quarta-feira, 12 de novembro de 2008

O Sopro da Ventania...

o sopro da ventania...

" Todas as palavras que fazem os homens viver, vieram dos montes, dos desertos, das selvas, das planícies solitárias, onde só as cotovias tem ninhos."
(Conf. Geovani Papini - Meu encontro com Deus.)
  1. Podemos dizer que o Sarau se tornou esta espécie de planície onde as artes e canções de quando em vez fazem sua morada. Como queria Chiquinha Gonzaga o encontro lírico da grande Arte. Radicalizando com Hermann Hesse a via de salvação da humanidade, em meio aos seus conflitos interiores. Com Fernando Anitelli e Wesley Noog, momento de extravasar sentimentos...
2. Um lugar para se afirmar e negar, mediado pelo consenso.Em última  análise, anulação do eu empírico em prol do consciente coletivo,né.   Rima para cima no nosso coração, diríamos nós, onde as incertezas     continuam,tornando-se o fado de fato de todo ser humano. Se não fossem elas o que seria de nós mortais. Elas é que dão o tempero, o esmero de qualquer situação:

>Subscrevem os fatos, enlouquecem os natos,enriquecem os dados, fortalecem os fracos, causam os  feitos,
efetivam os anseios, de palavras sem freios, feitas de rodeio, rodeadas de permeio, finalizadas num passeio,
concatenadas de receios, ritmadas na prosa, de provas enjauladas, sem demora encurraladas, de incertezas continuadas, até que se chegue ao termo da jornada,ufa!

>>Este foi o sopro benéfico da ventania que bateu a soleira de minha porta, e as incertezas continuam, se é bom ou ruim este estado de espírito não sei, só tenho certeza por mais  que eu venha a esmiuçar o pensamento,  longe ainda estarei do conhecimento.

Tão bom seria se o ano bom fosse de fato excelente para todos, que cessassem as desações em curso, que asas arcanas envolvessem  a terra inteira tornando a realidade de todos mais suave, amena e rica de realizações!!!

 Helder Chaia Alvim
Postar um comentário