quarta-feira, 16 de outubro de 2013

gosto de düplat assim...

                             

1. Quarta feira chuvosa esta primaveril, trânsito congestionado, cada um questionando usufruir de seu 'ego móvel', e não consegue, qualquer descuido e zap lá se vai o dia e vem os aborrecimentos... No entanto é boa a chuva, traz a promissão e limpa o ar de uma cidade que não para, muitas vezes corre sem objetivos definidos, parece que abandonou seu combustível das ideias a favor do petróleo e a fumaça tóxica.

2. A gente se vê enleado nela mesmo sem querer e se não houver um esforço de concentração acaba pensando à diesel, gastando compulsoriamente o cartão para ofuscar seus sonhos não realizados.No meu caso uma pintura recém concluída de cores misturadas...

3. Uma realidade 'commiphora mol mol', já provei deste amargo e de outros e confesso que senti na alma um gosto indefinido de mirra. Corri atrás de ilusões, e o meu vinho azedou em companhia nada a ver...

4. Quando você ama alguém, você entra inteiro neste sentimento esquisito e se não há por parte da amada uma ressonância favorável você se perde no lusco fusco destas avenidas de idas e vindas... e seu sonho mais sincero se vê partido em mil pedacinhos de sonhos minúsculos e sem chance de colar, pois suas cores se perderam no coração daquela mulher e não se formarão mais do jeito original idealizado pelo 'bestão' insone.

5.'Sansão, Adão, Lampião' já passaram por isso, e o estranho que a gente não aprende e daqui há pouco está correndo atrás de nova aventura sem lastro na veracidade daquele amor sincero, lhano, responsável que o coração de um simples poeta busca e busca sem cessar...

6. Idealiza demais em suas rimas o amor ideal, e a vida atual dos relacionamentos busca 'ficar', por ficar e o pé não se finca numa convivência saudável e positiva para ambos. A alta rotatividade imposta pelas telenovelas acaba na prática diária esvaziando o sentido exato da existência do amor total entre um homem e uma mulher.

7. Tudo termina cansando e a facilidade de 'aparecer' alguém vazio de sonho é um dois e tudo vai para o brejo das intenções escusas. Não lamento, conheço bem na pele o prejuízo mas não me cansarei de acreditar na sereia humana que vá um dia preencher a metade inteira de meu amor.

8. O gosto de maror vai passar, se vai, hein! Já passou outrora, viajei e voltei com outra visão menos murr, encetei outra ficha no amor exclusivo de uma bela dama que conheci em junho frio... mas mirei no espelho convexo e no reverso de sua miragem me enganei redondamente.

9. Do mar sem fim... ficou no ar um gosto indefinido de düplat, do tempo a ilusão, da lua a onda inatingível da visão, da vida, ora da vida a impressão fugaz que ela se manifestou para mim! Em um dia frio de junho assim...

10. O que fazer? 'Vou à luta que a vida é curta...!' já cantava o saudoso Tim Maia. No entanto a cautela chegou desta vez para ficar, e seria de tom bom esperar que a 'mariposa' certa rodeie sua 'lâmpada', ah! ah! ah! Aquela canção ficou, não posso me esquecer, não esqueceria nunca... ficou sim em forma de lição... Não se pode acorrentar o amor, ele em si tem asas e voa mesmo que seja para outros braços errantes...

11. Não existe azar ou sorte neste particular, lá na frente na curva do seu caminho vai surgir um outro junho frio e certamente quem vir, virá para desta vez ficar e ser e te fazer feliz!  Virá em forma de abdução...ah! ah!ah! e você depois deste encontro não será mais o mesmo! 

12. Aprendi a dura penas que nem sempre, mais para quase nunca, a realidade sonhada se sintoniza ao sonho realizado! Deixa quieto! 'Melhor assim...'


Helder Chaia Alvim
poeta minimalista
Postar um comentário