segunda-feira, 16 de novembro de 2009

O Habite-se e o Transite-se

1. Má qualidade no dimensionamento das vigas de sustentação do rodoanel fez a estrutura ceder - conforme me confidenciou um amigo de opinião abalizada- no km 279 da rodovia Régis Bitencourt - que corta o município de Embu das Artes em São Paulo e elas ruiram. Era um cenário parecido a filme de guerra, caminhões tombados, carros atingidos, parece que não houve vítimas fatais, só que com uma diferença não havia atores, nem produção envolvida e o roteiro foi real... Resta saber que vai assinar a direção...

2.Posso falar estive in loco; antes às 18.30 hs. tomei como de costume a lotação Clínicas em direção ao Engenho Velho, transito congestionado na Cardeal naquela 6ª feira 13/11/2009.A viagem durou aproximadamente 2,15; às 8,45 passávamos pelo local , na próxima hora seria palco de um desastre monumental e por pouco quase uma tragédia humana onde num frenesi louco helicópteros sobrevoariam o rodoanel, autoridades estariam presentes, a imprensa e o povo pasmo mais uma vez.

3. Alguém comum observou na lotação antes do desabamento como aquelas vigas estavam com uma sustentação tão pequena proporcionalmente no eixo de encaixe. Sem entrar de cheio na questão, nos dividendos políticos, nos prejuízos materiais e nos transtornos aos usuários pela paralização ocorrida, aguardamos o laudo do IPT e o que se encontra exposto acima ainda carrega consigo a tinta fresca das preocupações futuras da obra em curso acelerado e as indagações dos cidadãos presentes comigo lá...

4. Porque os recursos da alta tecnologia empregados na construção do rodoanel, isto sói acontecer, seu moço? Eu disse, calma gente imprevistos acontecem, vamos aguardar o pronunciamento das autoridades competentes que nos explicarão as causas, não é bom fazer um juízo precipitado desta quase tragédia humana, nem falar agora dos prejuízos materiais vultosos para os cofres públicos. O importante é que aquelas pessoas atingidas que estão hospitalizadas na cidade vizinha de Itapecerica da Serra, se recuperem e agradeçam a Deus este golpe de sorte favorável e apertar a mão daquela motorista do caminhão que teve a presença de espírioto de pular do veículo em movimento - um verdadeiro ninja do nosso povo brasileiro.

5.Sem dúvida que conhecemos a situação antes de existir o rodoanel e entendemos que se trata de uma iniciativa vital para o escoamento do trânsito que circunda a capital bandeirantes. Transitar é preciso, mas com toda segurança,né! O poeta flana ao vento, aquece as rimas, mas também está antenado no movimento. Esperamos que ao ser entregue a obra daqui a 120 dias, antes ela passe por uma vistoria rigorosa de qualidade e que bom seria na presença das autoridades competentes e dos nossos representantes maiores. Trocando a miudo e voltando ao tempo antigo vemos que há uma diferença tácita pois aqueles Saladinos, Carlos Magnos, Napoleões iam para frente da batalha e estes ficam confortavelmente em seus escritórios ou nas repartições ar-condicionadas.
7.Se fôsse naquele tempo das casas erguidas de pau a pique, das pinguelas improvisadas sobre os caudalosos rios, das pontes costuradas de madeira,vá lá! O que não entendemos é o fato que hoje tem concreto protendido, profissionais altamente capacitados, maquinários de última geração, ferro e aço aprovados, cimento com selo de qualidade, areia e pedra à vontade. E mais para se ter o habite-se de qualquer obra, haja chão! E porque não usar o mesmo critério no transite-se das rodovias. Não entendo!

Só sei que os cidadãos e eu estamos aguardando explicações amplas e convincentes e o compromisso que fatos assim jamais se repitam.

6.. Pretendo apagar da memória este dia in faustuoso 13/11/2009. Não sou superticioso, mas confesso que fiquei de cabelo em pé ao presenciar o acontecido. E amparado pelo direito de livre expressão deixo registrado minhas impressões e das pessoas com quem conversei na ocasião.



Helder Tadeu Chaia Alvim
Postar um comentário