quinta-feira, 8 de maio de 2014

a colheita primeira

 niver da Math ou  a colheita primeira...

1. Frequentemente estamos à procura de respostas para nossa felicidade pessoal, quiçá, coletiva, e esta busca incessante faz parte da nossa natureza, no entanto a decepção vem quando achamos que em nós ou em outrem encontra-se a tão almejada porta dourada.

2. Ora pensamos ser a afetividade, que queremos a todo custo, correspondida, ou um objeto de consumo, a carreira, o carro, casa, aliás necessários, ou mesmo o saber, a inteligência, ou até um simples poema pode nos dar a satisfação plena de uma felicidade de situação, ah, ah, ah! Salomão diria ser isto também  vaidade, uma espécie de corrida frenética atrás do vento. 
3. Ah! e o status social? nem me fale, quanta inquietude desnecessária no caminho, e isto porque estamos tratando de situações legítimas, se adentrarmos por outras vias sinistras o caldo entorna e apavora só em pensar.
4. Então pera aí, a felicidade de situação não existe, vivemos para a dor, tristeza? É isso encontrar prazer em sofrer freugmaticamente? Não irmã, a felicidade está bem perto do coração simples, na existência tranquila e calma, na conversa animada, no abraço sincero, na prece parece.
5. Quantas vezes em nossa infância nosso coração encheu-se de êxtase e alegria no colo de nossa mãe, nas brincadeiras de roda, nos serões da Pirineus bendita, nas viagens para Itaperuna, nos carinhos de vó Mathildes, tia Edinha e tia Sucena, dos primos engraçados, e tanta coisa borbulhando de vida.
6. Crescemos e fomos vendo os embates da existência, as transformações absurdas de um mundo tranquilo em desenfreado progresso às avessas do que deveria ser. A cidade grande e seus sonhos americanizados, os valores do passado deixados de lado, o glamour das passarelas da moda fashion.
7. E hoje  na idade adulta vimos uma era pós moderna construindo muros em vez de pontes, muitas pontes que nos levariam ao calor humano, a compreensão, ao respeito à mãe natureza, em última análise uma grande ponte que propiciaria nos ligar ao melhor de todos os amigos, filho da melhor de todas as mães...
8. E o patamar correto não fora atingido consequentemente, e náufragos seremos se em conjunto não tivermos esta visão empírica universal. Infere-se que a humanidade deverá passar consciente e livre por uma grande provação integral,  que não ficará a cargo do instagram, e sim pela ótica do Criador.
9.  Passados mais de dois mil anos da era cristã, vemos que através do modo pelo qual a redenção se deu na trágica sexta feira da paixão, a próxima era terá antes que subir ao calvário com sua cruz e deixar-se crucificar entre malfeitores e ladrões arrependidos para depois proximamente usufruir da luz da renovação salvífica. 
10. Após a jornada tenebrosa da época atual virá a renovação espiritual e material do planeta e seus habitantes, aliás ambos urgem de uma purificação especial pois a desproporção anímica em curso tornou-se perversa de uma maldade que beira à loucura bafejada por anjos decaídos, inimigos nº hum do bem e da verdade. 
11. E tudo leva a crer que o momento não está distante, um momento triste sim, mas necessário para o grande processo de desintoxicação geral. Não se assuste irmã dileta pois na sequencia salvadora virá um imenso banho de luz diáfana capaz de per si endireitar este mundo 'sabido', esvoaçante de tecnologia mas carente de fé e temor salutares.

12. O que e quem ficar poderá entoar um Te Deus laudamus ao Criador e começar uma nova vida, um novo tudo. Ah! o momento disto acontecer cabe ao Grande Professor alado, que ao seu dispor tem asas arcanas e inspiração de sobra para restaurar esta pintura borrada que somos nós, delinear o contorno de um brilho totalmente novo e devolver-nos a tal felicidade ancha de montão.

13. Será pelo sofrimento ou não! Importa agora carregar os feixes dos bons sentimentos e esperar, esperar na esperança certa o dia bendito em que a Rosa Mística e seus anjos servidores farão a colheita primeira.

Helder Tadeu Chaia Alvim 
Postar um comentário