terça-feira, 17 de setembro de 2013

Diário do mar sem fim...

o diário do mar sem fim...

Apresentação

Nessa Melodia plenamente Estonteante de Luar existe uma flor de rara beleza que guardo com carinho, cultivo com afeição no universo espiritual de uma amizade sem fim. Ao folhear este diário , você encontrará uma emoção forte, delírios de um poeta, que na liberdade lírica retrata a alma da Mulher. Buscas, tempo, mar e a lua se confundem em uma viagem de vinte dias de solidão. Na calma e vagar esbocei este poema ou diário do mar sem fim... Surgiu uma linda pintura , imprimi e resolvi entregar a quem é de direito, depois do sonho veio a elaboração alegre e o poema ficou com a cara meiga da lua que me encantou uma tarde de manifestação na São Paulo das diversidades.

10 set...
Oi metamorfose de amizade sincera ao me distanciar posso ver seus passos na cidade interativa a rocejar nas ruas, um tanto vazias de sentido pois seu amigo não está mais por perto...

11 set...
Hoje fui ao mar, suas ondas me envolveram completamente.... a minha deusa estava distante uns 970 km.... o tempo e o ma r me disseram: - poeta irmão, que bom que você veio nos visitar, estamos sabendo de suas aventuras de cotejar a lua, mas.... algum astro na certa a esta altura lhe roubou a atenção e a afeição.... – Entendeu! Quem sabe em outro dia uma brisa suave põe-se a soprar de novo seu hálito quente assim....

12 set...
Ao contemplar o mar de Marataízes uma enorme onda se formou, vi nela a sua face sincera a sorrir para mim! Pensei ser miragem ou viagem.... rss,rss,rss, mas para minha surpresa não! Era sim o alvorecer de um lindo dia que vi nascer... Feliz aniversário!bjs bjs bjs. Te volo bene!

13 set...
Minha ‘metamorfose’ de suave delírio, poema lindo de rimar na forma que denota afeição, tem a seu favor o tempo e o mar a sussurrar assim: existe um tempo para amar... outros para enfrentar os baixios e um tempo para olhar o mar...

14 set...
Crisálida em botão, rosa flor, rosa amor, sonho de eleição.... dia pleno ao tocar o mar, me recordo dela mais uma vez a rocejar o meu coração de poeta. Labios de Mel,... suavidade sem fim....

15 set...
Lua de singeleza que brilha no firmamento de minha vida, e nas incertezas me guarda, com carinho me protege e me enleia com seu jeito e olhar que ilumina...

16 set...
Se pudesse lhe daria as estrelas, o dia, as tardes e noites, oceanos, vales e montanhas e o espaço sem fim do meu coração, quanta saudade!

17 set...
Só posso de onde estiver lhe desejar o mundo bom de suas certezas empíricas,, que continue esta pessoa incrível que é. Ser seu chegado me trouxe uma alegria imensa,, uma razão intensa para cantar as canções eternas do mar sem fim...

18 set...
Os amigos do bar pirata notaram a minha inquietação e ainda faltavam dez dias para partir... - O poeta mal chegou e seu pensamento está em outro mar... a mil melodia... ah! ah! ah!

19 set...
Na calmaria a saudade bate forte, olho o norte e vejo uma estrela a brilhar... Será... Falei dela ao mar, à lua, ao tempo... Eles me disseram: - Que fisionomia de Mel ela tem!!! Carrega um quê de paixão no olhar... razão na alma... emoção no andar...

20 set...
Hoje o dia amanheceu estonteante e passou brilhante, à noite fui pescar com o amigo Doca. Ah! foi bom lançar livre as redes, conversar demoradamente com meu velho truta, depois ficar à imaginar o quanto estou enredado no coração de uma sereia...

21 set...
O mar companheiro fiel de tantas aventuras disse: - poeta irmão a realidade de cada um se mira pelo espelho, aconselho só amar... amar... amar... - Ah! mar se não fosse assim o que seria dos românticos? Ele, atencioso respondeu:- Um mundo sem brilho e cor... uma existência fria sem amor não vale!

22 set...
Hoje, domingo a brisa está suave nooossa! Que brilho bonito no céu. Queria ofertar à alguém... Mas lembrei-me que ela possui seu brilho próprio e ninguém vai conseguir roubar-lhe o encanto.

23 set...
Arrisquei um mergulho na Lagoa do Siri, esteve calma a manhã inteira e a linda paisagem da praia de Marataízes me extasia, é um convite irrecusável para andar pelas suas areias mornas, à tarde como de costume as gaivotas vão sobrevoar em belas rasantes para catar mariscos e de repente me encontro pensando nela... 


24 set...
Primavera chuvosa e fria, da janela avisto o céu nublado, hoje não sai para lugar nenhum, fiquei andando de um lado para o outro, revendo anotações, folheando o álbum de família, carregado de lembranças... recostei na cadeira de lona e da varanda avistei o meu mar sem fim... quantas inspirações me  proporcionou  nesta viagem... quantos planos de futuro idealizei em sua companhia...
Fechei os olhos e acordei bem mais tarde, acordei de um sonho com minha irmã chamando para o jantar. Conversamos sobre nossa mãe, recordamos a nossa infância na estância Pirineus. Ah! era feliz e não sabia, alegre e não merecia presenciar tantas maravilhas, vivenciar tantas energias sadias! Foram boas e saudosas as recordações entrecortadas de saudades, tudo passou tão depressa. Depois rabisquei uns versos, estava tomado de emoção e com ela consegui prosseguir este diário dedicado a uma amiga de nome Mel. 

25 set...

Um  dia   triste   lembrei-me  de  minha  mãe...  Zarpei   cedo  pelas  encostas  de Maratiba, caminhei sem rumo definido... o calendário estava passando agora mais célere 25... depois  26, 27, 28, e enfim seria 29 – dia do arcanjo Miguel,  aquele da espada forte que expulsou a maldade do céu,  faço  uma prece antecipada, e penso onde estará  o meu tesouro de Mel?


26 set...
O vento me acordou  no  meio  da  noite,  soprou no meu rosto um aroma de jasmim e  disse:
 -  poeta  vamos  andar  ao  leu, vejo que andou triste  o dia todo, não fica assim brother ,acalme sua alma...


27 set...
As   horas  escoam  lentas,  e   como   é   bom   a  gente   se  aquietar,,  colocar   o   pensamento   em  ordem, inquirir  de  seus  sentimentos, vasculhar seu infinito  particular e depois deixar   a  emoção  chegar  devagarinho,  as  lembranças,, as conversas,, os   passeios  na  São  Paulo  dos   contrastes  de arrepiar... os  risos soltos... os  versos em torno  de  sua  pessoa, quantas  coisas  boas...em  tão  pouco tempo pude saborear ao lado dela...

Ops! Hoje retorno da viagem, vou chegar em Sampa amanhã... vou adiantar as postagens até dia 30 set...

28 set...
Ops!  O  mar  sem   fim  trouxe-me  uma  decisão,  mesmo estando longe sinto que ela está tão perto do meu coração...um longo  abraço  de  saudade  recebi  hoje  dela,  que  incrível,  só possível  acontecer uma vez no espaço de um tempo passageiro.

29 set...
Finalmente raiou o dia de voltar para  os  meus  braços de Mel,,  acordo   cedo, me  despeço  de  todos,, triste e  alegre  ao mesmo tempo;  a  viagem  será  longa  até  São Paulo, se pudesse voava nas asas do vento impetuoso para contemplar aqueles cílios de Mel...Ouvir sua voz, contemplar aquela fisionomia dos deuses.

                        Conclusão 

a. São Paulo, a metropole, que não para,  impressiona a cada vez  que  você  retorna,  a  cada manhã que você  acorda e se envolve no hálito quente de sua agitação,  A cada momento que se  dá uma pausa  para o almoço ou mesmo  na  parada  nas  mesas  de  bar,  no finalzinho do expediente você  reflete  no  olhar  de  um  amigo  seus sonhos mais secretos a espera  da  elaboração  prática. Esta  é  a  cidade  que  amamos   na realidade absurda de seus contrastes, foi numa dessas circunstâncias  que encontrei   Mel  e travamos uma amizade assim...
B. Ah!  a  cidade   da  consciência  coletiva  que  não  para nunca , e  consegue  mesmo  inovar sem perder o aconchego de seus detalhes intimistas se você tem sorte de encontrar pessoas amigas do caráter  e feitio  de dela.  Daí a simples razão de surgir este diário e de todas os versos que traz na alegria solta de um riso alegre.
c. Existe  um  tempo  para  ver   o   mar... e   outro  de   amar...  ambos idênticos,  o mar reflete  a  lua  e  seus  encantos, ele  continua  amargo, pois não conseguiu de Zeus a chance de amar, sem  por isso  deixar  de   ser   romântico,  imenso,  intenso   em   seus sentimentos  nobres a respeito   da  ninfa  de  sua  eleição.
d. O   amor  navega     em    oceanos    desconhecidos   da    maioria    dos    marujos,   fez     um   pacto     com     a    sinceridade   e   não   abre  mão  de  sua  ingenuidade.  Descobre  logo  no primeiro    olhar   a  rima   que  vai  levar, e  volta  de  sua  viagem carregado de  sonhos,  quase infinitos...  E põe- se a realizá-los um  por  um  –  dois  por  dois  para voltar a sonhar de novo.
e. Quem  tem  sorte   neste conjugar  tão  difícil  e  tão  fácil,  pois  envolve  a  alma  da pessoa   amada,  sabe  do  enlace  do  verbo amar,  que  muitos   procuram   e   poucos  almejam  alcançar  este  sopro  divino  do  bem querer.
f. Ah!   uma   espécie   de  delírio  envolve  quase  por  completo  aqueles que se amam   de  verdade,  e   o  querer  de   ambos  se   fundem   numa metamorfose   maravilhosa, o  relógio  para  quando  estão juntos, o  tempo conspira  a   favor  do  amor... Não  fora assim o épico Camões não teria cantado a glória de Dinamene.
g. Ah!  amigo  mar, amar  é   tão   bom... uma   espécie  de melodia de mel no   coração,  uma  cascata   de   luzes,   um acorde   que   este   mundo teima   em  desconhecer, pois   entroniza  em  seu  lugar a  moda,  o status em vez do olhar, só do olhar...
h. Hoje   vou  me  encontrar  com ela,  uma mulher  especial, de  alma sublime,  simples, singela mas que revela no brilho  do  seu  olhar  aonde quer  chegar em se tratando de amizade e  relacionamento  humano. Tornou-se  em  pouco tempo em minha  vida uma amiga  do  coração,  uma   estrela   a  brilhar  no     firmamento  das  rimas e   versos   ao amanhecer... Por isso  quero  presenteá-la  com  este  diário do mar sem fim... e com um vestido azul da  cor de  seus  sonhos e  mesmo  se  eu  não  me tornei alvo de seu bem querer, ela vai continuar assim: este mar incrível de amor sem fim...
I. Não  estou  apaixonado  por  ela  e  nem  ela  por  mim,  as  nossas  conversas  são espirituais, a as nossas almas se entendem no mundo de nossas certezas  onde um não vale por um sim, ela conquistou a  minha estima e a nossa união fraterna está ligada na força da compreensão, nas ideias que batem desde o início e nos ‘sonhos da visão’.
L. Estou contente pois, vou poder vê-la novamente e continuar juntos na boa a idealizar mundos, mudar os rumos de um universo em versos. Aprendi dela que a mudança do mundo começa no calor humano, na prece a Deus. Não abrimos mão de nossa amizade ser assim: sem hora para estar, sem tempo de terminar, sem cobranças, sem perfis sofisticados das passarelas fashions, mas pousa  leve  e suave no olhar...
M. A doce melodia é assim: um livro, uma prece, um poema, uma estrofe, uma pessoa querida, linda de amar. Enfim para mim sempre será uma Melodia Estonteante que encerra o Luar pleno de conchas, pérolas, tempo e mar....

Ah! muitas das vezes o amor pode desmoronar-se, do ar ausentar-se a poesia, a lua eclipsar-se e partir em busca de algum astro errante, o tempo, ora o tempo perder a razão, mas a amizade  sincera, não, ela constitui-se em uma espécie de ponte espiritual onde você vai e volta a qualquer hora...

São Paulo, 15 de setembro de 2014

  






Marataizes, 12/09/2014

Helder Tadeu Chaia Alvim
poeta minimalista

Postar um comentário