sexta-feira, 30 de março de 2012

atipismo degenerativo da mentira

ATIPISMO DEGENERATIVO DA MENTIRA

1. Encruzilhadas, sempre as tivemos, lutas diárias pela sobrevivência neste planeta tão abastado de riquezas para uns, que merecidamente conseguiram, tão escrachado para outros que amealharam fortunas nas manobras escusas da política liberal, tão medonha para a maioria do ser humano que come o pão que o próprio homem amassou sem colocar fermento, sim senhor.

2. Encruzilhadas do eco sistema, labirintos da política mal direcionada, tanto internacional, quanto doméstica. Dos calabouços pós modernos emergem caudilhos pedindo arrego à maior autoridade espiritual do planeta. Pasmem, se quiserem, eu não!

3. Não dá para entender o movimento, é complexo, é contraditório, mas carrega consigo uma continuidade de ações centenárias que desembocam neste tempo pós tudo, que angariou o nada estatelado e pousa para a platéia de bom moço.

4. Temos avanços tecnológicos chegando a cada dia em forma de bens de consumo, temos aplicativos de ponta, smarphones, tablets, nootebooks finíssimo e potente, tem empresas brasileiras no ranking das melhores do mundo.Tem milhões de celulares nas mãos de todos que daria para cada habitante e ainda sobejaria aparelhos.

5. Tem o lado oposto da nota real, a política corrupta e assistencialista até a medula da alma, sem a alma do povo brasileiro; magistrados que não magistram a favor da inocência de meninas estrupadas por um facínora absolvido. Perdeu-se o juízo, a decência, a noção de certo e errado e por pouco Deus não aperta o botão do delete final para o Brasil, outrora da Cruz Salvífica, agora do judas da perdição.

6. Licitações públicas ilícitas e ninguém sabia de nada. O orgulho de Airton Senna pela\ bandeira canarinha infelizmente foi-se com ele; Sr. Abílio Diniz, Dr. Antonio Ermírio, dois grandes patriotas, devem estar preocupados , baseado em sua ótica de vida, ao ver  horrores, prejuízos, falta de siso dos detentores do poder legitimamente constituido  que não fazem fôrça pelo povo brasileiro para a felicidade do novo e progresso autêntico de todos.

7. Precisei ficar velho, calejado, 'traido, mas não ridículo' para finalmente entender porque mataram Tiradentes, exilaram Pedro II, causaram a lei petrea, quiseram a república e avançaram no erário público com a fome de mil noites em jejum. Não quiseram o parlamentarismo e muito menos o voto distrital, optaram pelo curral eleitoreiro das famosas sestas de serviços sociais...

8. Muitas vezes o poeta que rabisca versos da constatação, quereria outras rimas, outros colos bulcólicos, não leiam alcóolicos por favor, outras paragens líricas, no entanto se vê embrenhado nos labirintos de loucos calabouços, nas peias de noticias tristes, com a violência de dedo em riste zoando de todos, e de mãos dadas com a impunidade, coisa de louco.

9. O gosto amargo de duplat vem à sua saliva quando meio acordado, meio dormindo, ébrio de loucura sã percebe aqui no chão doméstico e lá fora as ameaças homéricas e numéricas do caos em ebulição.Haja fala. haja canto, haja poema, haja desilusão, haja reza e o pesadelo continua apegado, o dilema pesado debochando dos homens de bem.

10. Assistimos a evolução do tudo, da definição nióbica lediana, e o nada do calor humano derretido e frio, sem forças para gritar socorro, sem argumentos para abafar o caos institucionalizado. Os que desistiram de lutar vão correndo para casa, buzinando no trânsito para chegar à tempo de assistir à novela das oito...

11. A trama, 'Fina Estampa' terminou, holofotizada e a vida continua bem diferente da telinha mágica, com ibope baixo, ela olha no espelho de seu closet, e sem maquiagem exclama: o que restou de mim!!! Não muita coisa, um apartamento de cobertura, um carro na garagem, uma aposentadoria módica, enquanto lá fora gente mata, engana, estrupa, corrompe, joga bombas nos Montes Nuba, persegue na Síria total. Lá dentro das fábulas brasileiras temos o carnaval do erário público, etc e tal sem tau. Gente acima de toda suspeita aparece nos jornais com posições nas antipodas da ética e do decoro parlamentar.

12. Dá vontade de ser um Pereirinha da vida e encontrar um buraco negro para emergir décadas depois lá pelo ano de 2022, no mínimo. Uma notícia positiva da casa olhada: o jeito interiorano e simples venceu a disputa, deixando para trás o glamour, as belas donzelas e a casuìstica intrincada dos demais. Fael arrebanhou o prêmio milionário do último Big Brother Brasil, e o público demonstrou que sabe o que quer!!!

13. Chico Anysio partiu e ficamos sem a sua crítica social fundamentada e humorizada, que arrancou durante décadas risos francos  de seus milhões de telespectadores. Millôr seguiu viagem e deixou orfãos aquelas pessoas que encontravam na sua arte a válvula de escape para suportar as agruras da politica nossa nos impostos e de benesses sem fim para os políticos, muitos dos quais, 'coitados' só ganham 'dezesseis mil reais' por mês.

> O Brasil tem saudades de Raul Seixas ' de seus quatro mil cruzeiros por mês e seu corcel 73...'

14. Enfim o 1º da abril  amanheceu e muita gente se esqueceu de "pregar alguma mentira ao amigo". É  que perdeu a graça tudo que  é demais enjoa, e o panorama nacional é campeão delas em todos os setores da sociedade. Estamos charfurdados num mar de inverdades que dá náuseas profundas só em pensar.

15. Não fora o tentador que mentira para Cristo, prometendo-lhe  após seu jejum de quarenta dias no deserto, mundos e fundos? Foi a maior mentira da história... De lá para cá outros discípulos do mal também articulam suas teses, também potencializam em atos, mentiras crassas e desavergonhadas que seria longo enumerá-las todas e você, amigo que considero mentor, não suportaria tamanhas desfaçatezes.

16. Se aqui fosse a América prática e substanciosa, estaríamos no tão sonhado primeiro mundo. A verdade cristalina que brotou do lado aberto do Senhor por excelência das Dores Salvíficas estaria intermediando os corações e protegendo as leis e constituição e a liberdade seria de fato e direito um patrimônio nacional de sumido valor e a vida seria bem diferente, sem máscaras e maquiagens indecentes.

Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário