segunda-feira, 25 de novembro de 2013

na era além quântica...

a. A liturgia canta e canta de uma maneira espetacular no 33º domingo do tempo comum e seu brilho não esmaece na atmosfera carregada de interrogações ora em curso. Desencontros, desacertos, maldades povoam não só a imaginação da humanidade mas apresentam atitudes desastrosas que muitos se perguntam: é o fim?

b. Este sopro suave traça um paralelo, aparentemente assustador àqueles que não tem  a bússola da fé, carentes ao extremo de uma convicção simples e sincera, pois querem explicar os fatos correntes pela razão humana e nossa época requer um espírito atilado, uma alma de criança e mais das vezes um abandono nos braços do melhor de todos os amigos.

c. ' E sobreveio uma tormenta tão grande no mar, que as ondas cobriam o barco. E Nosso Senhor, levantando-se, mandou aos ventos e ao mar, e se fez uma grande paz.' Ah! o Sol de Justiça se revelou e com um gesto fez voltar a bonança e seus amigos creram nele. O espanto cessou, a verdadeira paz se instaurou, assim como veio o imprevisto, ele se foi  sem explicação natural...

d. Pedro, o grande pescador ficou boquiaberto por uns instantes e depois no arrojo de seus sentimentos arriscou caminhar sobre as águas do lago de Genesaré ao encontro do Mestre... E certamente pensou: ' De paz são meus pensamentos... lembro-me os dias do passado, os teus feitos me alentam. Eu te estendo as minhas mãos, a minha alma está sedenta como terra esturricada, ressequida e poeirenta...'

e. '... Vem, me ensina a fazer sempre a sua vontade - qual é feita agora no céu - teu espírito me guia a uma terra conquista - e livre dos ventos da maldade - Vem, mestre renova minha vida, me liberte das angustias, meu espírito sem sua presença iluminada será fraco, não me escondas teu rosto, para eu não me arrasar.'

f. E Jesus, na plenitude de um Deus humanado aquiesceu este desejo e transformou Simão Bhar Jonas num fenômeno de santidade e a pedra sobre a qual edificou sua Igreja e nenhum vento contrário poderá derrubar, mesmo no decorrer das eras históricas em meio à tantas defecções sempre surgirá a novidade nova da restauração, que poderá demorar um tempo longo ou breve segundo os desígnios do altíssimo.

g. E Paulo de Tarso traz a ideia da luz, a claridade que tem o poder em si de livrar os homens das trevas do erros e pecados, e Cristo é a imagem do Deus invisível, ele é o primogênito de toda a criação, nele a gente mesmo sem querer se move, vive. ' Pois por causa dele foram criadas todas as coisas e todos tem nele a sua consistência... Deus quis habitar nele com toda a sua plenitude, e por ele reconciliar consigo todos os seres, os que estão na terra e no céu, realizando a paz pelo sangue de sua cruz.'

h. Desprende-se desta fala paulina a meu ver uma dica valiosa e certeira que paira no ar e se realizará: chegará o tempo da Paz, virá antes a tormenta atroz, depois o fermento bom, o novo sal vai temperar as relações entre Criador e criatura e o gosto de Deus se misturará com  o  gosto das criaturas numa harmonia total.

i. A sociedade temporal finalmente entenderá e estenderá a verdade no ato de governar e nascerá o exercício pleno da cidadania, da lisura, da lhaneza e as disputas serão em torno da bondade, misericórdia, justiça, temor e calor humano. À corrida do ouro dará lugar ao certame da fé, e surgirão no campo da ciência além quântica inventos de deixar o nosso tempo boquiaberto como ficaram os apóstolos e discípulos as margens do mar de Tiberíades quando presenciaram Jesus acalmar a tormenta e devolver-lhes a vida e a paz de espírito.

J. Se cuidem os vendilhões do templo, se acautelem os bytes pois virá na curva da estrada humanitária um sopro aterrador que varrerá a maldade da terra e entronizará o reino de Deus, o tempo do Cordeiro que na cruz tirou o pecado do mundo, e ponto por ponto as coisas voltarão para o lugar.

l. A justiça e a equidade serão uma instituição cívica após o cálice da dor, a paz a concórdia virão como um clarão e iluminará o ocidente até ao extremo oriente e povoarão o pensamento dos que ficarem. Após o espanto dessas nuvens outra historia se escreverá, pois os pensamentos do Espírito Paráclito são de paz, e seu sopro é abrasador...

m. Para não dizer que não citei 'as rosas', citei antes seus espinhos pontiagudos sem cortar na carne de ninguém. Da Roma clássica o senador Cicero pronunciara em tom forte suas catilinárias, e aqui no Brasil por um instante apenas as asas da democracia se abriram de par em par fazendo-nos acreditar que um futuro promissor está reservado ao Brasil, e as ruas soberanas em junho p.p provaram ser possível quando o povo se reúne provando que este país  é da maioria absoluta do Bem Comum Maior!

abraços de união meus irmãos!

Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário