segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

A hora da Justiça

                                                A hora da justiça
         
1. E o profeta Isaías falou em sua intuição palavras de uma beleza esplendida que reflete clarão forte até os dias conturbados desta era da alta definição nióbica quântica, de desacertos e mutilação de nosso ambiente todo, de espirito carcomido e fora de jeito.

2. E qual luz seria esta que ofusca pensamentos e ações da turba multa e traz esperança em meio ao caos generalizado deste momento que corre célere para o abismo da devastação planetária? Ouçamos e depois seria bom uma reflexão para este início de  ano que se apresenta em vários aspectos enigmático.

3.' ... Ele não clama nem levanta a voz, nem se faz ouvir pelas ruas, não quebra uma cana rachada, nem apaga um pavio que ainda fumega, mas promoverá o julgamento para obter  a verdade, não esmorecerá, nem se deixará abater, enquanto não estabelecer a justiça na terra; os países distantes esperam seus ensinamentos...

4. Em se tratando da figura de um Deus que se fez homem em tudo igual ao ser humano menos no erro a vitalidade que se desprende de texto é impressionante e traz a grande esperança de renovação da  terra em todos em seus aspectos tanto natural, existencial, cultural e psicológico.

5. Não sendo assim, a humanidade está perdida em seus ismos de ego, que a cada dia toma uma nuance nova e não se sabe ao certo onde tantas loucuras juntas e separadas por interesses conflitantes vão parar...

6. E o salmista nos lembra na sua poesia intrínseca: '... Maravilhas só Deus é quem faz, bom é Ele, amai-o, com saber ele fez a terra e céu, sobre as águas a terra firmou, para  o dia reger fez o sol, e as estrelas para a noite criou... De modo, penso eu que hoje em dia pululam sobrando muita satisfação falsa que não preenche a alma e toda ela formata o planeta numa espécie de passarela falsa que a qualquer momento poderá ruir...

7. Então Isaías profeta entra em cena com sua caneta e fala sobre uma era distante: " ... Eis o meu eleito - nele se compraz minha alma - pus meu espírito sobre ele, ele promoverá o julgamento das nações, eu o Senhor te chamei para a justiça e te tomei pela mão; eu te formei e constitui como o centro da aliança do povo, luz das nações, para abrires os olhos dos cegos, tirar os cativos da prisão, livrar do cárcere os que vivem nas trevas."

8. Tudo parece muito surrealista, figura de linguagem mas quando raiar o dia da prática trazido pelo vento impetuoso do Espírito Paráclito, os homens acordarão de seu pesadelo para caminhar nas planícies da paz daquela Paz Total que só Cristo poderá dar, pois o que a humanidade tem visto é um arremedo grosseiro dela sem lastro no coração de um Deus, senhor e criador de todas as coisas visíveis e invisíveis e cujo reino não terá fim...

9. Ilusionada está a terra, máxime nesta hora real, pois desconhece quem pode lhe fazer deveras feliz, Aquele que um dia saiu do rio Jordão batizado pelo Batista e revelou a força desta água de regeneração, e pelo sacrifício redentor nos fez seus filhos gerados pelo lado aberto pela lança do Centurião Longino.

10. E o Verbo que se fez carne no seio de uma Virgem não deixará por menos e vai sim restaurar na terra seu reino de projeções eternas e vai num determinado tempo arcano dizer a que veio pois nele habita a Trindade Santíssima: Pai, Filho e Espírito Santo. Assim seja, assim foi e assim será!!!

11. Entonces ao sair do rio Jordão, Jesus Cristo acendeu na terra uma luz perene, e por esta razão não se carece, seu moço, do fogo fátuo dos bytes, pois aquela claridade divina basta, mesmo que pareça o contrário às densas trevas se sucederá um tempo de brilho novo d'alma.

12. Ah! ah! ah!, os ímpios que se cuidem pois está chegando a justiça e a paz ao planeta terra, e no grande baile de sonhos e realidades só entrarão aqueles e aquelas que estiverem em sintonia perfeita com o querer  que emana do alto.

13. E nessa hora trágica e salvífica a humanidade aprenderá com quantos paus se faz uma canoa, e com quantos mastros se restaura a barca do Grande Pescador. Só os cômputos definirão a hora exata da justiça. A gente só alinhava cotejando Isaías profeta, sendo o que acontecer com a Terra Mãe nos envolverá de permeio. Somente a simplicidade da fé poderá salvar a todos, artifícios, subterfúgios de nada adiantarão quando amanhecer o dia do Pater preconizado pelos anjos belemitas e confirmado pelo Batista às margens do lendário Rio Jordão: ' Ecce agnus Dei, ecce qui tollat pecata mundi...'

14. Sabem amigos que considero mentores destes versos escritos ao amanhecer, sabem porque ainda não veio a Nova Era das definições perenes? A meu ver nesta conjuntara atual, conjecturar seria apropriado e este texto que serve obsequioso à Justiça, e entendam daquela maior e suprema que não escapa aos olhos de Deus e provem de sua sabedoria incriada.

15. Porque os homens se perderam em meio à moeda corrente do dinheiro e fazem dela a razão de ser de suas existências, a sua alma apequenou e seu corpo se viu regalado pelos prazeres, comodidades e novidades da era on line quântica nióbica, pela imposição de parâmetros do marketing elaborado, pela política de amplitudes negativas, enfim as criaturas em sua soberba lucifera viraram as costas ao seu Criador e construíram um mundo hedonista, de valores duvidosos e anti - natural ao extremo.

16. E a correnteza de teorias desembocou nas aleivosias atuais, carente de nexo e sem lastro na realidade do céu empírico. Ou seja corremos atrás dos acréscimos e esquecemo-nos do principal que é o Sol de Justiça e trêfegos quedamos sobre o peso insuportável de nossas ambições particulares que somadas às outras e outras alheias, o peso pesou muito ao planeta que habitamos, e em determinado momento o que suceder com ele nos envolverá de permeio.

17. Somos aquela formiguinha do monte Everest que transcorreu sua pequenina existência sem se dar conta onde estava e sem admirar aquele colosso de paisagem que a natureza exuberante lhe oferecia todos os dias, tardes, manhãs e noites de luar...

18. Tocamos o início do fim e nenhum estadista, sociólogo, antropólogo que se prezem saberão explicar tintim por tintim o começo meio e muito menos o fim desta era do caos em ebulição. Muitos outros já percebem a imensa nuvem carregada de raios e trovões bem acima de nossas cabeças enfatuadas de tantos miasmas e que poderão desencadear em qualquer momento a 2ª intervenção de Deus na terra, um segundo dilúvio sem a presença apaziguadora de um Noé.

19. Eu sei que não trago boas notícias, a imensa colcha de pregos tecida por nossas ações já não suporta os corpos vazios de sentido, ausentes de espírito construtivo pois olhamos tão somente para nosso umbigo e sequer fitamos a tez de nossa alma. À calma veio a agitação quase frenética e lá no fundo o coração da Mãe Terra clama por mudanças e mudanças de rumos, acertos de prumos.

20. Tudo isso vai acontecer no silêncio, na prece, oração e sacrifício para alicerçar o mundo novo aos planos do Criador de bondade, justiça e paz autênticas. Ao arremedo contemporâneo se sucederá outras nuanças, outros movimentos de amor sem limites. A escatologia do tempo presente é fato anteriormente previsto pelos profetas e a humanidade terá que atravessar esta turbulência para poder sair do outro lado da cachoeira com a leveza primeva para voar por horizontes de admiração e contemplação indizíveis.

21. Será na gíria: um pegar ou largar, e o mundo deverá se adequar à ótica do Nazareno, pois na 1ª era cristã um Deus saiu batizado do Rio Jordão, e o maior de todos profetas frisou: 'Eis o Cordeiro de Deus! Aquele que tira os pecados do mundo!'

22. Tamo junto irmãos aguardando a hora da bendita brisa, pois já ressentimos da moldura trincada, os contornos borrados e o sopro arcano será bem vindo para aquecer nossas mãos cansadas, restaurar o brilho novo da terra e encaminhar doravante ações e ações baseadas na fé e devoção, temor, amor e concórdia mutua das nações.

23. Deixo-os hoje com a fala apropriada e categórica do Papa Francisco: ' Aquele que crê jamais está sozinho, porque a fé é um Bem Comum que ajuda a edificar as nossas sociedades, dando-lhes esperança.'


Helder Tadeu Chaia Alvim



Postar um comentário