segunda-feira, 21 de março de 2016

Imbróglios na republica federativa do Brasil

Imbróglios na republica federativa do Brasil
1.     Ás áreas isentas ou jurídicas, as normas e provas  processuais, os imbróglios todos, as ações saudáveis do ministério público a cargo do Juiz Moro, empurraram o ex presidente Lula para a sua ultima e articulada cartada: a brindada Casa Civil; refrescando a memória dos meus chegados de prosa, mesa, poesia e bar, lá pelos antanho da ditadura o Presidente Figueiredo mandou soltar o camarada Lula rapidinho para não se configurar uma situação de  ‘preso politico’, e a meu ver os últimos episódios divulgados amplamente aqui no Brasil e exterior , na mídia escrita, falada, e televisionada estão empurrando de uma forma orquestrada e proposital . O  que leva a crer que esta situação vai se repetir de novo. Ah! depois o povo esquece... os ânimos se  arrefecem... e as ruas soberanas se acalmam... E o líder politico volta à tona em 2018, como se nada disso tivesse acontecido, e a crise ético politica de hoje será mais um capitulo esquecido na memória de um povo lhano, pacato, como sói acontece no Brasil.
2.    Ademais a corrupção sistêmica alastrou nas veias da republica, e lato sensu o povo acorreu às ruas soberanas nos últimos dias num clamor inaudito que repercutiu aqui e lá fora, não há como negar a gravidade dos fatos que enleou o tecido social. O estado democrático de direito ressente as inferências do 3 poderes, a balança se desiquilibra, o plenipotenciário mercado financeiro dá mostras de exaustão.
3.    Um momento histórico conturbado no céu, ar, terra e mar do cruzeiro do sul, e para onde o Brasil pender levará  consigo o continente sul americano;  ou embasado nas leis constitucionais  equaliza-se a brasilidade em torno do bem comum maior, ou a comoção social vai dar  as caras para amotinar e subverter o pouco que resta de ordem social.
4.    Na verdade o que vemos é que a politica convencional não cola mais seus argumentos, os lobbys não tem mais chance de permanecer incrustado  na malha dos poderes, e a era digital veio para separar o joio do trigo e a população almeja  uma nova era, um novo tudo, conceitos verdadeiros de progresso traduzidos na prática, sustentabilidade cívico, moral e que sua auto determinação seja respeitada e cada centavo amealhado dos impostos seja aplicado nas urgentes melhorias da educação, saneamento, saúde, e segurança publica e oportunidade iguais para os seus 207 milhões de brasileiros. O que for bom para hum deve ser igualmente bom para todos sem discursos e acomodações tolas. Afinal: ‘ somos todos nós’
5.    A meu ver o partido dos trabalhadores teve sua oportunidade nessas duas décadas de comando, o Lula como ‘presidente exterior’ embalado pela boa onda financeira fez importantes avanços sociais, não há como negar, mas, mas em determinado momento parece que se viu fisgado pelo capital, e literalmente enfiou os pés pelas mãos, e hoje esboroa seu legado.
6.    A história é cruel e justa, a era getulista passou, como passou a republica velha e a nova, a abertura x ditadura, Color, Sarney e FHC,  juízos à parte figuram no passado e no entroncamento atual o voo de cisne de Dilma e Lula, tudo leva a crer está eminente a ser interceptado.
7.    Esses e essa, salvaguardados seus direitos constitucionais, deveriam ter feito as reformas fiscais e outras cabíveis a uma economia forte de mercado e não o fizeram. De modo que este mesmo Mercado Plenipotenciário ( um pais dentro do próprio país) não perdoa e vai cobrar seus dividendos, se vai hein!
8.    Daria para encher di boa muitos calhamaços de folhas ao  léu, muita noites mal dormidas pelo gigante, muita apreensão nos horizontes brasileiros, muitas interrogações e exclamações. Mas  seria bom a gente ficar por enquanto nestas considerações, salvaguardando o salvo conduto de suas afirmações democráticas no livre exercício de sua liberdade de expressão,
9. O que diria de Sir Dr. Ruy Barbosa, Pedro II e tantos outros brasileiros, juristas, homens simples do povo a respeito deste pais continente que esporta ouro, estanho e para seus 207 milhões de filhos não tem ganho, pão e esperanças, o que diriam eles sobre toda esta arruação das contas publicas? Ah quero crer que eles hoje tremendo de indignação em suas urnas mortuárias.
10. É só ouvir a voz das ruas soberanas que o acalanto ' que o sol vai brilhar outra vez', anate da escatologia final!


Abraços de união
Feliz e abençoada páscoa,
Irmãos e irmãs queridos,
Chaia Alvim Helder

São Paulo 21/03/2016
Postar um comentário