segunda-feira, 9 de setembro de 2013

' não tenho tempo!'

Assunto: ENC: Não tenho tempo!
Dom Murilo S.R. Krieger, scj
Arcebispo de São Salvador da Bahia – BA

O Eclesiastes é um interessante livro bíblico, do Antigo Testamento. Seu nome vem do grego
e significa: o homem da assembleia; aquele que toma a palavra na sinagoga. Escrito em
hebraico pelo ano 250 aC, esse livro comprova a influência da cultura grega na Judeia. Um
tema atravessa, de modo especial, todos os seus capítulos: a precariedade das ocupações
humanas. Tudo é –vaidade–, ou seja, tudo é neblina, fumaça e ilusão. Pessimista? Diria que
não. Seu autor, um sábio ancião, quer instruir os jovens a viver com realismo e seriedade.
É o que se conclui, por exemplo, com suas observações sobre o desenrolar do tempo: –Tudo
tem seu tempo, há um momento oportuno para cada empreendimento debaixo do céu. Tempo de
nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de colher a planta (–); tempo de chorar
e tempo de rir– (Ecle 3, 1-2.4). A partir de suas observações, faço as minhas.

Um dia, quando se escrever um livro sobre o nosso século, talvez se escolha como título:
–A época dos homens sem tempo–. Afinal, nenhuma justificativa é tão usada como a da falta
de tempo. Ninguém tem tempo. Nem os adultos (no telefone, depois de não ter ido à reunião:
–Pois é, infelizmente não tive tempo––), nem os jovens (ao professor na Faculdade: –Por
que ainda não entreguei o trabalho? Tempo, falta de tempo!–– ) e até as crianças (à mãe,
que pede ao filho para fazer um serviço: –Ah! Mãe, logo agora que não tenho tempo?–).

Alguns não se dedicam a clubes de serviço porque não têm tempo. Outros não visitam seus
parentes porque –não se tem mais tempo para nada–. Aquele jovem não estuda, este não
trabalha e você nada lê porque lhes falta tempo. –Os homens não têm mais tempo de conhecer
coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas, como não existem lojas de amigos, os
homens não têm mais amigos–, é a irônica observação da Raposa ao Pequeno Príncipe.

A conclusão a que se chega – conclusão óbvia, clara, cristalina – é que há alguma coisa
errada. Essa evidência se acentua quando se ouve a desculpa daqueles que cortaram, aos
poucos, todo relacionamento com Deus, por um motivo muito simples: não têm tempo!
–Gostaria de ir à missa, mas não tenho tempo. Desejaria ler o Evangelho, pensar nos
outros, rezar, ser voluntário em algum hospital mas, infelizmente não tenho tempo–. Se o
ser humano não tem mais tempo para cultivar sua amizade com o Pai ou para ir em direção a
seus irmãos, alguma coisa está mesmo errada. Demos, pois, uma de pesquisador: procuremos o
culpado por essa situação insustentável.

Seria Deus? Afinal, foi Ele que deu o tempo ao ser humano. Mas, talvez lhe tenha dado
pouco tempo: afinal, há tanto que fazer!– Contudo, convenhamos: seria um absurdo pensar
assim. Ele certamente dá aos homens e mulheres o tempo suficiente para que possam fazer o
que Ele quer. Mais: Ele só espera de cada pessoa o que ela tem condições de fazer.

O problema da falta de tempo teria como causa o próprio ser humano? (De você, por
exemplo?). Afinal, quem consegue realizar tudo o que gostaria? Dada à nossa insatisfação
contínua, por mais que alguém aja, fale ou pense, sempre falta pensar, falar ou fazer
alguma coisa. Novos horizontes se abrem diante de cada caminho percorrido. O que fazer,
então? (–Fazer mais alguma coisa ainda? Mas eu já disse que não tenho tempo!––). Abra o
Evangelho. Ouça o que Cristo tem a dizer sobre isso: –Marta, Marta, tu te preocupas com
muitas coisas. E, contudo, uma só é necessária–. O que seria o essencial na vida, o único
necessário? Deve se tratar, sem dúvida, de uma realidade que permaneça sempre, que não
passe com o tempo, que continue a existir mesmo após a morte – que é, para cada um, o fim
do tempo.

Um dia, um doutor da lei perguntou a Jesus o que era mais importante – isto é, o que é que
era essencial e resumia sua doutrina. A resposta do Mestre foi simples: o amor. O amor ao
Pai e o amor aos irmãos. O resto, isto é, o que cada um vai fazer, pensar ou dizer, será
uma consequência de seu amor. Ora, se alguém não tem tempo nem para se doar, que pobreza!
Talvez seria melhor não ter recebido tempo algum!–'

Postar um comentário