sexta-feira, 2 de agosto de 2013

aleivosia x alma perene...

a alma canta enquanto a matéria clama...

1. Eles esquecem, nos esquecemos muitas das vezes que somos mortais, nada ficará para a semente,a vida em si oferece as escolhas, envolvida que está entre o livre e solto arbítrio e o conhecimento onisciente e onipresente do Criador. Aí está sem dogmatizar uma palavra que aprendi hoje nas ruas soberanas da cidade de São Paulo enquanto descia a rua consolação e me recordava não sei porque das manifestações quando a juventude acorreu dinamicamente às ruas do Brasil para protestar contra a corrupção do governo e outras tantas aleivosias bem conhecidas da população.

2. ' Vi ' o poderoso, andei mais um trecho do caminho olhei para trás ele tinha se evaporado. A vida passa de repente como os ventos lá para as bandas do meu sertão iluminado, o tempo é uma sequencia do presente que vira passado e de um futuro que vira presente sucessivamente. O homem faz aqui uma tenda e queria vê-la, possuí-la para sempre se possível fora, mas o seu decesso é imprevisto e parte sem a hálito quente da alma.

3. Foi 'feliz ' por um instante, e sequer lembrou da sua última viagem, aquela derradeira sem alforje, sem o forte poder, sem os amigos da grana, sem as influências do mando e glamour. Tudo é um quase nada diante da eternidade que só em pensar dói a espinha da médula óssea.

4. Nesta casca de nozes que vivemos, sacudidos somos pelas incertezas da vida, pela natureza embravecida, pela maldade organizada pelo anjo decaído, inimigo de nossa felicidade perene da alma na visão beatífica do céu. Tudo se torna ínfimo e desproporcional se não se tem em vista o fim último a todos peculiar.

5. Vida de prova e mérito, sem querer transferir responsabilidades, sem querer os docs salvadores, todo o dia ganha-se ou perde o céu e vice versa e a batalha renhida é contra as potestades e dominações, e estes e estas que servem aos fins deletérios mais cedo ou mais tarde vão evaporar, pois a queda de braço é entre Deus e os emissários do mal.

6. Ou a terra é um celeiro do bem, mesmo material, do progresso da solidariedade, do calor humano, da probidade do bom senso, da busca ao bem comum maior, ou... ou... vai tornar-se o reino da corrupção, dos desmandos, das falcatruas e coisas mais...

Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário