quarta-feira, 29 de julho de 2009

O sentido da existência na curta longa jornada da vida

1.Curta Metragem. Curta Duração. Vida Curta. Curta a Vida. Calça Curta. Curta Distância.Quantos dizeres, já os ouvimos milhares de vezes e seus significados são abrangentes, depende do estado de espirito que povoa a imaginação da gente. Explana-los seria chover no molhado. O importante é que refletem a breve existência de algo que termina logo em seguida de quando começou.

2. Na curva da caminhada humana é a surpresa que ceifa nosso existir, breve como um som de um trovão, ligeiro como um relâmpago nas tardes de tempestade de outono. É a condição que todos estão sujeitos, aleatoriamente; contra a fugacidade da vida não há remédio, abrigo ou aconchego.

3. Conta-se que um certo senhor fez um pacto com a morte, pediu um prazo de dez anos,no que foi atendido... Passaram-se os anos e ele esqueceu o combinado, viajou muito, delapidou o patrimônio em orgias, não atendeu as solicitações do semelhante, provado pela sorte adversa,nem lembrava que Deus existia. Só que uns meses antes de completar a data, de repente a figura impiedosa da dona morte veio a sua mente e apavorou-se.

4. Esperto que era, pensava isto de si mesmo, elaborou um plano meticuloso para driblar a noticia derradeira. Primeiro trocou a identidade, fez umas plasticas,vendeu tudo e mudou-sede cidade, estado, sucessivamente. E o tempo passava, corria rápido e o coitado não tinha mais paz, com qualquer vulto que aparecia à noite apavorava-se, não saia mais de casa,trancava a porta e janelas com pesados ferrolhos.

5. Uma semana antes da data combinada, foi mais ousado, selou seu melhor cavalo, colocou todo o seu dinheiro num alforje e partiu a galopes, percorreu muitos lugares, e a hora passava, já se completava o tempo marcado quando avistou a fronteira e pensou: estou salvo... Não foi o que sucedeu, vejamos... Lá ao longe avistou um vulto, apressou o cavalo e quando passou ao lado do caminhante desconhecido, a dona derradeira disse: Olha que bom, eu ia te buscar mas você veio ao meu encontro...

6. Dura realidade revestida de seriedade a que estamos expostos. Nem por isso cabe o despropósito de se desesperar. Para que a vida curta se torne longa tem um remédio. Seria vivê-la intensamente em cada minuto da existência, ter pensamentos bons, ações generosas, fazer o que se gosta, crer em Deus. Aí quando o relógio do tempo expirar, não haverá remorso, apenas a sensação confortante do dever cumprido, assim era a máxima sábia dos antigos.

7. Ainda temos tempo, a areia da ampulheta ainda não sinalizou o fim, assinale o percurso, se resguarde dos percalços, mantenha-se calmo, detenha-se na beleza da vida, confira os bons sentimentos dos semelhantes, abrace a manhã, sorria durante o dia, à noite recolha-se com alegria. Pois amanhã, virá outro dia... A dança da vida continua sempre!

Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário