quinta-feira, 13 de junho de 2013

O holocausto escatalógico dos pássaros...

1. A pensar na situação atual da res publica bar zileira das indefinições, sem  pejoração nenhuma, sou brasileiro e o que mais quero é a volta aos trilhos da locomotiva:  b r a s i l i d a d e! E tudo o que acontece de relevante preocupa  ou alegra o coração daquele que mede o tempo atual pelo passado de um presente com vistas ao futuro.

2. Muito se escreve, muito se fala, muito se deseja, pouco se age conforme a procedência exata do bem maior e comum a todos os brasileiros. Assistimos a decadência da política domestica em mensalidades de arrepiar o cabelo de Pedro II, Dr. Ruy Barbosa e o saudoso Tancredo Neves.

3. No terreno intelectual, cifras e mais cifras de teses são amontoadas na espera da exequibilidade e dicotomizadas sem antes conhecer a luz benfazeja das ruas de sua morada definitiva. Nas repartições publicas a morosidade espanta e atrapalha o fluxo de uma corrente salutar.

4. Verbas desperdiçadas em viagens, abocanhadas sem mais delongas, prolongamentos em filas de hospitais, saúde financeira fraca, carestia nos mercados, azaração nas passarelas top grades, falta de segurança, educação a desejar, transporte amontoando gente na tarifa que exorbita do bolso do cidadão.

5. Queria anotar uma notícia boa, deve existir ou vai nascer no mundo de amanhã pois este encosta num quase holocausto escatalogico dos pássaros humanos, num  país florido pelas matas, de biodiversidades, cultura de raízes esplendidas, povo cordato, hospitaleiro que guarda sabedoria de infância.

6. E hoje queda-se amuado ou põe-se a xingar e protestar em meio à orquestração política e desgoverno sem precedentes desde as capitanias hereditárias, colonia, império, republica velha e nova, abertura e fechadura, das  mensalidades  em curso, dos discursos empoados nas vésperas das eleições, cada um parlamentar querendo garantir uma fatia da mãe que venderam em propósitos escusos e alheio à compreensão do eleitor sincero.

7. É de se lamentar e indagar a que  propósitos isto tudo sirva? Posso garantir na minha mínima compreensão que a tudo menos ao Brasil Brasileiro e  a seus quase 200 milhões de filhos sem ação perante as bancadas instaladas nos poderes constituídos.

8. Em via de regra existem exceções heroicas, políticos conscientes, magistrados plugados nos interesses da nação rica de povo desgovernado, que farão a diferença quando as forças do verdadeiro bem se conjugarem e resolverem fazer um país de fato para todos sem discursos tolos.

9. Isto vai acontecer quando? Ou trata-se de mais uma prosopopeia do animismo para ilustrar páginas e mais páginas dos poetas propensos ao iluminismo de uma canção parnasiana? Quero dizer sem afirmar que o empirismo é viável no Brasil, dado o carácter altamente psicológico,político e religioso, três vertentes de  seu povo, que quando se ajuntarem numa ação prática vai revelar a alma progressista do bem comum.

10. Enquanto isso vamos tateando, xingando, protestando, sei lá mais o que que vai aparecer nas ruas dos boatos em efervescência. Enquanto isso as rãs nos laboratórios vão tramando  a destruição da alma desta nação alvissareira, intuídas  do que acabei de descrever, e imbuídas do veneno de Louda Skariótis não vão largar mão de impedir o voo coletivo dos pássaros rumo a plena consecução do mundo bom...

11. Voltando às favas contadas o brasileiro - nestas manifestações contra o aumento da tarifa do Bus em São Paulo - poderá incorrer num erro crasso de percurso confundindo em sua raiva secular  um ativismo que seria produtivo sem o vandalismo da propriedade pública ou privada, inaceitável!
Já bastam as depredações ao erário que precisam ser sanadas, pois entancadas se encontram e ameaçam o tecido da sociedade brasileira.
12. Uma fúria justa considerando os desvarios na condução da nação continente, plausíveis se não forem observados os direitos constitucionais das pessoas, bem público e particular, da ordem e decência nos protestos, considerando as mensalidades condenadas e não aplicadas, que AINDA não foram objetos de protestos desta envergadura social.

Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário