terça-feira, 30 de outubro de 2012

O tempo do tempo...

                                      O tempo do tempo...

1. Estas rimas estão à serviço do melhor de todos os amigos que existe, ele é sábio, poço de todas as sabedorias do mundo, ele é corajoso, mais forte que todos os leões das selvas bravias, é mais luminoso que todos os astros lacteanos. Ele é veraz, confiável, bom, humano e divino. Ele se chama Jesus, o filho puríssimo de uma virgem, o Deus humanado por amor de nós homens, que caminhou sobre as águas do Tiberíades, amainou ventos e tempestades, curou cegos e leprosos, ressuscitou Lazaro. O senhor do tempo presente, passado e futuro, o anjo do grande conselho.

2.  Ele criou o tempo, que a seu tempo julga as ações humanas e o fio de seus cabelos, o tempo que vê passar as várias eras da humanidade, umas adoidadas, outras de luz, as de convulsões  e perigos mundiais, as de catástrofes climáticas, de ciclone e inundações, as eras estranhas sob estranhos signos, até o consumar do último sopro de vida na face da terra.

3. O tempo, melhor que ninguém serve pontualmente a este meu amigo de nome Jesus, que veio ao mundo para servir-nos água cristalina da verdade, do amor e do perdão sem limites, isentos de insalubridade. Ele, o tempo, bom ecônomo  impulsionou a era antiga, a moderna, a nióbica e as seguintes que hão de vir. 

4. Jesus, a sabedoria incriada, luz da luz, gerado não criado, consubstancial ao pai, outorgou  ao tempo a missão de exaltar os pequenos, confundir os soberbos e equacionar o movimento com justiça. O tempo cônscio de suas responsabilidades emite constantes sinais, sons misteriosos, fala ao silêncio, comove as almas contemplativas, e encaminha as assertivas de Deus para a plena consecução de seus desígnios sem interferir no livre arbítrio das criaturas.

5. O anjo do grande conselho segundo o símbolo de Nicéia:  é o criador do céu e da terra, um só Deus, pai todo poderoso, criador das coisas visíveis e invisíveis e cujo reino não terá fim... Por isso a beleza de tudo quanto existe, por isso a inteligência humana superando limites e dominando os átomos e elementos.


6. Por isso a razão de existir o momento ao qual nomeamos tempo, por isso também a explicação do homem viver na indefinição fugaz, pois a eternidade é algo para o qual foi criado e somente irá descansar nos braços do melhor de todos os amigos, que por sinal é o nosso Deus! E  o  tempo  segundo  o  ensinamento  de Santo Agostinho de Hipona tem sede, '... não de fantasias, mas da própria verdade.'


Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário