sexta-feira, 15 de maio de 2009

Perdas, nem tanto...

1. Perdeu seu amor, eu também, dá licença, não era para ser. Não aconteceu, a química não procedeu, idealizou demais, vai amigo(a) correr atrás de quem te valoriza, amanhã é outro dia, se liga na fita, insistir nem pensar, em desistir da vida não precisa desvendar o tema periga, será que este conselho procede me diga... Se não for nem liga...

2. O importante, na minha opinação é manter a calma, analisar o sentimento, não deixar que o veneno de Louda se estabeleça e no lugar da insensatez de outrem deixar fluir a sensibilidade Daquele que um dia amainou ventos e tempestades e tem um coração do tamanho de sua infinitude...

3. E na sua solicitude sabe o que acontece consigo e o livrará do perigo solerte, se alegre que outros horizontes advirão e refrescarão sua alma no bálsamo do tempo que aplaca a ira e traz a bonança.

4. À finitude peculiar a nós todos, o ideal e sobrepor-lhe um toque de eternidade e na empiricidade de seus vôos afogar as lágrimas sentidas da vida...

5. Aprendi à força de sofrer que a doce vingança da alma existe e consiste em alhear-se do tempo terreno e assistir com um riso disfarçado  o corpo que perece no ultimo suspiro de sua prece...



Helder Chaia Alvim
Postar um comentário