criador plasmou in fieri para o bem do novo tempo e felicidade geral do verdadeiro detentor dos destinos pátrios: o povo brasileiro.

      Haverá de surgir um Brasil de fala direta, andar despreocupado, timbre sincero, e com um olhar de anjo, amplificado pela brasilidade. Um Brasil de + senso critico, + bem comum, + conexão com as ruas soberanas! Pois esse que está aí, não passou de ano no computo do Senhor do tempo e da história,
a    
      abraços rimados de união cívica,

            
Festa de Santa Àgueda

São Paulo - Brazil
Helder poeta minimo
Postar um comentário