segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Em nome do Pai.

                                             Em nome do Pai

1. Ah! ser humano, que deveria ser humano, que bem poderia viver segundo a lei natural e divina, ser dotado de razão, emoção, inteligência e livre expressão e decisão, 'dono' de seu nariz e do corpo todo, dotado de alma, que na calma e fé voa em horizontes de satisfação, inventa,' pinta e borda' a torto e a direito. Este ser tão imprevisível e tão mensurável em sua psicologia, tão gaiato, displicente, inocente e atroz que somos nós!

2. Mas, quando ele perde a fé no Criador, morre dentro dele a chama, o calor, a solidariedade e  a paz interior, e aí ele faz acontece sem medir as consequências, mais tarde menos tarde a face oculta do mal se revela  em toda a sua hediondez deixando após si um rastro inconsequente de improbidades, desastres, devastações, crises existenciais e tudo o mais...

3. Opa, a perspectiva de vida post mortem não existe em sua mente, a matéria efêmera uma realidade de mentira que quisera permanente. Ele mente a si mesmo e se distrai ora em sua comiseração com o próximo, ora em sua determinação de se afirmar superior aos demais, ora acumulando bens duráveis, ou mesmo nas noitadas azedando o vinho em companhias nada ver com seu sonho latente de mundo bom.

4. Faço parte deste quadro e hoje me penitencio a bom grado, a moldura de minha vida encontra-se trincada, o brilho esmaecido, os contornos borrados pela tinta de qualidade duvidosa, e ' se alguma coisa vai mal no mundo ' com Chesterton, ' eu, somente eu mesmo!' Muitas vezes sentimos ter asas de bons sentimentos, mas na prática a teoria dourada fica abstraída ou abduzida pelo momento fátuo de um prazer proibido.

5. Sem o desejo prático do paraíso ou céu empíreo a matéria se levanta e no seu flanar adoidado o mundo fica pequeno para suas síndromes, ambições, poder, mando e razão. Não fora assim como explicar a trajetória de um ser que tanto espanta, tanto admira, tanto decepciona, tanto se endeusa no seu parnaso particular, tanto se expõe nas passarelas tops, este ser que povoa o planeta terra, é tão frágil e tão forte tão previsível e tão volúvel que ao cabo de menos de dez décadas de existência desocupa o beco e se renova, e pode ainda surpreender-se a si mesmo e ao semelhante.

6. Pode tudo e ao mesmo tempo o nada, capaz de heroísmos, de irradiação de luz, capaz de misérias,  de descer a abismos colossais. Pera lá, o que foram as grandes guerras mundiais? Quando começaram exatamente? Arquitetadas sabem lá aonde? Por uma, duas ou mais pessoas para que fim serviram? Houve influências preternaturais de um certo anjo que decaiu in fieri da  claridade diáfana e não abre mão de ser infeliz e fazer a humanidade toda participar de sua maldade deliberada, anh? ' Qui dabit capiti meo? '.

7. E a raça humana pagou e paga um preço altíssimo, e com suas vidas. O Holocausto descomunal, massacres, atrocidades, porque? para que? Ah! Os próprios títeres já desceram solenemente às suas tumbas frias sem o hálito quente de um belo gesto,' sem deixar raiz nem ramo' como relata o profeta Malaquias. E para 'piorar' a sua situação não poderão e nem quererão, não suportarão a visão do Sol de Justiça.

8. Nos dias que correm céleres no vale passageiro desta terra, esperança nos falta, sobram tristezas, desatinos sem explicação, crimes horrendos; envolta ela está em violência ao quadrado extremo, e em algum lugar distante ou próximo estão acontecendo agora fatos de arrepiar e parece que o dique vai estourar a qualquer fugaz instante.

9. Vidas inocentes são ceifadas; afogadas; arremessadas dos altos prédios; nos semáforos um simples plaft deixa enlutada uma família inteira; na política aberrações e malbaratações do erário público; no seio sagrado da família ausentes a paz e harmonia; na mente do homem hodierno povoamento de ideias nada a  ver com sua condição efêmera, e na tempera da vontade o livre arbítrio encontra-se preso a paixões e ações que envergonham os arcanos, a cada milésimo de segundo a ampola do tempo  escoa para um abismo sem volta.

10. Nas ruas, praças e logradouros, esquinas, sertão e cidades, viadutos, e prédios do concreto armado armam-se traições, destilam-se venenos, aguçam-se interesses escusos,  na volúpia insaciada do hedonismo com razão em si de viver.

11. O próprio nome de Deus é utilizado por gente inescrupulosa, pseuda fideísta que se utiliza de promessas financeiras para amealhar as economias dos desavisados, se pudesse nomeá-los seriam intitulados hoje pelo Santo de Hipona como os 'novos vendilhões do Templo'. É de se esperar que o próprio Jesus Cristo venha com seu chicote e os expulsem todos  da face da Terra e os convide 'gentilmente' a se mudarem para um lugar mais ' arejado' lá onde a monção quente nunca esfria e a maldade tem sua fornalha acessa in aeternum conforme relata o livro sagrado  genesiano.

12. Então um assunto puxa o outro, o que esperar da  situação  gerada pelo humor de um anjo decaído e sua caterva numerosa? ' Diz com quem andas', se andares com Deus e os santos, entre todos sua Santíssima Mãe a sempre Virgem Maria, as coisas se esclarecem, as dores se amainam, o auxilio espiritual vem, as chagas sanadas, aquelas que cada um sabe onde doem.

13. Cara, estou convencido mais do que nunca que Deus acredita no homem, tanto é que mantem os astros em sua evolução sideral simétrica, preserva as seivas, faz chover, vem o sol, a terra continua na sua abastança fabulosa provendo as bocas famintas dos seus filhos predadores por excelência.

14. Nas suas veias corre o sangue renovador, o estímulo para se movimentar, sonhar arquitetar e mesmo destruir a si e a outrem. Amanhece, anoitece e a cada dia a natureza se renova, uns nascem, outros partem numa fila interminável de tristezas e alegrias, conquistas  e derrotas, ambições e atos heroicos, anonimato e holofotes tudo e todos na  hora determinada de cada um, e a morte não solicita anuência do passageiro do tempo somente somente chega para inquirir de suas obras e determinar o repouso ou o tormento interminável.

15. Neste contexto trágico, ameno, bucólico, urbano, contingente e de alma perene tudo voltaria para os eixos, se... se o bicho homem acreditasse deveras no seu Criador e... e vivesse consoante sua lei natural e divina. Discrepâncias não haveriam e mesmo sendo um lugar de passagem, de prova tendo em vistas outras paragens de gosto incomensurável seria um ambiente de um universo mais arejado e feliz.

16. Há de se esperar ainda a restauração do mundo conforme preceitua uma oração ensinada pelo próprio Deus aos homens na pessoa de seus apóstolos, e que a Igreja recita sem cessar há mais de dois mil anos, e hoje em em meio a esta situação catastrófica engendrada pelo homem a serviço de anjos decaídos, ainda é o que de melhor podemos usufruir e só experimentar e depois vai me dizer o que achou, amigo(a) do coração unido.

17. ' Pai nosso que estais no céu, santificado seja o seu nome, venha a nós o seu reino, seja feita a sua vontade assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos os nossos devedores e não deixa-nos cair em tentação, mas livra-nos do mal. Amém'

18.' A paz ou o conflito na sociedade civil e no estado dependem menos daqueles que governam do que das próprias pessoas.' Quem afirmou isso foi ninguém mais, ninguém menos que Giuseppe Melchior Sarto, um santo da Igreja e papa Pio X, o profeta da 'religio despovoada' que previu a 1ª Grande Guerra, fez tudo para evitá-la.  Palavras inspiradas e proféticas ditas num Consistório em 25/maio de 1914.


19. Aliás Pio X queria Deus presente no mundo visível dos homens, instituiu em seu pontificado a sintonia entre o sagrado e o profano e fez de tudo o que estava ao alcance do vigário de Cristo para evitar que a humanidade cavasse a própria destruição. O primeiro alvo do conflito fora o próprio papa e a civilização cristã... Até chegar em nossos dias tenebrosos que parece nunca amanhecer a era do Pater... A única certeza que temos é que 'Deus não morre'



Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário