quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Introdução ao meu 1º livro de poesia


Eu, interiorano, encravado nas encostas das montanhas do meu querido estado de origem, Minas Gerais, vivia a admirar o firmamento. Conversava com o rei Sol durante o dia e com a rainha Lua durante a noite. Extasiado, tentando destrinchar as coisas inexplicáveis, inquiria sobre os enigmas. Nesse tempo, já dizia: Quero ser poeta !

Deixei a minha cidadezinha e virei andarilho. Tantas vezes escrevi minhas idéias, esbocei realidades, das contrariedades me apartei, querendo que o mundo fosse de pura felicidade. Não me enganei quanto a forma de minha criação, porém com o pensamento instável me deparei, fragilidade que vitima a simplicidade interiorana. Me desiludi feio.Quase sem freio,derrapei nas curvas da estrada da vida. E,no mar, por um triz não me naufraguei. Como um passarinho que ainda não sabia voar,desiludido,voltei às raízes,curei-me das feridas. No silêncio, observando as cicatrizes, aprendi a lição. Esperançoso, continuava a dizer: Quero ser poeta!

Novamente estribado na teimosia, lancei-me, construindo alegorias e castelos de areia. Das sublimes miragens, me reaproximei. Graças aos astros reis que me iluminam e que me guiam,que perdoam sempre minhas manhas de jovem sonhador e que me impulsionam a novos desafios, alcei vôos mais altos. De novo tomei caminhos, vi extensas planícies, atravessei rios e vales, subi em árvores e rochedos íngremes, vi altos montes, avistei montanhas, observei horizontes, corri atrás de quimeras mil. E cada vez mais,confesso, acalentava na alma o desejo: Quero ser poeta!

Continuei buscando... São Paulo, Torre de Babel, entupida de gente, vida agitada, trânsito infernal, conversei com pessoas devaneando acordadas nas madrugadas de perdidos sonhos, partidas ilusões. No sentido último dessa peregrinação, ao Espaço Alberico Rodrigues,cheguei. Recanto de poetas, saraus, um oásis na imensa cidade. Ao poeta Alberico interroguei: A razão, o porquê que alguns, os sonhos, realizam? Outros, o vazio, em suas buscas encontram? O mestre, após refletir, me respondeu: -Os que se mantém fiéis aos seus anseios, lutando, insistindo, um dia conseguem realizar seus sonhos.Os que desistem do ideal, fracassam, restando-lhes apenas o vazio.

- Ó mestre minha alma inflama. Quero ser um dos seus discípulos.Eu sempre quis ser poeta!
-Então, seja bem-vindo a esta casa, rapaz.

-Obrigado,mestre!
Ao Profº Alberico Rodrigues
pelo incentivo recebido.
Ass. Helder Chaia Alvim
Postar um comentário