terça-feira, 9 de outubro de 2012

ad quo ibimus?

1. Amigo, que acessa este blogger na compleição  que transparece uma afeição sincera, agradeço a atenção  e assinalo a perfeição da amizade. Não vou questionar fatores adversos, alheios ao nosso bem querer, pois nestes versos fala mais alto a voz do coração. De nada adiantaria palavras bem arrumadas se a sintonia não se fizesse presente e você não estivesse comigo sempre. 

2. O que vai mal no mundo? Eu mesmo! Cheguei a esta conclusão 'terrível' ao ler o insuperável Chesterton. Ah! Almejo a mudança de rumos ao analisar o movimento nervoso do século XXI, o templo da alta resolução, quando a informação em tempo real enlaça a tudo e a todos com seus olhos observadores.

3. Lugar comum esta nossa era onde se define tudo e chega-se a dois palitos a conclusão do nada em ebulição. Sim na politica, nas inter-relações globais, na economia, na sociedade num todo, no meio ambiente, nas ruas, praças, lares e shoppings centers neonizados.

4. De nada adianta uma situação 'live stream', chips controladores, a segurança biônica ou mesmo a magnetização em torno da população, se a alma se acanha em sua pequena visão material de mundo e a substância do espírito não aflora na cidade dos homens.

5. Enquanto o  ser contingente não resolver suas relações íntimas com o Criador, estará tateando no escuro deixando escapar de sua existência detalhes primordiais  e em algum momento vai aprontar consigo e com seu semelhante dado a sua natureza frágil que só a graça pode sustentar e elevar.

6. Ele vai querer o poder a qualquer custo, uma vez alcançado desejará riquezas, vassalagens e uma gama de deferências que o manterão indefinidamente no topo de suas ilusões. Fará guerras de conquistas para alargar suas influências e chegará o dia que acreditará ser um deus, capaz de arbitrar o bem e o mal ou flanará nas fontes rejuvenescedoras das enzimas emblemáticas.

7. Esquecerá de Deus, de suas leis, da harmonia do planeta, e quando se aproximar a hora de seu julgamento final, a morte o encontrará mais apegado a este chão passageiro do que a figueira brava ou o mata pau, presente em nossas matas ciliares.Levará um susto, mas sem apelação evaporará qual bolha de sabão que o vento esmigalha ao menor sopro da monção.

8. Deixará para trás um montão de coisas, amealhadas de maneira suspeita, e o tempo se encarregará de varrer a poeira de sua lembrança tristemente célebre e uma eternidade de febre o aguardará na companhia dos anjos decaidos, pois não soube entender os caminhos de Deus, viveu para corromper e enganar na propaganda os outros habitantes de seu 'reino' de orgulho, construido na delapilação do patrimônio público, na opressão aos outros de sua raça humana.

9. Agostinho de Hipona, citado inúmeras vezes neste blogger mínimo traz a solução correta para não se chegar a este extremo da danação acima mencionado. '... O nosso coração está irriquieto' e só descansará bem com o suporte indispensável da graça, em Deus, ' a Verdade Eterna, sempre antiga e sempre nova.' Não tem para onde correr e sua cantiga suave transcendeu seu espaço de tempo e correu célere através dos séculos até chegar a nós com a mesma vivacidade e importância.

10. Confesso, amigo dileto, que eu tentei fugir... não consegui, a verdade me enlaçou ao visitar a Igreja da Consolação na festa de Santa Mônica deste ano da graça de dois mil e doze no dia vinte e sete de agôsto, e por coincidência singular ela é a Mãe do doutor da graça, Santo Agostinho, ao qual tenho uma devoçao especial e me propus na humildade a escrever alguns traços sobre ele anteriormente postado, como é de seu conhecimento.

11. A Tradição Apostólica liga Santa Mônica a devoção à Consolata, tanto que a Virgem se dignou aparecer-lhe com sua túnica despojada e ofereceu-lhe uma correia garantindo proteção especial quem a trouxesse  cingida à cintura.

12. Bom como ia dizendo, de lá para cá, um pouco tarde encontrei as respostas que partilho consigo e que me alegram nas agruras desta metrópole de todos os contrastes e possibilidades. Hoje me sinto confortado na fé, provei do sacramento da penitência, diariamente vou visitar o Deus escondido na Hóstia Consagrada, fôrça dos fracos e viático forte na caminhada rumo ao Pai das Luzes, o Deus misericordioso da cruzes, equilibrio e fonte inesgotável de energia vivificadora do espírito.

13. Tão bom seria, aonde você estiver, pudesse provar, não custa nada a não ser também dar o primeiro passo na prece a Virgem admirável, mãe de toda a bondade consistente que já se teve notícia na face da terra e que se terá até ao cair da última fôlha verde, quando os anjos de Caná à sua ordem fizerem a ablução final da humanidade.

14. Amigo achegue mais perto deste sacrário de luz diáfana a alumiar seus passos, mesmo que não perceba, ela é a 'Janua Coellis' que nos levará aos braços do melhor de todos os amigos, Jesus, o anjo do grande conselho, o Deus humanado por amor a mim, a você e a cada habitante da terra em todos os tempos. Obrigado por me acompanhar até aqui, lhe vejo na partilha do pão, qualquer dia desses... amigo que considero irmão!

Helder Tadeu Chaia Alvim

Postar um comentário