segunda-feira, 14 de outubro de 2013

'Ecce Homo!'

Ecce Homo.
1. Jeshuá tinha um objetivo naquele dia de primavera, e aos poucos vencia as distâncias acompanhado de seus discípulos, já deixara para trás a Samaria  e o  último povoado limítrofe da região galileia estava próximo.

2. Ah! o mestre adorado de Simão Bhar Jonas, acabara de ser ungido por Magdala, uma bela jovem judia que ao encontrar o mestre se convertera de pronto. Do apego ao mundo profano passara para a contemplação na pureza de uma intenção devotada e surreal. Ela, a irmã de Marta, e de Lázaro, o amigo do coração de Jesus, o Nazareno. Posteriormente Lázaro seria ressuscitado em circunstâncias que despertaria o ódio de muitos doutores da lei, e este milagre corroboraria em muito para a condenação do Justo.

3. Jeshuá estava radiante, seu rosto emoldurava o olhar de um Deus humanado, mesmo assim poucos, muitos poucos estavam entendendo sua missão messiânica, diríamos em nossa língua, a que veio? Mas o mestre era imbatível, veio provar de nossa natureza humana, conviver conosco, se igualando em tudo menos no pecado. E carregava consigo o imponderável de sua pessoa divina sem deixar de ser humano.

4. Nesta viagem  Jerusalém, a cidade santa dos judeus era seu foco, ia ver sua raça e tentar dela o sim que a salvaria de tantas desgraças, iria tentar reuni-la debaixo de seu amplexo, com ela edificar sua Igreja para todos os povos, que perduraria até o final da vida na terra quando os acordes anunciassem o armagedon universal.

5. O porte grave e calmo de Jeshuá impressionava, por onde passava as multidões acorriam para ouvi-lo, era o profeta que visitava novamente a terra ressequida, a terra santa, palco de tantas batalhas do povo eleito, passando pelo patriarca Abrãao, Moisés, David, Isaac, Jacó e os Macabeus. E que agora encontrava-se sob a sandália dos césares e dividida em regiões e interesses civis e religiosos. De um lado Pilatos, Herodes e de outro Anás, Caifás e o Sinédrio, se opondo e se unindo à Roma altiva e decadente.

6. Neste declínio de tantas estrelas, o Sol de Justiça se fez notar, simples, direto, humano, bondoso. Deus vinha habitar entre eles, confabular ' no cafezinho' e eles nem bulufas. E tudo se passou tão natural, foi anunciado pelo anjo Gabriel; depois se encarnou no seio de uma jovem Virgem, de nome Maria;nasceu em Betheleem, numa noite fria e foi aclamado pelos anjos, pastores, reis sob a tutela de José da estirpe de David e pela Virgem entre todas, bendita; viveu obscuro em Nazaré, brincou, ouviu canções de ninar, correu, sorriu, chorou, aprendeu o ofício de carpinteiro, depois partiu atrás de seu sonho redentor.

7. Estava ali adentrando naquele povoado perdido da história, mas Jeshuá tinha presente que o resgate iminente estava chegando, o escambo misterioso teria como palco Jerosholimam, tal resgate pedido pelo Pai o levaria à uma cruz de ignomínia. Mas antes ainda restava um tempo para continuar fazendo o bem, curando  cegos, coxos,expulsando demônios, e sanando as grandes feridas da alma, não perceptíveis a olho nu, mas conhecidas pelo autor da vida.

8. E Jeshuá caminhava para o sul em direção à Jerusalém, com seu pequeno séquito e fez questão de passar pela Samaria, terreno hostil aos judeus, nem por isso se fez de rogado, pois sua fama o precedia,e na mente e no coração de muitos ele poderia ser o messias esperado para livrar o povo eleito da servidão material e guindá-lo a uma espécie de governança futura de todos os povos. A mãe dos filhos de Zebedeu trouxe à tona este desejo uns dias antes em Cafarnaum.

9. Era sua última viagem e o retorno ao Pai das Luzes teria que passar pelo ignominioso suplicio da cruz. E como que Jeshuá previa o seu último ato em favor do amigo chamado homem, e se pudesse em sua natureza humana retardaria esta viagem ao máximo, mas seu espírito que sondava a natureza humana sabia que era necessário este último sacrifício para o resgate total.

10. Neste dia ao se aproximar do povoado  deu-se um fato inesperado para os discípulos, eles pretendiam marchar logo sobre Jerusalém, talvez reunir as forças dispersas de seu povo e destronar o mando dos elmos e espadas curtas e entronizar em seu lugar o 'rex judeorum'. Mal sabiam eles que o caminho de Jeshuá era outro e pela cruz viria a luz da ressurreição, e a medida de Deus nunca foi e nunca será a dos pobres homens mortais, egoístas e fugazes!

11. De longe ouviu-se um som sinistro, aliás muito comum aos ouvidos daqueles tempos de trevas e submissão, de espírito acanhado e faltoso de elevação. Justamente neste momento  único surgiu um homem com prerrogativas divinas para reescrever a historia da humanidade, e com o detalhe espantoso que a tinta utilizada seria o seu próprio sangue.

>Não destoaria  elaborar um paralelo com o hoje atual, onde enxerga-se só a moda fotoshopeada, o consumo de bens, a venda de 'milagres', a par disso, a cobrança exorbitante de impostos na política doméstica, o hedonismo grasso, a corrupção cartelizada, o relativismo crasso, e total descrença em valores perenes, culminando com a matança dos inocentes, a exploração sexual, o desrespeito aos mais velhos, o descaso para com os professores, reserva cívica de qualquer nação.

12.  E o som aumentava e aumentava... e se aproximava receoso, a multidão se afastou, como era costume e se avistou dez, os excluídos da sociedade, que esgueiravam-se pelas cavernas, planícies solitárias, e que por força de sua doença em comum, esqueceram seu nacionalismo e se reuniram num grupo de dez deserdados da sorte, vagando em sua dor...

13. Eram corpos carcomidos pela doença terrível da lepra, uma visão aterradora... Um deles, o porta voz do grupo parou um pouco ao longe, reuniu suas esquálidas forças e gritou: ' Jesus, mestre tende compaixão de nós!' Jeshuá observou aquela cena e teve misericórdia deles, olhou no fundo de suas almas e viu estampado nele os sofrimentos de toda a raça humana no decorrer dos séculos, viu vidas despedaçadas pelas guerras, ódios, intolerâncias, viu sonhos varridos e a terra desagregada em todos os sentidos...

14. Então disse uma palavra que resumia o pronto atendimento de seu pedido: ' - Ide apresentar-vos aos sacerdotes.' E se foram conscientes que seriam atendidos. A palavra do mestre fora convincente. E pouco depois um arrepio e um estupor toma por completo os corpos daqueles seres privados da saúde de uma maneira atroz. 

15. A um suor frio deu-se lugar a uma sensação de alivio e bem estar, uma espécie de êxtase corporal e um estupor de alegria encheu aqueles corpos decaídos, até então apagados, sua células reconstituíram-se  como por encanto,olharam para si e para os outros, sorriram, rolaram no chão de alegria, estavam curados e poderiam doravante se integrarem ao convívio da sociedade, ter voz e vez.

16. Jeshuá, já deixara a cidade anônima,  cenário deste milagre estupendo, Ele caminhava mais depressa em sua última viagem terrena. Jerusalém, a cidade dos contrastes conceituais o aguardava para em breve aclamá-lo rei com palmas e ramos de oliveiras e depois, logo depois o crucificá-lo entre dois ladrões. Antes passaria pela agonia e vigília no Getsêmani, pela traição de Joudá Iskariotis, pela prisão e pela  negação de Pedro, antes cearia com os doze, lavaria seus pés, e instituiria a eucaristia... ' Quando tramavam sua banição completa num opróbrio sem fim, ele amigo certo arranjava um jeito de ficar conosco, ah! ah! ah!

17. Mas voltando ao fato anterior, um deles, samaritano ( conforme relata o médico sírio evangelista de nome Lucano ), voltou gritando de júbilo e proclamando o milagre da cura:' atirou-se aos pés de Jesus com o rosto por terra e agradeceu' O mestre dos imponderáveis a tudo notou, fitou-o com amor de pai e disse em tom interrogativo que guarda a lição perene da virtude da gratidão, que seria desconhecida naquele tempo,  e não seria exagero afirmar em todos os subsequentes...  ' ... Não foram dez os curados? ... Vai a tua fé te salvou...' 

18. Agradecer a um amigo uma palavra recebida, um apoio, uma ajuda, uma força, cai bem nas relações sociais. E quanto a cada dia a refletir! Agradecer a Deus tudo o que recebemos, o dom da vida, a saúde, a inteligência, o emprego, a família, uma atitude nobre d'alma e tão em desuso por uma sociedade auto suficiente e relativista.

19. O mais belo gesto de toda a história deu-se dias depois deste episódio mencionado acima da cura dos dez leprosos. Jesus Cristo o salvador subiu ao gólgota carregando uma cruz, flagelado, coroado de espinhos, foi crucificado impiedosamente e ao ser levantado no madeiro resgatou o gênero humano de sua dívida e fê-lo merecedor de sua herança eterna no seio de Abrãao.

20. 'Eis o Homem', sim o Homem Deus, o amigo de todas as horas, que nunca falha, nunca abandona, que está sempre propenso em nos salvar, ontem, hoje e sempre. O amigo que respeita o livre arbítrio, o anjo do grande conselho, mesmo estando com ele ' no limbo desta vida marvada ' a gente está no paraíso.' Tarde, muito tarde te encontrei, muito tarde te amei' já suspirava Agostinho de Hipona. Obrigado Senhor! Antes tarde do que nunca!

Helder Tadeu Chaia Alvim


Postar um comentário