terça-feira, 9 de abril de 2013

imago x similitudine

                                   Manifesto mesa de todos

1. A situação anda tresloucada na res publica bar zileira. Salta aos olhos ao observador comum, e não é mister grande esforço de concentração para se ter uma visão crua e  nua da realidade brasileira. Converso com muita gente durante o dia, ora por força do hábito, ora pelo meu ofício prazeroso de continuo numa empresa de seguros por mais de 28 anos ininterruptos, também e sobretudo na mesa de bar com os poetas do guardanapo que em meio ao borborinho da augusta paulistana insone trazem observações valiosas a estas rimas e ao seu autor.

2. Ao relatar o que se segue bebi na fonte intuitiva daquelas pessoas de bom senso e que almejam o mundo bom das certezas empíricas para si, sua família,  cidade, estado e país de povo generoso,  afeito à observação de um olhar.

3. E vamos sentando a pua sem pestanejar, 'a vida é curta'como cantava o saudoso Tim Maia, e nessa fugacidade baseamos nossas palavras mínimas para que o irmão sorva nelas o máximo de aproveitamento colegiado.

4. Mensalidades da política, carestia nos mercados, violência e drogas generalizadas, desencontros, loteamento das possessões divinas, ausência de calor humano, tudo de perna para o ar. A que serve esta situação? Com certeza está nas antípodas dos desejos primevos do grande Artífice do universo, daquele que poucos conhecem, mas cuja a gloria a natureza canta dia, tardes e noites sem cessar.

5. Todas estas ações desordenadas servem ao intuito do anjo decaído que quer instaurar o contraponto da ordem ideal e sacudir  a nação de Nóbrega e Anchieta e fazê-la sossobrar invariavelmente sem ter externado em atos profícuos suas potencias adormecidas de gigante.

6. Querem aniquilar um povo? Minem sua capacidade de admirar o belo e o pulcro e o resto seguirá o caminho da maldade no caos em ebulição. Os fins justificarão os meios tenebrosos empregados e a ânsia de aparecer vai sobrepujar qualquer movimento de calor, solidariedade e harmonia social, o gostinho do poder vai alimentar paladares insaciáveis e tudo o mais. Já assistimos na nação Brasil num passado recente este filme ser rodado a exaustão.

7. Agora estádios estão sendo construídos a peso de ouro, as rodovias e ferrovias centro norte abandonadas, a saúde pública sucateada, verbas e mais verbas desviadas, um estado assistencialista, gente que confisca, gente que compra eleição, gente que não sabe o que está acontecendo. O estado neo liberal gerou de tudo e agora ensaia vomitar numa indigestão tamanha que dá náuseas só em pensar.Haja Engov se o que se engole não é palatável.

8. - Mas poeta salterista e saudosista da era patrística, não tem nada positivo neste cenário? - Tem sim, amigo mentor: você, o cara que raciocina e não concorda e quer mudanças para ante ontem! 

9. A grande lista de deficiências não para de chegar no fax de vistas largas de concidadãos afeitos a bonomia de seu carácter bom e singelo, de seu aperto de mão, de seu gesto de paz e união querendo a pulso o mundo bom nas  incertas paisagens brasileiras.

10. A educação displicenciada, os educadores mal remunerados, a seguridade social sem lastro na realidade, o consumo incentivado no descontrole de sua voracidade de ter para ser, a ausência de uma política séria em que cada tostão amealhado nos impostos seja minuciosamente direcionado para melhorias efetivas à população super carente, aos jovens e idade provecta.

11. Em que cada morador de rua encontre o recaminho seguro para inclusão social sem peias e sem mãos de 20 por uma. Só pessoas imbuídas do espirito  mundo bom terão capacidade e ombridade de lidar com a riqueza das res publica sem chamuscar suas mãos e  nunca reservarem para si o que pertence a mais de 200 milhões em ação. Este traço indelével ainda  não foi visto e poderá vir a ser fato concreto, porque não?


