sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Sesmarias brasileiras...

1. Desliguei a televisão, nada de novo nos debates políticos da seção brasileira nas eleições que se avizinham, as caras maqueadas demonstrando seriedade, continuadoras fiéis do assistencialismo, heróis nacionais ao prêmio americano do oscar. Dominaram os não embates as realizações costumeiras, o que fizeram e o que farão em suas gestões. Claro suando a camisa da iniciativa privada até eu me posaria de bom moço na gestão pública. A oposição desapareceu e se Covas pudesse voltaria para esquentar a polêmica. Bom tempo aquele em que fustigava seus adversários com humor e alta competência...

2.O fazer político está na mesma, mudam os rótulos graças a midia inteligente, outrora endureceram contra o regime, hoje estão politicamente corretos não trafegando influências apenas gerindo com critério as coisas públicas, rrs... rrs...rrs... Não existe hoje no cenário nacional uma verdade plena, racham compromissos ideológicos por interesses outros da ocasião, a direita desapareceu pixada de vilã, bicho papão, etc... e as razões foram antes orquestradas nos bastidores milionários das campanhas gerais. 18 Bilhões gastos pela estatistica matemática E ponto final!

3.Vou fazer poesia, arranhar as rimas com olhos no irreal, os nossos políticos já estão com vida ganha pois habitam nas sesmarias brasileiras nos seus feudos que ninguém tasca.Quanto a mim vou tentando arrebanhar um clique amigo na incerta volatividade das letras soberanas.

4.Palavras de cá, palavras de lá conhecemos bem a realidade política brasileira e na franqueza facultada a todo e qualquer cidadão posso opinar dentro da liberdade constitucional e não quero dançar com eles uma valsa fora do diapazão e vou com alguns amigos solidários arriscando estas rimas voluntárias que declamam poemas sonhando ainda com o mundo bom que virá um dia e que fora anunciado pelos nunca ultrapasssados  poetas autênticos desta nação.

5. Não se iluda nunca, passa reinado, república e tudo quanto haverá, mas o tempo juiz implacável faz tudo voltar ao devido lugar como pretendia os arcanos superiores e na serenidade própria de  seus versos livres suscitarão outros protagonistas para continuar a jornada com o coração são e o olho bem vivo.Ele, iguala todos quando descem à  sepultura onde não caberá mais ilusões e conjunturas. Por isso a urgência de não se envolver com a poeira da ilusão para não ferir o coração leve do poeta das plebes.

Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário