sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Amarás...

amarás...
1. Todos os desvios na vida pública no que tangem às verbas, superfaturas, favorecimentos, privilégios,etcetera e tais tem em seu nascedouro, uns antigos, outros médios, os recentes: no afastamento de Deus, criador por excelência e autor supremo dos dez mandamentos promulgados no Sinai e amplamente codificado pelo patriarca Moisés por volta do ano 1242 a.C

2. Moisés nasceu no Egito, foi educado pela filha do Faraó, depois da travessia do mar vermelho organizou politicamente o povo hebreu. Guia espiritual experimentado, profeta e legislador, sabia o que estava fazendo e entendia bem as questões sociais, as relações de seu povo com Javé, entre si, com os outros povos e foi o grande organizador e fundador do reino de Israel.

2. Muito fácil se torna falar de fatos conhecidos e notórios, dos deslizes de políticos sem noção do bem comum, de empáfia, manha e surrupios de granas homéricas. Sem citar nomes, não é o feitio deste 365 dias de poemas criticar, não pactuando com as atividades espúrias de alguns dignitários políticos pois entende que o ser humano é passível de mudanças, quaisquer que sejam os seus erros haverá a possibilidade de sua conversão.

3. Filho pródigo, Deus aguarda-o para o perdão e penitência. Por acaso não trouxe para seu redil Saulo - o grande apóstolo dos gentios? - Não perdoou Pedro - a pedra que edificaria sua Igreja - de uma trípice e vergonhosa negação. E Maria de Magdala não abandonou uma vida dissoluta e se tornou grande seguidora do Mestre?

4. E Agostinho de uma vida dissoluta e de erros filosóficos, pelos rogos de sua mãe Mônica se tornou um grande santo da patristica. Outros não quiseram a mesma sorte, é o caso Judas Iscariotes - igualmente amado, guindado à honraria de Apóstolo, escolhido pelo próprio Cristo e que se vendeu por 30 moedas de prata, traiu e entregou o seu adorado mestre.

5. E Zaqueu, não foi ele que devolveu o dinheiro desviado do erário público, não foi ele que na sua avareza peculiar pesava a vida de seu povo com impostos exorbitantes, e depois veio a mudança, a partir do contato com Jesus de Nazaré.

6.'O que vai mal no mundo'? Perguntava-se Chesterton, e respondia: 'Eu mesmo!' Portanto, o grande retorno da humanidade às intenções primevas do criador devem necessariamente passar pelo decálogo e pela nova aliança salvífica de Cristo do gólgota redentor:'Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado."

7. A graça pressupõe a natureza, Jesus ao assumi-la deixou bem claro que a integridade, a justiça e a generosidade são partes integrantes e atuantes da vida humana e o reino de Deus se baseia em seu exercício diário e constante.

8.Três virtudes, três fôrças irmanadas que praticadas convenientemente farão a diferença na sociedade.Quem é justo dá valor ao que deve ser dado e julga com equidade, íntegro não se deixa corromper e nem corrompe, generoso vai de encontro às necessidades do semelhante sem auferir vantagens políticas, sem querer reconhecimento e louvor em troca.

9. O convite do amigo Jesus, Deus e Mestre continua atual e premente na era instantânea em que vivemos, um chamado simples e calmo que bem entendido nos fará outros cristos de doçura e misericordia para com os irmãos e nos garantirá um lugar de felicidade para alma na vida que há de vir...

10. E na memória hipertimésica do senhor do tempo nada passará despercebido, e haverá muitas ponderações a respeito de todas as ações...

Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário