sexta-feira, 15 de junho de 2012

O mais belo sorriso de todos os tempos...

1. O mais belo gesto da história humana, não foi encetado por ambição, honra e poder, muito menos pelas conquistas homéricas, pelas guerras púnicas, pelo denodo de tróia ou esparta, nem mesmo pela expansão marítima tendo em vistas o novo mundo.

2. A grandeza de uma ação se mede pelo seu fim último,e as circunstâncias que a envolve são meras roupagens de sua essência em si e quanto mais meritória mais se pode medir pela sua duração através dos tempos. Em se tratando da redenção do gênero humano, a sua grandeza toca as raias do mistério e da fé e da continuidade perene.

3. Para cumprir os planos de Deus e reparar a  honra ultrajada desferida pela chaga do pecado original, Deus filho se propôs a vir à terra, nascer de uma virgem, viver e privar com os homens seus momentos de pura felicidade, dialogar com os pecadores, levá-los à boa ação, polemizar com os fariseus, enfrentar o império robusto dos césares, enfim, ajuntar seguidores e fazer deles, pedras brutas, outros filhos zelosos de Abrãao, depois num gesto supremo de amor, subir o gólgota, expiar os erros dos homens e recolocá-los novamente na condição de herdeiros do céu e das carícias sem fim da visão beatífica, perdida pelos anjos decaídos.

4. 'Estando para ser entregue - relata os evangelhos  - Ele abraçou livremente a paixão...' Depois os acontecimentos se atropelaram aparentemente, reuniu os 12 escolhidos para as últimas recomendações da ceia santa, lavou seus pés, instituiu o sacramento do amor - tudo com peso medido e majestade divina, finura e percepção da realidade cruenta que ia estourar nos dias subsequentes. Encarou tudo com abnegação e um homem iria morrer pela salvação de todos.

5. Recebeu com tranquilidade a negação de Pedro, o ósculo horrendo do traidor Iscariotes, agradeceu o carinho das santas mulheres, o apoio do Cirineu e ainda de quebra perdoou Dimas, ladrão confesso e arrepemdido que o acompanharia ao paraiso de alegrias. Depois de uma crucifixão que atingiu o ápice sangrento de todas as dores que um ser humano pode suportar, consumou a obra salvífica, quando Longino, centurião atravessou seu coração sagrado, fazendo jorrar água e sangue.

6. Terminara o ciclo das dores, começava o ciclo da poesia divina, simbolicamente e de fato tudo estava consumado, a divina harmonia doravante seria fato e as portas eternas estariam à disposição de todos aqueles sem exceção que cressem nele, praticassem o mandamento do amor.

7. O mais belo gesto da história fora realizado, em circunstâncias adversas mas triunfara com a ressurreição do Cristo compassivo e glorioso, e este coração iria através dos séculos se afirmar como caminho, verdade e vida, gerado pela Virgem puríssima, amamentado pela mãe amantíssima, acalentado pela mater dolorosa até seu último suspiro.

8. Então o mais belo gesto, movido pelo ouro do puro Amor, pelo fogo do Paráclito, pela Justiça do Trono, se concretizou a favor da raça humana e foi o marco inicial de um novo tempo, o tempo das únicas certezas certas que pairam sobre a terra  e as liga ao reino do outro mundo, objeto de encômio dos santos e seguidores de Jesus Cristo, que se esforçam em vida para que o mundo se assemelhe ao mais belo sorriso de todos os tempos, o sorriso de um Deus humanado.

Helder Tadeu Chaia Alvim


Postar um comentário