sábado, 19 de novembro de 2011

copiar ou originar ?

1. Público diferente este para o qual escrevo, tenho ciência disto e me alegro sobremaneira. Acho uma das vantagens da avançada era virtual, indispensável, esta liberdade de expressão que varre o mundo online para o bem. Constantemente tenho acompanhado a Avaaz na sua luta planetária a favor dos direitos humanos, coisa que a uma década atrás seria impossível acontecer.

2. A turma está antenada nos grandes problemas hodiernos e pressionam em conjunto os dirigentes das nações a se posicionarem corretamente em face dos fatos, ações e acontecimentos que afetam a harmonia universal e a concórdia de todos os povos. Trabalho extremamente difícil, pois acumulamos vícios e distorções ao longo de séculos direcionados pelo gozo da vida, pela farra do poder, pela ganância de grupos financeiros e perdemos a essência tranquila da convivência do ser pelo tão propalado teeerrr, que virou terror, quando não obcecados por fanatismos religiosos e raciais instituíram a era da intolerância maciça nos quatro cantos do mundo, haja vista o martírio  dos Montes Nuba.

3. No entanto, com tantos conflitos ainda em curso, vemos surgir aqui e acola, gente lúcida e transparente que se utilizam na lei e na ordem da internet para construir um mundo melhor, mais humano e solidário, aquele original que saiu um dia das mãos do criador e foi conspurcado pelos agentes a serviço das fôrças do mal que in fieri foram destituídas pelo Arcanjo Miguel na memorável batalha celeste segundo o gênesis.

4. Fui claro, espero, e entendo que os leitores desta missiva, que me honram sempre com sua presença e clique habitual são sensíveis ao destino último da existência humana, balanceiam o seu apetite espiritual ao material com equidade e justiça e se importam com o semelhante na bondade e gosto pensado.


5. Mesmo sem explicitar, eles querem que a matéria e o espírito estejam equilibrados, veem no consenso uma saída par os grandes males que os cercam,no consumo exacerbado de bens um prejuízo para si e o planeta. O bom senso permeiam as suas elucubrações acerca da vida, e na divisa entre o sagrado e o profano mandam bem seus argumentos.


6. O futuro começa no presente, e ele apesar de suas obnubilações aparentes guarda reservas de heroísmo e generosidade e  dos pesares atuais está a um clique da renovação total. A natureza clama por isso, a beleza da criação conspira a favor dos homens e a chama que consome o último pavio do mal está por um fio, aguardando o sopro do arcano e a conjugação da galera do bem em prol de um mundo totalmente contrario às maldades que correm, um mundo regado pela suavidade das canções de Deus, da virgem santa, daqueles que cantam et in terra pax hominibus.


Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário