segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A noção do tempo e o oled futuro

1. Ramsés (1279 a.C), Alexandre ( 356 a.C), Cleópatra ( 69 a.C), César ( 44 a. C), distam uns bons milênios, sem precisar ao certo, do nosso e nada mudou exatamente, a não ser a forma, a geografia, os costumes, mas as ambições humanas continuam as mesmas na sua inversão própria.

2. É verdade que temos o BlackBerry criptografado e as vantagens da onda on line, a comunicação em tempo real, o controle maciço das informações, o cadastro macro. No entanto os segredos das pirâmides, das esfinges, até hoje falam por si e deixam  extasiados os egiptólogos dos vários estágios de escavações.

3. O império romano alcançou seu apogeu e abrangeu o mundo todo ao passo de suas milicias invencíveis, subjugou a ferro e fogo povos e nações, a cultura egípcia permaneceu nos seus hierógrifos e mais tarde fora decifrada, e ao decorrer dos séculos suaa riquezas escavadas e pilhadas categoricamente e tudo o mais.

4. Isto tudo para dizer que os reinos nascem, tornam-se hegemônicos, alcançam poder e glória e depois em determinado momento decaem desfazendo-se ao sopro do tempo soberano, que apaga memórias e feitos grandiosos, mesmo odiosos.

5. É curioso notar que o arcabouço psicológico permanece o mesmo, invariavelmente o mesmo: mando, expansão. Hoje, depois de percorrido muito chão, ar e mar a terra encontra-se redesenhada, de aparência  diferente, redefenida a partir da descoberta dos elementos de silicio, nióbios quantificados e uma gama de irmãos olediados, e muitos surgirão até que se anuncie a consumação final.

6. Na velocidade que vai, os conhecidos e manipulados serão ultrapassados por outros e outros, e o crescei e multiplicai se tornará em poucas décadas adiante ato puro de uma matéria expandida, haja vista  a pesquisa avançada, em curso.

7. Não é discurso vazio, apenas constatações , com a ressalva se o planeta suportar as intervenções, que é palco, as mudanças climáticas, as poluições desastrosas do meio ambiente e a carência de uma política sustentável a nível  planetário.

8. E o gostinho de supremacia, ora incubada, ora estatelada persiste na mente de muitos detentores dos destinos, na eterna azáfama de viver, ter , possuir e fazer prevalecer suas vontades. Mesmo que o movimento sideral continue seguindo o seu curso de sabedoria, o homem teima em transformar seu chão num tubo de ensaio, onde gravitam seus ódios, intolerâncias, tendências e ambições desmedidas.

9. Sem dúvida que estariamos mais avançados tecnologicamente, mais harmonizados, mais sensatos , se a nossa alma desde o começo estivesse em sintonia com seu Criador, fôsse clarividente ao ponto de perceber, que em meio  a esta fila ininterrupta de feitos e ações, a sensação de abandono e pequenez nos acompanha nesta vida passageira e o espírito necessita da claridade de Deus.

10. Com isso uma travessia segura, uma vivência consoante com nosso destino final  nos será assegurada. O mais é especulação, é movimento desnecessário e todo este monumental avanço pode dar em nada, pode evaporar-se se não acompanha  a alma de outros sonhos.

11. Ao fim que nos aguarda, ou guardamos nosso coração para Deus como o justo Abel, ou caimos igual a Caim, sujeitos à danação eterna. O genero humano desde o começo de sua jornada. mesmo com as mutações seculares, com os benéficos avanços e conquistas da ciência, mesmo com o atual  advento poderoso da internet, sempre, dado o livre arbítrio terá que fazer sua escolha, posicionada entre dois amores o que o eleva e o outro que  o rebaixa.

12. Não há outra conversa, a não ser essa que ora encetamos, no caminhar nebuloso e fátuo da existência ou acumulamos recompensas no banco espiritual ou ficamos à deriva, no sereno, sem o hálito quente do Deus clemente, mesmo usufruindo com estamos da era Ligth Emitting Diode...

Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário