segunda-feira, 8 de abril de 2013

malamem

1. Tem cada uma que a gente ver estampada na mídia - me refiro ao caso atual da Coreia do Norte - sua movimentação bélica, misturada com desentendimentos com a outra do Sul e a América de orelha em pé, apostando seus porta aviões em alerta total. 

2. Em tudo e por tudo acho que este mundo anda aloucado a não mais poder, enquanto uma cidade procura  a paz do Cordeiro de Deus, a outra semeia ventos da discórdia e demonstração de força, desconhecendo que existe uma energia que mantém os oceanos   na palma de suas mãos e contra a qual os nióbios quânticos enriquecidos não passam de brinquedinho de fogos de rojões em festa junina.

3. A matéria canta na partitura errada do poder, enquanto a alma acalenta a doçura do afago de uma Virgem Mãe de Nazaré bendita.Passam os céus, o mar, as montanhas, cascatas, pedreiras, estradas e vales, cidades e lugarejos mas a palavra do Mestre não passará: bem aventurados os mansos pois possuirão a terra.

4. Então a par desta rebordosa anunciada, que não sabemos quando vai deflagrar  de fato bombas de destruição em massa, ou se vai se aquietar na dança dos que detém os cordéis do mando, tudo é imprevisível, como o é a vida minha, sua e  a deles, pois já o sábio viu o poderoso se erguer, andou alguns passos olhou para trás e sua silhueta efêmera havia desaparecido completamente no horizonte...

5. Não sabemos a hora exata que as potencias do céu se abalarão, sabemos que antes virá o cumprimento das palavras do Pater integralmente: 'fiat voluntas tua sicut in coellis et in terra.'


6. Conheci um menino que morava no sertão de minha Pirineus adorada, e quando a sua professora indagou dele o que ele mais temia, respondeu, ah! professora do 'malamém'. Aquilo ficou na minha memória e hoje depois de muito chão explicito este sentimento contido no finalzinho do Pater: 'Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal, amém.


7. Ouvi a história do malamem de Rauzito Machado e lembrei-me do sertão da minha origem humilde...

Helder Tadeu Chaia Alvim 
Postar um comentário