12. Neste manifesto mesa de todos vamos lamentando com um olho no padre e outro ma missa, erguendo nossas vozes unidas para a felicidade do novo tempo que há de surgir na curva de uma estrada que não será dos inescrupulosos mas dos cidadãos realmente voltados para a leveza do carácter reto que não amealharão para si créditos na versão, mas a grandeza acionada de uma nação canarinha, cordata e de proporções continentais do tamanho de seu sonho latente.


13. Hoje parece fugir sub-repticiamente as reformas urgentes tal como, judiciária, tributária, política, florestal, e uma gama de outras que bradam regulamentação constitucional sem ferir o direito à vida, moradia, emprego, educação, propriedade intelectual e privada, liberdade de imprensa, temas candentes indeferidos no amálgama de negociatas de arrepiar o cabelo de mais de 200 milhões de brasileiros como frisamos alhures.


14. E vamos gastando o verbo na livre identidade do pensamento, alinhavando o que ouvimos de outras bocas lúcidas, de outras pessoas em cujos corações palpitam antes de tudo a brasilidade de origem enraizada no sentir forte de sua auto determinação, de sua labuta árdua nas cidades, campo e em todos os lugares que fizeram destes belos gestos a sua diversidade na unidade nacional. 


15. Agora a mídia ocupa-se de Feliciano como se o tema em questão fosse prioridade nacional. Ao estado de direito,  impuseram o de sítio, com  tonalidades impressionistas para há de se supor tirar o foco dos problemas que clamam soluções para ante ontem.


16. Ora a acreditar que o Criador in principio criou o homem e a mulher da argila fria e dotou-os de alma, razão, sentimento e fé com a missão paradisíaca de perpetuar a espécie e garantir a posteriori um lugar no seu reino do outro mundo. Para isso instituiu nos primórdios a família como célula tronco da sociedade.


17. E vieram os vagalhões, as ambições da serpente, o envolvimento com a mulher, a queda e expulsão do paraíso de delícias, o comer o pão com o suor de seus rostos desfigurados. Isto é para exemplificar e dizer que existe uma parcela da sociedade no mundo inteiro, a considerar a Igreja Católica são mais de 1 bilhão e 300 milhões de seguidores que baseiam no Evangelho de Cristo suas vidas e destino e isso já dura por mais de dois milênios.


18. Desconhecer esta força seria remar contra o tempo e seu idealizador maior a que chamamos Deus Nosso Senhor, que assumiu a natureza humana em tudo menos no pecado para nos elevar à sua condição divina. O crescei-vos e multiplicai-vos se encaixa como luva nesta perspectiva e o livre arbítrio o marco divisor de liberdade incondicional do gênero humano.


19. A Lei natural é clara e insofismável no que tange  a criação e por mais que os cientistas busquem com mérito e estudo a partícula de Deus, ela se esconde de seus olhos afoitos e continua impulsionando o universo no mínimo e máximo detalhes através do espaço sideral, nas folhas das palmeiras, no canto do sabia, no rumor do mar, na força das tempestades, nas sementes,  rios e regatos,  no sangue ritmado da raça humana.


20. Sem desmerecer outrem e outras instituições, movimentos e agremiações em torno da causa LGBT, acho que o Sr. Feliciano extrapassa de sua função ao invectivar o 'infinito particular' dos que preferem uma outra maneira de praticar sua sexualidade. Uma coisa é ter princípios, fé e razão na monção divina, outra é querer aparecer em meio a um tema complexo, delicado e de foro íntimo de cada cidadão.


21. Em última análise. meu amigo que me acompanha com bondade, o direito canônico ensina: 'de interitu soli Deo, somente a Deus pertence a alma e a vida de cada ser vivente que caminha neste vale de lágrimas, conquistas, afirmações e negações, a que fora palco historicamente e que será até o cair da última folha, até o derramar da última lágrima na face da terra.


22. Então infere-se deste raciocínio livre que o tema em pauta esteve presente desde os gregos, romanos, renascença, idade moderna e na nossa era pós tudo. Agora focar os holofotes nele como se o mundo fosse acabar seria desviar a atenção de assuntos urgentes da política atual, trêfega e sem rumos definidos. 


23. Dirão desinformadas estas rimas soltas, quiçá platônicas ou carregadas de lunações irreais. Alegro-me com esta interação e chegamos ao consenso que elas propõem de afirmar e negar no mesmo time e take. Desinformadas nem tanto, formadoras de opinião, menos, platônicas, sim e as lunações nelas contidas não são minhas mas exclusivamente da augusta paulistana.

24. Cabe neste momento de modismos sexuais em que artistas levantam a bandeira  LGBT impulsionados pela propaganda maciça, em que Feliciano polariza opiniões e agita os bastidores da politica partidária tendo em vista dividendos eleitorais, cabe reflexão, tranquilidade e tolerância de todos.


25. Podem estar certos de uma coisa, a revoada passa, o realismo fica, pois não podemos nos esquecer que estamos no finalzinho da era do caos em ebulição e todo o respeito às diferenças será bem vindo sempre e em todo o lugar. Nada de gueras visando implodir este ou aquela opinião. Os ativistas LGBT não arredarão pé, os héteros, no meu caso, continuarão com sua convicções, mas respeitando a vida alheia.

26. Sr. Feliciano esquece que vivemos num estado laico que não professa religião, o tema está na raiz bíblica e nem por isso flanamos como donos do mundo e impondo dogmas e canções transcendentais. O próprio Cristo já dissera: 'Si quiz venire post me, abneget semetipson, tolle crucem tuam e sequatur me. E mais: 'bem aventurados os mansos porque possuirão a terra. 
E o amai-vos uns aos outros..." É de autoria divina e não dos homens mortais e pecadores... que um simples giro do vento arremessa para longe da platéia embevecida de honra, poder e afirmação pessoal.

27. O mais seria conversa alongada pois o boi já há tempo dormiu, o peixe morreu no rio contaminado, a árvore secou, e a camada de ozônio miou. A COMPLEXIDADE DO TEMA ENUNCIADO FOGE EM MUITO DA POLÍTICA PARTIDÁRIA NACIONAL. O BRASIL PRECISA URGENTE DE REFORMAS, OMBRIDADE DE SUA DIRETORIA E NÃO DE DISPUTAS, XINGATÓRIOS, OFENSAS, INTOLERÂNCIAS. Vivemos num estado laico e não numa ditadura ferrenha e absolutista, vivemos numa democracia e não numa república da minoria em nome da maioria. Será?


28. A meu ver todo o âmbito da sexualidade é de jurisdição divina, já foi definido pelos cânones, tradição apostólica e pelos padres da Igreja. Segue quem quer na liberdade de sua decisão interior e bom seria que cessasse esta guerra inútil, que a política cuidasse de seu quadrado humano e vocacional e os LGBTistas  não se apropriassem mais dos símbolos cristãos.

29. A Igreja Católica não arrenda o céu a troco de favores materiais, ela não impõe seu parecer. ' ser ou não ser ' fica a critério de cada um. O converter-se ao Evangelho só traz um beneficio o espiritual da liberdade dos filhos de Deus e acena para um tesouro sem fim que nem as traças e os ladrões abocanham para si e a questão moral em seus cânones é cristalina e perene: a união conjugal legítima é a do casamento entre um homem e uma mulher para formar uma só carne, o que destoa disto são experimentos alheios `a natureza intrínseca do universo.

30. Aquele que detém o tempo e seus desdobramentos históricos percebe o movimento, os rins e os corações da moçada e a seu tempo serena as tempestades existenciais e direciona  a nau terra ao seu destino primeiro, não precisa-se de salvadores e legisladores em causa própria, pois tudo que tinha que ser escrito já o foi agora é a hora da vivência na liberdade dos filhos de Deus.

