sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

fade e fauces.

1. '... O mundo a arrebata ( a calma ) ao passar e a este se amolda.' Santo Agostinho. Ah! o mundo, sempre o mundo visível com suas leis e proporções que ao abandonar a alma vive na busca gradual e  estonteante da imagem e do som para encher a sua  vista e ouvir o que ele quer ouvir e através do movimento esvaziado do transcendental constrói seus e nossos castelos de areia que ao menor sopro da garganta do mal é pulverizado em fragmentos difíceis de reconhecer...

2. O verdadeiro sentido da existência passa longe de sua porta, pois a ciência a grande responsável pela chave dos mistérios deixa-se manipular por pseudos investigadores, ensaístas especializados em fazer desaparecer a mão do Criador e suas evidências.

3. Seria tão simples revelar toda a extensão da verdade criadora e suas intrincadas e sábias leis. E num piscar de olhos exclamar: oh! Deus, sabedoria incriada, sua mão modelou do barro o homem , infundiu-lhe espírito, vontade e sensibilidade e quisera para ele in fieri o paraíso de delícias ao lado de sua companheira formada da costela de sua compleição.

4. A seu fiat apareceu astros, ventos, sóis e outros corpos celestes, a seu aceno a terra cobriu-se de vegetação, formou-se rios, montanhas e vales. No seu impulso a água separou-se da mesma terra e seu espírito iluminou todas as coisas.

5. Seu sorriso, oh! Deus revestiu o universo de segredos e belezas e deu ao homem in principio a inteligência  para dominar tudo na ordem que dispôs ao seu redor. Deu a ele a ciência infusa, a sabedoria, a bondade e a inocência primeva.

6. Não contente deu ao átomo o impulso, ao ar o poder de vida, as pedras a solidez, ao camelo a robustez, ao ser humano o pensamento, o sono, o sonho no repouso, a ousadia de construir o mundo bom das certezas empíricas, ao movimento a ausência de monotonia, as manhãs a graça e leveza da louçania, as tardes ensolaradas uma espécie de nostalgia para desejar o céu feliz da perenidade.

7. Infundiu nele as deliberações de sua mente criativa, as razões de sua existência, os desejos puros, as aspirações de uma realidade  perfeita e sem mancha alguma. A tudo, Deus criou e mantém na sua ordenação perfeita, o único que irá destoar, como veremos mais na frente, é o homem, criado à sua imagem e semelhança que vai claudicar, borrar esta mesma imagem e espalhará a tinta medonha do orgulho a sua volta.

8. É, foi assim desde o começo do mundo que 'o grande motor imóvel' ordenou aos caos que se afastasse e o mundo espelhasse a ordem da etérea felicidade. Traçou no coração do homem a ansiedade, fé-lo buscar nas nuvens seus sonhos, na terra sua morada passageira.Eis o plano da criação esboçado em traços gerais, visto agrada, e expõe a genialidade de quem sabia o que fazia e não poupou detalhes, não esqueceu os entalhes de sua precisão de cores, vida e profusão de tons maravilhosos.

9. Bem antes, o anjo decaiu levando consigo uma terça parte das miríades celestes. Aconteceu segundo a cronologia genesiana, a primeira e memorável  batalha da história quando o Arcanjo Miguel liderou a reação, expulsou os revoltosos para os lugares inferiores. Quebradas as ordenações, aquele que levava a luz passou a ser das trevas e do mal e os lugares vacantes seriam preenchidos pela raça da mulher bendita, a mãe do redentor: Maria Santíssima.

10. Pronto nem precisamos dizer acerca da inimizade eterna que se criou entre Ela e  a serpente; as bendições da Virgem e as maldições da boca  astuta da última. E o tempo passou, não o tempo de nossa acanhada medida terrena, mas o tempo real na mente de Deus: o tempo do merecimento!

11. Nossos primeiros pais prevaricaram ouvindo a música maviosa dos infernos e a sereia do mal os envolveu completamente propiciando-lhes a pior coisa do mundo: a expulsão imediata do paraíso de delícias.  A terra, depois da queda original começou a produzir abrolhos e espinhos e trouxe  um ar carregado da revolta, morte e  danação.

12. O Criador não esmoreceu, prometeu-lhes o Redentor e a reconquista do mundo bom. E o tempo passou, vieram as profecias, os patriarcas, o êxodo, o cativeiro da babilônia, o Egito e suas deportações, a travessia do deserto e o mar vermelho, Josué, Moisés... os Macabeus... E uma estrela brilhante apareceu aos reis magos anunciando o link fabuloso de uma Nova Era de luz para a humanidade.

13.E tudo se cumpriu, Jesus nasceu numa estrebaria por obra do Espírito Santo, uma Virgem concebeu  e gerou o Salvador, aquele Deus anunciado incessantemente e desejado ardentemente pelos profetas e patriarcas da antiga lei, que viria para ser a Grande Pedra de contradição, que iria crescer sob a tutela do justo José e na suavidade do amplexo da melhor de todas as Mães: a Santíssima Virgem Maria.

14. Sim o tempo o saudou o Anjo do Grande Conselho, o Pai dos séculos futuros; O Batista revestido do fogo precursor anunciou a nova terra às margens do lendário rio Jordão. E Ele, o Salvador, em graça e santidade pregou com amor o reino de Deus, fez milagres e prodígios que se fôssemos relatar em pormenores não acabariam mais segundo São João Evangelista.

15. E Ele foi entregue na mão dos malfeitores por aqueles que por ordem e direito deveriam revelá-lo as nações e povos da terra como o Messias prometido. Mas bafejados pelas fauces enganosas da serpente o crucificaram impiedosamente na cruz naquela sexta feira de trevas e dores ignominiosas.

16. A trama urdida nos bastidores da maldade não deu certo, a redenção se consumou, Jesus instituiu o batismo, a eucaristia, a sua Igreja a partir de Pedro. Ressuscitou ao terceiro dia vencendo a morte com uma rasteira fabulosa e abrindo de par em par as portas do céu. Assim foi e a jornada continuou facultando aos homens resgatados pelo seu sangue, a posse definitiva de seu reino sem fim...

17.- Nossa, o poeta das rimas soltas, amigo do sertão, aquele de camisa aberta ao peito, com jeito de interiorano,que atravessava as pinguelas nos aguaceiros de janeiro, que morava na casinha de pau a pique, que se admirava com as preás, que contemplava o entardecer das cigarras, a noite fechada dos vaga-lumes solidários, buscou agora  fundo a religião, soltou o verbo, alinhou versos, será que enlouqueceu? 

18.- Hum... meu amigo que me escuta atento se não fosse você não teria motivo e alento para expor sentidos sentimentos da fé que trago na origem do meu sertão iluminado, da monção sagrada que aprendi da mãe Geralda, de saudosa memória. Tudo é a mesma coisa pois está ligado à alma, e foi pois na calma deste texto despretensioso que deixei anotado o que se seguiu e que a inspiração mo permitiu.

19. A curva da história é agora, a estrada está ainda por se endireitar, o abismo, o caos moderno não conseguirão fazer sombras ao tempo soberano, pois Deus é sua claridade perene, as nuvens carregadas passarão e darão lugar a dias futuros de esperança e reconstrução, ainda neste vale que denominamos terra.

20. Temos em mente ao finalizar as palavras de Santo Agostinho: '... Tão pouco julga, o homem espiritual, os povos inquietos do mundo. De fato que julgaria ele os que estão fora, ignorando a doçura de tua graça, ó Senhor, e quem porventura permanecerá na eterna  amargura da impiedade.'

21. Amigo que considero irmão, desejo-lhe um ano bom repleto de novas cores, de muita paz, e que a poesia divina o acompanhe durante todo o percurso da travessia dos 365 dias vindouros.

Helder Tadeu Chaia Alvim

Postar um comentário