quarta-feira, 6 de junho de 2012

fora do eixo

1. Hoje voltei a escrever, descrever algo sentido querendo que a realidade que nos cerca no planeta terra fôsse outra, que não houvesse crianças nuas, dormindo no chão das ruas, de barrigas vazias, faltosas do aconchego de lares quentes, que a violência não existisse, que houvesse oportunidades para todos, pão e esperanças e que os discursos vazios e tolos desaparecessem completamente e o mundo bom fôsse viável, tanto quanto o mestre da paz objetivou na noite de natal aos homens de boa vontade e coração fraterno.

2. Mas o princípio do mal impera, caçoando das almas terrenas, empalidecendo as aspirações eternas, desapercebendo nelas o abismo da danação eterna. Tudo prático, tudo fácil, tudo emaranhado, nada explicado e vamos que vamos vivendo sem viver da seiva que importa, assistindo do barranco a derrota do ser a favor do ter. Haja espaço, glamour, passarelas se a guela do mundo está seca de aspirações mais elevadas e da sacada dos tempos Deus aguarda a hora do acorde final!

3. De um assunto pulo para o outro, afoito de tantas notícias ruins que locupletam a mídia e a cabeça pensante que guarda vislumbres da sanidade e reservas de bom senso. E o brasilzão com mais de 122 anos de República ainda engatinha sem saber aonde pretende chegar e nem se prepara para os grandes desafios desta era dos nióbios quânticos da nano tecnologia.

4. Éh, meus amigos que partilham comigo saudades de um tempo que foi diferente, incipiente mas que fazia sentido viver, de um Monarca que ia pessoalmente às escolas, controlava com mão "sovina" os gastos públicos, que incentivava os poetas e a arte. Proclamada a república, no chão canarinho desfilaram 36 presidentes, incluindo a atual  presidenta Dilma Houssef. Por aqui tivemos crises de gabinete, revezamento combinado do poder, golpes de estado, suicídio, renuncias, impeachment, republica nova e velha, muito café com leite servido aos mandatários empoados de mando, muitas tratativas alheias ao bem geral, sem falar da sôfrega política sesmarista e corrupta que sabemos ser a ferida desta pátria, amada por quase duzentos milhões de filhos.

5. In fiere alijaram do trono Pedro II e o sonho de continuidade de um parlamentarismo equânime morreu com o seu degredo forçado. E à partir do Marechal Deodoro - que era amigo do imperador - começaram a traçar outro destino, quiçá desencontrado para o nosso querido Brasil. E foram tantos atos institucionais, assistencialismos sem hora de terminar, demagogias e realizações não acabadas, permeadas de senões que o país não imergiu em uma bancarota porque além de ser continental tem um povo de tempera forte e arrojada que trabalha até dormindo e sonha até acordado.

6. E a condução de  nossa história foi passando de mãos em mãos, em acordos, desacordos, conchavos e negociatas até chegarmos aos dias atuais carregados de preocupações para uns, de solidão para outros e de consumo para aqueles que põem fé na grandeza fátua de um automóvel, de um passeio ao Shopping e nada mais.

7. E sem direção ideológica desembarcamos nos dias atuais sem saber para onde vamos, de onde viemos e porque nascemos neste solo rico de gente pobre e cordata chamado Brasil com 36 presidentes, 36 marcas diferentes de pensar e agir o Brasil, 36 mãos de interesses conflitantes ao longo deste 122 anos de República, de aberrações políticas, corrupção do ótimo em péssimo manchando o verde de nossa bandeira, o azul de nosso céu, o dourado de nossas riquezas naturais,e o calor da alma de seu povo de bom carácter.

8. Nesses 122 anos não houve um dia sequer que o Brasil anoitecesse e não amanhecesse com uma política instável, com suas assembleias se digradiando por interesses alheios à causa da maioria. Tanto que hoje estamos de cpis em cpis, uma verdadeira dança apavorante da guilhotina à francesa em solo brasileiro. Um investiga o outro que fala do outro que não viu nada e nem ouviu bulufas...

9. A cultura encolheu, a violência se alastrou e não escolhe lugar para explodir, ninguém encontra-se seguro nestes três brasis confusos: o da política, o da realidade e o do coração daqueles que são verdadeiramente patriotas. Onde vamos chegar? Alguém arrisca um juìzo? Eu não!

10. Uffa! Bom a Vivo inovou em Sampa com seus orelhões de bela vista - se vão funcionar veremos!!! Se os vândalos se conscientizarem a tempo terão arte longa eu creio. A Ypioca trará o selo de sua majestade Britânica, a Azul e a Trip se fundiram nos céus do Cruzeiro do Sul. A Síria continua o seu massacre, o terremoto na Itália é um fato triste. A Internet e seu perigo virtual da maldita pedofilia assombra os pais das crianças brasileiras indefesas. A rede  conta com mais de 80 milhões de internautas, segundo pesquisa recente. Ah! o grande resgate do cão Zeca se deu...Também tem táxi elétrico silencioso rodando na capital bandeirante barulhenta. A crise do Euro e seus desdobramentos abrangentes e o site do governo Inglês informando os gastos com os impostos recolhidos de seus súditos, hein!

11. Para ilustrar a realidade sonsa que nos envolve trago hoje um texto extraído da Gazeta de Pinheiros Ano 56 nº 2963 à página 2, secção opiniâo. Fala quando a sociedade está perdida na voz autorizada da filósofa russo-americana Ayn Rand, ouçamo-la: " Quando você perceber que, para produzir , precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influências, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você, quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto sacrificio; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada."

Helder Tadeu Chaia Alvim


Postar um comentário