31.  O mundo se debate entre duas cidades no dizer do gênio inigualável de Hipona, santo Agostinho. Ele provara o gosto amargo de erros morais, depois buscara a felicidade sempre antiga e sempre nova e se rendera ao amor do saltério de dez cordas, a cidade elevada tornou-se sua morada e lá respirara aliviado e esperançado que um dia viria o mundo bom das certezas salvíficas.

32. Se vivesse hoje não estranharia os novos bárbaros, os conceitos mudados e tudo fora do lugar e do alto de sua competência sublime esperaria mais um pouco a chegada daquele que amaina ventos e tempestades, daquele que ao deixar-se crucificar no gólgota, justamente naquele momento atraiu a si todas as coisas.

33. Na era pluri vivencial dos nióbios quânticos não é de bom tom celeumar com irmãos nossos. Parece até que vão conseguir desviar os focos cabeludos nos setores da politica abocanhatista para fins obscuros desconhecidos por mais de 200 milhões de canarinhos. A que servirá? Não certamente ao Brasil brasileiro, mas ao quintal doméstico de uma turma que não representa o anseio geral da nação brasileira.

34. Sem crises, mas tristes, sérias, estas rimas se fundamentam em sua visão poética a que a grande urbe lhes franqueara gratuitamente, a que seus amigos através de confabulações lhes inspirara, a que as ruas da metrópole paulistana locupleta de contrastes lhes subsidiara. Chegam ao fim cabisbaixas, impotentes perante a conjuração de forças contrárias ao bem comum, e seu refrão toma tonalidades de abstração.

35. Se se posicionaram erradas, corrijam-nas, se carregam apreensões levitem-nas, se não ajudar em nada evite-as, mas se forem de bom agouro abracem-nas. Não apreciam Feliciano e sua empáfia política, nem o LGBT e sua dimensão sexual. Nem por isso chamam a si o direito de crucificá-los impiedosamente no primeiro poste da verbosidade hodierna, apenas afirmam que ambos estão equivocados e só o tempo soberano poderá oferecer a absolvição ou condenação devidas.

36. Longe delas e de seu autor mínimo tal pretensão descabida, apenas oferecem uma módica contribuição a este imenso universo on line da alta definição, carente de calor humano onde a matéria canta uma sonata divergente do espírito e o ter quer afirmar-se para ser o que não é e nunca vai conseguir ser. Na atual aglomeração frenética de ódios e amores descontrolados  entre Feliciano x LGBT só vão colher dividendos anti brasilidade as mentes propositalmente  assestadas em águas turvas previamente sondadas, não estranharia que tais intenções num futuro próximo se pulverizassem em discussões e mais interpelações vazias de significado e sem nenhuma ressonância na majoritária vontade popular.

37. Vou ficar com o grande pescador, o impetuoso Pedro do amor sem condições, que fora beber na fonte da água viva o motivo de suas deliberações, vou ficar  com Maria, Marta, Madalena, Dimas, Longino e Lázaro perenes. Vou ficar com o Mestre Jesus e suas canções de vida eterna. Eu passo e  me nego a fazer o jogo dos que perderam a fé no ser humano e na sua capacidade de regeneração.

38. Vou ficar com a bondade de João Paulo II, com a clarividência de Bento XVI e com a humilde sociabilidade de Francisco I. À Cátedra das cátedras volvemos nossos olhares de apreensão e esperança: 'Quo ibimus, só tu tendes palavras de vida eterna!'.

39. Fica o convite afetuoso para você que lê estas rimas e sintoniza com ela na liberdade de sua expressão lírica que se achegue do Cordeiro de Deus, daquele que tira  a maldade do coração humano e pode fazer de mim pedra bruta e de tantos outros, filhos de Abraão.

40. Neste momento encruzilhante da história, onde o mal se debate com o mundo bom, pavores absurdos pairam no ar, movimentação estranha de mísseis atômicos acirram a crise entre as Coreias, e dado a pretensão secular de poder e mando hegemônicos, a qualquer momento poderemos acordar e ver o cenário da humanidade redesenhado e o destino de nações num átimo de tempo comprometido ou estraçalhado por uma guerra vazia, perniciosa e sem sentido, igual à outras do passado.

41. À loucura e à ambição sem limites dos homens sobrepomos o auxílio divino e clamamos sem cessar em uníssono a todos os corações pacíficos: ' mane nobiscum, Domine! Quia advesperastis.' Já se faz tarde, muito tarde no horizonte mundial e nuvens densas cobrem a terra e mais uma vez os homens parecem não ter aprendido a sangrenta lição passada, e não ter percebido que somente fica um pouco de perfume nas mãos que oferecem rosas. E segundo nossa maior ou menor proatividade o tempo poderá ser adiantado ou retardado.

42. Mãos unidas, erguidas aos céus e que com sua energia expulsam  sangue, morte, maldição e destruição e espargem seu odor matinal que brota da paz universal dos bons. Mãos que se levantam em prece ao coração de um Deus manso e humilde para que venha outra era sintonizada  na benção do Fiat e no Amor sem limites.

43. Ah! o  porvir da Rosa Mística virá quando os pássaros começarem a enxergar novamente, os rios soberanos da harmonia universal se encontrarem num grande amplexo de paz. Ah! aí sim as rimas e as canções de Deus farão sua morada definitiva nos abismos sem casuísmos e não haverá mais lugar para desencontros e desencantos pois a luz empírica que emanará da criação renovada iluminará a terra, os mares e o firmamento inteiro.

44. E verão que lunações abstratas carregam sempre nuvens luminosas de unção espiritual, sinalizadas em ações concretas de um Grande Ser que todos conhecerão e cuja a glória a natureza entoará louvores de sonoridades desconhecidas hoje  em nossa era quântica dos neutrinos enriquecidos.

45. A humanidade finalmente desde a sua criação adentrará em nova terra, novo céu, novo tudo. Quebrados os selos, os segredos da psique revelados e sob o impulso do fogo do Espírito Paráclito a Rosa das Rosas desabrochará e sua face do amor total será revelada em todas as suas versões incomensuráveis e a verdadeira ressonância  da verdade, da justiça, da solidariedade, da paz e da harmonia social se manifestará aos quatro cantos do planeta terra.

46. Na moldura da época atual trincada, dissipada, desvairada, aloucada por tantos desencantos chorados, dias e noites atravessados de incertezas, nulas proezas, me penitencio a bom grado,   faço parte deste quadro, vimos assomar no horizonte uma fímbria de esperança, tênue e espessa mas real...

47. Ao conversar com tanta gente boa, homens simples do povo, magistrados ou não, jovens, universitários, profissionais liberais, religiosos, leigos, políticos idôneos, poetas, artistas, escritores, donas de casa, empresários, moradores de rua, trabalhadores da construção civil, serviços, autoridades civis e militares,médicos, enfermeiras, advogados, engenheiros, percebi um movimento d'alma favorável que suspira querendo mudanças, que anseia que a Mão Ancha restaure a pintura e seus contornos de um brilho totalmente novo. Por isso sei que soprará  na curva torta desta nossa história a brisa bendita na voz e melodia dos anjos arcanos para endireitar o caminho, o prumo, o equilíbrio entre espírito e matéria.

48. Se sou visionário não sei ao certo, não importa comigo ou sem migo o tempo pertence não aos coadjuvantes mas ao seu autor supremo, vivo, eterno, misericordioso e cioso do seu mesmo tempo que dá tempo e espera a hora certa do acorde final. A versão de Deus muitas vezes não é a pegada dos homens.


Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário