terça-feira, 21 de agosto de 2012

tecnologia e fé - intenções salvíficas parte II

1. É neste contexto que me abalei para escrever algo e realçar na postagem anterior de Íris - que quanto mais o mundo se afasta da Mãe de doçura, menos pacífico se torna, em mais agressivo se transforma, menos compassivo, mais numérico e cifrado, menos dócil, mais cruel e contundente até com os animais, vegetais, os seres inanimados e o eco sistema.

2. Protagonizam revoluções, descaminhos. ambições, riqueza e poder na sede insaciável de mando, prazer e afirmações pessoais acima do bem comum. Mandam para o espaço o senso crítico, se endeusam indefinidamente e parecem não querer apear de suas opiniões e fórmulas pré definidas. Foi assim no antigo tempo das babéis colossais, com o imperio de Artaxerxes, Dario, Alexandre e Nabucodonosor, com Roma altiva dos Césares, na Grecia, Troia, Cartago.Na época de Bonaparte, Danton, Lenin, Hitler, caudilhos que quase incendiaram o mundo.

3. Aquele que comanda os ventos e as tempestades veio à Terra livrar o homem da escravidão peçonhenta e soprar um novo tempo para a humanidade. Escolheu sua mãe, a livrou na sua concepção da nódoa do pecado original.Veio o tempo determinado e Ele nasceu em Belém, modificou o mundo com doze rudes homens, entre os quais pescadores do quilate de Pedro e André. Pregou, fustigou a maldade, foi crucificado, venceu a morte, ressuscitou, ascendeu aos céus e mudou com sua Igreja o curso da história in aeternuum.Portanto está em aberto a parusia de um novo tempo que plasme na terra o ideal que reina no paraiso.

4. Maria, a mãe de todas as alegrias, de todas as dores por onde sua presença é sentida  faz o ambiente  melhor, mais puro, cristalino, verdadeiro, pois o seu sim para Deus foi autêntico e Ele a cumulou de graças, poder,  bondade, misericordia, força e exatidão ao longo da história que ninguém pode negar e sortudo será quem Ela conforta principalmente quando a figura deste mundo passar. Mesmo que tentem disfarçar sua presença, aparece de quando em quando na mensagem, nos avisos de seu sorriso profético.

5. Maria, o novo Éden de Deus, não quebrou a aliança, contemplativa, jardim fechado onde transborda toda a felicidade, mais clara que a  aurora, mais brilhante que o sol, mais suave que a lua, mais terrivel que um exército em ordem de batalha. 

6. É nesta lucidez que o mundo tergiverso deve se apoiar doravante se quiser sair deste imenso sufoco que se engalfinhou sistematicamente. Ela é a saida honrosa, a luz diáfana que não ferirá nossos olhos cansados e desesperançados, em meio à crises, conflitos e turbulências da hora atual. A paz universal, a calma ponderada só advirá através de seu olhar transparente, na melodia de seu canto eterno: Magnificat anima mea dominum...

7. A transparência global, a sustentação do planeta passarão necessariamente pelo seu olhar contemplativo. Ela cuidadosa cuidou, acalentou um Deus- Menino, fonte da sabedoria saberá dispensar harmonia e equilibrio à alma quebrada deste mundo quântico.

8. Esta busca incessante do homem contemporâneo pela tecnologia sem limites tenta disfarçar uma outra realidade, a morte e a finitude humana, como se a mesma tecnologia  e os elementos não fossem parte integrante da criação, engrenagens poderosas a serviço do Grande Arquiteto que a mancheia, na arte de sua poesia indizível traduziu em atos, astros, terra, oceanos, na simetria perfeita da ordem estabelecida nas primicias do tempo.

9. A grande sacada do ser chamado homem seria viver em harmonia perfeita com a criação e seu autor, que não patenteou nada apenas amou tudo e dispôs princípios de sabedoria em cada particula saida de suas mãos geniais. E dado isto a incognita ainda está por vir e quando chegar no sopro do Espirito de fogo será a Era de Maria, sem mais nem menos.

10. - Mas poeta mínimo, das tardes ensolaradas da augusta paulistana, que tempo é esse de que tanto fala? - Meu caro, qual o chefe de familia que não quer ordem debaixo de seu teto, por mais modesto que seja! O mundo e todas as maravilhas que abarca é a casa de Deus e a harmonia que emana de sua criação, proveniente de sua Trindade Santa, teve um alto preço no cômputo da Redenção. É lógico inferir que o tempo que virá será pleno de sua voluntas, a mesma que segue em curso desde todo o sempre na visão beatífica do céu.

11. Inserida nesta realidade transcendental encontra-se por direito, Maria, a flor Imaculada de Jessé, aquela Virgem Santa que deu a luz ao Sol de Justiça e destinada mais uma vez a gerir ainda nesta terra os designios plenos Dele em toda a extensão do verbo.

12. - Mas quando isto sói acontecer? - A medida de um Deus não é mensuravel pela mente humana, nossa estatura está muito aquém de sua realidade intrinseca. Por mais que queiram, os idealizadores da 'ordem' social vigente não conseguirão com seus nióbios quânticos, meros elementos participativos do universo em expansão, alcançar a partícula de Deus.

13. Se o universo se expande nos limites de sua grandeza cósmica, o Ser supremo idealizador e mantenedor no momento dele saberá revelar suas intenções salvificas parte II e Maria estará presente na evolução maravilhosa da terra totalmente restaurada em Cristo. A vontade de Deus ainda não se realizou inteiramente é o que podemos afirmar de relance contemplando os séculos passados, o presente. Ele tem uma aliada que não podemos desdenhar: a fôrça da natureza, quando embravecida, sai de perto!

14. Conjecturas, análises, afirmações, seja lá o que for carrego a convicção baseado na fé, na historia, e nos acontecimentos atuais. E digo mais vai acontecer sim quando o homem, matéria efemera, deixar de querer ser rei, quando o rei deixar de querer ser deus, então somente então com a terra purificada, exorcisada, Deus verdadeiro e justo virá habitar novamente entre eles por meio da medianeira universal de todas as graças: Maria.
15. - Nossa poeta, que papo estranho em que você se enveredou! Você está bem? Está precisando conversar? - Humm! Obrigado amigo pela preocupação. Este papo é estranho mesmo, mas é real, como foi real Hiroshima, o Tsunami, o Holocausto horrível. Não há como fugir do prelo, se correr para o mato a onça tá lá, se subir o morro o touro tá de prontidão afiando os chifres, se pular no mar tem tubarão, é questão de tempo. E serão dias tristes de depuração pois do jeito que andam as coisas, a maldade estatelada não dará pé encaixar um tempo novo, pois o vinho depositado no odre de má qualidade azedará toda a substância alterando-lhe o sabor.

16. Ademais o Reitor do mundo é exigente no seu paladar e toma todo o cuidado para a taça de cristal não se quebrar. Já deu para perceber  pela grandeza de sua criação, pelas particularidades de suas criaturas. O contraste de um e outro mundo será colossal. Antes muito terá que ser feito, começando por derreter os canhões para tranformá-los em sinos, depois lavar bem as mãos para a colheita das rosas que perfumarão doravante uma era  em que o sorriso de Íris dominará suavemente as nações.

17. Ao olhar o panorama atual carregado de miasmas e noticias ruins, vemos que tem-se muito o que fazer, a tela encontra-se borrada pela insensatez dos economos displicentes e ressente de restauração urgente. Risos altos se ouvem nas madrugadas vazias de sentido, caçoadas de tantos e tantas contra a religião e a virgem santa. Opressão das inocentes crianças, degradação dos jovens, ambição dos adultos, descrença dos mais avantajados em anos. Uma névoa de fumaça asfixiante cobre a terra de ponta a ponta. E os homens dormem sem terem acreditado na sua corporeidade inata, sem abraçar seu irmão, sem minorar as dores daqueles que sofrem na inanição, sem suplicar: Salve-nos Mãe de Misericordia, vida, doçura, esperança nossa, salve!

18. Bom, o capítulo seguinte não é para o bico deste rélez poeta, que não vive como deveria, que acaba de esboçar estas impressões de uma noite de inverno sem frio na São Paulo que ama demais. Um outro capítulo, inteiramente de certezas pertence aos anjos arcanos, a eles foi destinado a missão de reescrever a história humana a partir do reinado da Mãe de todas as possibilidades, de todas as clemências, de todas as auroras, de todos os dias,anos, séculos e da eternidade sem fim!

Abraços de união,
Helder Chaia Alvim
Poeta mínimo






Postar um comentário