terça-feira, 18 de maio de 2010

Constatações

1.Corria o ano de mil novecentos e dezessete, já estava pela metade e aquele primeiro de junho amanheceu esfumaçado nos céus da Europa, uma fumaça que cheirava enxofre, polvora e sangue.Não me refiro a nenhum filme de ação de longa ou curta metragem onde os diretores, produção e atores envolvidos assemelham a realidade. Não! Havia uma guerra em curso desde 1914, o primeiro grande conflito se estendia dia após dia, as catapultas modernas na estréia despejavam balas em meio ao estampido infernal. Uma guerra insana, como são qualificadas todas ao longo da história, uma guerra camuflada sob pretextos de soberania,subreptícia ao poder e sujeição. Um cenário fumegante, em que as cicatrizes expostas, pernonagens de um drama real, vagueavam de um lado para o outro,sem que os diretores no script sem controle pudessem prever o capítulo final.

2.Nas trincheiras apertadas os soldados combatentes ouviram dizer que um acontecimento incomum e sobrenatural acontecera pelas bandas de Leiria seguindo a estrada de Aljustrel à distância de 2 kilometros no dia 13 de maio daquele ano. Era a Virgem Santa, vestida de branco ela apareceu na cova da Iria, com um manto azul, cheia de luz, seus interlocutores, três humildes crianças, Lúcia e seus primos, Jacinta e Francisco Marto. As aparições se deram por seis vezes consecutivas a cada dia 13,numa dessas o sol bailara sobre os expectadores atônitos e boquiabertos, autenticando a veracidade das aparições.Os pastorzinhos foram transportados para um outro horizonte de dor e preocupações a respeito da situação do mundo descrita pela mãe de Deus e fizeram suas as apreensões e esperanças de Nossa Senhora.

3. Veio para dizer uma mensagem importante para todo o mundo..." A guerra vai acabar, mas se não deixarem de ofender a Deus... virá outra pior." E o tempo passou, a guerra terminou, a transformação dos costumes se operou na vida das pessoas e no conjunto da sociedade, surgiram mais invenções,as industrias, o aperfeiçoamento da dinâmica automobilistica, aeronáutica e marítima e parece que se esqueceram do contundente aviso marial em 1917.

4. Os diretores não satisfeitos com a situação de aparente calma, nos bastidores incrementaram a balística, nos laboratórios manipularam com alta tecnologia as formulas mortíferas de destruição em massa e resolveram, após deliberadas discussões continuar a parte II da ameaça global. No entanto outros olhos, outros olhares - que não eram humanos e mortais - estavam atentos a tudo. Eis quando uma luz desconhecida -seria uma aurora boreal, improvável - iluminou os céus da Europa, era sim o "grande sinal" que uma coisa muito ruim estava por acontecer e veio a segunda grande guerra em 1942, as invasões, a descomunal força do Hitlerismo apavorou o mundo e por um fio ele não pereceu, contabilizando milhões de mortos, desestruturação econômica e pré caos instalado, a bomba atômica testada,etc...

5. A custa de tratativas veio a paz e a Europa se viu mapeada, outra nação a Rússia bolchevista mostrou as garras, desfez soberanias, anexou países,instaurou um estado ateu, perseguiu a religão que todos nós sabemos a tamanha confusão e desarmonia estatizada que estabeleceu e o peso enorme de sua mão de ferro, subjugou países, culminando com sua derrocada na derrubada do muro de Berlim.

6. O capitalismo recrudesceu suas posições de lucros desordenados, consolidou a ditadura do consumismo na modas, propagandas e jeitos de ser,negou a ascese, estabeleceu a tese do poder.

7.Na mensagem de Fátima em 1917 a Mãe de Deus,entre outras revelações foi taxativa e clara em Portugal a Fé vai permanecer, subtende-se que fez alusão a uma crise generalizada com aplicação prática imprevisivel levando o homem indistintamente de sua posição social a deixar de acreditar em Deus, em uma vida depois da morte, nos mandamentos e códigos morais que nortearam nossos antepassados.

7. A partir daí o mundo estaria pronto para as negações, confusões e doidices de toda ordem, o ceticismo aflorou em sua mente e traduziu-se em atos de ditaduras, imposições, intolerâncias, ganâncias e nestas cascatas de erros e apostasias, envolveu o convívio das nações, apesar das sadias reações e firmeza de intenções de muitos isoladamente,o dique não aguentou e a nova barbárie se viu engrandecida e aplaudida pela intectualidade e absorvida pela propaganda maciça e bem elaborada daqueles diretores mal intencionados.

8. A vida sob a ótica de Deus, reta, solidária, embasada nas verdades eternas perdeu o sentido épico e grandioso do mistério, nos púlpitos não se ouviu mais falar delas e a preocupação terrena ocupou o templo sagrado o coração dos ouvintes,as manchetes dos jornais e o vencer na vida tornou-se o único objetivo da existência humana. Aquele reino dos céus, onde os ladrões e as traças não corroem ficou cada vez mais distante do alvo de suas intenções.

9.A história é a mestra da vida, dizia Heródoto. Ao finalizar estas observações, confesso que fugi um tanto do meu propósito poético para deixar anotado o meu pensamento.Ao debruçar-nos sobre este assunto candente vemos as dolorosas constatações aflorarem.E iguais aos personagens bíblicos interpelamos os homens sobre sua condição de vida e perguntamos porque desfiguraram o quadro do autor divino, outrora belo, de matizes variados,cor dourada, escarlate ou marfim e pintaram uma outra realidade totalmente oposta ao idealizador da obra.

9. Em 1972 em Nova Orleans, a Virgem volta a se manifestar pela lágrimas insistentes e demonstra pressa e sobressaltos quanto ao futuro da humanidade. O seu choro mais uma vez não foi levado a sério, tanto pelas autoridades religiosas, quanto pelo poder civil laico, e também na vida vida particular do cidadão nenhum impacto causou, a não ser com raríssimas exceções.Seu pranto melífluo se perdeu no anonimato de tantos lares, nos púlpipos de tantos templos, nas salas requintadas de tantas repartições,no borborinho dos grandes centros urbanos, no sertão das proezas cotidianas.

10. Enfim, tudo passa, reinados, regimes políticos, cabeças tonsuradas,o próprio homem em determinado momento,idealizador do caos, parte em busca de seu destino imortal, toma o seu elevador subindo sem parada ou descendo em ritmo acelerado.Mas, as palavras da Virgem permanecem perenes: "Por fim o meu Imaculado Coração Triunfará..." Será uma vitória materna da bondade, justiça e misericordia, pois esta rainha de sabedoria quer o melhor para cada um de nós, sim ela vai sobrepor-se aos erros modernos e instaurar uma nova ordem mundial em Cristo, Senhor dos tempos e a humanidade renovada,após as provações anunciadas não carecerá de estrêlas, pois a luz do Redentor aquecerá todos os corações, cada palmo da terra com a unção do Espírito Santo.

Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário