quarta-feira, 22 de junho de 2011

Na era do the register

1. Estamos mergulhados definitivamente para o bem ou para o mal na conjectura tecnológica onde o mundo virtual está ditando comportamentos, estilos de viver, buscas avançadas, cadastros que positivam o consumo, insumos da alta definição, fiscalizações ao comércio eletrônico, as viagens de férias, os giros cibernéticos, tudo a todos e a ninguém mais pertence, as redes sociais, alavancando os contatos, os hackers apavorando, articulando falsificações que até Bill Gattes da microsoft se vê clonado.

2. Na Inglaterra de sua majestade tem rôbo fiscal de olho na movimentação financeira de seus súditos. ..."Caberá ao software cruzar as informações para garantir que nenhum imposto deixe de ser pago." ( Diário do Comércio 12- Logo 15/06/2011)

3. Os avanços globais são um fato irreversível e seria ótimo e preciso para a contribuição da paz mundial, da grandeza moral, da consecução exata dos fins da existência humana, da alma eterna, da calma que encerra a sabedoria de uma era.

4. Mas a gente se dá conta que não é bem assim, as aberrações modernas estão aí bem na nossa cara, o escárneo está no ar rondando zombeteiramente, pronto para o bote fatal. Enquanto no Brasil o povo come mingau, tem juiz sem cadedal, superfaturas maximilizadas, políticos de fala mansa, descartando o patrimônio das res publica, soldado roubando cofre, advogado lesando o INSS, bombeiro estrupando jovem, drogas consumindo a sorte, gente vendendo o céu  a troco de "milagre financeiro", médico fantasma, inflação real, mendigo morrendo de frio. Até a última viagem da alma está comprometida, o corpo padece o descaso do sepultamento.

5. Assim não dá pé se os recursos da alta definição não democratiza os meios de ação, e as regras só servem para os detentores da situação. Vamos é sim para no bico da chuteira nos campos das gramas secas. Registra-se tudo, vigia-se todos e não resolve-se nada tão pouco.

6. Se esperanças de mudanças efetivas e sérias houvessem eu diria que viriam dos inconformados, daqueles ainda que berram contra os desmandos destas proposições disformes, dos que aspiram a restauração do bem e a concretização dos planos divinos.

7. Para além desta realidade de cobre, muito além destes atos indignos, as nuvens encobrem o verdadeiro otimismo espantando todos nossos fantasmas modernos e focando a vida no que é certo. As aberrações amnesianas e antinaturais passarão, as fábulas deturpadas, os descasos, os sofismas também  e darão lugar a uma era de paz social, harmonia e equilibrio global.

8. Uma era totalmente voltada para o bem comum e a  sintonia das nações entre si. Um tempo da plena factibilidade das potências renovadoras do homem, da ampla cobertura do amor, uma era que vai superar tensões, uma era extremamente evoluida e perfeitamente afim com a máxima do grande poeta dos versos perdidos:"amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado." 

Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário